Ana Luiza (Minuto Saudável)
24/09/2018 13:40

Causas da menopausa: por que ela pode ser precoce?

A menopausa é um processo fisiológico e natural, mas alguns fatores ou condições podem desencadear ou acelerar a interrupção da fase reprodutiva feminina.

Redução natural dos hormônios

A partir dos 30 anos, em geral, o organismo começa a sofrer uma queda na produção de hormônios.

Mesmo parecendo pouco tempo, nessa idade o organismo pode apresentar alterações significativas na disposição, na produção celular, no metabolismo e no funcionamento em geral.

Observar outras mulheres da família, como mãe e irmãs, pode dar indícios sobre as fases hormonais, pois há uma tendência da menopausa ocorrer em idades aproximadas entre as familiares.

A interrupção menstrual precoce, mesmo antes dos 30 anos, pode também ser resultante dessa diminuição hormonal natural, sem que haja outras disfunções associadas.

Insuficiência ovariana primária

Mulheres que apresentam insuficiência ovariana primária (IOP) têm apenas algumas menstruações ocasionais ou nenhum sangramento.

Os níveis do hormônio folículo estimulante é mais elevado, fazendo com com que haja uma diminuição do número de óvulos no organismo. Algumas pacientes podem não sofrer com alterações ou desregulações menstruais, mas é possível que a menopausa precoce ocorra.

Nesses casos, as pacientes devem realizar acompanhamento médico e estar atenta aos sintomas decorrentes da falta de estrogênio, como a saúde dos ossos, cerebral e sexual.

Entre as principais causas da insuficiência ovariana primária estão as deficiências enzimáticas, os defeitos genéticos e os distúrbios imunes (como sarcoidose, diabetes, tabagismo, infecção viral, doença de Addison, anemia perniciosa e insuficiência adrenal).

Histerectomia

A histerectomia é a cirurgia de remoção do útero que pode ser acompanhada da retirada dos ovários (total) ou não (parcial).

Na histerectomia parcial, a mulher não terá mais o sangramento mensal (logo que não há mais a camada uterina para descamar), mas os ovários são mantidos e, por isso, permanecem produzindo hormônios.

Nesse caso, não há menstruação, mas também não há, necessariamente, a menopausa. Por isso, a principal característica da fase — a ausência de menstruação — não poderá indicar o início do período. Apenas os demais sintomas e exames de dosagem hormonal poderão apontar o fim da fase reprodutiva.

Se a mulher for submetida à histerectomia total (tanto o útero quanto os ovários são retirados), a menopausa é induzida imediatamente. Os sintomas podem ocorrer de forma mais intensa, dependendo de cada organismo.

Quimioterapia e radioterapia

Os tratamentos para destruir as células do câncer podem danificar também células saudáveis.

A quimioterapia consiste na ingestão de drogas que circulam pelo organismo e destroem as células danificadas, porém, como não é possível restringir a ação, outras células podem ser danificadas durante o tratamento, incluindo as do ovário.

Já a radioterapia utiliza ondas ou frequências de alta intensidade para destruir células em regiões específicas. Apesar de ser bem delimitada, a terapia pode afetar regiões próximas às das células destruídas.

É sobretudo a radioterapia da região pélvica que tem maiores chances de ocasionar a menopausa induzida.

Tratamentos que recorrem a ondas de menor intensidade podem ter efeito temporário, causando amenorreia limitada, em que as funções reprodutivas da mulher podem ser recuperadas após algum tempo sem menstruar.


Saiba mais sobre menopausa:

28/09/2018 11:27

Ana Luiza (Minuto Saudável)

Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável. Confira mais na nossa página de quem somos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*