Anelise Wickert (Minuto Saudável)
08/06/2019 08:00

O que é ácido úrico? Saiba o que significam níveis altos ou baixos

O ácido úrico é uma substância produzida naturalmente pela quebra de purina (um tipo de proteína alimentar). Quando ele está em excesso no organismo, se formam cristais compostos por essas substâncias.

Esses cristais são depositados em várias partes do corpo, principalmente nas articulações e rins, causando dor e outros agravamentos.

A falta ou o excesso de ácido úrico no organismo são causados por algumas doenças (como leucemia, obesidade, doenças renais e anemia) e fatores relacionados ao estilo de vida (consumo de álcool e alimentos industrializados, por exemplo).

De onde vem a purina?

A purina é produzida e liberada na corrente sanguínea quando um aminoácido é quebrado pela digestão.

Por isso, ela é produzida naturalmente no corpo.

A purina também é encontrada em alimentos como carne vermelha, frutos do mar, alguns tipos de grãos (feijão, por exemplo) e em bebidas alcoólicas (principalmente cerveja).

Por isso, quem tem altas taxas de ácido úrico deve evitar comer alimentos que contenham purina.

No entanto, os níveis normais são necessários para o bom funcionamento do corpo, pois elas é fundamental para a construção de material genético (DNA), além de ser responsável pela coloração da urina e pela dilatação dos vasos sanguíneos.

Onde o ácido úrico é encontrado?

Depois de produzido no organismo, parte do ácido úrico permanece na corrente sanguínea e a outra parte é filtrada pelos rins e eliminada na urina. Entenda:

Na urina

O ácido úrico é encontrado na urina devido o processo de filtragem feito pelos rins. Mas quando esta substância é produzida em excesso, somente a urina não consegue eliminá-la do organismo.

Para evitar danos causados pelo excesso da substância, é importante monitorar a quantidade de ácido úrico presente na urina. Isso pode ser feito por meio de exames laboratoriais.

Além do exame, beber muita água durante o dia também ajuda a prevenir os cristais de ácido úrico, porque o líquido ajuda os rins a eliminar a substância impedido a cristalização.

No sangue

A urina elimina uma parte do ácido úrico. A outra parte permanece circulando no corpo todo por meio do sangue.

Os níveis de ácido úrico no sangue podem ser altos ou baixos. Estudos mostraram que se o ácido úrico estiver com níveis altos no sangue, há maior probabilidade da pessoa desenvolver doenças cardiovasculares.

Para identificar a quantidade de ácido úrico no sangue, também é preciso fazer exames laboratoriais.

O que é ácido úrico alto?

Quando a quantidade de ácido úrico está alta no organismo, dá-se o nome de hiperuricemia. No geral, o excesso é representado por valores acima de 6 mg/dL (em mulheres) e acima de 7 mg/dL (em homens).

Essa condição pode acontecer por dois fatores: a produção desse ácido aumentou ou a eliminação, pela urina, não está sendo suficiente.

O ácido úrico alto é uma consequência de uma vida moderna e agitada: consumo de alimentos industrializados, pouco consumo de água e sedentarismo que atrofia as articulações. O uso de alguns medicamentos também pode ter influência.

O diagnóstico é feito por exames laboratoriais que medem a quantidade de ácido úrico no sangue.

O que o ácido úrico elevado pode causar?

O ácido úrico, quando em falta ou excesso, está relacionado a várias doenças e complicações de saúde. Entre elas:

Cristais nos rins ou articulações

Quando o ácido úrico está em excesso, os rins não conseguem fazer a filtragem correta do sangue e, por isso, formam-se cristais compostos por esse ácido.

Eles ficam nas articulações, nos rins e na vesícula, são difíceis de eliminar e causam dor intensa.

Em geral, são eliminados naturalmente pela urina, o que causa dor e desconforto. Por isso, o consumo de água em abundância pode ajudar a eliminar esses cristais com mais rapidez.

Alimentação sem purina e exercícios físicos também podem facilitar o processo.

Em algumas situações mais complexas, o ácido úrico será eliminado com o auxílio de medicamentos, que poderão ser receitados por um médico reumatologista ou nefrologista.

Problemas renais

Em condições normais, o rim faz a filtragem do ácido úrico e elimina o excesso dessa substância pela urina.

Mas quando os cristais de ácido úrico se formam os rins, há uma possibilidade maior de que se desenvolvam doenças e complicações nesse órgão, como cálculo renal e insuficiência renal crônica ou aguda.

Isso acontece porque a cristalização da substância permanece dentro do rim, o que impede o órgão de filtrar o sangue corretamente.

Gota e artrite

A gota é um tipo de artrite inflamatória causada pelo acúmulo de cristais de ácido úrico na articulação. Essa doença é predominante entre os homens adultos.

Cerca de 20% das pessoas que têm hiperuricemia (excesso de ácido úrico) vão desenvolver gota.

O sintoma inicial é caracterizado por uma crise que dura entre 3 e 10 dias com inchaço em articulações do pé acompanhado de dor intensa. As crises normalizam naturalmente dentro de uma semana, em média.

Outra crise de gota pode levar meses ou até anos para acontecer novamente. Por isso, muitas pessoas acabam optando por não fazer o tratamento.

Mas se a gota não for tratada, as articulações acometidas pela doença podem sofrer deformações permanentes, em longo prazo.

Problemas cardíacos

As pessoas que já possuem gota têm mais chances de desenvolver doenças cardiovasculares.

Isso acontece porque a condição estimula uma inflamação constante que acaba  prejudicando as artérias.

A pressão arterial também pode aumentar, uma vez que o ácido úrico ajuda na retenção de sódio, provocando oscilações na pressão.

O que é ácido úrico baixo?

Quando há falta de ácido úrico no organismo, dá-se o nome de hipouricemia. O quadro é caracterizado, normalmente, quando os níveis da substância estão abaixo de 2,4 mg/dL (em mulheres) e 3,4 mg/dL (em homens).

Essa é uma  condição rara que, geralmente, não provoca nenhum sintoma.

O ácido úrico baixo pode acontecer quando há consumo de drogas ou problemas renais e hepáticos. É dividido em dois tipos:

  • Primária: quando a doença é permanente. O fator hereditário está relacionado a esse tipo de hipouricemia;
  • Adquirida: quando a condição é intermitente, ou seja, “vai e vem”. Esse tipo pode ser desencadeado por consumo de drogas ou alterações no funcionamento dos rins e fígado.

Exames: como saber os níveis de ácido úrico?

Alguns exames podem ser solicitados pelo médico para verificar a quantidade de ácido úrico no organismo. Para fazer essa análise, pode-se fazer testes laboratoriais de coleta de sangue e urina.

O exame de sangue requer jejum alimentar de no mínimo 3 horas. Já para o exame de urina, deve-se coletar a primeira do dia ou conforme orientação do laboratório.

Antes de fazer o diagnóstico, diga ao médico se você ingere algum medicamento ou suplemento alimentar. Em alguns casos, será necessário interromper aquele tratamento.

Os resultados variam entre os laboratórios e somente uma análise médica pode interpretar esses exames com exatidão.


O ácido úrico, em falta ou excesso, pode trazer muitos prejuízos para o organismo.

Além de formar os cristais e provocar dor e inchaço nas articulações, essa substância também está relacionada com a gota, anemia e doenças cardiovasculares.

O Minuto Saudável ainda traz conteúdo sobre exames e remédios que podem garantir mais qualidade de vida!

03/06/2019 16:02

Anelise Wickert (Minuto Saudável)

Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável. Confira mais na nossa página de quem somos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*