Artrite (reumatoide, psoriática, séptica): o que é, sintomas, remédios

5

A preocupação com as condições que afetam a saúde dos ossos e articulações não é recente.

Ainda na década de 1990, a Organização Mundial da Saúde (OMS) promoveu uma campanha visando estimular os cuidados e a prevenção dos tecidos. O período entre 2000 e 2010 foi denominado “década do osso e da articulação”.

Mais do que dar atenção às alterações do organismo, a campanha foi estimulada pelo crescente número de diagnósticos e complicações decorrentes de doenças reumáticas e ósseas, gerando alto impacto no sistema de saúde.

Apesar das artrites apresentarem poucos casos emergenciais, os procedimentos hospitalares e medicamentosos somam mais de 55% dos custos dos pacientes — que ainda incluem procedimentos cirúrgicos e consultas médicas.

Aliás, são os atendimentos médicos que geram o menor custo, o que significa que os pacientes estão tratando mais as complicações e agravamentos da doença do que agindo de modo preventivo para estabilizar a inflamação das articulações.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, cerca de 80% da população acima dos 65 anos sofre com algum grau de osteoartrose — um dos tipos mais comuns da artrite. E na faixa entre 30 e 60 anos, cerca de 20% da população já tem queixas quanto à condição.

Índice — neste artigo você irá encontrar as seguintes informações:

  1. O que é artrite?
  2. Diferença entre reumatismo, artrite e artrose
  3. Tipos
  4. Como diferenciar a artrite reumatoide das demais?
  5. Causas
  6. Fatores e Grupos de risco
  7. Sintomas da artrite
  8. Diagnóstico
  9. Exames
  10. Tem cura?
  11. Qual é o tratamento?
  12. Medicamentos
  13. Convivendo
  14. Complicações
  15. Como prevenir a artrite?

O que é artrite?

A artrite é um termo empregado para as inflamações nas articulações — que são popularmente chamadas de juntas, pois ligam os ossos. O conceito é abrangente, pois existem centenas de tipos de artrite.

Em geral, elas causam muitas dores, inchaços, deformidades e dificuldade no movimento, comprometendo e debilitando bastante o paciente.

Entre os tipos mais comuns estão a osteoartrite, a artrite reumatoide, a artrite traumática e a artrite infecciosa, que em geral resultam da destruição, trauma ou danos às cartilagens articulares — extremidades que recobrem os ossos e evitam o atrito.

Geralmente as pessoas mais afetadas são as mulheres, idosos, pessoas obesas e também quem tem alguma condição que prejudica a absorção nutricional.

Além da idade, os hábitos de vida também favorecem a alteração, pois o sedentarismo eleva os riscos da inflamação.

Uma ou mais articulações podem ser afetadas ao mesmo tempo, sendo que acima de 4 extremidades afetadas, denomina-se poliartrite e está relacionada majoritariamente a causas infecciosas, enquanto a monoartrite geralmente é decorrente da gota e da artrite séptica.

As causas, portanto, são diversas e incluem condições autoimunes — o próprio corpo ataca os tecidos —, infecciosas, além de traumas e lesões.

Em geral, são as mulheres e os idosos os mais afetados, mas alguns tipos podem ocorrer predominantemente em jovens e crianças, como a artrite psoriática e a espondilite anquilosante.

No mundo, cerca de 10% dos homens e 15% das mulheres têm algum tipo de artrite, e acima dos 65 anos, 30% dos homens e 50% das mulheres apresentam sintomas decorrentes da inflamação.

Diferença entre reumatismo, artrite e artrose

O reumatismo é o nome de um grande grupo de condições que podem afetar ossos, articulações e músculos. Entre as condições estão as inflamações.

Por isso, quando há processos inflamatórios nas articulações, denomina-se artrite, que designa tipos de inflamação de causas genéticas, traumáticas ou infecciosas.

Já a artrose, osteoartrite ou artrite degenerativa, é uma evolução da artrite, decorrente da degeneração articular.

Entre os tipos de inflamações, é um dos mais comuns, sobretudo em pacientes acima de 65 anos, devido ao desgaste natural promovido pelo envelhecimento.

A artrite e artrose são condições diferentes, mas diretamente relacionadas, pois a inflamação das articulações (artrite) promove um desgaste ou degeneração do tecido, fazendo com que os ossos percam a camada protetora que os liga entre si.

O resultado é que há um atrito ósseo (artrose) que gera dores, inchaço, perda de mobilidade articular e deformidades anatômicas (um dos sinais mais característicos).

Por isso, artrites mal tratadas podem evoluir para artroses.

Tipos de artrite

O termo artrite se refere a diversos tipos de inflamação das articulações — ao todo, são mais de 200 tipos.

A condição pode ser classificada de acordo com a quantidade de articulações acometidas:

  • Monoartrite: 1 articulação afetada;
  • Oligoartrite: entre 2 e 5 articulações afetadas;
  • Poliartrite: acima de 5 articulações afetadas.

Cada tipo pode, ainda, ser classificado conforme o tempo de manifestação — aguda, quando surge subitamente e tem duração inferior a 3 meses, ou crônica, quando é decorrente de um processo inflamatório prolongado, acima de 3 meses.

Saiba mais sobre cada uma:

Osteoartrite

Também chamada de artrite degenerativa, a osteoartrite é decorrente do desgaste e danos às cartilagens da articulação, que resultam em rigidez, dor e diminuição dos movimentos.

As causas podem ter ordem genética ou comportamental (por exemplo, a obesidade ou prática de esportes de alta intensidade), mas geralmente se atribui causas multifatoriais. As regiões mais afetadas costumam ser as mãos e dedos, joelhos, pernas (coxofemorais) e coluna.

Bastante relacionada ao envelhecimento, a osteoartrite é a mais comum das condições que afetam as articulações.

Artrite reumatoide

A artrite reumatoide é considerada uma inflamação crônica e autoimune, em que o organismo ataca a si mesmo, destruindo tecidos e células. Essa ação gera danos aos sistemas e não possui causas definidas.

Os pacientes apresentam, em geral, dor, rigidez da articulação, perda da mobilidade e inchaço local.

As articulações mais afetadas são as pequenas, como nas mãos e nos tornozelos, mas conforme a doença progride, outras podem ser acometidas também.

Diferente de outros tipos de inflamação, o reumatoide apresenta um padrão de oligoartrite ou poliartrite — ou seja, afeta mais de uma região:

  • Bilateral: afeta articulações nos dois lados do corpo;
  • Simétrica: se uma mão é acometida, a outra possivelmente será.

Devido à inflamação prolongada, pode haver um desgaste e erosão locais, gerando deformidades anatômicas (dedos e mãos tortas).

Mas a condição não se limita às cartilagens articulares, pois pode haver comprometimento da pele, dos olhos, dos pulmões e dos vasos sanguíneos.

Apesar da artrite ser muito associada ao envelhecimento, o tipo reumatoide pode acometer pessoas de qualquer idade, inclusive as crianças — nesse caso, ela recebe o nome de artrite idiopática juvenil.

Estatisticamente, são as mulheres as mais afetadas, compondo uma proporção de 1 paciente do sexo masculino para cada 3 do sexo feminino. Mas, em números totais (homens e mulheres), a artrite reumatoide afeta 1% da população mundial.

Artrite gotosa (gota)

A gota é uma condição que afeta o metabolismo das purinas, uma substância presente no sangue.

Quando as purinas se elevam, as taxas de ácido úrico no sangue cristalizam e formam pequenas pedrinhas, acumulando-se nas articulações e tendões.

As causas dessa disfunção podem ser a incapacidade de eliminar o ácido úrico e/ou a produção aumentada dele.

Cerca de 20% dos pacientes com excesso de ácido úrico apresenta inflamação dos tecidos, em decorrência dos cristais — ou seja, a artrite gotosa.

Artrite infecciosa (séptica)

A inflamação nas articulações é causadas pela infecção de bactérias, vírus ou fungos.

Cerca de 95% das artrites infecciosas é do tipo agudo e, por isso, a infecção se espalha rapidamente. Já os casos do tipo crônico, outros 5% aproximadamente, são decorrentes de processos infecciosos lentos que podem durar até 5 semanas.

Em geral, são as regiões dos joelhos, punhos, mãos, dedos, quadril e cotovelos as mais afetadas.

Entre as principais infecções relacionadas estão a doença de Lyme, a gonorreia e a hepatite.

Artrite psoriática

A artrite psoriática surge em pacientes com psoríase — uma patologia de pele que gera placas e manchas vermelhas e salientes na pele.

O acometimento das cartilagens pode ser em apenas 1 articulação ou em várias, adquirindo características progressivas e incapacitantes devido à erosão do tecido.

Ainda que todas as idades possam apresentar a artrite psoriática, há um predomínio entre os 30 e 50 anos.

Em média, até 40% dos pacientes com psoríase vão apresentar manifestações da artrite psoriática.

Espondilite anquilosante

A artrite (ou espondilite) anquilosante tende a afetar principalmente as articulações da coluna vertebral e da região sacroilíaca (localizada entre a base da coluna vertebral e o osso da bacia).

Tem predominância na adolescência ou início da vida adulta e manifesta quadros de rigidez que, em alguns casos, pode resultar em deformidades irreversíveis e incapacitação de mobilidade.

Artrite reativa

Também chamada de Síndrome de Reiter, a artrite reativa ocorre após alguns dias ou semanas que o paciente se recuperou de infecção genital, urinária ou gastrointestinal.

Ao contrário da artrite infecciosa, a reativa não ocorre porque os agentes infecciosos infiltraram as articulações, mas apenas como uma manifestação inflamatória dos tecidos.

Sobretudo os joelhos, tornozelos e pés são acometidos e apresentam sinais comuns das artrites, como dor, inchaço, vermelhidão e dificuldade de movimento local.

Mas, além disso, é frequente que ocorram inflamações oculares, como a uveíte e a conjuntivite, e urinárias (uretrite).

Artrite idiopática juvenil

Sem causa definida, a artrite idiopática juvenil compreende uma grupo de doenças que se manifestam antes de 16 anos de idade, acometendo as articulações e, em alguns casos, afetando outros tecidos, como o do coração, fígado, pele, olhos, músculos e tendões.

Em geral, os sintomas e achados clínicos persistem por pelo menos 6 semanas e podem gerar grande comprometimento físico. Muitas vezes, é difícil para a criança relatar os sintomas ou perceber que há algo errado (como dores leves e enrijecimento articular).

Por isso, comportamentos como dificuldade em realizar tarefas comuns, mudanças no modo de fazer as coisas, alterações ao caminhar (mancar ou apoiar mais um lado do corpo) podem ser sinais de alerta.

Além disso, irritabilidade, mudanças na alimentação, crescimento inadequado e movimentação mais lenta (sobretudo após acordar) devem ser observados também.

Artrite traumática (artrite no joelho)

A artrite traumática pode acometer qualquer articulação em decorrência de um trauma ou pancada, mas são os joelhos — principalmente nos atletas — os mais acometidos.

Isso porque a região costuma ser bastante afetada, devido ao impacto que recebe na prática esportiva ou até mesmo durante as atividades de pessoas não atletas.

Em geral, a condição traumática decorre de quedas, torções, fraturas ou esforço repetitivo e prolongado.

A condição tende a ter recuperação completa — desde que devidamente tratada — em algumas semanas.

Como diferenciar a artrite reumatoide das demais?

Apesar da dor, inchaço e calor na articulação afetada, a artrite reumatoide apresenta predominância nos punhos e mãos, mas geralmente não afeta aquelas articulações bem próximas da extremidade dos dedos. Aos poucos, com a progressão da doença, os pulsos, joelhos, tornozelos, quadris e outras articulações podem ser afetadas.

Além disso, há um comportamento bem característico da artrite reumatoide, que tende a ser simétrica e bilateral, ou seja, afeta os dois lados do corpo.

Assim, se o paciente sente dor e inchaço na mão esquerda, é bem provável que a mão direita também esteja afetada.

Causas

As causas da artrite podem ser diversas e, muitas vezes, de ordem desconhecida — por exemplo, no tipo autoimune ainda é bastante difícil determinar o que desencadeia a mudança do comportamento imune.

No geral, pode-se indicar que as articulações inflamadas têm origem genética, traumática e/ou infecciosa:

  • Artrite genética: o organismo produz células que, por razões ainda desconhecidas, passam a atacar os sistemas do corpo;
  • Artrite traumática: esforço ou atividades que geram estresse físico, além de traumas ou lesões que geram desgaste ou fragilização da cartilagem;
  • Artrite infecciosa: uma série de infecções virais, bacterianas ou fúngicas pode se espalhar pela corrente sanguínea e atingir as articulações.

Mas é importante ressaltar que, no geral, a condição é multifatorial, podendo haver predisposição genética do paciente associada aos fatores comportamentais, como:

  • Obesidade: excesso de peso que promove maior desgaste às cartilagens;
  • Prática de esportes de alto impacto: o estresse devido à repetição ou impacto de exercícios pode desgastar ou lesionar as articulações;
  • Infecções: vírus, bactérias e fungos podem estar relacionados ao acometimento do tecido articular;
  • Envelhecimento: com a idade, as cartilagens podem ser gradualmente afetadas;
  • Traumas: fraturas, machucados, lesões ou desgastes devido a traumas;
  • Fatores autoimunes: sem causa determinada, o organismo pode sofrer alterações de funcionamento e atacar os próprios tecidos.

Fatores e Grupos de risco

Existem alguns fatores e condições que podem facilitar o aparecimento da artrite, como:

  • Pessoas com histórico familiar de artrite;
  • Lesão ou trauma articular;
  • Prática esportiva de alto impacto por longos períodos;
  • Realização de atividades capazes de gerar estresse físico às articulações;
  • Sobrepeso ou obesidade;
  • Baixa imunidade, de modo que se favoreça a ocorrência de infecções.

Sintomas: como posso saber se estou com artrite?

Os sintomas podem variar em cada paciente, desde a manifestação até a intensidade. Alguns podem manifestar dores contínuas e incessantes, outros podem sentir incômodos mais amenos e, em determinados momentos, picos de dor e queimação articular (agudização).

Entre as manifestações que, em geral, atingem os pacientes estão:

Dor

A dor é um dos sinais mais presentes na artrite, que ocorre sem causa aparente (começa de maneira súbita, sem haver uma batida ou trauma, por exemplo), sendo constante e prolongada.

Apesar de apresentar intensidades diferentes em cada pessoa, em geral, ao tentar movimentar ou ao apertar a região articular, a dor se intensifica.

Com o passar do tempo, o paciente pode apresentar incômodos também em outras articulações.

Devido à inflamação do tecido cartilaginoso, o organismo produz elementos chamados de mediadores inflamatórios. Alguns deles são responsáveis pela dor: interleucina 1 e prostaglandina.

Eles são liberados em resposta ao dano que a articulação está sofrendo — por isso, funcionam como sinais de alerta de que algo não está adequado.

Quando esses mediadores inflamatórios chegam ao cérebro, provocam o aumento da sensação dolorosa e podem, em alguns casos, causar uma desregulação térmica — geralmente quando há uma inflamação grande —, então a febre surge.

Vermelhidão e inchaço

A prostaglandina, liberada pelo organismo e moduladora de inflamação, junto com outras substâncias, circula com o objetivo de evitar danos ao organismo.

O corpo passa então a enviar mais glóbulos brancos (célula de defesa) para a articulação, pois são elas as responsáveis, sobretudo, pela imunidade do sistema orgânico.

Para isso, é necessário aumentar o fluxo de sangue através da dilatação dos vasos, o que provoca a vermelhidão do local inflamado e rubor.

Mas os moduladores ainda agem separando ou afastando sutilmente as células que compõem as paredes dos vasos. Com esse pequeno espaço, o plasma — parte líquida e fluida do sangue — escapa e se acumula na região, resultando no inchaço ou edema.

Rigidez

Diferente do que pode parecer, a rigidez devido à artrite é causada pela dor, pois em geral os pacientes têm plena capacidade de movimentar toda a articulação.

Ocorre, na verdade, um endurecimento da cartilagem, o que torna mais trabalhosa a movimentação.

Mas, além disso, dependendo do desgaste da cartilagem, tentar movimentar o local pode acentuar a dor. É sobretudo no período da manhã que a rigidez é acentuada, devido ao longo período de imobilidade ou repouso, mas que tende a aliviar no decorrer do dia.

Aos poucos, atividades simples a cotidianas, como andar, subir escadas e apanhar objetos no chão, podem se tornar difíceis e limitadas.

Deformidades

As deformidades são decorrentes da artrite reumatoide, em que conforme a inflamação se agrava, a cartilagem articular vai sendo destruída e os encaixes ósseos se modificam.

Graus mais intensos da perda da cartilagem podem levar a deformidades permanentes e bastante limitantes ao paciente.

Outros sintomas

Além dos sintomas clássicos da artrite, podem ocorrer:

  • Febre;
  • Anemias;
  • Perda de apetite;
  • Fadiga ou cansaço constante;
  • Alteração nos olhos (uveíte);
  • Caroços pequenos sob a pele.

Diagnóstico

O médico mais indicado para ser consultado é o reumatologista, responsável por cuidar das articulações.

O diagnóstico da artrite é baseado no histórico clínico e familiar do paciente. Por isso, além de dar atenção à manifestação dos sintomas, o profissional precisa investigar se há casos de artrite em parentes próximos e comportamentos de risco (como o tabagismo).

Para levantar suspeitas sobre a inflamação articular, o médico deve investigar o progresso dos sintomas e fazer exames físicos, confirmando o resultado por meio de exames laboratoriais em alguns casos.

Além da presença de dores, vermelhidão, inchaços e dificuldade de movimentação — sintomas clássicos das artrites —,  o médico irá verificar a rigidez e a dificuldade em movimentar os membros ligados à articulação.

Exames

Alguns exames de sangue e de imagem podem auxiliar a confirmar o quadro:

Exames de sangue

Exames de sangue podem detectar a presença de um anticorpo chamado fator reumatoide, que pode indicar a inflamação.

Mas vale lembrar que o exame é complementar, logo que pessoas sem inflamação articular também podem apresentá-lo.

O aumento da velocidade de hemossedimentação (VHS) ou da Proteína C reativa (PCR) podem auxiliar no diagnóstico, pois indicam a presença de inflamação.

Exames de imagem

Exames de raio-X podem demonstrar a erosão do osso — perda dos tecidos ósseos nas margens articulares — junto com a redução das cartilagens.

Também podem ser usados exames de ultrassonografia ou ressonância magnética que, assim como o raio-X, configuram técnicas não invasivas, rápidas e bastante eficazes de observar a estrutura do osso e das cartilagens.

Tem cura?

Depende do tipo. Enquanto as infecciosas e traumáticas têm cura, as artrites reumatoide ou autoimune podem ser controladas, fazendo com que os sintomas e a evolução sejam amenizados.

Mas é importante lembrar que, por exemplo, as infecciosas podem ser curadas com a eliminação da infecção, mas se houver um desgaste da cartilagem, esse não pode ser recuperado.

Qual é o tratamento?

O tratamento costuma variar de acordo com a causa da artrite e resposta do paciente.

O uso de medicamentos analségicos, imunossupressores, corticoides e drogas antirreumáticas pode fazer com que as dores diminuam, sendo geralmente empregadas como primeira opção de tratamento.

Artrites infecciosas necessitam de medicamentos para combater especificamente o agente causador, como antibióticos ou antifúngicos.

Se houver a presença de secreção purulenta (pus) no local, pode ser necessário realizar drenagem cirúrgica para eliminar os fluidos concentrados no local.

Fisioterapia

A realização de fisioterapia voltada à condição do paciente pode ser essencial, auxiliando a manter a boa movimentação articular, além de aliviar a rigidez.

As sessões são indicadas conforme orientação do médico e avaliação do fisioterapeuta, que determinam quais os melhores exercícios, bem como a frequência das sessões.

Cirurgia

Em geral, as cirurgias são recomendadas quando o paciente apresenta deformidades intensas decorrentes das artrites crônicas ou quando há dor severa e que não ameniza com os medicamentos.

O tipo da cirurgia deve ser recomendado pelo médico, de acordo com a investigação do quadro, mas as mais comuns são:

  • Ganglionectomia: remoção da sinóvia afetada (líquido transparente presente nas articulações);
  • Artroplastias (próteses): substituição parcial ou total da articulação;
  • Prótese da cartilagem: substituição artificial da cartilagem afetada;
  • Artrodese (anquilose artificial): elimina a articulação e promove a fusão dos ossos (ossificação);
  • Artroscopia: técnica minimamente invasiva para realizar a limpeza articular.

Medicamentos

A escolha do medicamento depende do quadro do paciente e deve sempre ser recomendado pelo médico. Entre eles estão:

Anti-inflamatórios e analgésicos

Os anti-inflamatórios e analgésicos servem para reduzir a dor e diminuir a inflamação articular. Entre as opções estão prednisona, deflazacort e metilprednisolona.

Drogas Modificadoras de Atividade da Doença (DMARD)

A drogas podem agir reduzindo e controlando as inflamações, através da modulação do sistema imune. Com menores riscos do dano articular progredir, tanto a dor e a rigidez são melhoradas.

A classe de DMARDs pode ser dividida entre:

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas neste site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Convivendo

Sobretudo no caso das artrites crônicas — que não podem ser curadas —, a mudança dos hábitos de vida e os cuidados com a saúde são essenciais para otimizar as respostas ao tratamento, auxiliando na eliminação das dores e promovendo mais bem-estar.

Algumas medidas que podem fazer bastante diferença na vida do paciente incluem:

Cuidar da alimentação

Os cuidados com a alimentação devem incluir uma dieta balanceada e rica em nutrientes.

Diferente do que as pessoas pensam, conviver com a dor não é uma obrigação em pessoas com artrite. Trocar o estilo de vida pode fazer com que as dores reduzam.

Sempre que possível, inclua alimentos ricos em ômega 3 (salmão e nozes), enxofre (cebola e alho), fibras (hortaliças e cereais integrais), além de antioxidantes (frutas, chás naturais), pois eles auxiliam na manutenção de diversas funções do corpo, agindo como produtos funcionais.

Alguns tipos de artrite podem receber recomendações nutricionais específicas, como nos casos de artrite gotosa, em que se deve reduzir a ingestão de uma proteína chamada purina. Quando metabolizada, ela eleva as taxas de ácido úrico e agrava a doença. Por isso, deve-se evitar alimentos como carnes, ovos e frutos do mar.

Além disso, quando houver alguma restrição alimentar ou problemas crônicos, como diabetes, é fundamental cuidar da dieta, fazendo com que a imunidade permaneça fortalecida.

Pratique exercícios físicos

Conforme a rigidez ocorre, a limitação dos movimentos pode ser afetada. Seguir uma rotina de exercícios — sempre devidamente acompanhados e indicados pelos profissionais — é essencial para manter e amplificar as capacidades de movimentação.

O ideal é preferir atividades de menor impacto, trabalhando com o fortalecimento muscular e os alongamentos.

Leia mais: O que é Pilates, para que serve, benefícios, exercícios, emagrece?

Além de auxiliar diretamente nas manifestações de rigidez, os exercícios ajudam na manutenção ou redução do peso, que está relacionado à sobrecarga articular.

Mude de posição

Devido à rigidez da articulação, ficar muito tempo na mesma posição pode gerar bastante incômodo — e esse “muito tempo” nem precisa ser longas horas.

Dependendo do grau de acometimento do paciente, ficar menos de 1 hora sentado, deitado ou em pé já pode dificultar a movimentação.

Por isso, o ideal é intercalar todas as atividades com pequenas pausas de movimentação, incluindo caminhadas curtas, alongamentos ou apenas pequenos movimentos dos membros.

Ajuste sua rotina

Quando a artrite é crônica ou comprometeu definitivamente as articulações, causando dificuldade de locomoção ou dores limitantes, o ideal é ajustar a rotina gradualmente, fazendo com que as atividades diárias sejam mais simples.

Evitar locais com escadas longas, cadeiras desconfortáveis ou móveis altos ou baixos demais pode facilitar.

Quando houver deformidades ou alterações corporais, produtos ortopédicos ou específicos para o paciente podem ser indicados.

Cuide do emocional

Além dos exercícios físicos e da fisioterapia, outras atividades ou terapias podem ser realizadas, trabalhando tanto os aspectos físicos quanto emocionais.

O importante é sempre escolher práticas que gerem prazer e promovam relaxamento ao paciente, como massagem, hidroterapia, acupuntura e yoga.

Leia mais: Os benefícios mentais (e físicos) da respiração profunda

Complicações

Se a artrite não for tratada, o problema pode se tornar crônico e a realização de atividades simples pode virar um problema, levando à atrofia dos movimentos dos braços e pernas.

O desgaste das articulações pode promover defeitos estruturais, deixando as mãos, dedos, coluna ou qualquer outra região afetada desalinhada.

O maior problema é que essas alterações podem dificultar a rotina e debilitar severamente o paciente.

Além disso, o desgaste constante pode levar à instabilidade da coluna, com deformidade postural e a perda da função locomotora de algumas regiões.

A artrite reumatoide é um dos tipos que mais apresenta complicações, pois apesar de começar nas articulações, o problema pode afetar de modo sistêmico o resto do organismo.

Entre as ocorrências comuns estão as que afetam:

  • Nervos: o tecido articular inflamado pode comprimir os nervos e gerar danos, como a síndrome do túnel do carpo, afetando a força e a sensibilidade das mãos;
  • Coração: artérias podem ser obstruídas devido às inflamações, fazendo com que o fluxo sanguíneo seja afetado e possa ocorrer insuficiência cardíaca;
  • Olhos: a inflamação pode provocar secura nos olhos, esclerite e uveíte, que são inflamações em partes do olho. Se ocorrerem, essas condições favorecem a ocorrência do glaucoma e da catarata;
  • Pulmões: a inflamação pode chegar aos pulmões e desencadear a doença pulmonar intersticial (DPI), afetando a respiração.

Como prevenir a artrite?

Não há uma medida específica para prevenir a artrite, que pode ser de origem traumática e/ou genética.

Para reduzir os riscos de inflamações articulares, é indicado adotar hábitos de vida saudáveis, cuidar com a prática de atividades de alto impacto e manter a atenção nos sinais do organismo.

Algumas dicas incluem:

  • Realizar alongamentos;
  • Manter-se hidratado;
  • Ter uma boa alimentação, rica em nutrientes variados;
  • Manter o peso adequado;
  • Reduzir o estresse.

A artrite acomete, majoritariamente, pessoas entre 30 e 50 anos, mas também pode atingir jovens e crianças.

Com diversos fatores envolvidos na origem do problema — genéticos e externos —, a inflamação das articulações pode gerar danos severos à rotina e à saúde do paciente.

Além das dores intensas, a limitação física e os problemas decorrentes da ausência de tratamento geram preocupações.

O melhor modo de ter uma vida saudável é mudando os hábitos e adotando medidas preventivas para todo o organismo. Isso inclui boa alimentação e a prática de atividades físicas.

Para saber mais sobre saúde e qualidade de vida, acompanhe o Minuto Saudável!

Publicado originalmente em: 30/06/2017 | Última atualização: 20/11/2018

Fontes consultadas

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (18 votos, média: 4,94 de 5)
Loading...

5 Comentários

Atenção: os comentários abaixo são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

  1. fiz uma cirurgia no ligamento cruzado no joelho, fiz a fisioterapia por 6 meses e voltei a jogar futebol porem recentemente veio sofrendo terríveis dores no joelho estou achando que e algum tipo de artrose vi que existem vários tipos dela.
    Ja meu pai também esta sofrendo com esse problema ele se queima de fortes dores no joelho e esta quase abandonando as caminhada isto e triste
    por isso e extremamente importante o acompanhamento de um especialista e se dedicar no tratamento pois essa terrível doença vem para destruir e acabar com o paciente
    Ótima matéria Obrigado

  2. Tenho 57 anos comecei a sentir dores nos tendões,consultei vários ortopedistas que requisitarem vários exames de imagens mas nenhum deles revelou nem orientou-me sobre os desgastes naturais que geram a artrite.
    Foram 45 dias de peregrinação e só obtive o diagnóstico aqui.

    • Olá José!

      Nosso artigo visa apenas trazer informações de credibilidade e um conteúdo mais completo sobre a doença. Para obter um diagnóstico, você precisa consultar-se com um médico, de preferência um reumatologista.

  3. A matéria foi de grande ajuda para mim. Recomendo o site, pois é bem claro é com um linguagem bem simples.

  4. Sofro muito com dores no joelho, fui ao medico e ele me disse que tenho artrose e que meu caso só se resolve com cirurgia, mas não quero fazer comprei um apoio para o joelho e estou fazendo fisioterapia para ter alivio nas dores
    esta dando certo
    Ótimo artigo

Deixe o seu comentário, nos preocupamos com sua opinião:

Por gentileza, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui

Lamentamos a não possibilidade de dar-lhe conselho médico ou responder a questões médicas e farmacêuticas individuais através de e-mail, pois apenas um médico pode prestar tal atendimento. Embora tentemos responder a todos os comentários, opiniões e e-mails que recebemos em até dois dias úteis, nem sempre é possível devido ao grande volume que recebemos. Por favor, tenha em mente que qualquer solicitação ao Minuto Saudável está sujeita aos nossos Termos de Uso e Política de Privacidade, ao enviar, você indica sua aceitação.