Ana Luiza (Minuto Saudável)
18/07/2018 08:00

O que é Corrimento Amarelo, tipos, sintomas, na gravidez e mais

A região íntima e a saúde sexual ainda são assuntos permeados de tabus. Muitas mulheres têm vergonha em conversar ou mesmo buscar atendimento médico quando o assunto é a saúde do sistema sexual e reprodutor.

A falta de informação pode causar confusões quanto aos cuidados íntimos, às doenças sexualmente transmissíveis e às infecções vaginais, que em alguns casos podem desencadear o corrimento vaginal. No entanto, nem todo o corrimento é um sinal de alerta.

Há certa confusão entre as secreções naturais da vagina e os corrimentos. Aliás, o fluido esbranquiçado ou transparente, com pouco ou nenhum odor é, de modo geral, natural e indício de boa saúde íntima.

Mas se houver incômodo na região íntima, como dor, ardência, coceira, alteração da cor ou odor da secreção, é hora de consultar um médico.

Isso porque a vagina possui naturalmente bactérias que compõem a flora vaginal. A produção e secreção do muco auxilia a umidificar, lubrificar e limpar o canal vaginal, evitando ou dificultando a proliferação de infecções.

Por isso, prestar atenção aos sinais do corpo é fundamental para a boa saúde.

Índice – neste artigo você vai encontrar as seguintes informações:

  1. O que é corrimento amarelo?
  2. A estrutura íntima
  3. Tipos
  4. Causas
  5. Transmissão
  6. Fatores de risco
  7. Sintomas
  8. Como é feito o diagnóstico?
  9. Exames
  10. Tem cura?
  11. Qual o tratamento?
  12. Medicamentos
  13. Convivendo
  14. Prognóstico
  15. Complicações
  16. Como prevenir o corrimento amarelo?
  17. Outros tipos de corrimento
  18. Perguntas frequentes

O que é corrimento amarelo?

Ao longo do dia, é comum (e natural) que a região vaginal produza secreções que tendem a se acumular na calcinha ou roupas íntimas. Esses fluidos liberados são compostos de células mortas, lubrificação e limpeza do canal íntimo, ou seja, as secreções não são sinais de doenças ou infecções.

Em geral, esses fluidos são esbranquiçados ou transparentes, levemente viscosos ou mais líquidos. No entanto, há fatores que alteram a coloração, a quantidade e a consistência do corrimento, que podem indicar patologias ou não.

Quando a cor da secreção é mais amarelada, é preciso dar atenção aos sinais do corpo, pois há chances de ser causada por infecções.

O corrimento amarelo pode ter tonalidade mais esverdeada ou amarelo pus, aumentando os indicativos de patologias, como as DST (doenças sexualmente transmissíveis). Além disso, se for acompanhado de cheiro forte ou ácido (lembrando o cheiro de peixe), dor na região abaixo do umbigo, ardência ou coceira, é necessário realizar uma consulta ginecológica.

Quando não há dor ou irritação, o corrimento levemente amarelado pode indicar alterações da flora bacteriana vaginal ou hábitos de higiene incorretos. Também é preciso lembrar que o uso de produtos íntimos, como sabonetes e lubrificantes, podem causar alterações na secreção.

Os tons amarelados podem variar de intensidade, sendo mais claro ou mais esverdeado. Os sintomas associados (odor, coceira e mudança de consistência) podem indicar diferentes causas, sendo as mais comuns a tricomoníase, vaginose bacteriana, gonorreia e clamídia.

Em geral, a causa das mudanças de secreção são alterações da flora vaginal, deixando a região íntima mais sensível às bactérias e infecções. No entanto, os corrimentos amarelados são facilmente tratados com o uso de anti-inflamatórios e antifúngicos específicos, e tendem a melhorar em poucos dias.

O corrimento também pode ocorrer nos homens, porém é sempre um indicativo patológico. Na maior parte das vezes, a secreção masculina é causada por uma DST (doença sexualmente transmissível) e, em poucos casos, o causador é uma alergia (a produtos ou tecidos, por exemplo).

A estrutura íntima

Geralmente, usamos o termo vagina para nos referir à toda região íntima, sem grandes especificações. Mas, na verdade, vagina é apenas um canal com aproximadamente 10cm de comprimento que faz a ligação entre a vulva e o colo do útero.

A região externa, que normalmente é generalizada como vagina, é chamada de vulva e compreende o monte do púbis, os lábios maiores e menores, o clitóris, o bulbo do vestíbulo e as glândulas vestibulares.

O tubo vaginal é flexível, capaz de se distender ou diminuir quando necessário (por exemplo, durante o sexo com penetração ou durante o parto). Internamente, a anatomia feminina é composta de vagina, útero, trompas e ovários.

Mas o canal vaginal também pode ser a entrada de microorganismos causadores de doenças e infecções, havendo a necessidade de proteção constante da região. Para reduzir os riscos de infecções, a região vagina possui um pH (potencial de hidrogênio) mais ácido, entre 3,8 a 4,5.

Ou seja, a acidez age como uma barreira, impedindo que agentes nocivos à saúde infectem o organismo.

O pH da vagina

Um jeito simples de compreender a ação da flora vagina é pensá-la como uma balança que necessita estar em perfeito equilíbrio para proteger a região.

Com uma das maiores concentrações de bactérias do corpo humano, atrás apenas do cólon (intestino), a flora vaginal possui uma sincronização entre seus microrganismos bastante inteligente, fazendo com que a região seja ácida e inóspita para a proliferação de bactérias perigosas à saúde.

A acidez é produzida pelos bacilos de Döderlein, que vivem na parede da vagina e utilizam a glicose das células como alimento, transformando-a em ácido láctico (ou seja, lactobacilos).

Quando alguma coisa perturba esse funcionamento orgânico, há possibilidades de que os microrganismos nocivos se instalem na região íntima e desencadeiem sintomas incômodos.

É importante lembrar que bons hábitos de higiene e cuidado íntimo auxiliam a evitar essas alterações, mas nem sempre são suficientes, pois alguns problemas íntimos não estão relacionados apenas à quantidade de banho.

Aliás, o uso de sabonetes íntimos ou produtos higienizantes pode afetar a constituição da flora vaginal e favorecer as irritações e coceiras, sobretudo quando são utilizados com frequência.

Hábitos alimentares, alterações hormonais, gravidez, ciclo menstrual, uso de medicamentos, queda de imunidade, diabetes, insuficiência renal e até o estresse podem desencadear alterações de pH (acidez) da vagina.

Secreções vaginais normais

A vagina possui uma umidade natural que pode ser alterada por diversos fatores, como taxas hormonais, estimulação sexual e fatores emocionais.

Quando o líquido ou fluido que se acumula na calcinha tem pouco ou nenhum odor, aspecto esbranquiçado ou transparente, não há perigo: esse corrimento nada mais é do que um fluido fisiológico, formado por células mortas, bactérias da flora vaginal e secreções da mucosa.

A mucosa irá produzir lubrificação natural quando a mulher estiver excitada, além de secreções quando estiver menstruada, em período fértil ou grávida, podendo aumentar a quantidade e o aspecto do fluido, ficando mais líquido ou mais esbranquiçado.

Esses líquidos ou substâncias eliminados pela vagina são, majoritariamente, compostos de água, albumina (que é uma proteína), glóbulos brancos e mucina (substância que dá viscosidade ao líquido), sendo bastante aproximada da composição do soro sanguíneo.

Diferente do que muita gente ainda pensa, quando a saúde íntima está adequada, a vagina é um dos locais mais limpos e livres de agentes nocivos do corpo da mulher.

Além disso, fatores diversos podem interferir no aspecto, quantidade e coloração das secreções, como um dia mais estressante ou o ínicio do período fértil. Mas se houver odores fortes, coceira, ardência ou irritação, pode ser sinal de que há alguma coisa errada.

Tipos

Apesar de não ser o único sinal a ser observado, a tonalidade do corrimento amarelo pode dar indícios sobre as causas. De modo geral, o corrimento amarelado está relacionado às infecções. As colorações frequentemente observadas são:

Corrimento amarelo-esverdeado

Quando a secreção apresenta tom amarelo esverdeado, pode ser sinal de tricomoníase, que é uma infecção causada por protozoários e sexualmente transmissível. Geralmente, o fluido é acompanhado de fortes odores e ardência ao fazer xixi.

Amarelo-acinzentado

O corrimento apresenta uma cor semelhante ao pus, levemente acinzentada, sugerindo a clamídia. Algumas mulheres podem sentir incômodos ao fazer xixi e sangramentos durante a penetração, mas apenas 30% das pacientes infectadas apresentam sintomas.

Corrimento amarelo e abundante

Quando há alteração perceptível na quantidade de secreção, que começa a ser mais intensa e mais amarelada, pode ser um indicativo de gardnerella. A infecção pode apresentar odor forte, ardência na região e alguns casos são acompanhados de sangramento.

A candidíase, que é uma infecção por fungo, pode causar corrimento esbranquiçado e, em alguns casos, amarelado, junto com coceira intensa e ardência, representando a maior parte das infecções ginecológicas.

Causas

A presença de corrimento amarelo geralmente é um sinal de infecção que ocorre, na maior parte das vezes, por alterações do pH da flora vaginal.

Se a acidez da vagina estiver alterada, os microorganismo nocivos têm mais facilidade em penetrar no canal e se proliferar, causando infecções e desencadeando os sintomas.

Entre as doenças ou fatores que podem provocar o corrimento amarelo, estão:

Anticoncepcional

Os anticoncepcionais, apesar de serem uma opção para quem deseja evitar a gravidez, podem trazer riscos à saúde. Isso porque o medicamento é formulado à base de estrogênio, progesterona ou a combinação dos dois, que são hormônios capazes de interferir na constituição da flora vaginal.

De modo geral, é a candidíase que está mais associada às alterações pelo uso do anticoncepcional, podendo causar corrimentos brancos e levemente amarelados.

Todo método contraceptivo deve ser acordado entre a paciente e o ginecologista, buscando adequar o tratamento e diminuir os impactos ao organismo.

Se a escolha da paciente for a utilização da pílula, é necessário testar as opções. O mercado farmacêutico conta com diversas marcas e tipos de anticoncepcional (de 21 dias, de 28 ou de uso contínuo, por exemplo).

Alguns podem provocar mais efeitos colaterais do que outros. Por isso, é preciso paciência para encontrar o que melhor se adapta a cada mulher.

Candidíase

A candidíase é uma infecção causada pelo fungo Candida, também conhecido como Candida albicans.

É uma das causas mais comuns de infecção vaginal, porque o fungo está naturalmente presente na flora vaginal saudável. Mas se houver quedas na imunidade, a cândida pode se proliferar de modo prejudicial ao organismo.

O uso de antibióticos, a presença de diabetes (sobretudo quando mal controlada), a menstruação, o uso de anticoncepcionais, a gravidez e as doenças que reduzem a imunidade podem facilitar o desenvolvimento da infecção.

Nas mulheres, a condição chega a acometer até 3 em cada 4 mulheres, pelo menos 1 vez durante a vida.

Os sintomas envolvem coceira, ardência, inchaço dos grandes lábios da vagina, feridas na mucosa, vermelhidão e corrimento. Apesar da maioria das pacientes apresentarem secreções brancas, ela pode adquirir um tom branco-amarelado.

Menos comum, a candidíase pode ocorrer em homens também e a ocorrência é de 2 casos para cada 10 homens.

A infecção não é uma doença sexualmente transmissível, mas durante o tratamento o uso de preservativos é recomendável para evitar a transmissão de fungos.

Clamídia

Entre as doenças sexualmente transmissíveis com maior ocorrência mundial está a clamídia, que é causada pela bactéria Chlamydia trachomatis. A contaminação pode ocorrer em homens e mulheres, além de ser transmitida de mãe para o feto no momento do parto.

A infecção acomete principalmente a uretra e os órgãos genitais, mas pode atingir também a região anal e a faringe, desencadeando doenças pulmonares e até resultar em infertilidade.

Nem sempre os sintomas se manifestam na infecção, mas quando ocorrem podem envolver ardência ou dores ao fazer xixi, dor na região do ventre, aumento das funções da bexiga (aumentando a quantidade de urina) e secreções amareladas.

A prevenção é feita através do uso de preservativos e o tratamento é consiste no uso de antibióticos.

Tricomoníase

A tricomoníase é uma infecção genital que pode acometer homens e mulheres, mas tem maior prevalência no sexo feminino. A doença é causada por protozoário Trichomonas Vaginalis que é transmitido durante as relações sexuais ou no contato íntimo com secreções da pessoa contaminada.

Algumas vezes, a doença pode demorar a apresentar sintomas, demorando meses para que o paciente perceba alguma desordem no organismo.

Entre os principais sintomas que podem ocorrer, estão o corrimento amarelado ou amarelo-esverdeado, coceira, irritação da mucosa vaginal, odor forte e desagradável, dor e incômodo ao fazer xixi.

O tratamento consiste no uso de cremes íntimos e medicamentos via oral.

Gonorreia

A gonorreia é causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, sendo transmitida através de relações sexuais ou de mãe para filho durante o parto. A proliferação da bactéria pode ocorrer na boca, garganta, olhos, ânus e, principalmente, nos órgãos sexuais.

Os sintomas principais envolvem a uretrite (que é a inflamação da uretra), causando o corrimento e a ardência ao fazer xixi.

Nas mulheres, a gonorreia pode não apresentar muitos sintomas, sendo que aproximadamente metade das pacientes não percebem sinais da infecção, como coceira, dor durante o sexo ou corrimento.

Já nos homens, os sintomas são bastante frequentes e se manifestam em até 90% dos pacientes. O tratamento consiste na administração de antibiótico, geralmente em dose única.

Vaginose bacteriana

Apesar de, na grande maioria dos casos, a infecção causar corrimento branco, a secreção pode adquirir uma tonalidade mais amarelada. O quadro é acompanhado de coceira, queimação, ardência e cheiro intenso na região íntima.

A infecção não é sexualmente transmissível , sendo causada normalmente por alterações de imunidade e da flora vaginal.

Como tem sinais bastante semelhantes com a candidíase, as infecções podem ser confundidas. Mas a vaginose é causada por bactérias, enquanto a candidíase é ocasionada por fungos.

Transmissão

O corrimento amarelo é um sintoma ou sinal, geralmente, de alguma infecção. Quando a secreção é causada por doenças como a clamídia, a tricomoníase e a gonorreia, a transmissão ocorre durante o sexo, com o contato íntimo.

Na candidíase, não há transmissão, mas sim uma queda na imunidade do organismo ou alterações do pH vaginal que favorecem a proliferação de agentes.

Também é importante ressaltar que o corrimento pode adquirir uma coloração levemente amarelada e não ser, necessariamente, uma alteração patológica. Nesse caso, portanto, não há formas de transmissão.

Fatores de risco

Alguns comportamentos ou hábitos podem favorecer alterações na saúde íntimas, entre eles:

Fazer sexo sem proteção

Há diversas doenças sexualmente transmissíveis que nem sempre apresentam sinais ou sintomas observáveis. Ou seja, é possível que seu parceiro ou parceira esteja infectado e também não saiba. Por isso, o uso de preservativos durante o sexo é fundamental.

Algumas doenças podem ser transmitidas apenas pelo contato de fluídos com a região genital, sem que necessariamente ocorra penetração ou contato direto com o órgão. Então usar preservativos em todos os tipos de sexo evita a transmissão de DSTs e previne o corrimento amarelo.

Quedas na imunidade

A baixa imunidade pode favorecer as infecções e contaminações, podendo resultar na candidíase, por exemplo.

Quando o sistema imune fica debilitado, há alterações no controle e produção de agentes do organismo, resultando numa concentração maior dos fungos Candida (que são naturalmente presentes no organismo) e, então, desencadeando a infecção.

Doenças ou o uso de medicamentos que interfiram no equilíbrio do pH, como anticoncepcionais e antibióticos, alteram o combate aos agentes nocivos, causando o corrimento amarelado.

Histórico familiar

Algumas infeções sexualmente transmissíveis podem ser adquiridas durante o parto, se a mãe for portadora.

Caso a pessoa tome conhecimento que há casos na família de DSTs, sobretudo nos irmãos e na mãe, é recomendado consultar um especialista, pois os sintomas podem demorar para se manifestar.

Anticoncepcional hormonal

O uso de anticoncepcionais hormonais pode alterar o pH da região íntima, favorecendo a infecção vaginal.

É preciso iniciar o tratamento sob orientação de um ginecologista, buscando os métodos mais seguros à paciente.

Sintomas

O corrimento amarelo é uma secreção do corpo. Na mulher, se a tonalidade for amarelo claro, ele pode ser somente um fluido natural, sem representar patologias ou alterações da saúde íntima.

Quando ocorre em homens, o corrimento é sempre um sinal de infecção. Geralmente, o paciente não percebe odor forte, pois a quantidade de corrimento é pequena.

Nas mulheres, quando a secreção não é um processo natural do organismo, ela pode ser acompanhada de ardência, coceira intensa, dor ao fazer xixi, vermelhidão e irritação da mucosa da vulva, além de odor intenso e quantidade aumentada de corrimento.

Como é feito o diagnóstico?

O profissional mais indicado para determinar as causas do corrimento amarelo é o ginecologista, urologista e, no casos das grávidas, o obstetra.

Ao realizar a consulta, o médico fará um levantamento dos sintomas do paciente, sobretudo quanto ao tempo de duração do corrimento e a presença de sintomas associados, seguindo com a avaliação física e, quando necessário, solicitando exames laboratoriais para identificar as causas do corrimento.

Exames

O diagnóstico é confirmado através da examinação do paciente com métodos clínicos e laboratoriais. Algumas vezes, os testes de laboratório podem não ser necessários, mas a investigação do histórico do paciente é fundamental sempre.

Entre os exames mais recorrentes estão:

Exame clínico

A consulta com o ginecologista precisa ser franca para que o diagnóstico seja realizado corretamente. O histórico da paciente é essencial para investigar a origem ou o agente causador do corrimento. Por isso, há alguns aspectos importantes durante a consulta, como:

Corrimento em crianças

Geralmente, o corrimento observado em meninas na fase infantil podem ser causados pela má higienização íntima, que favorece a proliferação de bactérias, ou de corpos estranhos em contato com a vagina (que podem incluir pequenos objetos ou alimentos, por exemplo).

Além disso, é preciso que o médico considere o abuso sexual como fator de transmissão de infecções e DSTs.

O corrimento apresenta odor?

O cheiro forte da vagina pode ser um indicativo de doenças infecciosas, como a tricomoníase. Apesar da correta higienização e cuidados íntimos, o odor permanece intenso. É preciso que a paciente relate se houve mudança no cheiro da vagina.

Há coceira ou ardor?

É necessário que a paciente observe se há incômodos durante o dia, ao fazer xixi ou ter relações sexuais. As infecções podem ser acompanhadas de coceira e ardência, como se a região da vulva (parte externa da vagina) estivesse queimando.

O ciclo menstrual

Durante o mês, a região íntima apresenta variações do pH. Quando a mulher está menstruada, a tendência é que a vagina fique menos ácida, favorecendo a infecção pela tricomoníase e a vaginose bacteriana.

Já a candidíase é facilitada quando a região está mais ácida, que ocorre um pouco antes da menstruação. Durante os períodos menstruais, é normal que ocorram mudanças no aspecto e quantidade das secreções.

Por isso, observar o aspecto da secreção e os demais sintomas durante o mês é importante para descartar fatores hormonais, por exemplo.

A paciente já iniciou a vida sexual?

Pacientes que mantêm relações sexuais são mais suscetíveis às infecções vaginais. No entanto, mesmo mulheres virgens podem desenvolver candidíase, por exemplo.

Ainda há meninas que se sentem inibidas em informar o médico sobre a vida sexual, inclusive quando ocorre sexo sem proteção. Isso pode prejudicar ou retardar o diagnóstico. É importante lembrar que a consulta e as informações entre a paciente e o profissional são privadas, sendo asseguradas legalmente pelo sigilo médico-paciente.

Medicações e hábitos

Alguns remédios podem interferir na flora e no pH da vagina, como os antibióticos e os anticoncepcionais. É preciso relatar os medicamentos utilizados, ainda que em doses únicas (pílula do dia seguinte, por exemplo).

Além disso, os hábitos de higiene também podem favorecer alterações da região íntima. Vale lembrar que não é somente a higienização incorreta que causa desequilíbrios, mas o uso de protetores de calcinha, duchas íntimas e sabonetes vaginais também podem alterar e prejudicar a acidez da região.

Exame físico

O profissional médico irá avaliar os órgãos genitais através da observação da camada mais externa (vulva), podendo ser necessário o toque vaginal e o exame especular (que é a avaliação do tubo da vagina).

Ressalta-se que os exames de toque são realizados somente em pacientes que já tiveram relações sexuais.

Quando a mulher for virgem, o médico irá fazer apenas a observação externa da região. Alguns dos aspectos observados são o inchaço (edema) e vermelhidão (ou irritação) da parte externa.

Em alguns casos, a candidíase pode apresentar lesões na mucosa da vulva, com pequenas feridas semelhantes às aftas. Pode haver presença elevada de secreção, com consistência mais líquida ou mais densa (geralmente aderida à parede vaginal).

Além disso, algumas infecções podem apresentar odor forte, mas com pouco corrimento, fazendo com que a paciente nem sempre associe a um problema de saúde.

Quando o corrimento amarelado está associado ao cheiro forte, há maiores probabilidades da paciente ter alguma infecção bacteriana.

Exames complementares

Alguns exames podem ser solicitados para auxiliar no diagnóstico, facilitando o profissional a determinar a origem do corrimento ou, ainda, acompanhando a evolução do tratamento. Entre eles:

Medida de pH vaginal

O exame é bastante simples e rápido, apesar de ser invasivo. Para medir o pH da vagina, é inserida uma fita de papel, que possui sensores, na parede da vagina, deixando-a por 1 minuto. Após esse tempo, a fita mostra o valor de pH da região íntima, indicando alterações no equilíbrio.

Quando o pH está mais básico (entre 5 e 6), há maiores tendências de ser uma infecção por tricomoníase. Já o pH mais ácido (entre 4 e 4,5), predispõe a infecção de candidíase.

Microscopia

O exame consiste na avaliação com o uso do microscópio de uma amostra do corrimento. O exame permite identificar agentes infecciosos ou a ausência de lactobacilos (que são as bactérias naturais da flora vaginal).

Durante a análise, pode ser adicionado o composto KOH 10%, que fará a destruição de alguns elementos celulares e, se houver liberação de odor intenso e fétido, o diagnóstico aponta para a vaginose bacteriana (que é uma infecção por bactérias).

Rastreamento de outras DST

É sempre necessário considerar a presença de doenças sexualmente transmissíveis, sobretudo quando o diagnóstico de tricomoníase, herpes genital e cervicites é confirmado. Nesse caso, exames de sangue para sífilis, HIV e hepatite B podem ser solicitados através de exames de sangue.

Tem cura?

Sim. O corrimento amarelo é um sinal geralmente causado por infecções vaginais. A condição pode ser tratada e, em pouco tempo, apresenta melhoras completas.

Qual o tratamento?

O tratamento do corrimento amarelo consiste, primeiramente, na correta identificação da causa para que os medicamentos prescritos sejam eficientes.

Em geral, o tratamento envolve o uso de antibióticos, geralmente em dose única e, se necessário, o uso de cremes íntimos, até a melhora total dos sintomas (como coceira, ardência e o próprio corrimento).

O tratamento para candidíase é curto, durante entre 1 e 3 dias na maior parte dos casos. O alívio dos sintomas é rapidamente percebido, mas deve-se ficar atento à candidíase recidivante, que ocorre mais de 4 vezes por ano. Nesse caso, é necessário investigar as causas desencadeantes e adaptar o tratamento.

A clamídia e a gonorreia são tratadas por meio da administração de antibióticos de dose única. Após o início do tratamento, é recomendável que as atividades sexuais sejam evitadas e que o parceiro ou parceira recebam o medicamento também.

Para a tricomoníase, o tratamento pode ser através de antibióticos durante 7 dias ou de dose única. Como alguns pacientes podem não apresentar sintomas ou manifestações orgânicas é necessário que o parceiro ou parceira do paciente faça o tratamento conjuntamente.

Medicamentos

Os medicamentos irão depender da causa do corrimento.

Entre os medicamentos mais indicados para o tratamento da candidíase estão:

Além disso, o tratamento tópico (como cremes vaginais) pode ser associado, incluindo pomadas ou cremes como:

A clamídia pode ser tratada com a administração de:

Ainda é possível administrar ofloxacina durante 7 dias, mas o medicamento é contraindicado para pacientes grávidas, que estejam amamentando ou menores de 18.

O tratamento de tricomoníase consiste no uso de metronidazol de 2mg em dose única ou de 250mg, 3 vezes ao dia, durante 7 dias, ou tinidazol em dose única.

Já para a gonorreia, entre os medicamentos que podem ser administrados, estão:

Se o paciente for diagnosticado com gonorreia e clamídia, o Ministério da Saúde recomenda administrar uma dose de ciprofloxacino junto com uma dose de azitromicina, ou usar doxiciclina por 7 dias.

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas neste site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Convivendo

O corrimento amarelo geralmente é um sinal de desordens no organismo e, por isso, precisa ser investigado.

Durante a vida, é normal que a mulher apresente secreções vaginais, que são desencadeadas por diversos fatores, como ciclo menstrual, alterações de imunidade, alimentação e hábitos de higiene.

Mas também é importante lembrar que as secreções podem ainda mudar de cor ou odor quando entram em contato com os tecidos ou com o meio externo.

Isso mesmo, às vezes a secreção vaginal é um fluido esbranquiçado ou transparente, mas que foi exposto ao meio externo, ao tecido ou a componentes químicos e, por isso, pode ter seu aspecto alterado.

Se for constatado que o corrimento tem uma causa patológica, ou seja, causado por alguma infecção, é preciso tratar do problema. Por isso é preciso ficar atenta aos sinais do organismo, buscando informações com profissionais ginecologistas.

Durante o período de recuperação, é ideal evitar as relações sexuais, mesmo com o uso de preservativos.

Os cuidados com a alimentação e a hidratação não podem ser esquecidos, pois eles impactam diretamente na resposta do organismo ao antibióticos. Se a alimentação for ruim, pode haver enfraquecimento do sistema imune, provocado uma resposta mais lenta ou ineficaz ao tratamento.

Aliás, a utilização correta dos medicamentos é fundamental para eliminar o agente infeccioso, mas o uso indiscriminado de antibióticos pode favorecer a mutação dos agentes, fazendo com que o tratamento se torne cada vez menos eficiente.

Durante os dias de tratamento, pode ser que a paciente necessite utilizar cremes ou pomadas intravaginais, fazendo com que a sensação de umidade seja acentuada e provoque desconforto.

Por isso, recomenda-se que a mulher utilize tecidos leves e que permitam a respiração da região íntima, evitando a umidade por suor ou o calor excessivo. As atividades físicas também devem ser reduzidas ou evitadas, para que o suor não acentue a irritação da área íntima.

Prognóstico

Se o diagnóstico for realizado corretamente e o tratamento seguir as recomendações médicas, a tendência é que o corrimento, juntamente com a infecção causadora, seja eliminado em poucos dias.

Quando há sintomas associados, eles tendem a diminuir rapidamente também.

Complicações

Em geral, as complicações das infecções causadoras do corrimento amarelo apresentam riscos mais elevados para as gestantes. Isso porque as chances de ocorrer um aborto são mais elevadas e o bebê pode ter o desenvolvimento afetado, nascendo com baixo peso.

Também é possível que as doenças sexualmente transmissíveis sejam transmitida ao filho durante o processo de parto.

Nos pacientes com tricomoníase, pode ocorrer demora na manifestação dos sintomas, fazendo com que não se identifique a infecção. Em alguns casos, a demora no tratamento pode desencadear quadros febris e dores abdominais intensas.

A clamídia, se não tratada, pode desencadear doenças inflamatórias nas trompas, elevando o risco de infertilidade.

Na mulher, a clamídia pode obstruir as trompas ou impedir que o óvulo chegue ao útero, provocando a gravidez ectópica. Ainda pode haver o rompimento das trompas devido à fecundação na região incorreta, ocasionando hemorragia interna.

Nos homens, a infecção causa inflamação no testículo e ocasiona a redução da quantidade e qualidade dos espermatozóides.

Como prevenir o corrimento amarelo?

Hábitos e atitudes simples podem favorecer a saúde íntimas e prevenir riscos de corrimento, como:

Higiene

Para manter o equilíbrio do pH e evitar infecções, alguns cuidados básicos são essenciais. como tomar banho diariamente, trocar as roupas íntimas diariamente e roupas de cama semanalmente.

O banho é fundamental após as relações sexuais, mesmo quando não há ejaculação ou penetração.

No entanto, mesmo as mulheres mais atentas à limpeza íntima podem estar susceptíveis às alterações de pH. Há alguns anos, quando os sabonetes íntimos foram lançados, uma boa parte das mulheres adotou o produto como parte da rotina do banho.

Apesar das indicações apontarem que ele não faz mal ao pH vaginal, a utilização frequente pode afetar a acidez da região, facilitar infecções e causar alergias, sobretudo quando há mais de 2 utilizações por dia.

Cuidados com as relações sexuais

A utilização dos preservativos é necessário no sexo, seja ele qual for. Algumas pessoas ainda mantêm a ideia de que somente a penetração envolve riscos à saúde, porém o sexo oral e mesmo a masturbação conjunta podem favorecer o contato com os fluidos íntimos.

Hábitos e rotinas

A região íntima é naturalmente úmida e quente, o que favorece a proliferação de agentes infecciosos. Para piorar o quadro, na maior parte do tempo, a vulva passa abafada pelas roupas, que nem sempre têm tecidos adequados, permitindo um mínimo de arejamento.

O ideal é dar oportunidade da área íntima respirar. Dormir sem calcinha, usar roupas íntimas com tecidos leves, como o algodão, e evitar ficar com roupas molhadas por muito tempo reduzem os riscos de contaminação e infecção.

O uso de desodorantes íntimos, absorventes e protetores diários perfumados podem provocar alergias e irritações. Apesar de não desencadear o corrimento amarelo, esses produtos podem trazem um grande incômodo à mulher caso interfiram no equilíbrio vaginal.

Evite duchas íntimas

A vagina pode ser considerada uma região autolimpável, ou seja, o uso de diversos produtos íntimos e táticas de higienização não é necessário. Muitas vezes, é até desaconselhável, como o caso das duchas íntimas.

O procedimento é feito com a inserção de água ou soluções com produtos antissépticos na região da vagina (ou seja, na parte interna da vulva). Apesar do método ter sido usado por muito tempo como uma tática de higiene da mulher, hoje se reconhece que ela pode afetar a flora vaginal, alterando o pH íntimo e favorecendo infecções.

Anticoncepcionais e antibióticos

Alguns medicamentos podem alterar a flora vaginal, mudando a composição e as concentrações de bactérias naturalmente presentes. Os anticoncepcionais e os tratamentos à base de antibióticos podem ser os responsáveis pelo favorecimento de infecções e, portanto, de corrimento.

É preciso que o uso dos remédios seja acompanhado por médicos e, se houver desconforto da paciente, é recomendável trocar o medicamento quando possível.

Roupas

Além das calcinhas, é importante estar atenta às calças e roupas de ginástica. Tecidos que comprimem demais a região podem ser prejudiciais à região íntima.

Mulheres que fazem atividades físicas devem evitar repetir calças e shorts sem lavar, sobretudo em épocas quentes, pois o suor pode causar irritação da área. Além disso, as peças também não devem permanecer molhadas (de água ou suor) por muito tempo.

Outros tipos de corrimento

O corrimento pode se apresentar de outras cores e consistências, que indicam outros fatores orgânicos ou patológicos. De modo resumido, eles podem indicar:

  • Branco: se acompanhado de coceira e ardência, pode indicar candidíase. Mas se tiver aspecto mais líquido e fluido, pode ser apenas uma secreção normal do organismo.
  • Corrimento marrom ou com sangue: pode indicar gonorreia;
  • Na gravidez: pode ser devido às alterações hormonais normais da gestação. Mas se apresentar coloração intensa pode ser indicativo de vaginose bacteriana, gonorreia ou candidíase;
  • Transparente: normalmente é um fluido normal do corpo;
  • Rosa: pode ser indicativo de gravidez, geralmente causado no período após a fecundação.

Perguntas frequentes

Todo corrimento indica uma DST?

Não. Mesmo o corrimento amarelado pode ser uma candidíase (que não é sexualmente transmissível) ou alterações do organismo. Por exemplo, o uso de medicações, o período pré-menstrual e o estado emocional podem causar mudanças nas secreções vaginais.

Toda mulher tem corrimento?

A vagina produz secreções que são perceptíveis a maioria das mulheres. Dependendo da estrutura fisiológica da mulher, pode ser que a quantidade de secreção seja muito pequena e, por isso, não perceptível.

Apesar de ser frequente, nem toda mulher terá corrimento. Mas todas têm secreções naturais.

O que pode ser corrimento amarelo na gravidez?

É preciso considerar que o corpo da gestante está sofrendo mudanças hormonais intensas e, por isso, podem ocorrer alterações da cor e aspecto da secreção.

No entanto, se o amarelo for intenso e, sobretudo, acompanhado de dores, ardências e desconforto na região da vulva, há maior possibilidade de ser uma infecção. Independente do quadro, a paciente deve consultar o obstetra e informar sobre o corrimento.

O que significa corrimento no homem?

Nos homens, os corrimentos sempre sugerem alguma DST ou alergia. Geralmente ele ocorre em menor quantidade e com odor menos perceptível. É necessário consultar um médico para verificar as causas.


Os cuidados com o corpo são essenciais para manter a boa saúde e funcionamento do organismo. As mudanças que ocorrem durante a vida podem ser naturais, mas podem ser indicativos de que alguma coisa não está funcionando adequadamente.

Para que a qualidade de vida e bem-estar não sejam afetadas, algumas medidas cotidianas devem ser adotadas, reduzindo os riscos de doenças. Mas é preciso prestar atenção aos sinais do corpo e buscar orientação profissional.

No Minuto Saudável você encontra mais dicas e informações para cuidar da sua saúde.

17/07/2018 11:36

Ana Luiza (Minuto Saudável)

Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável. Confira mais na nossa página de quem somos.

Ver comentários

  • Olá meu nome é erica tenho 19 anos e tive minha primeira relação. Minha menstruacão veio normal,mas reparei que com 3 dias após o término eu estava com um pequeno corrimento amarelado. o que devo fazer? Isso é grave?

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Olá, Erica.
      Os corrimentos podem ter diversas causas e, algumas vezes, serem apenas sinais de mudanças hormonais ou emocionais - causadas, inclusive, pela primeira relação sexual.
      Fique atenta a outros aspectos, como odor forte, ardência ao urinar, vermelhidão na região íntimas ou outras manifestações. Também é importante realizar consultas ginecológicas, pois, além de receber orientações e esclarecer suas dúvidas, há uma rotina de exames e cuidados necessários após o início da vida sexual.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • boa tarde,
    ja tive corrimento amarelo, fui no medico e usei uma pomada injetável por 7 dias e passou. meses depois tomei uma pilula do dia seguinte e apos o sangramento, veio um corrimento amarelo com muito odor.. é normal?

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Olá, Raisa!

      O corrimento em si não costuma ser um problema, mas a presença de mau cheiro pode indicar uma infecção. É importante consultar um médico para que ele verifique a origem do sintoma ;)

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Tive relação sexual com o meu parceiro, ele gozou dentro, e tomei a pílula do dia seguinte , mas depois comecei a sentir uma coceira n no canal vaginal sai o corrimento amarelo em forma de xixi cm mau cheiro vermelhão na parte íntima, o que pode ser

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Olá, Yres.
      O corrimento amarelo junto com outros sinais, como odor e ardência, pode indicar infecções.
      É importante que você faça uma consulta médica para avaliar o quadro e indicar o tratamento correto.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Olá tive relações sexuais sem camisinha,3 dias depois começaram as coceiras,a ardência,secreção amarela e vermelhidão porém tudo isso está diminuindo menos a secreção e ela não possui cheiro. É algo grave?

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Olá, Laura

      Quando o corrimento amarelo acontece sem estar acompanhado de nenhum outro sintoma, geralmente é por consequência de uma mudança na flora bacteriana do canal vaginal ou por higiene inadequada. No seu caso, além do corrimento, a coceira, a vermelhidão e a ardência também são sintomas que merecem atenção e precisam da ajuda de um médico. Recomendamos que procure um ginecologista, pois só um profissional poderá avaliar se é grave. Obrigada pela leitura!

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Olá
    Tive relação sexual, e minha menstruação está atrasada a 10 dias.
    Porém eu estou tendo corrimento amarelo, e hj tive um corrimento branco, só q voltei a ter corrimento amarelo, foi tipo coisa rápida mesmo, e mesmo assim estou com os sintomas da menstruação.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Olá, Ana Luiza.
      Caso você tenha suspeitas sobre a gravidez, é recomendável realizar um teste de urina ou de sangue. Somente com o exame é possível confirmar o gestação.
      Quanto ao corrimento, é importante saber que aqueles com coloração branca são, em geral, secreções naturais e não representam alterações do organismo. Mas se houver presença de odor, ardência no canal vaginal, dores na região pélvica ou qualquer outra manifestação, é importante buscar orientação ginecológica.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*