O que é gonorreia (masculina, feminina): sintomas, tratamento e mais

21

Revisado por: Dr. Paulo Caproni (CRM/PR 27679) – Medicina Preventiva e Social

O que é gonorreia?

A gonorreia é uma das Doenças ou Infecções Sexualmente Transmissíveis (DST/IST) mais comuns entre os homens e as mulheres. É causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, que também é conhecida como Gonococo.

PUBLICIDADE

Uma das formas mais fáceis de se contrair a infecção é a partir das relações sexuais sem o uso de preservativos, seja pela penetração ou através do sexo oral.

A bactéria costuma se desenvolver em diversos locais do corpo, dentre eles, o reto, o aparelho urogenital, a traqueia e os olhos.

Uma vez que ela se encontra presente no organismo, é possível que o paciente apresente alguns sintomas característicos do problema.

Mesmo com um parceiro fixo, é importante se manter informado sobre a doença e nunca deixar de fazer os exames de rotina.

A gonorreia pode ser encontrada na CID 10 (Classificação Internacional de Doenças) pelo código A54 e na CID 11 através do código 1A7Z.

Índice – neste artigo você vai encontrar as seguintes informações:

  1. O que é gonorreia?
  2. Causas
  3. Transmissão
  4. Fatores de risco
  5. Sintomas da gonorreia
  6. Como é feito o diagnóstico?
  7. Tem cura?
  8. Qual o tratamento?
  9. Medicamentos
  10. A supergonorreia
  11. Convivendo
  12. Prognóstico
  13. Complicações
  14. Como prevenir a gonorreia?
  15. Perguntas frequentes

Causas

A gonorreia é causada por uma bactéria chamada Neisseria gonorrhoeae, também conhecida pelo nome Gonococo. Essa bactéria  se prolifera principalmente nos ambientes quentes e úmidos.

Por isso, seu crescimento é mais fácil especialmente no reto, no aparelho urogenital, na traqueia e nos olhos.

É quando afeta esses sistemas que começa a causar sintomas.

PUBLICIDADE

Transmissão

Ao contrário do que muitos imaginam, a gonorreia não é transmitida apenas através da ejaculação. Na verdade, ela pode ser transmitida por relação oral, vaginal ou anal sem o uso de preservativo.

Mesmo em contato com a bactéria, existem chances de não se desenvolver a gonorreia. Mas os riscos são altos, pois variam de 50% a 70% de se infectado.

Quando o casal tem mais de uma relação desprotegida, os riscos de se contrair a infecção aumentam para mais de 90% dependendo da exposição do órgão sexual à bactéria.

Caso a camisinha rasgue, é muito importante que os testes sejam feitos o mais rápido possível e, se necessário, o tratamento seja realizado.

Existe também a possibilidade de transmissão vertical, isto é, da mulher grávida para o bebê, e, muito raramente, é possível contrair a gonorreia através do contato com superfícies contaminadas.

Fatores de risco

Existem alguns fatores que aumentam o risco de contrair gonorreia. O principal deles é não usar a camisinha durante relação sexual, entretanto, fatores como idade, exclusão social e abuso de drogas também estão relacionados a um maior risco de infecção.

Isso porque pessoas mais jovens e que sofrem de exclusão social (como os grupos LGBT+), podem ter menos acesso à informação e aos métodos contraceptivos, o que os deixa mais sujeitos a ser infectados pela bactéria.

Da mesma forma, pessoas que abusam de substâncias, como álcool e outras drogas, têm a sua capacidade de julgamento alterada durante o efeito da substância e são mais propensas a se expor a situações de risco.

PUBLICIDADE

Sintomas da gonorreia

Muitas pessoas não apresentam qualquer tipo de sintoma quando contraem a gonorreia.

Isso representa um enorme problema, tanto para o indivíduo, que pode não receber o tratamento adequado e ter o seu quadro agravado, quanto para a saúde pública, uma vez que, não apresentando os sintomas, a pessoa pode fazer sexo desprotegido e propagar a doença.

Por essa razão, os exames de rotina são muito importantes, especialmente quando houve sexo desprotegido.

Com relação aos sintomas em si, eles variam de acordo com o sexo do paciente, ou seja, são uns nas mulheres e outros nos homens. Entenda a diferença:

Gonorreia feminina

Aproximadamente, apenas 50% das mulheres afetadas pela doença costumam apresentar sintomas. Quando a gonorreia atinge o público feminino, é comum que ela ataque o colo do útero, que costuma acontecer de maneira silenciosa.

Apesar disso, é possível que a doença provoque escapes de sangue, que acontecem poucos dias após o contato com a bactéria.

O aparecimento do corrimento vaginal pode ajudar no diagnóstico clínico, já que muitas vezes o problema costuma ser confundido com casos de cistite, quando bactérias infectam o trato urinário. Este sintoma é um diferencial na hora de identificar essa DST.

Com isso, podemos dizer que os principais sintomas da gonorreia na mulher são:

PUBLICIDADE
  • Coceira nas partes íntimas;
  • Disúria (ardência ou dor ao urinar);
  • Dor durante o ato sexual;
  • Corrimento vaginal amarelo ou esbranquiçado, bastante semelhante ao pus;
  • Escape de sangue vaginal.

Leia mais: Infecção urinária (na gravidez, homem): remédio, sintomas, causas

Gonorreia masculina

Os sintomas da gonorreia costumam surgir no homem após 5 ou 30 dias da infecção. No caso dos homens, é mais comum que aproximadamente 90% dos pacientes apresentem sintomas. São eles:

  • Disúria (ardência ou dor ao urinar);
  • Corrimento uretral esbranquiçado ou amarelado;
  • Movimentos intestinais dolorosos;
  • Coceira;
  • Erupções na pele;
  • Hemorragias.

Não raro, pode acontecer a infecção do epidídimo (um pequeno ducto acima dos testículos que armazena os espermatozóides), o que causa uma forte sensação de dor e inchaço na bolsa escrotal.

Por outro lado, raramente os pacientes se queixam de inchaço ou desconforto nos testículos, corrimento anal ou inchaço na uretra.

Gonorreia em recém-nascidos

Quando afeta os recém-nascidos, a gonorreia causa sintomas similares aos de uma conjuntivite, ou seja, olhos vermelhos acompanhados de pálpebras inchadas.

Normalmente, os sintomas costumam aparecer 4 dias após o parto e, se não for tratada, pode levar à cegueira ou causar uma manifestação mais grave dos sintomas, que é caracterizada por infecção na corrente sanguínea (sepse) e meningite.

Outros sintomas da gonorreia

A gonorreia não afeta somente os genitais. Na verdade, ela pode afetar o ânus, os olhos, a garganta e as articulações. Entenda os sintomas para cada um desses casos:

Olhos

No caso da gonorreia afetar os olhos, o paciente pode apresentar:

  • Sensibilidade à luz;
  • Secreção de pus;
  • Dor nos olhos.

Ânus

Quando atinge o ânus, a gonorreia pode causar sintomas, como:

  • Coceira;
  • Secreção de pus;
  • Sangramentos.

Garganta

É possível que gonorreia afete também a garganta. Quando isso acontece, os sintomas são:

  • Dor no local;
  • Dificuldade de engolir;
  • Surgimento de placas amarelas na garganta.

Articulações

Por fim, pode ser que a gonorreia cause uma infecção nas articulações, levando aos seguintes sintomas:

  • Inchaço;
  • Vermelhidão;
  • Dor forte;
  • Inflamação.

Como é feito o diagnóstico?

Primeiramente, o médico vai fazer um exame físico, como os de rotina, para levantar a suspeita. Nele, ele vai observar os sintomas e analisar o seu histórico para ver se há ou não a necessidade de pedir exames.

Isso porque o diagnóstico da gonorreia só é confirmado quando os gonococos são detectados no corpo via exame microscópico, que utiliza a técnica de coloração de Gram, cultura ou NAAT de fluidos genitais, sangue ou fluidos das articulações.

O médico que normalmente pede esses exames é o urologista ou o ginecologista. Entenda um pouco mais sobre cada um deles:

Coloração de Gram

Esse exame é feito através da análise de amostras da secreção uretral. Para coletar a amostra, o técnico fará uso do swab, um pequeno “cotonete” usado para coleta de materiais, introduzindo-o na uretra (no caso dos homens) ou no canal endocervical (no caso das mulheres).

É um exame um pouco invasivo e sem dor, apesar de ser comum que ele gere algum incômodo aos pacientes.

Depois de coletadas as amostras, com a ajuda de um microscópio, os laboratórios vão verificar a presença ou ausência de gonococos, assim atestando ou descartando um diagnóstico de gonorreia.

Cultura

A cultura busca fazer com que os gonococos se multipliquem em um ambiente controlado, atestando o diagnóstico de gonorreia através da análise das secreções uretrais.

NAAT

NAAT, ou Testes de Amplificação de Ácido Nucleico buscam detectar, simultaneamente, gonorreia e infecções por clamídia, diferenciando-os em testes subsequentes específicos.

O processo de coleta é igual ao de coloração de Gram, em que o swab é introduzido na uretra ou no canal endocervical.

Existem alguns preparos que devem ser tomados pelos homens e pelas mulheres antes da realização do exame. Confira:

Homens

É importante que os homens não tenham relações sexuais por no mínimo 3 dias antes do exame. Também é indicado que fiquem sem urinar por pelo menos 1 hora antes do exame.

Mulheres

As mulheres, por outro lado, não podem estar menstruadas, não podem ter usado qualquer tipo de ducha ou creme vaginal por, no mínimo, 1 semana antes do exame e, assim como os homens, também não podem ter relações sexuais por, no mínimo, 3 dias.

Tem cura?

Sim! A gonorreia tem cura e ela se dá normalmente através de antibióticos específicos, que são usados por via oral ou injetável e que são indicados de acordo com avaliação individual.

Com o tratamento adequado e seguido à risca pelo paciente, a bactéria é geralmente eliminada dentro de alguns dias ou semanas.

Contudo, se o paciente não se tratar corretamente, isto é, não tomar os antibióticos pelo tempo estipulado pelo médico e não levar o tratamento a sério, fazendo o uso de bebidas alcoólicas, por exemplo, ele corre o risco de desenvolver a supergonorreia (versão da doença resistente aos antibióticos).

Qual o tratamento?

O tratamento da gonorreia é realizado através da prescrição de antibióticos específicos, indicados de acordo com o quadro de cada paciente.

Eles podem ser indicados via oral ou então por injeção. Dentro de alguns dias ou semanas a bactéria costuma ser eliminada, desde que o paciente siga à risca as recomendações médicas.

No caso da gonorreia ser diagnosticada em recém-nascidos, os médicos normalmente já estão cientes dessa situação antes do parto e aplicam um remédio nos olhos do bebê logo após o nascimento.

Pode ser que a gonorreia afete os olhos do bebê, o que pode danificar sua retina durante a fase de formação na forma de uma conjuntivite. Se não for tratada corretamente, essa infecção pode até mesmo levar à cegueira.

Quando a doença persiste, pode ser necessário o uso de antibióticos.

Caso você tenha sido diagnosticado com gonorreia, não deixe de fazer os exames para a identificação de outras infecções sexualmente transmissíveis, como clamídia, sífilis, hepatite B e HIV. Cada uma delas apresenta sintomas e complicações próprias, sendo necessário tratá-las individualmente.

Como existem taxas grandes de infecção de gonorreia associada à clamídia, tanto as normas do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA), quanto países da Europa e o Canadá recomendam que o tratamento seja feito com dois medicamentos diferentes, cada um com seu mecanismo de ação, visando sempre tratar as duas infecções.

Medicamentos

Os medicamentos comumente utilizados para o tratamento da gonorreia são:

Devido ao uso indiscriminado de antibióticos nos últimos anos, estudos constataram que a bactéria Neisseria Gonorrheae tem criado resistência aos tratamentos convencionais, principalmente às penicilinas, o que deu origem à supergonorreia.

No Brasil, o Ministério da Saúde recomenda o tratamento de gonorreia e clamídia simultâneo, utilizando-se ciprofloxacino 500mg, dose única mais azitromicina 1g, dose única, ou doxiciclina 100mg, de 12 em 12 horas por sete dias.

Somente o médico poderá receitar o medicamento mais indicado para o caso em questão. Além disso, ele irá indicar a posologia e o tempo de tratamento da forma mais adequada, por isso é fundamental evitar a automedicação.

Muitas pessoas acabam interrompendo seus tratamentos por pensar que já estão curadas ou consumindo bebidas alcoólicas ou drogas durante o tratamento antibiótico, o que pode interferir no efeito das cápsulas e torna a bactéria resistente ao mesmo tratamento.

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas neste site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

A supergonorreia

A supergonorreia é o nome dado para um variedade da bactéria que causa a gonorreia resistente ao uso de antibióticos. Suspeita-se que a sua origem tem a ver com o surgimento de outras superbactérias.

As superbactérias, que são caracterizadas por serem mais resistentes aos medicamentos, surgem quando os pacientes não fazem o tratamento indicado pelo médico corretamente.

Se o organismo sofre uma infecção bacteriana, esses microorganismos se espalham por todo o corpo e se reproduzem à uma velocidade muito rápida. Ao tomar os antibióticos, buscamos matar essas bactérias.

O problema ocorre no momento em que os antibióticos não são tomados da maneira correta, ou seja, quando o paciente não segue a recomendação médica e para de tomar o medicamento assim que os sintomas mais incômodos somem, por exemplo. Então milhares de bactérias que morreriam se o tratamento fosse continuado até o final ficam vivas e se reproduzem.

Isso faz com que a doença fique mais difícil de ser tratada e o efeito é cumulativo.

Caso o paciente, mais uma vez, não tome os medicamentos da maneira certa, ele vai deixar vivas só as bactérias mais resistentes ao medicamento ministrado, que dessa vez é mais forte.

Isso pode ser descrito como uma espécie de “seleção artificial” acidental. Fazendo um paralelo com a teoria de Darwin, o ambiente (nosso corpo e a ação dos antibióticos) acaba selecionando (deixando vivos) somente aqueles que estão mais adaptados (as bactérias resistentes aos antibióticos, chamadas de superbactérias).

Como as superbactérias se reproduzem muito rapidamente, a infecção progride de modo acelerado, fazendo com que o tratamento convencional não seja mais possível, o que pode levar o paciente a complicações graves da doença com mais facilidade.

Convivendo

Conviver com a gonorreia não costuma trazer grandes alterações no dia a dia, nem causar dor, à exceção de casos em que ela tenha se espalhado e trazido complicações mais graves.

Contudo, ainda existem alguns problemas com relação à convivência com a doença, especialmente porque, por se tratar de uma IST, as pessoas infectadas sentem vergonha de falar sobre o assunto, pois muitas vezes têm medo de como serão percebidas pelos outros.

Essa ideia de que ter contraído uma IST é sinal de promiscuidade acaba sendo muito prejudicial para o combate à doença, já que qualquer um com a vida sexualmente ativa pode ser contaminado por alguma das tantas infecções.

Portanto, se você foi infectado por uma IST, converse com o seu parceiro, deixe-o sabendo da situação para que ele também seja testado. Assim, você evita a propagação da doença e cuida da sua saúde.

Quanto ao sexo, é recomendado que o paciente não tenha relações sexuais durante o tratamento estipulado pelo médico, pois existe o risco de contaminação do próprio preservativo.

Depois do tratamento ser realizado, ainda é necessário que as relações sexuais sejam feitas sempre com o uso de camisinha por pelo menos 6 meses, pois as inflamações e machucados causados pela doença ainda não cicatrizaram corretamente, o que deixa o paciente mais suscetível a contrair outras infecções, como a candidíase, por exemplo.

Prognóstico

O prognóstico da gonorreia costuma ser bom. Com exceção dos casos de supergonorreia, o tratamento médico adequado consegue eliminar a bactéria do corpo humano com certa tranquilidade.

Contudo, se o paciente não fizer o tratamento corretamente, complicações tão graves quanto uma infecção pela supergonorreia podem acontecer.

Complicações

Se não tratada, além de poder provocar um quadro de supergonorreia, a infecção pode trazer complicações graves, como:

Meningite

A meningite é uma inflamação das meninges, que são as membranas que envolvem o nosso sistema nervoso central, no cérebro. Causa sintomas como febre alta, dor de cabeça, pescoço rígido, náuseas, vômitos, confusão mental e convulsões.

Osteomielite

A osteomielite é uma infecção óssea que costuma afetar ossos longos como os das pernas e dos braços. Pode causar sintomas como dor, vermelhidão, inchaço e abscessos.

Endocardite

Trata-se de uma inflamação nas estruturas internas do coração. Causa sintomas como cansaço, palidez, tosse persistente, sopro no coração, dor nos músculos e articulações, sangue na urina, perda de apetite e outros.

Se não tratada corretamente, pode ter complicações como infarto, insuficiência cardíaca, infecção em outras partes do corpo, como cérebro, rins e fígado, além de embolia pulmonar, AVC e glomerulonefrite (inflamação na região dos rins).

Hepatite

A hepatite é uma inflamação no fígado que pode ser causada por infecções bacterianas ou virais. Pode manifestar sintomas como febre, dor de cabeça, náuseas, vômitos, falta de apetite, fraqueza, tosse constante e dor nos músculos e nas articulações.

Epididimite

A epididimite é a inflamação do epidídimo, um canal entre o testículo e o canal deferente (canal que conduz espermatozoides). Causa sintomas como inchaço no saco escrotal e dor. Se não for tratada corretamente, a doença pode evoluir e causar infertilidade.

Artrites infecciosas

Trata-se de uma infecção no líquido e nos tecidos de uma articulação. Causa sintomas como dor na região articular, inchaço, vermelhidão, além de febre alta e sinais de cansaço e mal-estar.

Problemas na gravidez

A gonorreia pode trazer problemas na gravidez como o parto prematuro e infecção do recém-nascido. Além disso, pode causar gravidez ectópica, que é quando acontece fora do útero.

Normalmente, o óvulo se aloja nas tubas uterinas, fazendo com que a gravidez não possa ser continuada, pois traz riscos muito grandes para a mulher.

Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

A DIP é uma infecção que acontece na vagina e que progride até afetar o útero, também se espalhando para as trompas e os ovários, tomando conta da área pélvica e possivelmente do abdômen.

Pode causar sintomas como febre alta, dor no ventre, sangramento vaginal fora da relação sexual, corrimento amarelo ou esverdeado com mau cheiro e dor durante o sexo.

Ao se espalhar pelo aparelho reprodutor, pode provocar sérios danos a essa área, aumentando os riscos de gravidez ectópica, problemas durante a gravidez e até mesmo evoluir para quadros que causam infertilidade.

Maior risco para contrair HIV e outras DSTs

A gonorreia, assim como qualquer outra DST, aumenta os riscos de contaminação por outras doenças, como HIV, sífilis e todas as outras. Isso acontece porque, via de regra, as DSTs causam inflamações e feridas nos órgãos genitais, o que deixa o paciente muito mais exposto e suscetível a outras infecções.

Infertilidade

Se não for tratada corretamente, a gonorreia pode evoluir para quadros severos de inflamação, o que aumenta a possibilidade de danos irreversíveis que, muitas vezes, levam à infertilidade.

Como prevenir a gonorreia?

A principal forma de se prevenir da gonorreia é através da utilização de preservativos durante o sexo (vaginal, oral e anal).

Mesmo em um relacionamento fixo, é importante manter os exames de rotina em dia para que a identificação eventual da bactéria ocorra, pois a infecção pode ser assintomática. Manter uma rotina de exames ajuda, portanto, a cuidar da saúde como um todo.

Também é necessário que ações sejam tomadas no intuito de informar a população sobre os perigos das ISTs, uma vez que se estima que, somente no Brasil, existam mais de 1,5 milhões de pessoas infectadas com a gonorreia.

Caso o seu parceiro tenha sido diagnosticado, é muito importante que você faça os testes e, ao ser constatado que você não está infectado, que evite o contato sexual até que seu parceiro seja curado.

Perguntas frequentes

A gonorreia pode ser transmitida mesmo usando o preservativo?

Depende. É muito difícil que uma pessoa seja contaminada pela gonorreia se mantiver relações sexuais com o uso de preservativos. Entretanto, apesar de ser bem raro, pode acontecer do parceiro estar infectado e contaminar a camisinha na hora da colocação.

É possível contrair gonorreia sem ter relações sexuais?

Sim! A gonorreia se transmite principalmente através do contato sexual, entretanto, ela pode ser transmitida através do contato com superfícies contaminadas também.

É possível pegar gonorreia através do contato com objetos cortantes?

Não. A gonorreia é transmitida principalmente (mas não exclusivamente) pelo contato sexual, mas não acontece, como no caso do HIV, através de sangue contaminado.

Quanto tempo leva pra curar a gonorreia?

O tempo depende muito da gravidade dos sintomas, mas pode-se levar de 7 a 14 dias. Contudo, a recomendação é que não se pratique sexo durante o tratamento mesmo com o uso de preservativo.

Ainda assim, também é necessário que a camisinha seja utilizada em todas as relações por pelo menos 6 meses após a cura, pois as inflamações podem não ter cicatrizado completamente, deixando o paciente mais suscetível a outras ISTs.

Após tomar o medicamento a gonorreia continua sendo transmitida?

Depende. Em média, depois de 2 ou 3 dias de tratamento não há mais infecção, mas o melhor a se fazer é esperar o tratamento terminar.

Depois do tratamento finalizado, que dura de 7 a 14 dias, a bactéria é eliminada completamente do corpo, então a transmissão não ocorre mais. Contudo, como dito anteriormente, é necessário continuar a usar a camisinha, pois outras infecções, como a candidíase, podem ocorrer.

Posso pegar gonorreia mais de uma vez?

Sim! Após curada, se você fizer sexo sem camisinha com uma pessoa infectada, pode ocorrer contaminação mais uma vez.


A gonorreia pode ser um tabu, mas não precisa ser. Caso você tenha sido infectado, busque tratamento e converse com seus parceiros, sugerindo que eles façam os exames. Dessa maneira, você não estará tratando somente da sua infecção, mas estará impedindo que ela se alastre para outras pessoas.

Mais textos sobre outras DSTs/ISTs você encontra aqui, no Minuto Saudável!

Fontes consultadas

Dr. Paulo Caproni (CRM/PR 27.679 | CRM/SC 25.853 | CRM/SP 144.063), graduado em Medicina pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Residência Médica em Medicina Preventiva e Social pela USP-SP (PROAHSA). MBA em Gestão Hospitalar e de Sistemas de Saúde (CEAHS) pela FGV-SP

Publicado originalmente em: 29/06/2017 | Última atualização: 03/10/2018

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (30 votos, média: 4,60 de 5)
Loading...

21 Comentários

Atenção: os comentários abaixo são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

  1. Se uma pessoa que toma muito anti inflamatório pode a doença ficar encubada até ela ficar mais resistente ao remédio e se ploriferar? Ou não tem nada a vê ?

    • Olá Fabiana,

      O tratamento da gonorreia é feito com antibióticos. Esses medicamentos quando administrados de forma incorreta (por menos tempo que o indicado pelo médico, nos horários incorretos) pode resultar na resistência da bactéria que causa a gonorreia ao tratamento e consequentemente a persistência da doença. Em relação aos anti-inflamatórios, o que pode ocorrer é que o uso desses medicamentos no início de infecções reduz sintomas como dor e febre, dando a falsa ideia de resolução, contudo quando a origem da dor é a infecção causada por microrganismos como bactérias, os sintomas retornam e o único tratamento eficaz é a utilização de antibióticos. Por isso, sempre procure o médico para tirar as dúvidas quanto ao tratamento. Esperamos ter ajudado!

  2. Eu fiquei doente de gonorreia mais de 4anos atras e fui no hospital me deram medicamentos tomei e fiquei normal .e depois de ficar mais de 2 anos comeco asentir fui nas farmancia ,clinic, e ate agora nada que muda . Entao pesso ajuda

  3. Acho que estou com a ‘doença’, bem eu tenho alguns dos sintomas, como coceiras, dor na hora de urinar e uma espécie de cheiro ruim… porém, eu ainda sou virgem, nunca fiz sexo. Alguém sabe se estou com Gonorréia ou algum outro tipo de infecção?

  4. Bom dia, eu acho que estou infectado com a Gonorreia, o tratamento é feito só com injeção, ou pode ser feito por via oral? E que eu tenho fobia a seringas e não consigo. Podem de ajudar a perceber como posso me tratar? Obrigado

    • Olá Tony,

      Os medicamentos também podem ser administrados por via oral, mas somente um médico será capaz de indicar o tratamento correto para a sua condição. Se você notou sintomas e suspeita que esteja com a doença, procure imediatamente um urologista ou um clínico geral para obter um diagnóstico.

    • Lamentamos a não possibilidade de dar-lhe conselho médico ou responder a questões médicas e farmacêuticas individuais através de e-mail, pois somos impossibilitados pela ANVISA de prestar tal atendimento. Mas nós esperamos que você encontre respostas dentro de nosso site, através de informações como bulas ou até mesmo conteúdos e artigos. Se você acha que pode ter uma emergência médica, ligue para o seu médico ou 190 imediatamente.

    • O medico me receitou tomar 1 dose unica 1 comprimido de 12/12 por dois dias. Depois de quantos dias após o tratamento posso voltar a ter relaçao ?

  5. Quando a Pessoa que tá com a doença faz sexo oral na outra pessoa sem preservativos é possivel que ela pegue ?

  6. Eu acabei de ler e aprendi bastante, eu sou angolana e pesquiso sobre doenças que eu chamam a minha atenção e não só por serem também relacionadas ao sexo…
    Eu tenho 23 anos e dificilmente tenho tido consulta de ginecologia e isto que eu acabei de ler preocupa-me bastante, porque eu tenho tido infecção urinária constante e muito corrimento… E não sei o que devo fazer??

    • Olá!

      Ao sinal de qualquer sintoma suspeito, é importante procurar ajuda médica. Recomendamos que busque o auxílio de um profissional de saúde, pois apenas ele está apto para fornecer um diagnóstico preciso.

    • Olá Thiago,

      Uma das possíveis complicações da gonorreia é justamente a infertilidade. Contudo, ela é apenas possível, e nem sempre os portadores da doença ficarão inférteis. Se esse for o caso, é completamente possível que esses pacientes consigam ter filhos posteriormente.

    • Olá Octavio,

      Quando o tratamento não está dando resultados, é importante que você comunique seu médico para que ele possa avaliar as medidas a serem tomadas.

Deixe o seu comentário, nos preocupamos com sua opinião:

Por gentileza, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui

Lamentamos a não possibilidade de dar-lhe conselho médico ou responder a questões médicas e farmacêuticas individuais através de e-mail, pois apenas um médico pode prestar tal atendimento. Embora tentemos responder a todos os comentários, opiniões e e-mails que recebemos em até dois dias úteis, nem sempre é possível devido ao grande volume que recebemos. Por favor, tenha em mente que qualquer solicitação ao Minuto Saudável está sujeita aos nossos Termos de Uso e Política de Privacidade, ao enviar, você indica sua aceitação.