Minuto Saudável
21/11/2018 15:00

Transtorno de ansiedade: remédios, sintomas e como controlar

Revisado por: Dr. Emerson Rodrigues Barbosa (CRM/PR 25901) – Psiquiatra

O que é ansiedade?

A ansiedade é a expectativa de uma ameaça futura caracterizada pelo sentimento de desconforto, em conjunto com a preocupação excessiva e também do medo.

Ela pode ser leve ou grave e é bem difícil de controlar, pois atinge um alto grau de intensidade em poucos minutos. Além disso, pode durar muito tempo e, geralmente, está acompanhada de sintomas físicos.

Todas as pessoas, sejam elas crianças ou adultas, já se sentiram ansiosos em algum momento da vida. Isso é normal, entretanto, para algumas pessoas, esse sentimento é mais frequente e intenso, prejudicando suas atividades diárias.

A sensação da ansiedade pode impactar de uma forma tão negativa a vida de quem a possui, que a pessoa acaba deixando de fazer coisas simples do dia a dia, somente com o intuito de prevenir o desconforto que sente.

Índice – neste artigo você irá encontrar as seguintes informações:

  1. O que é ansiedade?
  2. Tipos
  3. Causas
  4. Grupos de risco
  5. Sintomas da ansiedade
  6. Diagnóstico
  7. Ansiedade tem cura?
  8. Tratamento
  9. Medicamentos para ansiedade
  10. Remédios naturais
  11. Como controlar a ansiedade?
  12. Aplicativos que podem te ajudar
  13. Prevenção

Tipos

Existem vários tipos de transtorno de ansiedade, alguns deles são:

Agorafobia

As pessoas que tem Agorafobia têm medo de certos lugares ou situações que possam fazer com que elas se sintam presas ou que não possam ser socorridas em casos de emergência, com sintomas de pânico bastante impactantes e constrangedores.

Esses sentimentos levam a ataques de pânico e, por isso, o paciente tende a evitar determinados lugares que se sente desconfortável.

Transtorno de ansiedade generalizada

As pessoas que sofrem de ansiedade generalizada estão constantemente preocupadas, até mesmo com atividades rotineiras ou que são consideradas “normais”, fazendo com que isso reflita até mesmo em sintomas físicos, como dor de cabeça, dores no estômago e perturbações no sono.

Síndrome de pânico

É caracterizada pela ocorrência de crises repentinas e repetidas de ansiedade, medo ou terror em questão de poucos minutos, acompanhadas de sintomas físicos, como falta de ar, dor no peito e batimentos cardíacos rápidos ou irregulares.

As pessoas que sofrem desse tipo de ansiedade podem evitar situações em que os ataques já tenham ocorrido a fim de se sentirem melhores.

Mutismo seletivo

O mutismo seletivo está mais presente nas crianças e pode ser caracterizado como a incapacidade de falar em lugares e situações específicas, mesmo quando se é capaz, como na escola, em casa e em outras situações corriqueiras. Esse tipo de crise acaba interferindo na vida pessoal e social.

Fobias específicas

Esse tipo de ansiedade é caracterizado por um medo severo de algo. Quando se manifesta, um forte desejo de evitá-lo surge. Alguns exemplos de fobias específicas são: medo de aranhas (aracnofobia), medo de lugares fechados (claustrofobia) ou medo de palhaços (coulrofobia).

Transtorno de ansiedade de separação

Cerca de 4% das crianças vivencia o transtorno de ansiedade de separação, que é marcada pela separação de seus pais ou responsáveis. Ainda que a maior prevalência seja na infância, durante a adolescência e a fase adulta também ocorrem casos, afetando aproximadamente 1,6% dos jovens e até 1,9% dos adultos.

Um exemplo nítido dessa separação é o primeiro dia na escolinha ou quando os pais voltam a trabalhar e passam longos períodos distante de seus filhos. Apesar do processo ser uma parte normal do desenvolvimento infantil, as crianças afetadas levam em torno de 18 meses para superá-lo.

Causas

Não se sabe ainda quais são as reais causas da ansiedade. Entretanto, pode ser compreendida entre as experiências vividas pela pessoa e que acabam por ser traumáticas, além de características hereditárias ou, até mesmo, um efeito colateral de algum medicamento que é tomado diariamente.

Todavia, para algumas pessoas, a ansiedade pode estar ligada a fatores de problemas de saúde e pode ser o primeiro sinal de uma doença física, como por exemplo:

  • Doenças cardíacas;
  • Diabetes;
  • Hipertireoidismo;
  • Abstinência a drogas (álcool e/ou outras drogas), ou até mesmo o abuso delas;
  • Doenças respiratórias;
  • Tumores raros que causam mudanças nos hormônios.

Grupos de risco

As pessoas que estão mais suscetíveis a sofrer de algum tipo de ansiedade são:

  • Pessoas com familiares que apresentam ansiedade;
  • Pessoas que sofreram algum tipo de abuso durante a vida, seja ele emocional ou físico;
  • Pessoas que passaram por choques intensos como assaltos, acidentes desastres naturais, etc;
  • Pessoas com doenças psicológicas como depressão, esquizofrenia, bipolaridade etc.;
  • Pessoas que sofrem de doenças cardiovasculares ou com o sistema respiratório frágil;
  • Pessoas que abusam de substâncias estimulantes, como medicamentos, energéticos, chás, cafeína etc.

Sintomas da ansiedade

Os sintomas podem variar muito de pessoa para pessoa, entretanto, quando se entra em estado de alerta, causado pela ansiedade, o corpo reage de maneira bem específica para a ansiedade.

Sintomas psicológicos

Alguns sintomas, embora não se manifestem na pele, são sentidos psicologicamente, como:

  • Medo irracional;
  • Sensação de nervosismo, agitação ou de que algo ruim irá acontecer;
  • Desejo de evitar coisas que provocam a ansiedade;
  • Obsessões sobre certas ideias.

Sintomas físicos

Embora grande parte dos sintomas da ansiedade sejam psicológicos, é possível apresentar alguns sintomas físicos mínimos, que podem passar despercebidos, são eles:

  • Roer unhas;
  • Aumento da frequência cardíaca ou dor no peito;
  • Respiração rápida ou hiperventilação;
  • Transpiração intensa e fria;
  • Espasmos musculares;
  • Fraqueza;
  • Dificuldade em se concentrar;
  • Insônia;
  • Problemas digestivos ou gastrointestinais (diarreia, constipação);

Diagnóstico

A ansiedade pode ser difícil de diagnosticar e, em alguns casos, pode até mesmo ser difícil de diferenciá-la de outros transtornos psicológicos, como a depressão.

Por isso, procure sempre um médico psiquiatra, ou um terapeuta, se sentir que a ansiedade está atrapalhando sua rotina diária e causando-lhe sofrimento. O especialista irá procurar, antes de tudo, entender a origem das crises.

Alguns critérios do diagnóstico são:

  • Preocupação excessiva durante a maioria dos dias, durante um período de, no mínimo, seis meses em relação a alguma atividade/evento;
  • Preocupação difícil de controlar e bastante abrangente;
  • Apresentar, pelo menos, três dos sintomas já relatados;
  • Sintomas que causam sofrimento ou comprometimento em áreas importantes (social, profissional).

Ansiedade tem cura?

A ansiedade não tem cura, porém com tratamento e medicação adequados, é possível obter um controle dos sintomas e conviver bem com a condição.

Tratamento

O tratamento para a ansiedade pode ser feito de duas maneiras:

  1. Terapia com um profissional especializado.
  2. Uso de medicamentos, que podem ser divididos em quatro categorias: naturais, benzodiazepínicos, antidepressivos e antipsicóticos.

Pode ser também que o profissional que for lhe atender resolva te medicar e, ainda,  continuar com a psicoterapia, para a obtenção de melhores resultados.

Tipos de terapia

A terapia é um recurso importante na melhoria do paciente com ansiedade. O tipo deve sempre ser indicado pelo profissional de saúde mental, que leva em consideração os aspectos de cada paciente.

Nesse sentido, vale ressaltar que cada terapia trabalha com recursos distintos, havendo também maior efetividade (evidência de melhoria) em determinados tipos.

Psicanálise

Esta abordagem estimula que o paciente se expresse sem censura e faça associações livres entre pensamentos, fantasias, emoções e sonhos. O analista faz o papel de um ouvinte atento e, de tempos em tempos, interrompe o paciente para que ele reflita sobre os significados que podem estar ocultos em suas falas, como uma maneira de desvendar o inconsciente.

Junguiana

Enquanto a psicanálise é mais retrospectiva, a junguiana procura trabalhar de maneira mais prospectiva, vislumbrando o futuro. Nesse tipo de terapia, o paciente buscará superar seus conflitos e, para acessar seu inconsciente, o terapeuta utiliza os sonhos do paciente. Ele também usa o chamado “inconsciente coletivo”, que são imagens, pensamentos e experiências comuns a todos, que interferem na saúde emocional.

Lacaniana

O método utilizado é a tática livre de associação, para fazer com que o paciente reflita sobre seus problemas, entretanto, existem maiores interrupções do terapeuta. O analista pode quebrar a continuidade da sessão no momento que julgar importante, ainda que seja de forma brusca, e pedir para o paciente pensar sobre o que falou.

Cognitivo Construtivista

Neste método, além de analisar o que o paciente pensa e faz, a terapia ainda avalia o papel do sistema nervoso central em problemas que são, aparentemente, apenas psicológicos.

Terapia Reichiniana

Neste método, os terapeutas trabalham com a ideia de que os sentimentos reprimidos, como medo, angústia, raiva ou outros, são refletidos no corpo em forma de problemas físicos.

Analítico Comportamental

Este método se baseia na percepção de que os estímulos do ambiente podem modelar nosso comportamento. Por isso, o terapeuta propõe estratégias comportamentais que podem gerar mudanças na vida do paciente.

Cognitivo comportamental

Neste método, acredita-se que a maneira como as pessoas interpretam suas experiências determina como elas se sentem e se comportam. Utiliza estratégias para corrigir distorções de pensamentos, como ter uma visão muito negativa de si mesmo.

A abordagem é a que, atualmente, apresenta mais evidências científicas para o tratamento da ansiedade.

Gestalt-terapia

Os pacientes são analisados em relação ao meio em que vivem, amigos, família, trabalho e suas atitudes nesse meio. O terapeuta ouve o cliente, mas presta atenção em gestos, posturas, tom de voz e expressões faciais.

Psicodrama

Este método é muito utilizado em grupos de pessoas e é realizado a partir de um tema a ser trabalhado em que os participantes encenam seus problemas. Logo após, o grupo discute e avalia como cada um se sentiu. Acredita-se que externando as emoções, seja mais fácil de enxergá-las.

Terapia em grupo

A dinâmica em grupo pode seguir algumas abordagens, como a do psicodrama ou a da Terapia cognitivo comportamental (TCC), por isso, não há um método único de se trabalhar.

É utilizada para tratar um grupo de pessoas com um problema em comum, por exemplo, a ansiedade social. Apesar de ter um melhor custo benefício, é necessário estar motivado para uma progressão.

EMDR

EMDR, em inglês, significa Eye Movement Desensitization and Reprocessing (Dessensibilização e Reprocessamento através de movimentos oculares em português).

A EMDR tem como objetivo trabalhar memórias e registros traumáticos, como forma de aliviar os sentimentos associados, melhorando a vida e o bem-estar do paciente.

A abordagem apresenta ótimos resultados no tratamento de transtornos pós-traumáticos e, mais recentemente, tem apresentado significativos avanços para pacientes com ansiedade, fobias, dependência químicas e depressão, por exemplo.

Em síntese, o paciente inicia a sessão focando em um evento ou lembrança que lhe aflija.

Junto com a aplicação de estímulos e simulação dos movimento oculares e estímulos bilaterais específicos (dos hemisferios cerebrais), a EMDR auxilia o cérebro a processar essas memórias ou eventos, através do Processamento Adaptativo de Informação. Ou seja, o paciente situa  os acontecimentos e assimila sentimentos mais positivos a eles

A ideia dessa simulação é a de que o cérebro consegue reconstruir os caminhos das memórias ruins e eventos traumáticos que são processados e superados.

Terapias comportamentais

Em geral, as terapias comportamentais trabalham a partir das respostas ou comportamentos do paciente perante estímulos do meio e situações que vivenciam. A abordagem considera que os comportamentos são ações ou respostas aprendidas (ou condicionadas), fazendo com que elas possam ser reorganizadas, reformuladas e adequadas de modo a causar menos sofrimento ao paciente. Entre as técnicas da abordagem há:

Análise funcional do comportamento

O profissional busca a sucessão de ocorrências, em que os estímulos e o comportamento desencadeiam nas consequências.

Dessensibilização sistemática

O paciente é gradualmente exposto aos meios os atos que lhe afligem, seguidos de técnicas de relaxamento e processamento emocional. Assim como uma adaptação progressiva, os sentimentos associados, por exemplo, às aranhas (aracnofobia) vão sendo minimizados.

Terapias contextuais

Chamada também de terceira geração da Terapia Comportamental, as terapias contextuais dão atenção ao contexto em que a pessoa está inserida e à função do comportamento do paciente.

Entre as abordagens, destaca-se:

Terapia de aceitação e compromisso(ACT)

Utiliza recursos que trabalham com a crítica e análise funcional das ações e respostas do paciente. Os conceitos e sentimentos positivos são estimulados, privilegiando a associação dele ao invés dos negativos. Ou seja, ocorre uma substituição de comportamentos e sentimentos ruins pelos bons.

Terapia baseada em mindfulness

A estratégia terapêutica consiste em 3 premissas: aceitação plena do momento atual, atenção absoluta e ação não-julgadora. É basicamente um modo de focar as atenções, de maneira consciente e plena, nas ações e vivências presentes.

O recurso pode fazer fazer de outras terapias contextuais, pois sua base é trabalhar os fatos da vida de forma menos danosa ao emocional do paciente.

Medicamentos para ansiedade

Os medicamentos comumente utilizados para o tratamento de ansiedade são:

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Remédios naturais

Existem, ainda, alguns recursos naturais que podem auxiliar no controle da ansiedade ou promovendo bem-estar ao paciente. Porém, é sempre importante reforçar que eles devem ser usados de forma complementar, nunca substituindo o tratamento ou acompanhamento médico. Como por exemplo:

  • Suco de maracujá: possui propriedades calmantes e ansiolíticas;
  • Chá de camomila: possui ação calmante;
  • Alface: ajuda a relaxar os músculos e o sistema nervoso;
  • Passiflora, Kava-Kava, Valeriana, Lúpulo: são capazes de agir no sistema nervoso como calmantes naturais e sedativos leves.

Tomar um banho quente e receber uma massagem relaxante também pode ajudar com ação calmante na hora das crises!

Como controlar a Ansiedade?

Além do método de tratamento convencional, é possível realizar pequenas tarefas diárias que podem ajudar a conviver de uma forma mais fácil com a ansiedade:

Aprenda sobre seu problema

Procure pesquisar e aprender o máximo que puder sobre sua condição, além de saber e quais são os tratamentos disponíveis para que você possa tomar decisões de qual caminho seguir.

Siga as orientações do seu terapeuta

Siga sempre os cuidados e orientações do seu psicólogo ou psiquiatra e tome a medicação regularmente. Isso ajudará a manter a ansiedade controlada.

Conheça a si mesmo

Descubra o que desencadeia sua ansiedade e pratique atividades de enfrentamento para que você possa lidar melhor com as crises quando elas acontecerem.

Anote seu sentimentos

Mantenha um diário com seus sentimentos e experiências. Isso pode ajudar você a se lembrar do que aconteceu durante a semana para que, assim, converse melhor com seu analista sobre o que pode desencadear as crises de ansiedade.

Seja social

Grande parte das pessoas com problemas psicológicos tem como tendência se isolar do convívio social. Faça ao contrário: saia com amigos, familiares, obtenha apoio das pessoas que você gosta. Fazendo isso, pode ser mais fácil lidar com os problemas.

Cuide do seu tempo

Gerir seu tempo de forma inteligente pode fazer com que você passe menos tempo ocioso, diminuindo as preocupações excessivas e, consequentemente, as crises de ansiedade.

Agite as coisas

Não deixe a ansiedade assumir o controle da sua vida. Se você se sentir oprimido, quebre a sua rotina fazendo uma caminhada ou conversando com alguém próximo, pois isso vai dirigir a sua mente para outro lugar e manter as preocupações distantes.

Pratique atividade física

A criação de uma rotina de exercícios para ser seguida, pelo menos três vezes na semana, pode ajudar a diminuir a ansiedade e o estresse do dia a dia.

Evite o uso de álcool, cigarro e outras drogas

Esses produtos acabam aumentando a sensação de ansiedade, então opte por não consumi-los.

Consuma menos cafeína

A cafeína é responsável por deixar as pessoas em estado de alerta, ligadas, e isso pode acabar piorando os sintomas da ansiedade.

Durma o suficiente

A falta de uma noite bem dormida pode aumentar os sentimentos de inquietação e ansiedade, então procure dormir pelo menos 8 horas diárias.

Tenha uma alimentação saudável

Coma frutas e verduras regularmente, mantenha-se hidratado e procure comer proteínas magras – presentes no frango e no peixe.

Procure técnicas de relaxamento e gestão de estresse

Procure aulas de yoga, meditação, tenha um mantra diário consigo mesmo. Pequenas coisas podem promover o relaxamento e reduzir o sentimento de ansiedade.

Aplicativos que podem te ajudar

Os smartphones estão cada vez mais presentes na vida das pessoas. Muitas atividades que eram necessárias um deslocamento, hoje podem facilmente serem realizadas por aplicativos baixados no celular.

Sabendo disso, por que não utilizá-los para ajudar no controle da ansiedade? A seguir, trazemos 4 aplicativos que podem te ajudar!

Pacífica

Este aplicativo te ajuda a entender o que te deixa mais ansioso e o que ajuda a melhorar. Também é possível criar metas diárias, escrever um diário de pensamentos e experimentar técnicas de relaxamento para a melhora da sua saúde no geral.

É gratuito e está disponível para iOS, Android e Web.

MindShift

Este aplicativo tem como ideia central o modo como se vê a ansiedade. Ele não ajuda a evitá-la, mas sim a lidar com as crises e mantê-las sob controle através de exercícios, até para a respiração, como uma forma de tranquilizar-se.

Está disponível para iOS e Android e é gratuito.

HeadSpace

O aplicativo se propõe a tornar a prática da meditação mais acessível, com 10 curtas meditações guiadas e uma página onde é possível você medir seu progresso. Além disso, oferece lembretes para ajudar você a se manter no caminho certo e calmo.

Está disponível para iOS e Android e não tem custo algum.

WorryWatch

Esse aplicativo permite que você anote suas preocupações do momento e revise-as mais tarde, para que seja possível analisar se o resultado foi tão ruim comparado a preocupação que gerou.

Da próxima vez que você sentir uma crise de ansiedade se aproximando, o aplicativo irá gerar um relatório, como um lembrete de que o resultado real raramente foi tão ruim quanto a preocupação.

Está disponível para Android e iOS e tem o custo de R$ 1,99.

Prevenção

Embora a ansiedade não tenha cura, é possível prevenir seu aparecimento. Procure fazer exercícios físicos diariamente, não consumir alimentos e bebidas com cafeína em excesso e separar um período do dia para relaxar e respirar profundamente. Além disso, evite se preocupar excessivamente e antes da hora.


Muitas vezes não damos o devido valor para a nossa saúde mental e, com isso, desenvolvemos problemas graves. Se você conhece algum amigo ou familiar que sofre de ansiedade também, compartilhe esse artigo com ele!

Publicado originalmente em: 29/06/2017 | Última atualização: 21/11/2018

Fontes consultadas

  • Dr. Emerson Rodrigues Barbosa (CRM/PR 25901), graduado em Medicina pela Universidade Federal do Paraná. Especialista em Sexualidade Humana e em Estimulação Magnética Transcraniana, ambas pela USP. Especialista em Terapia Cognitivo Comportamental pelo Instituto Paranaense de Terapia Cognitiva (IPTC). Diretor clínico do Instituto de Psiquiatria do Paraná (IPP)

22/11/2018 11:48

Minuto Saudável

Somos um time de especialistas em conteúdo digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável. Confira mais na nossa página de quem somos.

Ver comentários

  • Legal essa matéria.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Gente também tenho ansiedade e síndrome do pânico. Tomei remédio uns anos mas vi que remédio não cura isso quem cura e Deus aí fui buscar na palavra de Deus graça a Deus tou bem melhor de tudo isso

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Excelente Artigo! Parabéns!!

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Artigo muito bom, parabéns, conteúdo completo.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Gostei muito da matéria, parabens ao editor.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Matéria com bom conteúdo, bacana

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Ola gente tendo ansiedade sinto medo de sair sozinha e quando meu coração acelera minha cabeça fica falando que vou ter um ataque cardiaco fico sem ar tonta e minha cabeça não volta ao normal vou ao hospital faço eletro e só costa mesmo os batimentos acelerados e isso faz mau pra gente ne é horrivel a única coisa que me motiva a controlar isso é meus filhos marido e em primeiro lugar DEUS confie nele ore e pessoa ajuda isso é o melhor remédio deus e o melhor piscicologo

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Olá, meu nome: é Fátima, está com três anos que fui sequestrada! Não conseguia falar sobre esse assunto, depois de fazer tratamento com psiquiatra, terapia com Psicólogo me sinto bem melhor! Mais o que me incomodava eu tinha muitas crises ! Eu só queria ficar em casa comedo de ter uma crise, mais é muito difícil até hoje tenho muito medo, sou muito assustada com tudo que está ao meu lado quando saio de casa ! Mais estou lutando! Vou venser.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Excelente conteudo

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Interessante

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Muito bom conteúdo bem completo! Parabéns!

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Ótimo artigo parabens pela preocupação em um assunto tão pouco falado nas mídias e que afeta a grande parte da população... Eu vou recomendar seu texto para alguns amigos . Gratidão

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Sou Laura Jane. Estou há alguns dias sofrendo com a depressão e ansiedade.Não consigo tomar o Rivotril porque o efeito passa rápido e começo me sentir pior.Lembro-me de ter esses ataques de ansiedade,medo e depress~so desde pequena.Já fiz terapia mas volta e meia os ataques aparecem.hoje, depois de ler este artigo consegui me acalmar.Vou usar as técnicas sugeridas e continuando a pedir a Deus que acompanhe todos aqueles que sofrem deste mal.Amem.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Muito bom o conteúdo, bastante completo, obrigado!

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Ótimo conteudo me ajudou muito em minha pesquisa, parabens.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Meu nome é Itamar tenho uma crise de ansiedade terrível ,não consigo ir a um restaurante e sentar na mesa pra fazer uma refeição,as vista tipo ficam escuras sensação de desmaio coração dispara ,uma coisa horrível.gostaria muito de ter uma ajuda ,estou cansado de viver assim ,não tenho lazer por causa da ansiedade,não consigo ir a locais como igrejas festas parques ,fico com medo das pessoas ,alguem poderia me ajudar com terapia ou algo caseiro .itamsouza@Yahoo.com.br

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Olá, Itamar.
      Lidar com os problemas emocionais é um processo bastante complexo e gradual, que, muitas vezes, pode ser lento.
      É bastante importante buscar auxílio profissional quando nossos sentimentos e emoções afetam as atividades da vida. Por isso, fazer terapia é o primeiro passo para obter melhoras.
      Você pode buscar auxílio psicológico em centros de apoio, no SUS ou em clínicas (por convênio ou particulares). Esses profissionais vão saber conduzir a melhor terapia para você.
      Podem ser necessárias consultas psicológicas, terapia complementares, medicamentos ou outras formas de intervenção que o profissional julgar adequado, com base na sua vida e no quadro.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Muito bacana o texto de vcs, tomei a liberdade de imprimir para entregar para um amigo

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Boa noite! Gostei bastante muito importante sabe tudo isso pois teve sintomas de ansiedade várias vezes na vida mas nunca como agora, não consigo mas controlar e restou cada dia pior do ano passado para cá antes tomava calmantes natural, saia conversa logo passava agora não estou tentado mim controlar mas tudo mim deixa mal e com vários outros sintomas no corpo ,as vezes mim pego falando sem pará para tentar aliviar mim sinto muito triste com esta situação

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Tenho ansiedade depressiva, crises rápidas e intensas,ao palestrar tenho tremor, palpitações,suor frio nas axilas, Costas e mão,dores musculares diarreia,mas é daí vamos nessa sempre enfrentou as situações, isso não pode ser o fim mas um estímulo . Faço tratamento psiquiátrico e rezo muito pois ser cristão ajuda no sofrimento.alegria irmãos.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Já a uma década ansioso e com SP. Matéria com conteúdo extremamente relevante. Parabéns e obrigado por ajudar.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*