Gota: o que é, sintomas, tratamento, remédios e dieta para gota

22

Revisado por: Dr. Paulo Caproni (CRM/PR 27679) – Medicina Preventiva e Social

Dor nas articulações não é nada legal, especialmente quando é forte e constante. Se você sente isso com frequência, pode ser que tenha gota, um tipo de artrite que pode acompanhá-lo por toda a vida. Leia mais para descobrir sobre a doença!

Índice — neste artigo você vai encontrar as seguintes informações:

  1. O que é gota?
  2. Qual a relação entre ácido úrico e gota?
  3. Quando o ácido úrico é considerado alto?
  4. Causas da gota
  5. Fatores de risco
  6. Sintomas da gota
  7. Tipos e estágios da gota
  8. Pseudogota
  9. Diagnóstico e exames
  10. Gota tem cura?
  11. Tratamento
  12. Medicamentos
  13. Tratamento caseiro
  14. Dieta para gota
  15. Prognóstico
  16. Complicações
  17. Prevenção
  18. Perguntas frequentes
Publicidade

O que é gota?

A gota, também chamada de artrite gotosa, é uma doença caracterizada por inflamações nas articulações.

Essas inflamações são causadas pela solidificação e acúmulo de ácido úrico, que ao cristalizar se transforma em urato de sódio.

O ácido úrico é uma substância que o corpo produz quando digere certos tipos de alimento. Normalmente, os rins são capazes de eliminá-lo através da urina. Entretanto, quando há excessos, ele passa a se acumular no sangue.

A princípio isso pode não parecer um problema, mas com o tempo ele vai criando pequenos depósitos que se solidificam na forma de cristais, frequentemente na região das articulações, já que estas áreas do corpo possuem temperaturas menores (as articulações costumam ficar a 32 ºC ao invés de 37 ºC como o resto do corpo).

Estes cristais de ácido úrico causam a inflamação, o que resulta em dores fortes que podem durar semanas e provocar crises.

Na Classificação Internacional de Doenças (CID-10), a gota pode ser encontrada pelos códigos:

  • M10: Gota;
  • M10.0: Gota idiopática;
  • M10.1: Gota induzida por chumbo;
  • M10.2: Gota induzida por drogas;
  • M10.3: Gota devida à disfunção renal;
  • M10.4: Outra gota secundária;
  • M10.9: Gota não especificada.

Qual a relação entre ácido úrico e gota?

A causa da gota é o excesso de ácido úrico, bem como sua cristalização nas articulações.

O ácido úrico é produzido pelo fígado, quando este órgão metaboliza a purina. A purina, por sua vez, é uma substância presente em diversos alimentos, mas que também é produzida pelo próprio corpo, independente da alimentação.

A presença de ácido úrico é natural para o organismo, mas quando temos excesso dele no sangue, os rins não são capazes de filtrá-lo por completo.

Publicidade

O ácido úrico alto não quer dizer que a pessoa tem gota, mas aumenta consideravelmente as chances já que a substância perde solubilidade quando sua concentração é muito alta, o que faz com que ela cristalize, causando dor, inchaço e inflamação nas articulações.

Quando o ácido úrico é considerado alto?

Para ser considerado alto, o nível de ácido úrico no sangue deve estar acima de 7 mg/dL em homens e 6 mg/dL em mulheres.

Esse número para as mulheres passa a ser 7 mg/dL também após a menopausa, já que o que mantém a quantidade de ácido úrico reduzido nelas é o estrogênio, que facilita a eliminação.

Leia mais: Quais os sinais e sintomas da menopausa? Saiba como reconhecer

Causas da gota

As principais causas para o aumento da concentração do ácido úrico no sangue são:

Problemas renais

Quando os rins apresentam problemas, como por exemplo no caso de insuficiência renal ou de intoxicação por chumbo, o ácido úrico pode deixar de ser eliminado na proporção adequada.

Nesses casos, mesmo com uma ingestão em nível saudável de purinas, a concentração do ácido pode se elevar.

O resultado é que a concentração de ácido úrico no sangue aumenta, ele perde solubilidade, cristaliza em urato de sódio e a gota aparece. Normalmente, problemas renais são genéticos.

Produção elevada de ácido úrico

Pode existir uma produção de ácido úrico geneticamente exacerbada. Nestes casos, mesmo com ingestão de menos purina na alimentação do que a maioria das pessoas, o corpo ainda produz um excesso.

Alimentação rica em purina

Apesar de nosso corpo ter uma produção naturalmente alta de purina, grande parte (cerca de 40%) da substância chega até o organismo através da alimentação.

A purina está presente principalmente em produtos de origem animal, mas pode ser encontrada em vegetais também.

Se a pessoa possui predisposição genética para produzir mais esta substância ou dificuldades de filtrá-la, isso pode causar um aumento considerável do ácido úrico no sangue.

A gota, em alguns casos, é chamada de “doença dos reis”, pois também pode afetar pessoas que consomem muitos alimentos com purina, tendo um estilo de vida com alimentação excessiva, mesmo sem haver predisposição genética para isso.

Publicidade

Álcool

O álcool é metabolizado pelo fígado e também contém purina, o que significa que aumenta a concentração do ácido úrico no sangue.

Apesar de as causas genéticas serem os principais causadores da gota, o álcool é responsável por grande parte das crises daqueles que possuem a doença.

Fatores de risco

Algumas pessoas são mais suscetíveis à gota do que outras. Confira alguns dos fatores de risco:

Ácido úrico elevado

O ácido úrico alto é o principal fator de risco da gota, já que é isso que causa o aparecimento da doença. Ele pode estar elevado por diversas causas, nem todas óbvias. Nesses casos, é importante levar os exames ao médico para que ele indique o que você deve fazer.

Sexo

Homens possuem mais chances de desenvolver gota do que mulheres, pois o hormônio estrogênio — o hormônio sexual feminino — ajuda na eliminação do ácido úrico.

É por isso que o valor de referência da concentração da substância no sangue para os homens é maior do que nas mulheres — 7 mg/dl para eles, e 6 mg/dl para elas. Isso não significa que mulheres são imunes à gota, mas as chances de homens desenvolverem a doença é maior.

Isso muda, entretanto, depois da menopausa, quando a produção de estrogênio nas mulheres torna-se reduzida e a concentração de ácido úrico fica equalizada em ambos os sexos.

Histórico familiar

Pessoas que têm parentes com gota possuem maior chance de desenvolver a condição. Isso acontece porque grande parte das causas da gota tem causa genética, o que frequentemente é passado dos pais para os filhos.

Alimentação

A alimentação é um dos principais fatores de risco para a gota. Ingerir alimentos com muita purina faz com que o corpo produza mais ácido úrico, que mais tarde pode ser convertido em cristais de urato de sódio nas articulações, causando as inflamações características da gota.

Publicidade

Obesidade

A obesidade aumenta as chances do desenvolvimento de gota. Além de pessoas com obesidade ingerirem mais alimentos com purina, as articulações destas pessoas sofrem maior pressão.

Idade avançada

A idade avançada faz com que a filtragem do ácido úrico por parte dos rins fique mais difícil, o que causa um aumento dos níveis da substância no sangue.

Alcoolismo

O álcool é um dos alimentos que mais possui purina em sua composição. É por isso que o alcoolismo frequentemente causa a gota.

Os níveis elevados de purina na dieta das pessoas com alcoolismo propiciam um ambiente ideal para a produção de ácido úrico por parte do organismo.

Além disso, o álcool é diurético, o que significa que ele faz com que a pessoa urine com frequência. Pessoas com alcoolismo podem sofrer com desidratação, o que facilita a cristalização do ácido úrico.

Alguns medicamentos

Algumas classes de medicamentos podem contribuir para o surgimento da artrite gotosa, como os diuréticos tiazídicos (usados no tratamento de hipertensão), aspirina e imunossupressores (prescritos para pacientes que passaram por transplante de órgão).

Essas substâncias podem, em alguns casos, aumentar os níveis de ácido úrico.

Insuficiência renal

A insuficiência renal é uma condição que pode aparecer em decorrência de várias doenças — inclusive a gota — e que danifica a capacidade de filtragem dos rins.

Dessa forma, o ácido úrico pode começar a se acumular no organismo, aumentando as chances de cristais de urato de sódio se formarem.

Frequentemente, a insuficiência renal é genética e este é um dos principais fatores para o desenvolvimento da gota.

Síndrome metabólica

Síndromes metabólicas são condições, geralmente genéticas, que afetam o metabolismo de substâncias no organismo.

Publicidade

Algumas dessas síndromes podem fazer com que o fígado produza mais ácido úrico e aumente a produção de purina por parte do corpo, ambas substâncias com capacidade de causar gota.

Sintomas da gota

Os sintomas clássicos da gota são:

Inchaço e vermelhidão

Quando existe uma infecção, ferida ou algum corpo estranho em alguma parte do corpo, o organismo envia células do sistema imunológico para defender o organismo. Isso causa a inflamação do local, o que pode ser acompanhado por dor, inchaço e vermelhidão.

É justamente a inflamação que resulta em todos os outros sintomas da gota, que nada mais é do que a reação do sistema imunológico à presença do urato de sódio no líquido sinovial das articulações.

Dores articulares

Dor nas articulações é o principal sintoma da gota, sendo causada pela inflamação do local.

O ácido úrico pode cristalizar em urato de sódio em qualquer lugar do corpo e ser levado pela corrente sanguínea para a articulação, mas é comum que ele cristalize diretamente na região.

O cristal de urato de sódio fica imerso no líquido sinovial, responsável por lubrificar as articulações. O sistema imunológico tenta proteger o corpo daquilo que acredita ser uma infecção no líquido sinovial e o resultado é inchaço e uma inflamação que pode doer muito.

Estas dores costumam aparecer de noite, de maneira súbita e podem durar semanas. Além disso, crises de gota podem surgir sem aviso.

O local mais afetado costuma ser a região do dedo dos pés, mas também é comum que a dor atinja as articulações dos tornozelos, joelhos, cotovelos e punhos.

Publicidade

Desconforto

A gota pode levar a desconforto nas articulações, mesmo em momentos em que não se está em crise. É possível que o paciente seja capaz de sentir os cristais de urato nas articulações.

Dificuldade de movimento

Com o tempo e crises frequentes, a articulação pode ficar danificada, o que pode resultar em dores crônicas e dificuldade de movimento.

Caroços de cálcio (tofos gotosos)

Quando alguém convive por muito tempo com a doença sem tratamento, é possível que os cristais de urato de sódio absorvam e acumulem cálcio.

Assim, são formados os tofos gotosos. Estes acúmulos podem acontecer debaixo da pele, onde ficam mais óbvios para o observador.

Os tofos, quando pequenos, se apresentam como pequenos caroços que podem aparecer por baixo da pele e levam anos para crescer, mas se ignorados podem ficar grandes o bastante para impedir movimentos.

Os caroços também são esteticamente desagradáveis e causam muita dor, além de existir a

Eles costumam levar anos para se formar, portanto é possível evitar esta complicação com tratamento no início da condição.

Tipos e estágios da gota

A gota possui diversos estágios, definidos pelos sintomas apresentados em cada um deles. Ela pode ser uma doença silenciosa antes da primeira crise. Conheça cada etapa da doença:

Hiperuricemia assintomática

Nesse primeiro estágio, não há sintomas. O que existe é um nível elevado de ácido úrico no sangue e os cristais de urato de sódio começam a se formar nas articulações.

Crise de gota

É nesse estágio em que a gota mostra seus sintomas. Depois que o ácido úrico se cristaliza em urato de sódio nas articulações, o sistema imunológico causa uma inflamação nelas, o que leva às dores, inchaço, vermelhidão e todos os outros sintomas de uma crise.

É frequente que as crises apareçam durante a noite e se intensifiquem durante as 8 ou 12 horas seguintes. Elas desaparecem no decorrer de alguns dias, mas sua duração pode ser variada. É durante a crise que o diagnóstico costuma ser feito, já que a dor faz com que as pessoas procurem um médico.

Publicidade

Gota de intervalo

Depois de uma crise de gota, existe o chamado intervalo. Os cristais continuam nas articulações, mas os sintomas não estão presentes já que a fase aguda da inflamação passou.

O tratamento costuma ser realizado durante essa fase. As mudanças alimentares devem ser realizadas para evitar que crises aconteçam, reduzindo o nível de ácido úrico no sangue do paciente.

Gota crônica

A gota crônica, que também pode ser chamada de gota tofácea crônica, acontece quando o nível de ácido úrico fica alto de maneira constante no sangue do paciente. As crises se tornam frequentes e é possível que os sintomas nunca deixem o paciente, apenas reduzam de intensidade durante as crises.

Pode haver lesões nas articulações, o que traz diversos problemas como a perda da mobilidade e o aparecimento dos tofos.

Pseudogota

A pseudogota não é um tipo de gota, mas é importante mencioná-la. Os sintomas são idênticos ao da gota, entretanto a diferença se encontra na causa.

Esta condição é causada por cristais de fosfato de cálcio ao invés de urato de sódio. Apesar das consequências serem as mesmas da gota comum, a pseudogota possui um tratamento completamente diferente, voltado para reduzir a quantidade de uma substância diferente no corpo do paciente, o fosfato.

Diagnóstico e exames

O diagnóstico de gota é feito comumente pelo médico clínico geral ou pelo reumatologista. Eles também fazem o diagnóstico da pseudogota, portanto caso os sintomas apareçam, são estes especialistas que você deve procurar.

Existem alguns exames que podem auxiliar no diagnóstico:

Exame do líquido sinovial

O exame mais preciso para a identificação da gota é o exame do líquido sinovial.

Os cristais de urato de sódio se depositam neste líquido que lubrifica as articulações e podem ser encontrados nele. Quando os cristais são identificados neste líquido, o diagnóstico de gota é feito.

No geral, não há necessidade de preparo antes do exame, mas é importante avisar o médico caso você tome algum medicamento com efeito anticoagulante, pois eles podem afetar o resultado.

A coleta é feita por meio de injeção no local da articulação — às vezes, é feita anestesia —, sendo o fluido removido e enviado para análise em laboratório.

Publicidade

Exame de sangue

Mesmo com uma crise de gota, cristais de urato de sódio podem não ser encontrados no líquido sinovial.

Nesses casos, exames distintos são feitos para diferenciar a situação de outras doenças que causam dores nas juntas. O exame de sangue serve para identificar se os níveis de ácido úrico estão altos no organismo.

Caso ácido úrico alto seja identificado, a probabilidade de uma crise de dor nas articulações ser causada por gota é maior.

Exames de imagem

O raio-X, ultrassom e tomografia podem ser usados para identificar os tofos gotosos ou cristais de urato de sódio grandes o bastante para aparecer em exames de imagem. Identificados, estes cristais confirmam o diagnóstico de gota.

Gota tem cura?

Tecnicamente, não. A gota costuma ser resultado de um problema genético no metabolismo da purina, na produção da substância ou na filtragem do ácido úrico.

Portanto, é improvável que o problema seja curado e ele pode reincidir mesmo se os cristais de urato forem removidos.

É possível, entretanto, eliminar os cristais e se prevenir para que novos não se formem através do tratamento, do controle da alimentação e da utilização de medicamentos para a redução da produção de ácido úrico.

Tratamento

Como a maioria dos casos tem causa genética, a cura da gota não costuma ser viável. O tratamento, então, envolve duas frentes, ambas buscando reduzir a quantidade de ácido úrico no sangue. Confira:

Tratamento medicamentoso

O tratamento medicamentoso para gota visa, principalmente, reduzir a dor durante as crises e costuma ser feito com anti-inflamatórios. Entretanto, alguns medicamentos também podem reduzir a concentração de ácido úrico no organismo, evitando futuras crises.

Remoção de tofos gotosos

Em alguns casos, quando os tofos ficam grandes, pode ser necessário o desbridamento dos tofos. O desbridamento nada mais é do que a simples remoção dos tofos gotosos de uma ferida ou por uma incisão.

Publicidade

Medicamentos para gota

Os principais medicamentos para gota são anti-inflamatórios, que visam reduzir a inflamação nas articulações, que são a principal fonte da dor.

Alguns também servem para reduzir o nível de ácido úrico no sangue, o que é feito para controlar a gota. Os principais medicamentos usados são:

Anti-inflamatórios não-esteroides

Anti-inflamatórios são medicamentos utilizados para o tratamento de inflamações. Alguns possuem efeitos sobre os receptores de dor, inibindo os químicos que os ativam, enquanto outros podem agir diretamente sobre o processo inflamatório. São eles:

Inhibidores de ácido úrico

Os medicamentos inibidores de ácido úrico fazem com que a produção da substância seja reduzida, o que permite que a concentração dela no sangue seja menor. São eles:

  • Alopurinol;
  • Probenecida.

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas neste site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Tratamento caseiro da gota

O tratamento caseiro da gota costuma ser feito com alimentos que não possuem purina e são diuréticos, o que ajuda na filtragem do sangue.

Alguns alimentos que podem reduzir os efeitos do ácido úrico no corpo, são:

  • Chá de cavalinha;
  • Suco de laranja;
  • Suco de melancia;
  • Suco de cenoura;
  • Suco de cereja;
  • Suco de maçã.

Você também pode beber o chá de gengibre, chá de hibisco e chá verde, que também funcionam como diuréticos. É importante salientar que a hidratação é fundamental quando se usa diuréticos, então beba bastante água.

Dieta para gota

Na dieta indicada para o tratamento de gota é necessário controlar a ingestão de purina, que serve de material para a produção de ácido úrico. Se menos purina é ingerida, menos ácido úrico é produzido.

Publicidade

O cardápio deve conter refeições saudáveis e equilibradas e, no geral, devem ser evitados alimentos processados ou ultraprocessados, que contêm altas taxas de açúcar e outros ingredientes prejudiciais ao organismo.

Quais os alimentos que provocam gota?

Produtos de origem animal, especialmente carnes vermelhas e órgãos (como fígado e coração), devem ser reduzidos ao máximo na dieta do paciente. Bebidas alcoólicas também devem ser cortadas, visto que trazem quantidades grandes de purina, especialmente a cerveja e o vinho.

Outras restrições incluem:

  • Mariscos, como camarão e lagosta;
  • Cogumelos;
  • Feijão;
  • Trigo;
  • Ervilhas;
  • Oleaginosas;
  • Bebidas com altas taxas de açúcar, como refrigerantes e sucos industrializados;

Quais alimentos posso ingerir?

Apesar de muitos alimentos conterem purina, ainda existem diversos livres da substância. Você pode comer:

  • Frutas (preferencialmente as que contêm menos frutose);
  • Vegetais;
  • Óleos vegetais, como oliva, canola e girassol);
  • Alimentos integrais;
  • Arroz;
  • Batatas;
  • Ovos;
  • Leite e derivados com baixo teor de gordura.

Alimentos como a melancia, a maçã e a alcachofra ajudam na filtragem sanguínea e também podem ser adicionados à dieta.

Prognóstico

A gota, infelizmente, não costuma ser curável. Para o paciente com a doença, uma mudança de hábitos se torna necessária.

Mudar a maneira como a alimentação acontece é essencial para prevenir e evitar crises de gota e a formação de novos cristais em outras articulações.

A gota não é capaz de matar, mas ir ao médico para saber como tratar a doença é essencial já que a qualidade de vida pode ser extremamente reduzida pela condição.

Publicidade

Complicações

A gota, se não tratada, pode trazer complicações severas para o paciente. Elas costumam aparecer depois de vários anos sem tratamento, ficando cada vez mais proeminentes conforme o tempo passa.

Entre estas complicações estão:

Dor crônica

A dor, com o tempo sem tratamento, fica mais intensa e mais duradoura, podendo evoluir para uma dor articular crônica, que não passa.

Perda de movimento

A inflamação constante das articulações pode fazer com que o paciente perca ou reduza capacidade de movimentação delas. É também uma consequência dos tofos gotosos ou de acúmulos grandes de urato de sódio.

Dano articular

Existe a possibilidade de o osso na região da articulação sofrer danos em decorrência do urato de sódio e da inflamação na região. Isso pode ser evitado com o tratamento adequado da condição.

Cálculos renais

Apesar de não ser uma consequência direta da gota, cálculos renais podem ser uma complicação causada pelo nível alto de ácido úrico.

Quando a concentração de ácido úrico no sangue está alta o bastante, ele pode cristalizar nos órgãos como os rins. Esta cristalização pode levar a formação de cálculos, as famosas pedras no rim.

Prevenção da gota

A maioria das causas da gota não são contornáveis, portanto a prevenção da doença e de suas crises gira em torno, principalmente, da alimentação. As mesmas maneiras usadas para prevenir o desenvolvimento da condição podem ser usadas para prevenir crises, caso você já tenha a gota.

Dependendo de quão exacerbada a concentração do ácido úrico for, apenas um controle alimentar não é o bastante, mas sempre é necessário. Além disso, é importante que você:

Publicidade

Beba água

É importante se hidratar. A hidratação dificulta a cristalização do ácido úrico no organismo, além de ajudar os rins na filtragem da substância. Beba de 1,5 a 2 litros de água por dia para evitar crises de gota.

Reduza a ingestão de bebidas alcoólicas

As bebidas alcoólicas, especialmente a cerveja, podem aumentar consideravelmente a quantidade de ácido úrico no sangue, portanto reduzir a ingestão delas ajuda a prevenir a gota.

Controle a ingestão de carne, mariscos e aves

Os produtos de origem animal possuem quantidades altas de purina. Controlar a ingestão desses alimentos, especialmente se você já teve uma crise antes, é importante para manter a saúde.

Controle o peso

Se você está acima do peso, emagrecer pode ser uma boa ideia para controlar o ácido úrico. O jeito mais eficiente de fazer isso é controlando a alimentação e praticando exercícios físicos, ou seja, adotando um estilo de vida mais saudável.

Perguntas frequentes

Meu ácido úrico está elevado. Devo tratar a gota?

Não necessariamente. O ácido úrico elevado apenas denota risco de desenvolver gota. Recomenda-se procurar um médico para descobrir o que está causando esta elevação para que haja a prevenção da gota e de outras condições que podem estar relacionadas ao ácido úrico.

Nunca mais vou poder comer carne?

Você pode, mas é importante que seja com moderação. A carne é uma grande fonte de purina, portanto a ingestão exagerada do alimento pode causar crises de gota.

Mantenha o consumo de carne esporádico, com cuidado para não exagerar durante as vezes em que isso acontecer, e nunca coma carne durante uma crise, pois a adição de mais purina ao seu organismo aumenta as chances da condição piorar.

Publicidade

Cerveja sem álcool tem purinas?

Sim, bastante. Apesar de o álcool aumentar muito a quantidade de ácido úrico no sangue, os outros componentes da cerveja também o fazem. Por isso, mesmo sem álcool, é bom evitar a cerveja.

Gota pode matar?

Não, a gota não oferece risco de morte. Entretanto, as dores e podem ser severas e reduzir a qualidade de vida do paciente.


A gota é uma doença que afeta as articulações, causando muita dor. Ela é causada pela alta concentração de ácido úrico no sangue, o que pode vir a acontecer por causas genéticas e pela alimentação.

Compartilhe com seus amigos para que eles aprendam mais sobre a gota!

Publicado originalmente em: 30/06/2017 | Última atualização: 14/11/2018

Fontes consultadas

Publicidade
1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (28 votos, média: 4,54 de 5)
Loading...

22 Comentários

Atenção: os comentários abaixo são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

    • Olá Artur!

      A recomendação para pacientes com gota é evitar a ingestão de álcool, especialmente quando se está em crise. Mas quando a condição está controlada e este consumo é moderado, é possível evitar os sintomas. O importante é que você observe os sinais de seu organismo e, se possível, tenha um diário alimentar para registrar essas manifestações após ingerir cada alimento. Em nosso texto sobre ácido úrico você pode encontrar mais informações e dicas de como conviver com a gota.

  1. Meu genro foi diagnosticado hoje. Será difícil mudar a dieta, pois não come sem carne. A pior dor é a que sente no momento. Quando ele lembrar da dor; espero que não coma. Em muito, esclareceu-me esta matéria. Nunca tinha lido nada a respeito desta doença. Grata pela ajuda.

  2. Tenho um amigo que em época de crise não conseguia apoiar o pê no chão. Começou a tomar chá de Rosário, planta parecida com erva cidreira, e nunca mais teve crise. Rosário tem esse nome por ter a semente parecida com o terço ( rosário)

    • Os artigos sao muito bons infelizmente eu tenho essa doença preciso me cuidar na alimentação porque eu tenho um rim só de nascença.

  3. Agora fiquei com dúvida.
    Minha filha foi diagnosticada que tem essa doença, e em relação a alimentação, na sua dieta foi inserido frango e peixe, e segundo essa informação frango e peixe não pode?

    Me tire essa dúvida por favor.

    • Olá Vanda!

      Alimentos como frango e peixe são ricos em proteína, substância que pode aumentar a concentração de ácido úrico no organismo. Por esse motivo devem ser consumidos com moderação e evitados em períodos de crise. Ou seja, isso não quer dizer que devem ser eliminados da dieta, é importante porém que esse consumo seja feito com cautela. Em caso de dúvidas, consulte sempre seu médico.

  4. Regular; orientação sobre o que você não consumir na alimentação é proveitosa, mas e o que você pode consumir, quais alimentos especificamente falando, não têm orientação. Carne por exemplo: que tipo de carne eu posso comer?

    • Olá Pedro!

      É uma boa dúvida. Primeiro, mesmo carne vermelha, que é a mais prejudicial para quem possui gota, pode ser consumida quando uma crise da condição não está acontecendo, mas deve haver moderação. Comer muita carne vermelha só porque não se está em crise vai causar uma crise. Também é importante notar que carnes como coração ou fígado possuem mais purina (que é convertida em ácido úrico) do que, por exemplo, o coxão-mole ou a alcatra. Portanto a alcatra é um alimento que pode ser consumido fora das crises, sem exageros, enquanto o coração de galinha é bom evitar mesmo.

      Frutas, verduras, arroz, batata, óleos vegetais, pães integrais, ovos, leite e derivados não possuem purina e podem ser consumidos sem medo.

      Por fim, por garantia, se você comer carne vermelha, é bom beber bastante água durante o dia e no dia seguinte. A água irá facilitar a filtragem do sangue, eliminando mais ácido úrico e dificultando uma crise de gota.

  5. Nesse momento estou sentindo muita dor mesmo c o medicamento.Gostei muito de ler sobre a gota aprendi muito .Vou ter uma mudança de vida para me sentir melhor.

  6. Que excelente artigo. Parabéns. Muito instrutivo, objetivo e minucioso. Sem dúvida será de muita valia para quem sofre de gota ou para quem tem um parente ou amigo que parece do mal. Agradeço a todos os autores a valiosa contribuição.

Deixe o seu comentário, nos preocupamos com sua opinião:

Por gentileza, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui

Lamentamos a não possibilidade de dar-lhe conselho médico ou responder a questões médicas e farmacêuticas individuais através de e-mail, pois apenas um médico pode prestar tal atendimento. Embora tentemos responder a todos os comentários, opiniões e e-mails que recebemos em até dois dias úteis, nem sempre é possível devido ao grande volume que recebemos. Por favor, tenha em mente que qualquer solicitação ao Minuto Saudável está sujeita aos nossos Termos de Uso e Política de Privacidade, ao enviar, você indica sua aceitação.