É bastante comum associar a menopausa com a redução natural da libido, sendo que esse é, ainda, um dos fatores que mais merecem atenção no atendimento à saúde feminina.

De acordo com o Ministério da Saúde, a maioria dos problemas que estão relacionados às mudanças sexuais no climatério são ocasionadas por mudanças na funcionalidade da anatomia íntima.

Ou seja, muitas mulheres apresentam sintomas devido à redução hormonal, acarretando no ressecamento das mucosas, atrofia do aparelho genital e resposta mais lenta aos estímulos sexuais.

Leia mais: Quais os sinais e sintomas da menopausa? Saiba como reconhecer

Portanto, vale ressaltar que a mulher no climatério não necessariamente tem menos desejo ou necessidades sexuais. Muitas vezes, há apenas uma redução na velocidade das respostas do organismo.

Esse fator, somado com o desconforto que a lentidão na lubrificação vaginal causa e a redução na autoestima pode fazer com que haja um afastamento das atividades sexuais.

Muitas vezes, o sexo causa dor ou desconforto, e devido à falta de informação ou receio, a mulher não recorre às terapias e atendimentos disponíveis.

O resultado é um ciclo comprometedor da saúde, pois há uma tendência de que a autoestima seja ainda mais abalada, os relacionamentos pessoais (casamento, namoro, amizade e familiar) sejam também prejudicados e a saúde mental se agrave.


É preciso reforçar que é necessário e saudável que a mulher mantenha uma rotina sexual semelhante àquela anterior à perimenopausa e que, quando ocorrem alterações, o tratamento psicológico e medicamentoso pode auxiliar a manter equilibradas as rotinas.

Algumas dicas para lidar melhor com o período da menopausa e as mudanças na rotina sexual são:

Respeite o seu organismo

A menopausa é um período de mudanças e, assim como qualquer fase nova, é necessário que haja uma adaptação e aceitação das alterações que podem ocorrer. Como não dá para evitar ou reverter, é preciso buscar a melhor forma de lidar com a fase.

Compreender as limitações do corpo e da mente — seja pela idade ou pela própria menopausa — é essencial. Por isso, muitas vezes é necessário encarar as mudanças como pertencentes à vida.

Se houver desinteresse persistente ou prolongado de atividades que antes eram prazerosas — seja passear, trabalhar ou fazer sexo —, é necessário recorrer à auxílio profissional.

Não hesite em buscar ajuda

Todo desconforto ou dúvida relativa à saúde e bem-estar envolvida à menopausa deve ser conversada com um profissional, pois há uma série de alternativas para auxiliar a mulher a manter uma rotina sexual saudável.

Muitas vezes, as mulheres encaram a redução da libido como inevitável ou irremediável, aceitando conviver com um problema que, muitas vezes, é simples de ser resolvido.

Vale lembrar que nem todo tratamento funciona da mesma maneira em todos os organismos. Então é importante que o acompanhamento seja feito buscando os melhores métodos para o bem-estar de cada mulher.

Se você não estiver satisfeita com a rotina sexual, sentindo desconforto ou desinteresse, converse com o seu médico. Juntos, vocês podem iniciar ou trocar os medicamentos, acrescentar terapias secundárias e, provavelmente, encontrar uma solução.

É importante lembrar que a menopausa, em geral, não deve afetar negativamente a vida e a saúde feminina, sendo que recursos medicamentosos e terapêuticos podem se aliar à rotina para manter a qualidade de vida.

Descubra produtos

Além dos tratamentos hormonais ou medicamentosos, há diversos geis lubrificantes que podem auxiliar na hora do sexo a reduzir o desconforto e as dores causadas pelo ressecamento vaginal. Converse com o seu médico e visite lojas especializadas em produtos íntimos.

Vale lembrar que o corpo feminino pode demorar mais para se excitar se o estado emocional for ansioso ou tenso. Por isso, é necessário investir na intimidade e descontração do momento, buscando atividades, produtos ou rotinas que estimulem ambos.

Busque apoio das pessoas próximas

Se a mulher está em um casamento ou relacionamento estável, é importante que haja uma compreensão do parceiro ou parceira sobre as mudanças que podem ocorrer neste período de perimenopausa.

É importante lembrar que, muitas vezes, o desinteresse por sexo começa com conflitos ou problemas no relacionamento. A disfunção erétil e problemas que afetam a qualidade da ereção podem ser fatores desencadeantes.

Sentir-se acolhida é essencial inclusive para a saúde do relacionamento.

Além disso, é importante que os sintomas e desejos sejam respeitados. Por exemplo, se a mulher sentir dor durante o sexo ou desinteresse, é fundamental que a outra pessoa esteja ciente e respeite.

Também é fundamental que relacionamento que fogem da esfera sexual participem desta fase da menopausa. Familiares e amigos podem compor redes de afeto, acolhendo e tornando os sintomas mais fáceis de lidar.

Cuide da saúde em geral

Não dá para atribuir somente à menopausa a falta de interesse sexual, pois é preciso que todo o organismo esteja trabalhando adequadamente.

Com a idade, em geral, é esperado que haja uma diminuição da libido em grande parte das pessoas — incluindo os homens. Mas além da passagem dos anos, algumas patologias podem ser a causa da falta de libido.

Por exemplo, uma paciente com diabetes descontrolada pode apresentar problemas de circulação ou anemias e a falta de atividades físicas pode provocar cansaço extremo, dificultando a estimulação e a capacidade da mulher se excitar.

Então é importante manter a saúde em dia e cuidar do corpo.


Saiba mais sobre menopausa:


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.

Participe da discussão

3 comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

  1. Existe medicação para melhorar o libido após a menopausa

    1. Olá, Marly.
      Você deve buscar orientação com o médico ou médica ginecologista. Muitas vezes, é preciso fazer reposição hormonal após a menopausa, mas há diversas outras terapias (incluindo não medicamentosas) que podem melhorar o seu bem-estar, diminuir sintomas e recuperar a saúde sexual.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *