Desconforto na região abdominal, cólicas leves e gases. Esses podem ser alguns dos sintomas que surgem quando o intestino não funciona regularmente.

A condição é bem comum e pode acontecer com qualquer pessoa. Muita gente fica 2 ou 3 dias sem ir ao banheiro e já sente que algo está fora da rotina.

Mas há casos em que a prisão de ventre pode durar 1 semana ou mais. Isso depende do trânsito comum do intestino — tem gente que vai todo dia no banheiro, tem gente que vai cerca de 3 ou 4 vezes por semana, sem que seja um problema.

Índice — neste artigo você encontrará as seguintes informações:

  1. O que é intestino preso?
  2. Tipos de prisão de ventre
  3. Causas: o que provoca constipação?
  4. Grupos e fatores de risco
  5. Quais os sintomas da prisão de ventre?
  6. Como é feito o diagnóstico?
  7. Qual o tratamento para o intestino preso?
  8. Medicamentos: o que usar para soltar o intestino?
  9. Convivendo: dicas para soltar o intestino preso
  10. Complicações
  11. Como prevenir
  12. Perguntas frequentes

O que é intestino preso?

O intestino preso, também conhecido como prisão de ventre ou constipação intestinal, caracteriza-se pela dificuldade em evacuar, evacuação incompleta e fezes endurecidas.

Em geral, observa-se uma redução na frequência de evacuação, mas ela varia para cada pessoa.

Há quem fique 2 ou 3 dias sem ir ao banheiro até começar a sentir-se desconfortável, mas há casos em que o intestino fica mais preguiçoso por 1 semana ou mais.

O tempo vai depender, em geral, do funcionamento normal do intestino — lembrando que a regularidade intestinal pode variar entre, aproximadamente, 2 evacuações por dia até 3 evacuações por semana.


O quadro, apesar de incômodo, normalmente não é grave. As principais causas são alimentares e emocionais.

É possível que haja dores ao evacuar, além de cólicas e percepção de que as fezes estão mais duras.

Enquanto os alimentos que são consumidos passam pelo sistema digestivo, os nutrientes e a água que estão presentes neles vão sendo progressivamente absorvidos pelo organismo.

Aquilo que não é aproveitado pelo corpo forma o bolo fecal, na qual é empurrado para fora através de contrações musculares da parede do intestino.

Quando esses movimentos ficam mais debilitados, há um acúmulo de material não digerido no intestino, que pode causar uma reabsorção de água e um endurecimento desses resíduos.

Cerca de 20% da população mundial sofre com esse transtorno, atingindo principalmente mulheres e idosos.

Tipos de prisão de ventre

Existem dois tipos de constipação: a orgânica, também conhecida como brutal, e a funcional, também conhecida como constipação crônica.

Orgânica ou brutal

O ritmo do intestino depende de mudanças na estruturais do intestino grosso, anorretais, perineais ou de seus elementos neuro-motores.

Ocorre por bloqueio paralítico ou mecânico do intestino em consequência de aderências, tumores do intestino, estreitamento do ânus ou processos inflamatórios.

Basicamente ocorre quando o corpo passa por mudanças físicas, lembrando que existe a possibilidade da constipação ser ocasionada pelo uso de medicamentos com efeito potencialmente constipante.

Funcional ou crônica

Causada por maus hábitos intestinais e alimentares, distúrbio emocional, sedentarismo, cólon irritável e colite espástica. Não é associada às demais mudanças das outras vísceras do sistema digestório.

O que causa o intestino preso?

O bom funcionamento do intestino está ligado diretamente com o estilo de vida das pessoas.

O consumo insuficiente de líquidos e de fibras, alimentações ricas apenas em proteínas ou com muito amido, o sedentarismo, o uso de alguns medicamentos, fatores psicológicos, segurar a vontade de ir ao banheiro e até mesmo o modo como as pessoas sentam no vaso sanitário para evacuar podem contribuir para se ter prisão de ventre.

Algumas condições médicas específicas podem contribuir para se ter prisão de ventre também, são elas:

  • Síndrome do Intestino Irritável;
  • Efeito colateral do Diabetes;
  • Hipotireoidismo;
  • Períodos prolongados de febre;
  • Parasitas intestinais;
  • Diverticulite;
  • Uso indiscriminado de laxantes;
  • Colite (inflamação no intestino grosso).

Grupos e fatores de risco

Embora afete ambos os sexos dentre todas as idades, é comum esse transtorno aparecer mais em mulheres e em idosos.

Mulheres

Os hormônios sexuais femininos influenciam muito no intestino, deixando-o preguiçoso já no período menstrual. Gravidez e menopausa também auxiliam na constipação intestinal para as mulheres.

Na gravidez, o útero pressiona o reto e a porção inferior do cólon, atrapalhando o trânsito intestinal.

Além de motivos biológicos e hormonais, a timidez, presente principalmente nas mulheres, ajuda bastante a causar o distúrbio, pois ir ao banheiro longe de casa torna-se um problema.

Idosos

A falta de atividade física e o consumo de alguns medicamentos contribuem para que as pessoas com mais idade tenham constipação intestinal.

Hipotireoidismo

O baixo nível de hormônio tireoidiano prejudica o movimento do intestino grosso. Por isso, pessoas que possuem hipotireoidismo, ou seja, pequena produção de hormônios, consequentemente tem uma digestão mais devagar, o que pode levar a constipação intestinal.

Diabetes

Controlar a diabetes é de extrema importância para evitar o intestino preso. A doença causa danos em alguns nervos do corpo nos quais influenciam nos estímulos para que o intestino funcione de maneira adequada.

Outros fatores

O uso de medicamentos como analgésicos e antidepressivos e até a presença de tumores no intestino grosso podem igualmente provocar a constipação.

Quais os sintomas da prisão de ventre?

Quem tem o intestino bem reguladinho, pode perceber bem rápido quando ele fica mais lento. Se há uma rotina — ir todo dia, no mesmo horário no banheiro —, o primeiro sinal de prisão de ventre é a não evacuação rotineira.

Além disso, essas pessoas também pode perceber mais rapidamente estufamento, inchaço e cólicas leves.

No entanto, mesmo quem passa alguns dias sem evacuação com certa frequência também vai perceber sinais e sintomas como:

Cólicas intestinais

As cólicas podem ocorrer sobretudo quando a prisão de ventre está relacionada à alimentação. A pouca ingestão de fibras ou água torna as fezes densas e duras. Isso dificulta o trânsito intestinal e pode causar cólicas leves.

Gases

Gases aumentados e com cheiro forte podem ocorrer porque o bolo fecal fica muito tempo parado no intestino. Isso favorece a fermentação de bactérias.

Estufamento ou inchaço abdominal

É bastante comum que, após alguns dias sem ir ao banheiro, a pessoa perceba a barriga inchada ou estufada.

Mau humor e irritabilidade

O bom funcionamento intestinal está bastante relacionado ao emocional. Tanto o estresse ou ansiedade podem afetar o funcionamento do intestino quanto não ir banheiro pode causar irritabilidade e mau humor.

Sensação de peso

Sentir o corpo mais pesado e cansado é comum, sobretudo em pessoas que geralmente têm um bom funcionamento do intestino.

Fezes endurecidas

É comum observar que as fezes estão mais duras.

Como é feito o diagnóstico do intestino preso?

O profissional mais indicado para este tipo de distúrbio é o gastroenterologista, que cuida do aparelho digestivo. Na maioria das vezes, a constipação intestinal é funcional, ou seja, associada principalmente a má alimentação e ao comportamento retentivo.

Contudo, um médico poderá avaliar se a constipação pode ser de causa orgânica, neste caso o transtorno pode estar associado a outras doenças como hipotireoidismo, doença celíaca, colite, entre outras.

A colonoscopia, um exame endoscópico usado para detectar problemas no intestino grosso, pode ajudar a ver se a pessoa tem um intestino maior do que deveria, ou seja, ver se a pessoa tem intestino preso orgânico/brutal.

O exame ajuda, também, a ver se há nódulos e demais fatores que podem dificultar a passagem do bolo fecal.

Qual o tratamento para o intestino preso?

Aumentar a ingestão de líquidos, adicionar mais fibras à sua dieta e praticar exercícios físicos. Basicamente essas três medidas são indispensáveis e devem andar sempre juntas para se ter um bom funcionamento intestinal.

Beba mais líquidos

80% das fezes é composta por água, o líquido hidrata o bolo fecal, evitando que ele fique ressecado, ajuda na digestão das fibras e consequentemente no trânsito intestinal.

Cuidado com o excesso de bebidas cafeinadas e alcoólicas, pois causam desidratação.

Coma mais fibras

As fibras auxiliam na formação do bolo fecal. Alimentos como frutas, legumes e verduras são de extrema importância para nossa saúde, são ótimas fontes de fibras e ainda não possuem muito estímulo energético.

Além dos cereais integrais, como sementes de linhaça, aveia, pão integral, entre outros, que também são ótimas opções.

Frutas como ameixas e mamão são considerados alimentos com efeito laxante, pois são ricos em fibras e água. O ideal é consumi-los diariamente, para mobilizar o bolo fecal e combater o intestino preso.

É bom evitar, ou pelo menos moderar, alimentos que contém muito amido, alimentos processados, laticínios, alimentos muito gordurosos, muito apimentados e dietas a base de proteínas.

Além de possuírem baixo teor de fibras, provocam a mucosa intestinal e acidificam o pH do intestino, o que dificulta seu funcionamento.

Segundo o Ministério da Saúde, um adulto precisa em média de 25 a 30 gramas de fibras diariamente. Alguns dos alimentos mais ricos em fibras são:

  • Frutas como mamão, laranja (com bagaço), ameixa e abacaxi;
  • Feijão preto, grão-de-bico, lentilha, soja e arroz integral;
  • Verduras e legumes como abóbora, brócolis, berinjela, alcachofra, milho cozido, espinafre e couve;
  • Chia: uma colher de sobremesa possui mais de 6 gramas de fibra;
  • Aveia, pipoca, batata doce com casca e nozes;
  • Linhaça (deixe de molho na água por algumas horas).

Pratique mais exercícios físicos

A atividade física faz com que o corpo funcione melhor. Corridas, caminhadas, natação, entre outras diversas opções, estimulam o movimento peristáltico, que é o responsável pelo intestino, fazendo com que o bolo fecal seja expulso do nosso organismo.

Além disso, a prática dessas atividades alivia a tensão, o estresse e o mau humor, melhorando a qualidade de vida em um modo geral.

Não segure a vontade

É comum muitas pessoas ficarem com o intestino preso quando estão longe de casa. Nesse caso as causas estão ligadas ao psicológico, por sentirem vergonha de ir em outros banheiros. O ideal é nunca segurar a vontade.

Quando não se evacua ao primeiro estímulo, as fezes recuam de uma porção mais final do reto para o segmento acima, o cólon sigmóide, que absorve a água presente nas fezes, fazendo com que elas voltem mais ressecadas ao reto no próximo estímulo.

Quando esse comportamento vira um hábito, o organismo se acostuma com um bolo fecal maior e passa a não mandar mais o sinal para ir ao banheiro.

Educar o organismo, escolhendo sempre um mesmo horário para ir ao banheiro, sentar no vaso sanitário e passar alguns minutos lá, mesmo sem estar com vontade de evacuar, são boas opções que também contribuem para se ter um bom resultado.

Medicamentos: o que usa para soltar intestino preso

Se necessário, alguns medicamentos podem ser indicados para auxiliar na evacuação e regulação intestinal.

A orientação vai depender do quadro. Por exemplo, pode ser necessário fazer um reforço com fibras ou optar por laxantes.

Laxantes

Os laxantes devem ser, preferencialmente, evitados. Isso porque eles têm um mecanismo bastante agressivo, que pode afetar a saúde da flora intestinal. No entanto, caso necessário, o médico pode orientar para a utilização de remédios como:

Reguladores intestinais

Entre os regulares há a Lactulose, que pode ser usada de modo prolongado. Seu efeito é mais suave ao intestino e, por isso, não agride a flora. Em geral, o medicamento promove uma umidificação das fezes, concentrando mais água nela, o que a torna menos dura e mais fácil de ser eliminada. 

Entre as opções há:

Além disso, há suplementos de fibra, que são importantes para um bom funcionamento intestinal, sobretudo quando a alimentação é pobre em fibras. E também os auxiliadores de reposição da flora intestinal. Entre eles:

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas neste site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Convivendo: dicas para soltar o intestino preso

Conviver com o intestino preso pode ser desanimador, porém existem várias dicas que podem te ajudar a solucionar esse problema.

Massagem da região abdominal

Fazer massagem pode acelerar o trânsito intestinal. Realize pequenos movimento circulares com a ponta dos dedos, de preferência da direita para a esquerda, como se estivesse arrastando o material que está dentro para fora.

É uma opção rápida e prática, já que pode ser feita pelo próprio indivíduo, sentado ou deitado, em apenas 5 minutos. Se surgir dúvidas, um fisioterapeuta poderá lhe ajudar.

Hábitos alimentares

  • Tome chá morno ao acordar em jejum, como camomila ou cidreira, considerados suaves e não com efeito laxante, como a cáscara sagrada;
  • Antes de dormir, tome um suco pequeno de laranja com mamão papaia;
  • Tome café na medida certa (1 ou 2 xícaras por dia), o excesso pode causar efeito contrário;
  • Comer frutas com casca (ameixa, maçã, pêssego e pera);
  • Tomar iogurte com ameixa preta.

Evacuação facilitada

A posição na qual as pessoas sentam no vaso sanitário é um fator importante para se levar em conta na hora de fazer a evacuação. Dependendo da posição, as fezes saem com mais facilidade.

Ficar sentado normal, como se estivesse numa cadeira, com os joelhos na mesma altura do quadril, prejudica a passagem das fezes, pois o músculo puborretal prende o intestino. 

Deve-se sentar sempre com os joelhos elevados, acima da linha do quadril, assim o músculo puborretal relaxa, liberando a passagem do intestino e facilitando a evacuação. Algumas pessoas optam por utilizar um pequeno apoio embaixo dos pés para ajudar a ficar nessa posição.

Complicações

A maior complicação que a prisão de ventre pode dar são as hemorroidas, inflamações nos vasos sanguíneos do ânus, que podem ser causadas pelas rachaduras provocadas pelas fezes ressecadas.

Existe também a chance da pessoa sofrer um prolapso retal, que é quando acontece um extravasamento da parte do intestino para fora do organismo, pelo ânus. Isso é mais comum em idosos.

Como prevenir o intestino preso?

É possível prevenir o intestino preso adotando alguns pequenos hábitos simples. Como:

  • Ingerir mais líquidos (2 litros de água por dia, no mínimo);
  • Manter uma alimentação saudável, baseada em frutas, cereais e saladas;
  • Fazer exercícios físicos;
  • Não deixar de ir ao banheiro quando sentir vontade.

Perguntas frequentes

Intestino preso pode causar câncer?

É comum algumas pessoas acharem que constipação intestinal crônica é um fator de risco para câncer colorretal, no entanto, embora seja bem desconfortável, problemas como este não são capazes de desenvolver um aumento do risco de câncer.

Entretanto, é bom sempre ficar atento quando surgem mudanças repentinas e o intestino não funciona direto sem razões aparentes. 

Muitas vezes, nesse caso, há grandes chances de ser um sintoma de câncer ou de outras doenças. Procure um médico e faça os exames necessários para investigar tais anormalidades.

Intestino preso engorda?

Por seu corpo não funcionar como deveria, a digestão fica mais lenta, causando um desconforto e provocando uma sensação ruim. Entretanto, apesar da constipação deixar a barriga mais inchada, o intestino preso não engorda.

O uso de laxantes é bom para o intestino preso?

Eles podem até mascarar o distúrbio, mas não o resolvem. Em casos isolados, quando a prisão de ventre se torna um incômodo, é muito comum as pessoas optarem pelo uso dos laxantes, mas eles nada mais são do que um tipo de tratamento inicial. 

O uso excessivo do medicamento pode provocar dependência física e psicológica, além de causar inflamação na parede do cólon.


O intestino preso pode ser chato e desconfortável, mas é fácil de ser evitado. Uma alimentação saudável e uma vida ativa rica em atividades físicas não tem erro. Compartilhe esse texto para que mais pessoas possam se cuidar também!


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.

Participe da discussão

16 comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

  1. Exelente gostei muito e aprendi bastante a muito tempo sofro com esses transtorno obrigada

  2. O melhor artigo que li a respeito, em uma linguagem simples, clara e bem completa!

  3. Consuma até 2 colheres de Farinha de Banana Verde com Leite no café e Alga Marinha nas principais refeições: o intestino funciona rapidinho 2 X ao dia. Como a Alga tem muito Iodo, deve ser acompanhado de 1 a 3 Castanha do Pará que tem Selênio para equilibrar a dosagem do Iodo, equilibrando o funcionamento da Tireóide.

  4. Otimas explicação,tirei muitas dúvidas,sofro com intestino preso anos,muito obrigada…

  5. Meu pai tem99 anos e tem muita dificuldade de fase Coco e não é endurecido. O que devo faze

    1. Olá Neuza!

      Algumas mudanças de hábito podem ajudar a soltar o intestino, tais como a alimentação equilibrada com ingestão de fibras e a prática de alguma atividade física (caminhadas, por exemplo). Se o problema persiste, é importante consultar um médico, pois esta dificuldade pode estar relacionada a outras condições.

  6. Boa noite tenho uma filha caderante as vezes ela fica duas semana sem evacuar ou as vezes ela da diareia e vacuar muito num dia sor ela beber muita pouca agua

    1. Olá, Rosangela.
      É bastante importante que sua filha seja avaliada por profissionais médicos. A prisão de ventre, às vezes, é facilmente resolvida com mudanças alimentares, mas também pode ser decorrente de doenças intestinais ou intolerâncias alimentares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *