Ana Luiza (Minuto Saudável)
25/09/2018 17:35

12 perguntas e respostas sobre menopausa e climatério

1.Pode ocorrer gravidez na menopausa?

Não. Depois que a menopausa ocorre, ou seja, a última menstruação, naturalmente não é possível que a mulher engravide.

Vale lembrar que o sangue menstrual desce porque o organismo, que estava se preparando para gestar um bebê, não pode prosseguir com o processo. Ou seja, não houve fecundação e o endométrio (camada de sangue na parede do útero) se desprendeu.

Sendo a menopausa a última menstruação da mulher, o todos os óvulos foram liberados e não haverá mais ovulação.

Mas isso não significa que não é viável engravidar após a menopausa, pois há técnicas, como a reprodução assistida ou in vitro, que podem ser indicadas pelo ginecologista e especialista em fertilização se houver o desejo da gravidez.

2.Pode engravidar no climatério ou perimenopausa?

Sim. Apesar do índice de fertilidade começar a decair alguns anos antes da menopausa, podendo ocorrer uma redução em até 80% da taxa de fertilidade para algumas mulheres, a ovulação continua ocorrendo na perimenopausa.

Isso significa que mulheres devem manter os métodos contraceptivos se não desejarem engravidar.

Também é importante ressaltar que a gravidez próxima à menopausa pode ser mais delicada, representando riscos mais elevados à saúde da mãe e do bebê.

Ainda assim, mulheres que desejam iniciar o processo de gestação mas estão no climatério, se realizarem os acompanhamentos necessários, podem ter uma gravidez saudável e segura.

3.Com quantos anos a menstruação começa a falhar?

Depende de uma série de fatores, como os genéticos, fisiológicos e até externos (como medicamentos ou tratamentos cirúrgicos). Em geral, a menopausa acontece entre os 45 e 55 anos, sendo que a média estimada das brasileiras é aos 51 anos.

4.Quanto tempo dura o climatério?

O climatério ou perimenopausa é um período estimado entre 2 anos antes da menopausa e 1 ano após. Não há como determinar o início e o fim precisos dessa fase, sendo que a presença dos sintomas e as alterações hormonais podem ser indicativos.

Mas é preciso lembrar que nem todas as mulheres manifestam os sintomas de forma semelhante, na mesma intensidade ou com a mesma regularidade. É possível, ainda, que o climatério (ou os meses que antecedem a menopausa) sejam totalmente assintomáticos.

5.Quais os sintomas da menopausa antes dos 50 anos?

Independentemente da idade, os sintomas mais comuns são os calorões, transpiração excessiva, alterações de humor, dores de cabeça, depressão, cansaço e mudanças hormonais.

Isso não quer dizer que você terá todos eles. Também não significa que você sentirá, necessariamente, esses, pois há uma série de outras manifestações físicas e orgânicas que podem ocorrer de acordo com cada mulher.

Geralmente, os sintomas da menopausa precoce, antes dos 45 ou 40 anos, tendem a ser mais intensos. Mas isso não é uma regra.

6.A reposição hormonal é obrigatória para todas as mulheres?

Não. Há alguns anos, a terapia de reposição hormonal foi sugerida para a maioria das mulheres, inclusive como forma de prevenir os sintomas. O problema é que a reposição sem necessidade pode trazer inúmeros prejuízos à saúde.

A falta de estrogênio ocasionada pela menopausa pode trazer sintomas bastante incômodos, amenos ou nenhum sintoma. Por isso, os tratamentos devem ser conversados e avaliados com o médico.

Se for possível, é indicado tratar os sintomas com medicamentos não-hormonais específicos e terapias integradas. Mas, nos casos necessários, a reposição devidamente acompanhada pelo médico pode ser bastante benéfica e trazer mais qualidade à vida da mulher.

7.O tratamento de reposição hormonal reverte a menopausa?

Não. A menopausa é o encerramento da idade fértil da mulher. Apesar de haver possibilidades artificiais da paciente engravidar, a menopausa não pode ser revertida. Ou seja, os tratamentos são apenas para amenizar os sintomas do período.

8.A pílula anticoncepcional acelera a menopausa?

Não. Mulheres que tomam pílula por longos períodos não têm alterações na idade da menopausa, sendo que ela é definida sobretudo por fatores genéticos.

Leia mais: Anticoncepcional: pílula, injeção, adesivo, como tomar, engorda?

9.Se a primeira menstruação foi muito cedo, terei menopausa precoce também?

Não. Cientificamente, não há nada que comprove que mulheres que menstruam cedo terão menopausa mais cedo também.

Apesar de cientificamente não haver comprovação entre a relação, um estudo conduzido com 50 mil mulheres, pelo centro de pesquisa Internacional Colaborativo de Abordagem em Saúde Reprodutiva e Doenças Crônicas (INterLACE Consortium), apontou que possa haver.

A avaliação indicou que entre as participantes que tiveram a primeira menstruação antes dos 11 anos de idade, os riscos de menopausa precoce foram 80% maior do que entre as mulheres que menstruaram depois dos 13 anos.

Independente da idade, o estudo apontou também que houve 32% a mais de menopausa precoce entre mulheres que não tiveram filhos em comparação às mulheres com 2 ou mais filhos.

10.Após a menopausa, eu ainda preciso ir ao ginecologista?

Sim. O ideal é que o acompanhamento ginecológico seja frequente durante toda a vida da mulher, mesmo (ou até sobretudo) após a menopausa.

Todos os sintomas e alterações que o organismo vai enfrentar devem ser acompanhados pelo médico, que precisa manter a paciente informada e ciente de suas possibilidades, como tratamentos e reposição hormonal.

O ideal é manter uma periodicidade de, pelo menos, uma consulta por ano. Mas no começo, a ida mais frequente pode ser necessária, sobretudo se for iniciado qualquer tipo de tratamento (hormonal ou não).

11.Existe alguma relação entre menopausa e câncer?

Não. A menopausa em si não causa câncer. É preciso estar atenta apenas à predisposição à doença, sobretudo se houver pretensão de iniciar terapia hormonal, pois a reposição pode acarretar em riscos mais elevados de desenvolvimento de câncer, sobretudo os de mama e de útero.

12.Reposição hormonal engorda?

Não. Nem a menopausa e nem a terapia hormonal efetivamente engordam. A falta de estrogênio pode favorecer o acúmulo de gordura da região abdominal, mas se as atividades físicas e a alimentação balanceada se mantiverem adequadas, a tendência é que não ocorram variações de peso.

Caso haja elevação de peso depois de iniciar algum tratamento para os sintomas da menopausa, você deve conversar com o seu médico para avaliar a troca do medicamento.


Saiba mais sobre menopausa:

28/09/2018 11:25

Ana Luiza (Minuto Saudável)

Redatora e revisora, estudou Terapia Ocupacional na UFPR, é jornalista, mestre em Estudos de linguagem e doutoranda em Sociedade e Tecnologia, pela UTFPR. Produz matérias sobre alimentação e bem-estar.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*