O que é

A anorexia é considerada um transtorno alimentar, neste caso o paciente tem um distúrbio de imagem em que não consegue aceitar o seu corpo da forma como é, tendo a impressão de que está com o peso em níveis acima da realidade. Esta ideia pode causar um distúrbio alimentar, provocando a perda de peso acima do que é considerado saudável e também desenvolver estresse.

Esta doença é complexa, pois envolve problemas psicológicos, fisiológicos e sociais. Chama-se o paciente com anorexia de anoréxico e, por vezes, ele também pode desenvolver bulimia.

As pessoas anoréxicas desenvolvem um medo intenso de engordar, mesmo quando extremamente magras, chegando até a tomarem medidas extremas para alcançar melhores resultados de emagrecimento.

É uma doença com riscos clínicos, e devido à falta de nutrientes e calorias no organismo, a pessoa pode ficar desnutrida e desidratada de modo grave, levando à morte.

Índice – neste artigo você encontrará as seguintes informações:

  1. O que é?
  2. Qual profissional devo procurar? Qual o diagnóstico?
  3. Como identificar? Quais são os sintomas?
  4. O que causa?
  5. A Anorexia tem cura? Qual é o tratamento?
  6. Complicações
  7. Prevenção
  8. Grupos e fatores de risco

Qual profissional devo procurar? Qual o diagnóstico?

Como a anorexia é causada por diversos fatores, uma equipe multidisciplinar médica cuidará e diagnosticará o caso, mas o primeiro a ser procurado pode ser o endocrinologista. Os profissionais responsáveis por diagnosticar e tratar o paciente anoréxico são: psicólogos, nutricionistas e demais áreas relacionadas aos distúrbios alimentares, contudo, o clínico geral também pode. O diagnóstico precoce é a melhor forma para tratar o paciente.

O médico realizará exame físico no paciente, no qual a altura e o peso serão avaliados, os sinais vitais serão checados e, ainda, serão procurados sinais de desnutrição na pele e nas unhas. Em seguida, ele poderá pedir alguns exames de laboratório para verificar o funcionamento do fígado, dos rins e da tireoide, além de exames para acompanhamento psicológico do paciente.

Perda de peso ou atrofia muscular devem ser descartadas com exames médicos. Há outras condições que podem também causar esses sintomas, como: Doença de Addison, Doença celíaca e Doença inflamatória intestinal.

Outros exames que ajudam a encontrar a causa da perda de peso ou observar qual dano ela ocasionou poderão ser solicitados pelo médicos, e ainda podem ser repetidos ao longo do tempo para monitorar o paciente. São eles: albumina, densitometria óssea (verifica se há osteoporose), hemograma completo, eletrocardiograma (ECG), eletrólitos, testes de funcionamento dos rins, testes da função hepática, proteína total, testes de funcionamento da tireoide e exame de urina.

Verifica-se também o comportamento do paciente, como: hábitos alimentares inadequados, excesso de exercícios físicos e dietas, episódios de compulsão alimentar e ingestão de remédios purgativos.

Como identificar? Quais são os sintomas?

Um indivíduo com anorexia comumente apresenta os seguintes sintomas e comportamentos:

Comportamentos

  • Medo ou fobia de engordar ou ficar acima do peso ideal, mesmo quando a pessoa está abaixo do peso normal.
  • Recusa em manter o peso que é considerado normal ou aceitável para sua idade e altura.
  • Visualizar sua própria imagem corporal muito distorcida.
  • Recusar-se a admitir a gravidade da perda de peso.
  • Interrupção da menstruação por 3 ou mais ciclos.
  • Limitação da quantidade de comida que ingerem, podendo posteriormente provocar vômitos.
  • Cortar a comida em pequenos pedaços ou ficar mexendo com eles no prato.
  • Exercitar-se mais que o tempo comum, mesmo quando machucada ou com dor.
  • Idas mais frequentes ao banheiro e, imediatamente, após as refeições.
  • Recusar-se a comer perto de outras pessoas
  • Usar comprimidos para urinar (diuréticos), evacuar (enemas e laxantes) ou reduzir o apetite (comprimidos para perda de peso).

Sintomas da Anorexia

  • Atrofia muscular.
  • Aparência magérrima e fina.
  • Boca seca.
  • Cáries.
  • Choque hipovolêmico.
  • Constipação.
  • Desgaste dos músculos e perda de gordura corporal.
  • Depressão.
  • Descompasso cardíaco.
  • Desidratação.
  • Extrema sensibilidade ao frio (vestir várias camadas de roupas para ficar aquecido).
  • Fadiga.
  • Insônia.
  • Perda de resistência óssea.
  • Perda excessiva de peso.
  • Pele manchada ou amarelada, seca e coberta por pelos finos.
  • Pensamento confuso ou lento, junto com memória ou julgamento deficientes.
  • Sensibilidade ao frio.
  • Tonturas ou desmaios.

O que causa?

A anorexia pode levar o paciente a um quadro de ansiedade, fazendo-o buscar maneiras bruscas de perder peso rapidamente. A real causa da anorexia ainda é desconhecida, mas acredita-se que fatores biológicos, psicológicos e ambientais estejam envolvidos, como separação, perda de emprego, perda de ente querido, etc. Por muito tempo acreditou-se que conflitos familiares contribuíam para a anorexia e outros distúrbios alimentares, contudo, esta ideia não é mais tão difundida.

Os genes e os hormônios podem desempenhar um papel importante no seu desenvolvimento. Atitudes sociais que promovam o corpo ideal como sendo extremamente magro também podem estar envolvidas.

A anorexia nervosa pode ser fatal, levando à morte 10% dos casos. Programas de tratamento experimentados podem ajudar as pessoas com a doença a voltarem para o peso ideal, mas é comum que a anorexia retorne.

Mulheres que desenvolvem a anorexia em idade precoce têm melhor chance de recuperação completa. Contudo, a maioria das pessoas com a doença continuará preferindo um peso corporal mais baixo e estará muito focada em alimentos e calorias; sendo necessário o tratamento a longo prazo para manter um peso saudável.

Os sintomas iniciais são pouco perceptíveis, pois o paciente anoréxico finge estar se alimentando e chega a usar roupas largas, qualquer ganho de peso apavora e gera angústia.

Quando a anorexia atinge um estágio mais avançado, o paciente mesmo estando muito abaixo do peso normal, com os ossos à mostra, ainda se acha acima do peso, querendo emagrecer cada vez mais.

A Anorexia tem cura? Qual é o tratamento?

Sim. Mas uma pessoa com anorexia precisa de vários tipos de tratamento, em que os objetivos são: recuperar o peso corporal e os hábitos alimentares normais. O maior desafio no tratamento da anorexia ainda é fazer a pessoa reconhecer que tem uma doença. A maioria das pessoas com anorexia nega que tem um distúrbio alimentar. Em geral, os indivíduos com anorexia começam o tratamento quando a doença já atingiu o seu estado grave.

Um ganho de peso de 0,5 a 1,4 kg por semana é considerado um objetivo seguro pelos médicos.

Vários tipos de tratamentos são desenvolvidos para tratar da anorexia, isso dependerá de cada paciente. Para o ganho de peso, recomenda-se:

  • Aumentar as atividades sociais.
  • Reduzir as atividades físicas.
  • Administrar programas para alimentação, recomendados pelo nutricionista.
  • Muitos tratamento tem início no hospital (permanência curta) para um posterior acompanhamento de programa de tratamento diário em casa.

A permanência prolongada no hospital pode ser necessária se:

  • A pessoa tiver perdido muito peso (estar abaixo de 70% do peso corporal ideal para sua idade e altura), casos de subnutrição grave colocam a vida em risco, a pessoa pode precisar ser alimentada por sonda venal ou por um tubo de alimentação no estômago.
  • A perda de peso continuar, mesmo com o tratamento.
  • Surgirem complicações médicas, como: problemas cardíacos, confusão ou desenvolvimento de níveis baixos de potássio.
  • A pessoa tiver depressão grave ou pensar em cometer suicídio.

Em geral, o tratamento para a anorexia é bastante difícil e exige grande atenção e persistência tanto dos pacientes quanto de suas famílias, várias terapias podem ser utilizadas até o paciente superar o distúrbio. Muitos pacientes podem desistir dos programas se tiverem esperanças não realistas de serem “curados” somente com terapia.

As mais variadas técnicas de psicoterapias são utilizadas para tratar de pessoas com anorexia, mas tanto a terapia comportamental cognitiva individual, a terapia de grupo e a terapia familiar costumam ser bem-sucedidas.

O objetivo da terapia é mudar os pensamentos ou o comportamento de um paciente para encorajá-lo a comer de maneira mais saudável, usa-se esse tipo de terapia para o tratamento de pacientes mais jovens, que não tiveram anorexia por muito tempo. Se o paciente for jovem, a terapia pode envolver toda a família.

Grupos de apoio também podem fazer parte do tratamento da anorexia. Neles, pacientes e familiares se encontram e compartilham suas experiências pelo que passam.

O remédio mais indicado pelos médicos é o Cobavital, mas ainda podem ser indicados medicamentos como:

Segundo Hoffman (1993), o uso da substância ativa hidrocloreto de ciproeptadina, um anti-histamínico e antagonista da serotonina, não tem os efeitos colaterais dos antidepressivos tricíclicos (queda da pressão arterial e aumento da frequência cardíaca) e preconiza seu uso principalmente em tratamentos de anoréxicas edemaciadas.

Atenção! 

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Complicações

As complicações da anorexia são graves, resultando em internação hospitalar e podendo levar à morte. São elas:

  • Arritmia cardíaca.
  • Depressão.
  • Desequilíbrio eletrolítico (como níveis baixos de potássio).
  • Desidratação e desnutrição graves.
  • Enfraquecimento dos ossos.
  • Inchaço dos braços ou pernas.
  • Redução de glóbulos brancos, o que faz aumentar o risco de infecção.
  • Convulsões, devido à perda de líquidos como resultado de diarreia repetitiva ou vômitos excessivos.
  • Problemas na glândula tireoide, podem levar à intolerância ao frio e à constipação.
  • Queda nos níveis de testosterona (hormônio masculino).
  • Mudanças no período menstrual.
  • Problemas de personalidade e ansiedade.
  • Transtorno obsessivo compulsivo (TOC).
  • Osteoporose.

Geralmente o paciente não percebe o problema, e a família não o associa à anorexia, demoram a perceber o problema devido à falta de informação sobre a doença. Com isso, muitos indivíduos morrem por causas como a inanição e até o suicídio devido à depressão.

Prevenção

Campanhas de prevenção contra os estímulos culturais à valorização de aspectos físicos, forma corporal e beleza não saudáveis são bastante úteis em ajudar a reduzir a incidência desses quadros.

É fundamental fornecer informações sobre os riscos dos regimes rigorosos para obtenção de uma silhueta “ideal”, pois eles têm um papel decisivo no desencadeamento dos transtornos alimentares. O apoio da família e da sociedade para com o paciente no início da anorexia pode salvar sua vida.

Grupos e fatores de risco

Alguns grupos e fatores de risco que podem levar pessoas a desenvolveram um quadro de anorexia, estima-se que cerca de 90% a 95% dos portadores desta doença sejam mulheres e adolescentes. Conheça-os:

Mulheres

Têm mais chances de desenvolver a doença, apesar do número de homens de todas as idades com anorexia ter aumentado nos últimos anos. Nos Estados Unidos, 0,5 a 1% das mulheres sofrem de anorexia e também é um dos diagnósticos psiquiátricos mais comuns entre elas e os mais jovens.

Acredita-se que isto ocorre devido ao fato de as mulheres serem maiores consumidoras de mídia e publicidade de beleza, que estimularam por muito tempo o estereótipo anoréxico como corpo ideal.

Adolescentes

Este distúrbio é muito comum entre adolescentes, principalmente por conta da pressão social existente nesta fase da vida e todas as mudanças ocorrendo no corpo e na mente.

Estudos mostram que alguns genes possam estar diretamente relacionados ao desenvolvimento da anorexia, bem como a doença no histórico familiar do indivíduo aumentam as chances.


A mídia e a sociedade são as maiores responsáveis pela anorexia. Estereótipos sociais de beleza despertam nas pessoas a sensação de que só serão felizes e populares se seguirem um determinado padrão – alimentado diariamente pelos meios de comunicação e reproduzido em todos os círculos sociais. É preciso que cada indivíduo esteja bem consigo mesmo, estudos apontam que 20% a 50% das pessoas que lutam contra a anorexia terminam por morrer.

Compartilhe este artigo para que mais pessoas conheçam os riscos da anorexia!

Referências

http://www.endocrino.org.br/anorexia-nervosa-um-transtorno-psicologico/
http://brasilescola.uol.com.br/doencas/anorexia.htm
https://biosom.com.br/blog/saude/anorexia/
http://www.tuasaude.com/anorexia/
http://www.disturbiosalimentares.com/anorexia/o-que-e-a-anorexia-nervosa/
https://www.abcdasaude.com.br/psiquiatria/anorexia-nervosa
http://www.copacabanarunners.net/anorexia.html
http://www.emedix.com.br/com/distal/psi014_1i_anorexia.php

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Avalie o conteúdo!)
Loading...

Faça um comentário:

Por favor, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui