Redação Minuto Saudável
29/06/2017 16:29

Depressão: o que é, sintomas, sinais, remédio, tratamento, tem cura?

Revisado por: Dr. Emerson Rodrigues Barbosa (CRM/PR 25901) – Psiquiatra

Muito se fala em depressão na sociedade atual, porém, muitas vezes, de forma errônea. Estima-se que cerca de 16% da população mundial já sofreu de depressão ao menos uma vez na vida. Os estudos sobre a doença se iniciaram em 1920 e, já na época, foi reportado que as mulheres possuem o dobro de chances do que os homens de se tornarem depressivas.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), até 2020, a depressão será a segunda causa de incapacitação, ficando apenas atrás das doenças cardíacas.

Os dados são assustadores e, nas atuais circunstâncias em que vivemos, precisamos falar sobre a depressão. É preciso entender que ela não é apenas uma tristeza passageira, mas sim uma doença. E, como toda doença, precisa ser diagnosticada precocemente e tratada da forma correta.

O que é depressão?

Sentir-se triste em momentos específicos da vida é normal, como após a morte de um ente querido. Porém, algumas pessoas vivenciam esse sentimento de forma muito intensa e por períodos muito longos, que podem não ser apenas dias, mas sim meses e até mesmo anos.

O ponto chave da questão é: essas pessoas nem sempre têm um motivo aparente para se sentirem assim.

Ao mesmo tempo, a depressão pode não se manifestar com tristeza intensa. Muitas vezes, a pessoa sente uma certa indiferença afetiva. O paciente apresenta ausência de compaixão, vergonha, responsabilidade, remorso e consciência.

Em certos casos, a pessoa ainda pode estar depressiva mesmo sem apresentar outro sintoma central da doença, que é a anedonia (ou incapacidade de sentir prazer).

Fisiologicamente, a depressão é um desequilíbrio no cérebro. Mas, ao contrário de outras doenças, ela não pode ser curada apenas com medicamentos, já que ela é uma combinação de fatores biológicos, psicológicos e sociais.

Ou seja, sua qualidade de vida, seus relacionamentos e sua maneira de enfrentar o mundo, podem ser os gatilhos para a depressão aparecer.

Índice – neste artigo você encontrará as seguintes informações:

  1. O que é depressão
  2. Quais são as causas da depressão
  3. Fatores de risco
  4. Os tipos de depressão
  5. Sintomas da depressão
  6. Como é feito o diagnóstico?
  7. O tratamento para a depressão
  8. Medicamentos mais utilizados
  9. Complicações
  10. Como superar
  11. Como prevenir

Quais são as causas da depressão

Não se sabe ainda exatamente quais são as causas para a depressão ser desencadeada. Porém, diversos fatores podem estar envolvidos:

Diferenças biológicas

As pessoas que sofrem de depressão possuem mudanças físicas em seus cérebros. Mesmo não sabendo a significância exata que essas diferenças tenham, elas podem ser uma das causas do aparecimento da doença.

Químicas do cérebro

O cérebro possui uma forma de química natural, causada pelos neurotransmissores. Pesquisas apontam que as alterações na função e efeito desses neurotransmissores, bem como a forma que eles interagem com os diversos neurocircuitos que compõe o cérebro, podem ter um papel significativo na depressão e no seu tratamento, já que atuam diretamente na manutenção da estabilidade do humor do paciente.

Hormônios

Algumas mudanças no corpo podem desequilibrar certos hormônios produzidos e, isso, pode causar ou ser o gatilho para uma depressão. Essas mudanças nos hormônios acontecem, em grande parte, com a gravidez e durante as semanas que precedem o parto. Elas podem ocorrer também a partir de um problema da tireoide, menopausa, entre outros.

Genética

A depressão é mais comum de acontecer com uma pessoa que tenha parentes que também possuem a doença. Já foram encontrados diversos genes ligados à depressão, além de fatores epigenéticos (variações não-genéticas transmitidas de uma geração para outra), como metilação (adição de metil na molécula) do DNA.

Fatores de risco

A doença pode aparecer em qualquer pessoa, de qualquer idade e classe social. Porém, alguns fatores podem influenciar diretamente no desencadeamento da depressão.

  • Alguns traços da personalidade da pessoa, como baixa autoestima, autocrítica e pessimismo;
  • Traumas ou estresses, como abuso sexual, morte, relacionamentos e situações difíceis;
  • Trauma de infância;
  • Ter parentes que já possuem um histórico de depressão, transtorno bipolar, alcoolismo ou suicídio;
  • A questão de ter uma sexualidade que não é apoiada pelos parentes ou amigos;
  • Histórico de outros distúrbios da saúde mental, como transtornos de ansiedade, alimentares ou estresse pós-traumático;
  • Excesso de álcool ou drogas ilícitas;
  • Doenças crônicas, como câncer, AVC ou doença cardíaca.

Os tipos de depressão

Muitas pessoas desconhecem, mas a depressão pode ser dividida em vários tipos. Conheça quais são cada um deles abaixo.

Depressão maior

Esse tipo de depressão é menos comum do que a leve ou moderada e é caracterizada por sintomas intensos e implacáveis.

Quando não tratada, a depressão maior tem duração de cerca de 6 meses e o risco de um novo episódio é 5 vezes maior, apesar de algumas pessoas só terem um episódio ao longo de toda da vida.

Em compensação, quando o primeiro episódio é tratado adequadamente, o risco de outro acontecer durante o restante da vida é de 30%.

Depressão atípica

Subtipo da depressão maior, a depressão atípica é caracterizada por um padrão de sintomas bem específico. As pessoas que sofrem desse tipo de depressão podem ter um pico de humor temporário em resposta a eventos positivos.

Outros sintomas recorrentes são o ganho de peso, sono em excesso e sensibilidade à rejeição.

Distimia

A distimia acontece de forma recorrente e a pessoa que possui essa depressão especificamente tem sintomas não tão graves como a depressão maior, mas eles duram por muito mais tempo.

Para ser diagnosticado com distimia, é necessário que o paciente tenha um episódio com duração mínima de 2 anos. Algumas pessoas ainda podem sofrer com episódios de depressão maior simultaneamente à distimia, condição conhecida como depressão dupla.

Transtorno afetivo sazonal (TAS)

Conhecida também como depressão sazonal, a TAS afeta cerca de 1 a 2% da população mundial e se caracteriza pela sensação de se sentir diferente no inverno: sem esperança, triste, tenso ou estressado.

Esse tipo de depressão tem início no outono ou inverno, quando os dias se tornam mais curtos, e permanece até o início da primavera.

Sintomas da depressão

São diversos os sintomas que a depressão possui, por isso, muitas vezes, eles podem ser confundidos com os de outra doença. Dividiremos esses sintomas em dois grandes grupos: os gerais – subdivididos em categorias de acordo com pensamentos, dores físicas, etc – e em como são apresentados em cada grupo de pessoas – como mulheres e homens.

Sintomas gerais

Os sintomas gerais da depressão podem ser divididos em 4 categorias: comportamentos, sentimentos, pensamentos e físicos. É importante salientar que nem sempre o paciente apresentará todos os sintomas de uma única vez. Confira quais são os principais sintomas de quem sofre de depressão.

Comportamentos

  • Não sai mais de casa;
  • Possui maior dificuldade em realizar as coisas no trabalho e/ou na escola;
  • Afastamento da família e amigos;
  • Contato com álcool e sedativos;
  • As atividades que antes eram prazerosas deixam de ser;
  • Choro sem motivo aparente;
  • Dificuldade em se concentrar.

Sentimentos

  • Sobrecarregado;
  • Culpado;
  • Facilmente irritável;
  • Frustrado;
  • Falta de confiança;
  • Infeliz;
  • Indeciso;
  • Desapontado;
  • Miserável;
  • Triste.

Pensamentos

  • “Eu sou um fracasso”;
  • “É minha culpa”;
  • “Nada de bom acontece comigo”;
  • “Eu sou inútil”;
  • “A vida não vale a pena para se viver”;
  • “As pessoas ficarão melhor sem mim”.

Físicos

  • Cansaço na maior parte do tempo;
  • Episódios de doença e desânimo cada vez maior;
  • Dores de cabeça e musculares;
  • Problemas de intestino;
  • Problemas de sono;
  • Perda ou alteração no apetite;
  • Perda ou ganho significativo de peso.

Leia mais: Sintomas da depressão (físicos, psicológicos, pós-parto): quais são?

Como os sintomas são apresentados nas pessoas

A partir desses sintomas gerais podemos dividi-los em outras 4 categorias, com base em como eles se apresentam nos diferentes grupos de pessoas: homens, mulheres, crianças/adolescentes e idosos.

Homens

  • Menor propensão em ter auto-aversão e desesperança do que as mulheres;
  • Aumento da fadiga, irritabilidade, problemas de sono e perda de interesse no trabalho/hobbies;
  • São mais propensos a apresentar raiva, agressividade e abusar de substâncias químicas.

Mulheres

  • São mais propensas a apresentar sentimentos de culpa, sono excessivo e ganho de peso;
  • 1 em cada 7 mulheres apresentam depressão pós-parto.

Crianças/adolescentes

  • A tristeza normalmente não aparece nesse grupo de pessoas, porém é fácil perceber que elas ficam mais facilmente irritadas e agitadas;
  • Dores de cabeça, estômago ou outras dores físicas podem aparecer também.

Idosos

  • As pessoas mais velhas reclamam mais sobre os sintomas físicos do que os emocionais, como a fadiga, dores e problemas de memória;
  • Elas também podem não gostar de sua aparência física e parar de tomar medicamentos que são essenciais para a sua saúde.

Como é feito o diagnóstico da depressão?

Caso você tenha identificado alguns desses sintomas citados em você mesmo, o ideal é procurar um médico o quanto antes, que pode ser um clínico geral  ou um psiquiatra. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o tratamento médico ajuda – e muito – nos casos de depressão.

O diagnóstico para a doença é realizado, basicamente, a partir de uma série de perguntas que o especialista irá fazer, tais como:

  • Se os sintomas apresentados não estão tendo melhora;
  • Se o seu humor está afetando o seu trabalho e seus relacionamentos;
  • Se você tem pensamentos suicidas ou de automutilação.

Não há exames físicos para a depressão, mas o médico pode solicitar eventuais exames de sangue e urina para ter a certeza de que você não possui outra doença que apresenta os mesmos sintomas.

Depressão tem cura? Qual é o tratamento?

A depressão pode ter cura sim. Entretanto, como suas causas ainda não estão totalmente esclarecidas, não existe apenas um, mas vários tipos de tratamentos para a depressão.

O mais indicado pelos especialistas é o uso de medicamentos em conjunto com a psicoterapia. Além desse, há ainda o tratamento realizado em hospitais, a eletroconvulsoterapia, a estimulação magnética transcraniana e os tratamentos alternativos.

Psicoterapia

A psicoterapia é um tratamento baseado na conversa sobre a condição do paciente com um profissional da área da saúde mental. Dentre as inúmeras ajudas que a psicoterapia pode te dar estão:

  • Ajudar em uma crise ou outra dificuldade atual;
  • Identificar os comportamentos negativos da pessoa e substituí-los por outros saudáveis e positivos;
  • Explorar relacionamentos e experiências para que interações positivas com os outros sejam desenvolvidas;
  • Encontrar maneiras melhores de lidar com os problemas;
  • Identificar as questões que contribuem para sua depressão e comportamentos que piorem o estado;
  • Recuperar a satisfação e o controle da própria vida;
  • Ajudar a definir metas realistas para a sua vida;
  • Desenvolver a capacidade de tolerar e aceitar o sofrimento utilizando-se de comportamentos mais saudáveis.

Tratamento em hospitais e clínicas especializadas

Em algumas pessoas a depressão é tão forte que o tratamento precisa ser realizado em hospitais, isso porque, muitas vezes, elas não conseguem cuidar de si mesmos por conta própria. Por acharem que a vida é muito difícil, podem recorrer a saídas como o suicídio ou a automutilação.

Eletroconvulsoterapia

Realizada sob efeito de anestesia, a terapia eletroconvulsiva é feita através de correntes elétricas que passam pelo cérebro do paciente e tem a função de oferecer alívios imediatos dos sintomas da depressão.

Esse tipo de tratamento é utilizado em pessoas que não possuem melhora com os medicamentos e é a primeira opção para gestantes, pois esse tratamento não tem ação direta sobre os bebês.

Estimulação magnética transcraniana

Tipo de tratamento também realizado em pessoas que não obtiveram melhora com os medicamentos, a estimulação magnética transcraniana é realizada através de uma bobina de tratamento que é colocada contra o couro cabeludo do paciente.

Essa bobina envia breves pulsos magnéticos para estimular as células nervosas do cérebro que trabalham na regulação do humor e depressão. Normalmente, esse tratamento tem duração inicial de pelo menos 4 semanas com até 5 sessões semanais, para resgate do episódio.

Tratamentos alternativos

Os tratamentos alternativos não substituem os realizados pelos especialistas, porém podem ser de extrema ajuda caso feitos em conjunto.  Alguns exemplos desses tratamentos são os seguintes:

  • Erva de São João;
  • Ômega 3;
  • Acupuntura;
  • Técnicas de relaxamento, como ioga ou tai chi;
  • Meditação;
  • Imaginação guiada;
  • Massagem terapêutica;
  • Terapia de música ou arte;
  • Espiritualidade;
  • Exercício aeróbico;
  • Homeopatia.

Remédios mais utilizados

Em primeiro lugar, é preciso saber que nem sempre um medicamento terá o mesmo efeito em diferentes pessoas. Portanto, a ida ao médico é imprescindível, pois apenas ele poderá indicar qual é o melhor para o seu tipo de depressão.

Os medicamentos utilizados no tratamento da depressão podem ser divididos nas seguintes categorias:

  • Inibidores da recaptação da serotonina;
  • Inibidores seletivos da recaptação da serotonina-noradrenalina;
  • Inibidores da recaptação da norepinefrina-dopamina;
  • Antidepressivos atípicos;
  • Antidepressivos tricíclicos;
  • Inibidores da monoamina oxidase;
  • Outros medicamentos.

Dentre esses medicamentos, estão os seguintes:

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Complicações

Se não tratada o quanto antes e de maneira correta, a depressão pode ocasionar sérias complicações:

Diabetes

Muitas pessoas têm como sintoma da depressão o excesso de peso, que pode ter como consequência o desenvolvimento da diabetes.

Abuso de substâncias

Estima-se que aproximadamente 25% dos pacientes que sofrem com alcoolismo ou vício em outras substâncias também sofram de depressão.

A depressão também é um fator de risco conhecido para o tabagismo, além de aumentar o risco de início precoce da dependência de nicotina, que pode ativar certos receptores no cérebro relacionados ao humor.

Ansiedade, transtorno do pânico ou fobia social

Pessoas com quadros depressivos, por alguma razão, apresentam mais chances de desenvolver outros transtornos, como ansiedade, transtorno do pânico ou fobia social.

Problemas no trabalho e relacionamentos

A depressão pode afetar bastante o rendimento profissional, pois o paciente às vezes não tem forças para sair da cama e, quando está no local de trabalho, pode não ser tão produtivo. Isso aumenta os riscos de desemprego e baixa renda.

Além disso, a doença pode trazer impactos para os relacionamentos com familiares, sendo que os companheiros do paciente, cônjuges ou filhos, por exemplo, apresentam um risco maior de ter um episódio depressivo.

Isolamento social

Por conta da doença, pode ser que o paciente se isole do resto das pessoas, incluindo amigos e familiares próximos. Os pensamentos depressivos fazem com que a pessoa não se sinta bem consigo mesma e, por consequência, não se sinta bem com outras pessoas ao seu redor.

Risco de suicídio e automutilação

Pacientes deprimidos têm um risco de suicídio até 15% maior. Dos pacientes que sofrem de depressão, os homens apresentam mais chances de cometer suicídio quando comparados às mulheres, sendo que o suicídio é mais comum em pacientes com idade superior a 60 anos.

Isso se dá por conta da ideação suicida, que, muitas vezes, acompanha os pacientes durante os episódios depressivos. Além disso, esses pacientes têm mais chances de cometer automutilação.

Infarto cardíaco e Acidente Vascular Cerebral (AVC)

Acredita-se que a depressão produz alterações biológicas que podem ter efeitos danosos na saúde física. A diminuição dos níveis de serotonina podem ativar respostas orgânicas de estresse, que podem levar a problemas de coagulação no sangue, inflamação e lesões nos órgãos, aumentando as chances de infarto e AVC.

Como superar

Além do tratamento médico, é preciso que o paciente se ajude. Para isso, algumas dicas são bastante válidas para que a superação da doença possa acontecer:

  • Simplifique sua vida;
  • Não se isole;
  • Aprenda maneiras de relaxar e controlar o seu estresse;
  • Estruture seu tempo;
  • Não tome decisões importantes quando você estiver mal;
  • Mantenha-se ativo;
  • Tenha uma boa alimentação;
  • Encontre maneiras para se envolver novamente com o mundo.

Como prevenir

Por mais que não haja maneiras certeiras de se prevenir a depressão, algumas estratégias podem ser aplicadas:

  • Tome medidas para controlar o estresse;
  • Peça ajuda de seus familiares e amigos quando estiver enfrentando um período difícil;
  • Procure ajuda profissional ao primeiro sinal de depressão;
  • Considere começar um tratamento de longo prazo para ajudar na prevenção de recaídas futuras.

Muitas pessoas não sabem que sofrem de depressão por não conseguirem enxergar em si mesmos os sintomas característicos da doença. Portanto, se você conhece alguma pessoa que está tendo comportamentos típicos de alguém depressivo, converse com ele e sugira a procura médica. Quanto antes a doença for diagnosticada, melhor!

Fonte consultada

Dr. Emerson Rodrigues Barbosa (CRM/PR 25901), graduado em Medicina pela Universidade Federal do Paraná. Especialista em Sexualidade Humana e em Estimulação Magnética Transcraniana, ambas pela USP. Especialista em Terapia Cognitivo Comportamental pelo Instituto Paranaense de Terapia Cognitiva (IPTC). Diretor clínico do Instituto de Psiquiatria do Paraná (IPP)

Publicidade

12/12/2018 16:08

Redação Minuto Saudável

Somos um time de jornalistas e especialistas em comunicação digital dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável. Confira mais na nossa página de quem somos.

Ver comentários

  • Sou Psicólogo, trabalho na área, quem precisar e só entrar em contato..

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • oi eu tenho uma amiga q tem todos esses sintomas citados aqui oque eu devo fazer

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Eu preciso

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Neste artigo esta tudo o que eu precisava saber, vai me ajudar muito

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • há aproximadamente 10 meses, que me sinto assim......... durmo pensando se vou acordar, me isolo das pessoas. Derrepente tenho crises de choros muito intensas e fortes, mas que preciso chorar pra me sentir melhor. Estou em um relacionamento onde minha namorada foi diagnosticada e sofre de depressão, e só me dei conta que ( Posso) estar sofrendo do mesmo, pq são quase as mesmas crises que a dela se não iguais. Ainda não tive coragem de contar a ela, muito menos demonstrar meus sintomas e crises de choro na frente dela, amo muito ela muito mesmo. E acho que se perder ela não sei o que faço. Vou trabalhar de moto todos os dias, e choro intensamente no caminho, sem contar nas vezes em que penso em parar e me jogar no chão e ficar lá de tanta pressão mental. Tenho um medo "Excessivo" de " PERDA" seja do meu emprego, meu relacionamento, meus bens materiais. Emagreci 15 KG, não consigo comer, não desenvolvo na faculdade. Não sei o que fazer

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Olá João Paulo!

      A depressão é caracterizada como uma tristeza profunda que se perpetua por longos períodos, variando de meses até anos. Não é aquela tristeza que fica por um tempo e depois vai embora naturalmente. Em muitos casos, ela vem aliada à ansiedade, uma outra doença que causa sintomas como desânimo, nervosismo, estresse etc.

      O que te aconselhamos a fazer é buscar um profissional de saúde, de preferência um psiquiatra. Na consulta, conte tudo o que está sentindo, há quanto tempo está sentindo e como está sentindo. Ele é o profissional mais qualificado para te dar um diagnóstico e, depois de analisar todos esses fatores, pode te dar indicações do que fazer.

      Se a tristeza está chegando à níveis insuportáveis, não perca tempo. Consulte-se com um psiquiatra.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

      • Ola João Paulo
        Faça isso o que o Victor disse procure um psiquiatra o quanto mais cedo melhor, vá logo procurar um psiquiatra só ele pode te dizer o que você tem .
        Não deixe pra depois, quanto antes melhor porque com algum tempo usando o medicamento você pode melhorar e parar de tomar o medicamento. eu não procurei logo a ajuda e hoje estou na terceira idade e continuo tomando o medicamento e assim mesmo volta as crises e cada vez mais medicamento mais forte que muitas vezes fico tão dopado que não consigo fazer nada.
        João Paulo boa sorte tudo de bom.

        Cancelar resposta

        Deixe uma resposta

        Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Tudo que eu sinto é uma raiva tristeza ódio e insegurança...principalmente com o meu parceiro que nao me ajuda em nada...nao é só porque ele faz as coisas pra mim que é ótimo nao...ele nao consegue me ajudar nas minhas tristezas, só me deixa pior..e eu fico mal por causa dele...Eu estou triste chorando e ele rindo como se estivesse tudo bem..sinto q eu nao posso contar com ele...a minha cabeça o dia inteiro ficou doendo queimando martelando... ele fala tanto em nao ser o que...e acaba se tornando..eu fico com vergonha de chorar na frente dele e ele piorar...sei la...achar que eu sou imbecil...a índole dele nao é ruim não...mas sei lá ne....de repente ele pode estar com ódio de mim também..eu estou esfriando cada dia mais e tenho receio de mudar muito...ja passei por tanta coisa que tenho medo de tudo...Eu sinto que ele fica sínico comigo...isso me irrita muito...porque parece q ele esta querendo se tornar melhor do que eu...isso me deixa com muita raiva.. e olhar dele de falso e sínico q me irtita...muito...eu queria muito ter coragem de chorar na frente dele desabar mesmo mostrar que estou mal mas tenho medo do que ele possa fazer com essas informaçoes, pelas experiencias que eu ja tive eu tenho medo de me entregar assim pras pessoas... enfim eu nao sou muito boa em me abrir nao, sou meio fechada...só consigo dizer isso..

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Oi, olha, pelo amor de Deus, o que vc tá fazendo com esse cara ainda? Já era pra ter largado, se ele não te ajuda e não percebe que vc está mal, então ele não serve pra vc. De quê adianta ter um cara desse ''do lado'' (sendo que na verdade ele não está)? Procure ajuda e pare de pensar assim, não precisa ter medo de se abrir com que vc confia, seja sua mãe, seu pai ou avós...o importante é não guardar esse sentimento pra vc, indico que vc procure u psicólogo.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Sem palavras. O artigo descreveu um pouco da minha vida e rotina. Fui diagnosticada em 2005 fiz tratamento e melhorei. Infelizmente ela voltou intensa em 2015, fiquei sem memória e de cama. Faço tratamento depois disso e tomo medicação. Há 4 semanas não estou bem. Tive duas crises e minha tristeza está acabando comigo.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Convivo com uma pessoa perto de mim, próximo de mim que vive de mal humor, Muda de temperamento com muita facilidade e reclamando muito da vida, seria uma depressão? O que fazer?

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Olá!

      Os sintomas que você relatou podem sim ser resultado de uma depressão, como também podem estar relacionados a outros problemas de saúde. É importante que você aconselhe essa pessoa a buscar ajuda médica para obter um diagnóstico preciso e, se necessário, iniciar um tratamento.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Olá eu tenho 14 anos e minha vida é um merda. Preciso de ajuda por favor. Todos os dias eu penso em suicídio. Socorro

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Olá Lilia,

      Sofrer em silêncio deixa tudo muito mais difícil. Procure conversar com as pessoas que você ama e não deixe de buscar tratamento. Um médico psiquiatra poderá te ajudar a enfrentar esse problema. Tenha coragem e não se envergonhe de seus sentimentos. A depressão é uma doença que pode ser curada.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • como faço pra n deixa uma pessoa triste sendo q é depressiva?

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Olá Adriana!

      Infelizmente não é tão simples assim. A tristeza profunda é um dos sintomas da depressão e, para ser aliviado, necessita de tratamento e acompanhamento médico constante. O apoio emocional das pessoas que convivem com o paciente é muito importante, mas somente ele não resolve o problema. Busque conversar bastante com ela, mas não deixe de aconselha-la a buscar ajuda profissional.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Me chamo Mylena, tenho 24 anos. Há algum tempo venho sentindo uma profunda tristeza, do nada começo a chorar, sinto que sou inútil, que não tenho autoconfiança, tenho muito medo de perder as pessoas que eu amo, de perder meu emprego. Eu me acho feia, não consigo confiar em ninguém, as vezes quando saiu de casa tenho a impressão que as pessoas estão olhando pra mim, rindo da minha cara. Sou muito ansiosa , tem dias que minha vontade é apenas dormir o dia inteiro, ficar no meu cantinho pra fugir da realidade. Sei que preciso de ajuda, tenho quase certeza que isso tudo que sinto é depressão.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Olá, Mylena. Se quiser alguém com quem conversar é só falar, vez ou outra costumo atuar como ouvinte. :)

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Boa Noite! Mylena,

      Eu comecei desse jeito que você está citando, marquei um neurologista e me receitou Bromidrato de Citalopram que é antidepressivo e deu atestado de 30 dias e estou tomando chá de folhas de maracujá. Faz dias que só estou dormindo o dia inteiro, sem coragem de fazer nada, estava até sem coragem de ir congregar, pois sou crente da Congregação do Brasil. Hoje fui buscar a palavra e falou até sobre macumba, isso que eu estava sentindo mesmo, que fizeram algo pra me ver assim derrotada, mas pela misericórdia de Deus, após a palavra na Congregação Cristã aqui do Campo Largo em Salto de Pirapora, sinto que já estou liberta em nome do senho Jesus. Pois é só Deus em nossas vidas... A beleza exterior não é a mais impostante, mas sim a beleza do interior a que vem do nosso coração, em sermos humildes, caridoso, pois pra Deus somos todos lindos!!! Que Deus te abençoe e ilumine o seu coração e mostre que você é uma pessoa linda interiormente... Amém.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Olá!
    Meu nome é Amanda,tenho 11 anos,faço 12 daqui 27 dias,desde o começo do ano passado sinto isso,minha tia morreu faz 1 ano,mas sei q não é só isso q me deixa assim,pois li tudo o q estava escrito,e depois de tudo q li,percebi q tenho depressão,é tão doloroso isso ;-;

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Minha querida, você é tão jovem e já com grande problema, você está começando a entrar em depressão, eu tive depressão, por anos,mas hoje estou totalmente curado, eu tenho um grupo grande aqui em Belém, que trato pessoas com problema psicológico, mas fale para a sua mãe lhe levar a um psicólogo o mais rápido possível, pois depressão tem cura

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Depressão não tem cura ,tem remissão.Quem teve uma vez sempre terá uma recindiva, isto é terá outra crise,é claro que a periodicidade e intensidade sera variavel em cada pessoa, como foi dito anteriormente sera a principal causa de óbito a partir do ano de 2021. É um mal terrivel na maioria das vezes indescritivel e insuportavel, so pensamos em deixar de existir para acabar com o sofrimento.

    Falo com experiencia de mais de 30 anos com essa patologia, ja me submeti a todos tratamentos existentes na atualidade que so foram paliativos. Não tenho alegria de viver, perdi minha relação conjugal e familiar apesar de todos se peocuparem comigo. Não sei se são piores os efeitos colaterais das medicações ou a propria doença. Não quero tirar a esperança de vocês, sempre devemos ter otimismo quanto ao tratamento,porem não espero que surja uma pílula dourada que acabe com esse mal num periodo proximo....!!!!

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • A algum tempo tenho me sentido fracassada triste e infeliz em várias vezes penso que tudo seria melhor se eu morresse porque ai todo esse sofrimento acabaria,já não aguento mais viver assim

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Qual o primeiro passo é psicólogo em primeiro lugar ou psiquiatra?

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

      • Olá Rejane!

        Estes profissionais fazem abordagens diferentes e complementares de tratamento, por isso é interessante um acompanhamento com ambos. Você pode inicialmente consultar-se com um psiquiatra para que seja feito um diagnóstico e se inicie o tratamento com um medicamento antidepressivo, caso necessário.

        Cancelar resposta

        Deixe uma resposta

        Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Querida estou com depressão à 6meses estou fazendo tratamento co psicóloga psiquiatra é muito difícil minha família se afastou de mi minhas amizades tb.mais não desista ,Deus existe e ele nos ama,Cristo sofreu dor pior que a nossa somos falhas e imperfeitos e vamos conseguir sair dessa situação já pensei varias
      vezes em me suicidar mais não vale à pena hoje meu dia foi horrível estou numa tristeza só, choro muito mais vou sobrevivendo.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • estou em um relacionamento a alguns anos, porém meu namorado sofreu durante um tempo onde percebi ser depressão, ai parece que ela vai embora mas depois de um tempo volta, mesmo ele estando em melhores condições do que antes (pois estava com muitos problemas), tendo ajudar conversar entender o que passa na cabeça dele, mas toda vez que chego perto do assunto ele desvia da conversa para não falar, a melhor indicação seria o medico ainda? o que posso fazer para ajudar ele???

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • eu tenho depressão e antes não conseguia nem levantar da cama e muito menos ficar na internet, continuo com o desànimo em relação as coisas e sem querer viver, mas pelo menos para internet eu consegui vir, seu namorado precisa de um psiquiatra e de um psicólogo

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Olá Hellen!

      Antes de mais nada, é importante consultar um médico para que seja feito o diagnóstico. Em casos de depressão, comumente é necessário o uso de medicamentos, além de sessões de terapia. Muitas vezes as pessoas que passam por problemas como este não se sentem à vontade para conversar, por isso é tão importante o acompanhamento de um psicólogo. Aconselhe-o a procurar ajuda e busque conversar também com pessoas que passam ou já passaram por essa situação.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Sou do interior de SC, fui criada apenas pela minha mãe, ela na época crios meus irmãos e eu, nunca tive presença paterna, a imagem de pai que tinha era de meu irmão mais velho e meu tio padrinho.
    Quando tinha uns 13 anos meu irmão saiu de casa, foi morara em outro estado, sofri muito, pois sentia muito a falta dele. Minha mãe entrou em depressão, eu desde os 13 trabalhei fora. Estudava e trabalhava. Minha mãe, não cuidava da casa, não fazia comida. Enfim, ela arrumou um namorado, alcoólatra, que batia nela, ela aceitava a situação, o defendia. Minha irma e meu irmão já moravam na mesma cidade em outro estado. Com 17 naos saí de casa para morar com minha irmã. Não aguentava mais a convivência com minha mãe. Perdi meu tio padrinho, senti muito por sua partida. Hoje tenho 25 anos, moro sozinha, não tenho ninguém por mim. Todo dia de manhã é uma luta para levantar da cama e ir trabalhar, muitas das vezes entro em desespero, choro muito. Tenho pensamento de morte, fico pensando se eu morrer, será que alguém vai sentir minha falta.
    As pessoas só pensam nelas, só sabem falar dos seus problemas, ninguém sabe o que passo o que sinto. Final de semana, não atendo o celular e não respondo ninguém, pq não tenho vontade de sair de casa. Não tenho animo para limpar a casa e sempre fui caprichosa.
    Será que o que tenho é depressão? Minha mãe tem depressão, minha tinha se enforcou por causa da depressão. Não quero que seja isso, sempre tive vontade de viver, hoje cada dia é uma luta p sair de casa.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Oi Querida Pricila...eu tive depressão forte e ataques de panico, busquei a Deus muito...procurava videos no Youtube motivacionais e sempre fiz p esforço pra sair da cama pra nao deixar isso me dominar...sei o quão dificil é, tenho um filho de 2 anos e não conseguia cuidar dele direito nao conseguia nem fazer comida, o que eu fazia era tremer e chorar o dia todo... Com muita ajuda de Deus eu consegui me recuperar... Espero q vc consiga superar...hoje mesmo eu estava vendo vídeos motivacionais e então precisamos ter sonhos, objetivos na vida...coisas que nos façam querer ir além, mas que isso faça a diferença na sua vida...viva a sua vida! Nao faça nada pra agradar aos outros, com bom senso...isso nos adoece! Querida já me senti sozinha mesmo tendo pai e mãe, e o único q estava comigo foi o que me deu força pra sair dessa...
      Bjos que Deus abençoe vc grandemente e lembre se, vc nunca estará sozinha, nao tenha medo. Deus ainda vai colocar anjos na sua vida para lhe servir de companhia.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • oi Priscila, sei que não estou na sua pele, mas quero pedir que você não desista, tbm tenho mãe com depressão e tenho muito medo de ter esse bicho papão (é como chamo a depressão) sempre busco me fortalecer espiritualmente, com livros, palestras, filmes etc...não sei se vai ajudar, mas talvez se você tentar vencer um dia de cada vez, sabe tipo aqueles mantras loucos que vemos em filme "hoje vou ser grato" "hoje vou ser feliz" algo assim. Se precisar conversar...

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Olá bom dia Priscila meu nome é Junior moro em sc tbm e me encaixo no mesmos sintomas que o seu nao tenho vontade de sair de casa ou ir pro trabalho, nao tenho vontade de ver nimguem me sinto um pedaço de merda sei la me sinto ancioso sinto falta de algo que nao sei o que é, parece que nao tenho mais sentimentos ... As vezes tenho medo de mim proprio do que posso fazer com as outras pessoas sem pensar.ou ate comigo mesmo.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

      • nossa !eu me encaixo na sua descrição,sou comerciante e e tenho que me virar nos 3 pra sair todo dia pro trabalho,pois administro só.

        Cancelar resposta

        Deixe uma resposta

        Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Olá a todos! Gostaria de parabenizar a abordagem do assunto, achei perfeito, já que no mundo só há espaço para pessoas felizes e bem resolvidas, quando vc apresenta qualquer insatisfação com a vida e sua história pessoal, as pessoas vão te empurrando as muletas da chamada cura espiritual, aí complica mais ainda, porque muitas vezes a depresão vem de escolhas equivocadas, falta de coragem para fazer mudanças, porque toda mudança traz dificuldades de aceitação, e muitas vezes você vai a um chamado especialista e ele está mais doente que o próprio paciente, infelizmente sou muito observadora, em que percebemos que o profissional tem que pelo menos pedir alguns exames, para que possa descartar um problema orgânico, mas isso não acontece, vão logo bombardeando os pacientes com medicamentos caríssimos, e muitas vezes desnecessários, a onde complicam mais ainda a situação, porque todos tem suas contra indicações, começa pela vida conjugal onde sua libido fica em terceiro plano e aí o casamento vai descendo ladeira a baixo, por isso não acredito em milagres, nem da medicina que está prostituída com laboratórios de ponta fazendo cada vez mais propostas indecentes e mostrando um leque de diversão para a classe médica, com algumas exceções é claro, para o lado espiritual, todos sabem que as igrejas estão cada dia mais cheias em busca da pseudo cura! Eu particularmente não acredito em nada, vejo pessoas que se enganam fingindo acreditar em milagres!
    Pelo sim, pelo não, essa é minha opinião!

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Vc esta depressiva, tome cuidado, porém tem razão em 90% de sua retórica em minha opinião.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Sim pessoal eu estou numa fase inicial da depressão segundo os sintomas que aqui estão detalhados o que eu sinto tudo se encaixa, perda de peso, falta de apetite, mudanças de humor com facilidade, então meus amigos peço uma dica para quem já teve e ultrapassou esta doença.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Eu estou com depressão síndrome do pânico enterrompi o tratamento agora estou muito ruim tomo calmante tem dias que tomo 3 diazepam não faz efeito hoje é um dia que estou muito ruim parece que meu coração vai sair pela boca não consigo durmir meu marido já não aguenta mais ver eu me queixar que todos os dias estou ruim então não sei o que fazer mais só fico em casa não tenho vontade de nada só tenho muito medo

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Procure ajuda médica , cuide de voce , e salve seu casamento !

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Beatriz, não tenha medo. Diga para seu esposo que você está mal, eu também sofro de depressão. As vezes pensamos que ninguém quer nos ajudar mais, porém eles têm medo de nos perder, lute para sobreviver. Não sei a data que você postou este pedido de ajuda, mas hoje foi o dia certo para você receber uma resposta que talvez não seja de muita ajuda, mas para mim, já está sendo de muito valia, porque eu estou tentando te ajudar.
      Faça algo pequeno que você goste, não precise ser grandioso, este algo fará você sair da crise.
      A crise vai passar!!!
      RESPIRE!!!
      você é muito importante para seu marido, mesmo que ele esteja cansado por agora.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • eu não consigo nem me expressar....

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • A depressão é considerada como um distúrbio emocional. Uma pessoa com depressão apresenta sintomas típicos, como profunda tristeza e falta de interesse nas coisas mais banais, além de falta de apetite e de oscilações de humor que podem levar a tendências suicidas.
    É necessário, no entanto, conhecer a diferença entre uma tristeza provocada por qualquer fato inesperado e os sintomas da depressão. Entender que se trata de uma doença é o primeiro passo para buscar ajuda de um especialista.
    Um fato que possa causar tristeza pode demorar algum tempo para ser assimilado. A depressão, ao contrário de qualquer sentimento negativo, no entanto, pode durar até alguns anos ou a vida toda. Assim, considera-se que uma pessoa esteja deprimida quando não sente ânimo ou vontade por mais de algumas semanas.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Eu tenho 12 anos e sofria de depressão mas agora texto me me ajudar com essas dicas de tratament

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*