Estela (Minuto Saudável)
19/02/2019 08:00

Vitaminas (lipossolúveis, hidrossolúveis): o que são, tipos e alimentos

A palavra vitamina, registrada pelo bioquímico Casimir Funk em 1911, surgiu a partir da ideia de que elas são essenciais para a vida (vital) e que, quimicamente, seriam aminas (compostos orgânicos).

Publicidade

Realmente, as vitaminas são indispensáveis para a nossa vida, mas se sabe que, hoje, nem todas elas são necessariamente aminas.

Algumas são sintetizadas pelo nosso próprio organismo, outras precisam ser absorvidas pela alimentação.

Em excesso ou em carência, não fazem bem à saúde, por isso é tão importante consumi-las de forma equilibrada.

Continue a leitura para saber onde encontrá-las e para que servem!

Índice — neste artigo você encontrará as seguintes informações:

  1. O que são as vitaminas?
  2. Para que servem as vitaminas?
  3. Vitaminas hidrossolúveis e lipossolúveis
  4. Quais são as vitaminas?
  5. Benefícios das vitaminas
  6. Quais os alimentos fonte de vitaminas?
  7. Suplementos vitamínicos: quando tomar?
  8. O que é a hipovitaminose e a hipervitaminose?
  9. Qual a quantidade diária necessária?
  10. Vitamina para criança
  11. Vitamina para gestante
  12. Vitamina para cachorro

O que são as vitaminas?

As vitaminas são substâncias orgânicas essenciais para diversos processos do nosso corpo e, em geral, são supridas por meio de uma alimentação balanceada e saudável. Entre si, diferem-se pelas atividades e funções que desempenham no organismo, e também pela forma, ou seja, suas estruturas químicas.

Podem ser compostos sintetizados pelo organismo ou adquiridos pela alimentação, sendo esse último o tipo mais familiar. Em quantidades corretas — que são, em geral, muito pequenas — proporcionam diversos benefícios para a saúde.

Diariamente, precisamos apenas de algumas miligramas ou microgramas.

Além de obtidas pela dieta, elas podem ser adquiridas por meio da exposição ao sol (vitamina D), a partir da flora bacteriana intestinal (vitamina K, riboflavina, biotina) e por síntese no fígado através do aminoácido triptofano (niacina).

Publicidade

Algumas das vitaminas podem ser sintetizadas pelo próprio organismo, mas também serem encontradas na alimentação, como é o caso da vitamina K, que está presente em vários alimentos (como o espinafre), mas também é sintetizada pelas bactérias da flora intestinal.

Vários alimentos são fontes de vitaminas e com uma alimentação variada, é possível garantir as quantidades necessárias para o dia a dia. Em casos especiais, no entanto, o uso de suplementos vitamínicos pode ser indicado.

Para que servem as vitaminas?

As vitaminas são nutrientes essenciais que trabalham em conjunto com enzimas para controlar a atividade das células. Em nosso organismo, conseguem reparar tecidos, ajudam a fortalecer o sistema imunológico, colaboram para a saúde de mucosas e pele, e ajudam no tratamento e prevenção de doenças.

Além disso, são fonte de energia para o dia a dia, favorecem algumas reações metabólicas e desempenham ação antioxidante e desintoxicante.

Geralmente, cada vitamina desempenha uma função mais específica, mas também existem algumas que são complementares e que interagem com outros nutrientes essenciais.

A ingestão de vitaminas é importante em qualquer idade, pois elas ajudam no desenvolvimento e crescimento durante a infância e no equilíbrio de uma vida saudável em todas as fases da vida.

A quantidade de vitaminas necessária pode variar, também, de acordo com vários fatores como gênero, idade, estado de saúde e condicionamento físico.

Vitaminas hidrossolúveis e lipossolúveis

As vitaminas são divididas em dois tipos de acordo com a dissolução: as lipossolúveis, que se dissolvem em gordura, e as hidrossolúveis, que se diluem em água.

As lipossolúveis, portanto, dependem da presença de lipídios, mas também podem se dissolver em suco pancreático e bile (líquidos que participam da digestão).

Dessa forma, o organismo consegue absorvê-las através do intestino e as transporta por meio do sistema linfático, onde poderão ser armazenadas nos tecidos de gordura e no fígado.

Publicidade

São vitaminas mais difíceis de serem eliminadas pelo organismo, sendo alguns exemplos as vitaminas D, K, A (armazenadas no fígado) e E (armazenadas no tecido adiposo).

As hidrossolúveis, por outro lado, se diluem facilmente pelo organismo, pois o nosso corpo é constituído por uma grande quantidade de água. Por isso, são absorvidas e eliminadas com mais facilidade, o que exige reposição diária.

Elas são absorvidas pelo intestino e circulam pela corrente sanguínea, se distribuindo entre os tecidos que necessitam delas.

As vitaminas hidrossolúveis ficam armazenadas, até certo limite, em tecidos orgânicos, mas se houver uma grande ingestão, boa parte é eliminada na urina.

As vitaminas do complexo B e a vitamina C fazem parte desse tipo de vitamina. Com exceção da B12, que é armazenada no fígado, as outras são facilmente eliminadas, por isso é preciso ter uma alimentação rica desses nutrientes.

Quais são as vitaminas?

Ao todo, precisamos de 14 vitaminas para ter uma vida saudável. Como nosso organismo não consegue sintetizar todas elas, é através de uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, leite, carnes e grãos que devemos adquirir as vitaminas A, E, K, C, D e as do complexo B.

Conheça um pouco mais sobre cada uma delas:

Vitamina A

Também conhecida como retinol, retinal ou ácido retinoico, a vitamina A é uma importante vitamina para a saúde dos olhos, ossos, cabelos, pele, unhas, sistema imunológico e órgãos reprodutivos.

É fundamental para o crescimento e desenvolvimento saudável do nosso organismo, apresentando ação antioxidante, o que ajuda a combater os radicais livres e a morte precoce das células.

Alguns sintomas indicam quando existe carência ou excesso dessa vitamina no organismo. Quando em falta, a pessoa pode apresentar problemas de visão (como a cegueira noturna), imunidade baixa, cabelos, pele e boca ressecados, unhas quebradiças e dor de cabeça, por exemplo.

Em excesso também faz mal à saúde, pois pode também causar ressecamento da pele, além de dores na articulação, problemas no crescimento, má formação e outros problemas.

Essa vitamina pode ser adquirida através de alimentos como ovos, leites, queijo, óleo de peixe, fígado, cenoura, espinafre, batata doce, brócolis etc.

Leia mais: Como consumir ovo na dieta? Aprenda 4 formas de preparo

Vitamina K

A vitamina K, uma vitamina lipossolúvel, é importante para a circulação sanguínea e a calcificação dos ossos.

Por conta disso, uma pessoa deficiente de vitamina K pode ter problemas como hemorragias, má formação óssea ou calcificação das cartilagens do organismo (condição que causa o enrijecimento cartilaginoso).

Mas, felizmente, a deficiência em vitamina K não é tão comum, já que é uma vitamina presente em vários vegetais, derivados do leite, ovos, carne, frutas, cereais e, além disso, também é sintetizada pelo organismo, através de algumas bactérias presentes na flora intestinal.

Em excesso, a vitamina também pode trazer prejuízos, como dores na região do peitoral e falta de ar.

Vitamina C

A vitamina C (ácido ascórbico) é uma das mais conhecidas e consumidas pelas pessoas, principalmente por aquelas que estão em quadros de gripe ou resfriado, pois encontram nessa vitamina um reforço para o sistema imunológico.

Esse é um dos benefícios mais famosos da vitamina, que realmente tem esse papel no organismo.

Além de fortalecer as defesas do corpo, a vitamina C é fundamental para a produção de colágeno, formação de ossos e dentes, combate aos radicais livres, processos de cicatrização, absorção de ferro e metabolização de aminoácidos e vitaminas do complexo B.

Para conseguir absorver boas quantidades de vitamina C, é possível apostar em várias frutas ricas nesse nutriente, como a acerola, camu-camu, laranja, mexerica, caju, cranberry, goiaba e graviola.

Contudo, é preciso estar atento às quantidades ingeridas. O consumo de vitamina C em excesso está relacionado a um risco maior de desenvolvimento de problemas renais, irritação na bexiga (por deixar a urina mais ácida) e distúrbios gastrointestinais.

Já a carência da vitamina provoca uma doença chamada escorbuto, que pode causar sangramento e inflamação da gengiva, perda dos dentes, dores articulares, queda de cabelo, pequenas hemorragias e anemia.

Ácido pantotênico (B5)

O ácido pantotênico ou vitamina B5 atua na conversão de nutrientes, como proteínas, gorduras e carboidratos em energia para o nosso organismo.

Proporciona benefícios para a pele, pois ajuda a recuperar queimaduras suaves, irritações e acne, além de acelerar processos de cicatrização.

Pelo fato de vários alimentos conterem essa vitamina, a deficiência desse nutriente é muito incomum. Mas, quando acontece, alguns sintomas como insônia, fraqueza, cansaço muscular e dor de cabeça podem surgir.

Para evitar isso, deve-se manter na dieta alimentos como ovos, aves, batata doce, verduras de cor verde escura, leite e peixes.

Vitamina E

A vitamina E (a-tocoferol) possui uma importante ação antioxidante, é essencial para a saúde dos órgãos reprodutores, ajuda a prevenir a oxidação de outras vitaminas (como a vitamina A e C) e é bastante utilizada para retardar o ranço nos alimentos mais gordurosos (oxidação que causa deterioração dos alimentos).

Essa vitamina está bastante presente no óleo de soja, no arroz, milho, girassol, na gema de ovo, no azeite de oliva, amendoins, pistaches e castanha-do-Pará.

Vitamina D

A vitamina D (calciferol) é um tipo de vitamina absorvido pela exposição aos raios UVB. Essa exposição é capaz de desencadear uma reação do organismo, que produz a vitamina D a partir disso.

Isso é possível porque a pele possui uma substância semelhante ao colesterol (pró-vitamina D) que se transforma na vitamina quando estamos expostos ao sol.

O tempo recomendado de sol é pequeno, sendo de 15 a 20 minutos por dia em uma frequência de 3 vezes por semana. O melhor horário para essa exposição é o de antes das 10 horas da manhã, devido à intensidade solar.

Durante esses minutos, o ideal é deixar os braços e pernas expostos ao sol, sem o uso de filtro solar. Para quem quer cuidar da pele, o protetor pode ser aplicado no rosto, evitando o envelhecimento precoce.

Fatores de proteção solar acima de 8 já podem interferir na sintetização da substância.

A maior parte de vitamina D que o nosso organismo recebe é dessa forma, sendo uma parte apenas ingerida através da alimentação.

Leia mais: Falta de vitamina D pode causar doenças e riscos à saúde

Alguns dos alimentos que possuem essa vitamina são o leite, gema de ovos, atum, sardinha, salmão e fígado de frango.

Consumir esses alimentos e manter uma rotina saudável de exposição ao sol é fundamental pois a vitamina D é indispensável para a produção de insulina e para maturação celular.

Também é importante para prevenir doenças relacionadas à saúde óssea, pois ajuda na absorção de outros nutrientes como o cálcio e fósforo.

Vitamina D2 e D3

A vitamina D é subdividida em dois tipos: a vitamina D2 (ergocalciferol) e a D3 (colecalciferol). As duas podem ser adquiridas pela alimentação, mas é a D3 que é sintetizada também através da exposição ao sol.

Não há muitas diferenças entre os tipos em relação às estruturas químicas. Tratando-se da origem da vitamina nos alimentos, basicamente a D3 é mais comum em alimentos de origem animal e a D2 nos alimentos de origem vegetal.

Niacina (B3)

A niacina, ou vitamina B3, é uma entre as várias vitaminas do complexo B. Suas funções incluem ajudar no funcionamento do sistema nervoso, do sistema imunológico e no controle do colesterol, triglicérides e açúcar no sangue.

O consumo dessa vitamina também está associado à redução de quadros de enxaqueca e à melhora da saúde da pele, dos olhos e articulações, além de converter outros nutrientes em energia para o nosso organismo.

A vitamina B3 está presente em alimentos como peixes, aves, leite, vegetais e carnes.

Tiamina (B1)

A tiamina, ou vitamina B1, além de converter nutrientes em energia para o organismo, é essencial para a saúde do sistema circulatório e sistema nervoso.

Por isso, é fundamental para um envelhecimento saudável, contribuindo para um bom funcionamento cerebral, prevenção da fadiga e depressão.

A falta dessa vitamina pode provocar complicações como a beribéri, doença causada pela carência de B1, mas também comum em pessoas alcoólatras. A condição pode causar  fraqueza, dores no corpo, inchaço, diminuição do apetite e falta de ar.

No entanto, o  excesso de vitamina B1 também é prejudicial, pois pode provocar confusão mental, perda de peso e complicações cardíacas nos casos mais graves.

A B1 está presente em alimentos de origem animal e vegetal, como carne de aves, bovina, verduras, vegetais folhosos, berinjela, feijão, atum, nozes e cereais.

Riboflavina (B2)

A B2, ou riboflavina, é uma importante vitamina para ajudar na reparação e manutenção da saúde da pele e dos olhos, sendo associada à prevenção de doenças como a catarata.

Essa vitamina também ajuda na produção de adrenalina, na saúde cardiovascular, em processos de  cicatrização, a formação de células vermelhas e anticorpos e no funcionamento do metabolismo.

Para ter essa vitamina, é importante ingerir vegetais de folhas verde-escuras, leite, queijo, vísceras, carnes magras e grãos.

Vitamina B6

A vitamina B6 (piridoxina) desempenha uma ação reguladora no organismo, ajudando no controle da serotonina, um neurotransmissor importante para a qualidade do nosso sono.

Também é uma vitamina que colabora para o fortalecimento do sistema imunológico e que estimula a função hepática.

A vitamina B6 também atua na formação dos glóbulos vermelhos, na produção de alguns hormônios, ajuda a reduzir o colesterol, prevenir doenças, melhorar a saúde dos olhos e ajuda no metabolismo de gorduras, proteínas e carboidratos.

Está presente em alimentos como bife de fígado, salmão, aves, banana, batata, espinafre, avelã e frutas.

Vitamina B12

A vitamina B12, ou cobalamina, é uma importante vitamina para a manutenção e funcionamento do organismo.

O seu consumo ajuda a prevenir doenças como anemia, garante maior energia para o corpo e o funcionamento do sistema nervoso e cardíaco.

Também é uma vitamina envolvida em processos como a formação de hemácias, no equilíbrio hormonal e funcionamento da medula óssea e aparelho digestivo.

De modo geral, a maioria dos alimentos que possui esse nutriente são de origem animal, como carnes, peixes, ovos e derivados do leite.

Por isso, quem realiza uma dieta que exclui alguns ou todos esses itens (vegetarianos e veganos) precisa ter um cuidado maior, geralmente, repondo a partir de suplementos.

A carência vitamínica pode provocar anemia por falta de B12 e prejuízos neurológicos.

Colina

A colina, que também faz parte das vitaminas do complexo B, é fundamental para o funcionamento do cérebro, pois participa da síntese e liberação de um neurotransmissor chamado acetilcolina, que está presente em diversas atividades cerebrais.

Essas atividades estão relacionadas a funções de memória e aprendizagem, mas também à contração muscular.

Além disso, a colina também apresenta um importante papel na redução de inflamações, na prevenção de problemas durante a gestação (malformação do feto) e redução do risco de doenças cardiovasculares e câncer de mama.

As principais fontes dessa vitamina são fígado de galinha, vísceras, amendoim, leguminosas, ovos e salmão.

Biotina (B7)

A biotina, conhecida também por vitamina B7 ou vitamina H, ajuda na conversão de nutrientes no organismo, transformando proteínas, gorduras e carboidratos em energia.

Além disso, está presente também na síntese de glicose e na decomposição de ácidos gordos.

Proporciona benefícios para pele, cabelo e unhas, sendo que a deficiência dessa vitamina pode provocar a queda dos fios, deixar a pele mais seca e unhas quebradiças.

Para o consumo adequado dessa vitamina, é importante manter na alimentação leite, frutas, sementes e carne vermelha. Tomate, cebola, gema do ovo, couve-flor, cenoura, nozes e amendoim também são boas fontes de biotina.

Ácido fólico (B9)

O ácido fólico, ou vitamina B9, é importante para a saúde por diversas razões.

Essa vitamina está presente na produção de glóbulos vermelhos, na síntese de proteínas, no processo de divisão celular, na regulação do apetite, formação fetal e crescimento dos tecidos.

Também pode promover benefícios para a pele e cabelo, além de proteger o aparelho digestivo ao combater parasitas e ajudar em processos de intoxicação alimentar.

É uma vitamina fundamental também no processo de síntese de DNA, sendo um nutriente que ajuda a manter o funcionamento do sistema circulatório, nervoso e imunológico.

As principais fontes de ácido fólico são as folhas e vegetais verdes, fígado, rim, peixes, cereais integrais e leguminosas.

Benefícios das vitaminas

Todas as vitaminas são essenciais para um bom funcionamento do organismo, de modo equilibrado e adequado. Apesar de desempenharem papéis diferentes, de modo geral, todas são fundamentais como fonte de energia, melhora do metabolismo, fortalecimento do sistema imunológico, formação e manutenção de tecidos, além de auxiliarem na prevenção de doenças e outras atividades.

Conheça um pouco sobre os principais benefícios de cada vitamina:

Boas para a saúde da pele

Alguns tipos de vitaminas ajudam na síntese do colágeno e são antioxidantes, o que auxilia na prevenção do envelhecimento da pele, proporcionando mais firmeza e elasticidade.

A vitamina A, por exemplo, tem ação contra a flacidez, minimiza o surgimento de acnes e age contra o fotoenvelhecimento.

Algumas vitaminas do complexo B e a vitamina C também possuem benefícios para a saúde e beleza da pele.

Ajudam na saúde dos cabelos e fortalecem as unhas

Vitaminas como a niacina e biotina, que fazem parte do complexo B, são nutrientes importantes para a saúde dos cabelos e unhas. Quem sofre com a queda dos fios ou apresenta unhas muito quebradiças deve conferir se a causa não é por carência de vitaminas.

Fazem bem pra memória

Por interagirem com processos no sistema nervoso central e na síntese de neurotransmissores, algumas vitaminas são essenciais para a memória. Algumas dessas vitaminas são a B6, colina e tiamina.

Fortalecem o sistema imunológico

Determinadas vitaminas funcionam como um reforço para o sistema imunológico e, por isso, seu consumo é fundamental para preservar a ação das defesas do nosso organismo.

Leia mais: Benefícios da quinoa: grão previne doenças e melhora imunidade

Além da vitamina C, a vitamina E e A também são boas fontes para esse benefício.

Melhoram a saúde dos ossos

As vitaminas são fundamentais para o crescimento e fortalecimento dos ossos. A vitamina D, por exemplo, ajuda na absorção de cálcio e fósforo, por isso é indispensável para a saúde óssea.

São fonte de energia e previnem doenças

Algumas vitaminas convertem gorduras, carboidratos e proteínas em energia para o dia a dia, como a riboflavina, a B12 e a biotina. De modo geral, todas ajudam a prevenir doenças.

Algumas são mais específicas, como a ação da vitamina E na prevenção de doenças como a catarata, doenças cardiovasculares e de pele. A vitamina K, por exemplo, é também fundamental para a coagulação do sangue, o que ajuda a prevenir hemorragias.

Quais os alimentos fontes de vitaminas?

Os alimentos de origem vegetal e animal, de modo geral, são sempre boas fontes de vitaminas, mas existem alguns em especial que são muito ricos nesses nutrientes e, com certeza, devem fazer parte da nossa dieta no dia a dia.

Um dos mais ricos é o fígado, seja ele bovino ou de galinha. Contém as principais vitaminas, com exceção da C e da E. Por isso, é considerado um alimento campeão em vitaminas.

O ovo também não fica muito atrás, sendo um dos alimentos mais completos, pois contém 7 diferentes tipos vitamínicos.

Mas, para ter uma saúde completa, não basta apenas comer esses alimentos em abundância.

Por mais ricos que sejam, não possuem todos os nutrientes necessários. O ideal é diversificar o prato e apostar em variedade de grupos alimentares.

É bom manter um equilíbrio, comendo frutas, verduras, vegetais, legumes, grãos, carnes, laticínios e peixes de forma diversificada.

Leia mais: Por que devemos comer fibras e qual a quantidade diária ideal?

Para saber se está consumindo as quantidades corretas, é interessante manter uma rotina de consultas ao médico ou conversar com uma nutricionista.

Suplementos vitamínicos: quando tomar?

Uma refeição balanceada é capaz de suprir as necessidades de vitaminas no organismo, sabendo que não é preciso grandes quantidades. No entanto, a oferta de suplementos vitamínicos é vasta e promete vários benefícios.

Mas o uso irresponsável desses produtos também deve ser alertado. Pessoas saudáveis não são indicadas a tomar suplementos, especialmente sem orientação e acompanhamento médico.

Alguns casos especiais que podem exigir o uso envolvem as seguintes condições:

Gestação

Durante a gestação, o médico obstetra pode entender que seja necessário a introdução de suplementos vitamínicos, como o de ácido fólico, pois essa vitamina, junto ao ferro, ajuda a reduzir os riscos de anemia e de má formação no bebê.

Pacientes com problemas gastrointestinais e dieta restrita

Algumas doenças gastrointestinais podem atrapalhar a absorção de vitaminas, o que leva a um prejuízo na saúde. Já no caso das dietas, a carência acontece devido à baixa ingestão de nutrientes através da alimentação.

Nesses casos, os suplementos podem ser indicados como forma de reposição nutricional.

Pessoas idosas

A idade é considerada um fator para o uso de suplementos vitamínicos devido à maior ocorrência de problemas de saúde e uso de medicamentos que podem interferir na absorção de vitaminas.

O que é hipovitaminose e hipervitaminose?

Para ter uma boa saúde é preciso ter equilíbrio. No caso do consumo de vitaminas, isso também vale. Em excesso ou em escassez elas podem fazer mal. Saiba mais:

Hipovitaminose ou deficiência de vitamina

A carência de vitaminas é uma condição conhecida como hipovitaminose (carência parcial) ou avitaminose (carência total).

Essa deficiência de vitaminas no organismo pode ocorrer por diferentes causas, como por alterações no funcionamento da flora intestinal, má absorção do organismo, variações no metabolismo ou por uma redução do consumo através da alimentação.

Leia mais: Falta de vitamina B12 causa sintomas físicos e psicológicos

Hipervitaminose ou excesso de vitamina

Já a hipervitaminose, ou envenenamento por vitaminas, é a condição oposta. Nesses casos, a pessoa consome quantidades excessivas de vitaminas, o que também provoca prejuízos à saúde.

Não é uma condição muito comum e, quando ocorre, normalmente, é como consequência do uso de suplementos em altas doses ou alterações do organismo.

A hipervitaminose pode causar uma intoxicação, gerando efeitos colaterais diversos, dependendo da vitamina ingerida.

Podem ocorrer sintomas como náuseas, dores de cabeça, dores nas articulações, queda de cabelo, pele mais áspera e descamativa, lesões no fígado, fissuras nos lábios, fadiga e alterações no apetite.

Qual a quantidade diária necessária?

A quantidade ideal de vitaminas pode variar bastante de acordo com cada organismo e por diferentes fatores, como idade, sexo, condicionamento físico e condições de saúde de modo geral. Mas o que se sabe é que não é necessário ingerir grandes quantidades no dia a dia.

Para ter certeza de que está consumindo as quantidades certas (nem menos e nem mais) é importante conversar com uma nutricionista, que saberá avaliar de forma mais adequada.

De qualquer forma, existem algumas quantidades já estabelecidas como uma média a ser seguida. Para adultos, segundo a Anvisa, a recomendação diária é a seguinte:

  • Vitamina A: 600µ;
  • Vitamina D: 5µ;
  • Vitamina C: 45mg;
  • Vitamina E: 10mg;
  • Tiamina: 1,2mg;
  • Riboflavina: 1,3mg;
  • Niacina: 16mg;
  • Vitamina B6: 1,3mg;
  • Ácido fólico: 400µ;
  • Vitamina B12: 2,4µ;
  • Biotina: 25µ;
  • Ácido pantotênico: 5mg;
  • Vitamina K: 65µ;
  • Colina: 550mg.

Vitamina para criança

A melhor fonte de vitaminas para as crianças é uma dieta balanceada. Para isso, é necessário uma boa educação alimentar.

O uso de suplementos vitamínicos não deve ser a primeira opção, pois crianças saudáveis e que se alimentam bem não precisam desse tipo de recurso.

Os suplementos são utilizados quando o pediatra entende que há necessidade, o que ocorre em casos específicos.

Por exemplo, a falta de exposição solar pode levar a criança a precisar repor a vitamina D que seu organismo precisa. Isso é algo que o médico pode avaliar através de exames.

Para prevenir o uso de suplementos, é importante incentivar a criança a brincar ou praticar atividades no sol durante o horário recomendado. Além de ser saudável é uma forma de lazer e entretenimento.

Crianças prematuras podem precisar também de algum tipo de reposição, mas as saudáveis não devem tomar suplementos, salvo sob recomendação do pediatra.

Vitamina para gestante

Durante a gestação, a mulher pode precisar repor algumas vitaminas para preservar a sua saúde e a do bebê.

A carência de vitaminas nesse período é bastante prejudicial, podendo causar anemia, malformação do feto, prejuízos no crescimento e formação do DNA do bebê.

Durante o acompanhamento da gestação, o médico deve avaliar a necessidade de suplementos e quais vitaminas precisam ser ingeridas em doses maiores.

É importante que a gestante siga corretamente as orientações do obstetra e nunca tome os suplementos por iniciativa própria, mas sempre prezando pela alimentação balanceada também.

Vitamina para cachorro

Assim como nós, os pets também podem precisar de um reforço nutricional. Apesar de ser uma discussão incomum, é preciso saber que os nossos animais de estimação, como os cachorros, também precisam ingerir nutrientes.

É através das rações que conseguem obter essas propriedades, mas há também vitaminas sintéticas, que devem ser dadas somente após avaliação do veterinário.

Sem vitaminas, a saúde desses animais fica comprometida e as chances de desenvolverem uma doença é muito maior.

Por isso, é importante prestar atenção à embalagem da ração e aos sinais que o animal apresenta. Ao notar algum comportamento ou sintoma, busque ajuda de um veterinário.


Podemos afirmar que sem elas não vivemos. As vitaminas são essenciais para a nossa saúde e, por isso, é fundamental saber o quanto precisamos para conseguir suprir todas as necessidades desses nutrientes.

Agora que você já sabe de tudo isso, que tal compartilhar essas informações para que mais pessoas saibam dos benefícios das vitaminas? Obrigada pela leitura!

Fontes consultadas

13/02/2019 14:21

Estela (Minuto Saudável)

Redatora, é jornalista pela Universidade Positivo. Autora de websérie sobre intersexualidade e identidade de gênero. Produz matérias sobre alimentação e saúde da mulher.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*