Luiza (Minuto Saudável)
16/04/2019 08:00

Kwashiorkor (marasmático): o que é, sintomas (edema, desnutrição)

O crescimento é um processo biológico, do aumento e multiplicação celular, que pode ser percebido por meio de mudanças corporais.

Porém, algumas pessoas não conseguem atingir o tamanho ideal devido ao potencial genético, condições de vida e outros fatores intrínsecos (genéticos e metabólicos) ou extrínsecos (alimentação, saúde, higiene e cuidados gerais).

É aí que se encontra a Kwashiorkor. De nome complicado, essa condição pode apresentar outras dificuldades além da pronúncia.

A patologia pode ser compreendida como uma desnutrição causada pela deficiência de proteínas no organismo.

Para saber mais sobre essa condição, confira o artigo abaixo!

Índice – neste artigo você vai encontrar as seguintes informações:

  1. O que é Kwashiorkor?
  2. Qual a diferença entre marasmo e kwashiorkor?
  3. O que é kwashiorkor marasmático?
  4. Causas
  5. Fatores de risco
  6. Sintomas
  7. Como é feito o diagnóstico?
  8. Exames
  9. Tem cura?
  10. Qual o tratamento?
  11. Medicamentos
  12. Convivendo
  13. Prognóstico
  14. Complicações
  15. Como prevenir o kwashiorkor?
  16. Perguntas frequentes

O que é Kwashiorkor?

Atualmente, de acordo com o Ministério da Saúde, existem cerca de 800 milhões de desnutridos crônicos em todo o mundo. Destes, cerca de 70 milhões são crianças gravemente desnutridas, a maioria em torno de 18 a 36 meses de idade.

A Kwashiorkor é uma condição caracterizada por desnutrição grave com presença de edema (acúmulo de líquidos) predominantemente proteica. Ou seja, causada por uma insuficiência de proteínas, porém, geralmente com a ingestão normal de calorias.

Isso pode ocorrer principalmente devido a um desmame precoce ou por uma dieta caracterizada por um baixo ou nenhum consumo de vegetais e carotenoides (substâncias que dão cor aos vegetais).

Além disso, algumas anomalias bioquímicas, como gordura no fígado, podem influenciar no desenvolvimento da doença.

O tratamento é essencialmente à base de mudanças nos hábitos alimentares. Além disso, é possível buscar terapias alternativas para reidratação oral, que explicaremos melhor no tópico de tratamento.

Essa condição pode ser encontrada no CID-10 através do seguinte código:

  • E42 –  Kwashiorkor marasmático.

Qual a diferença entre marasmo e kwashiorkor?

A desnutrição infantil deve ser diagnosticada por meio de exames laboratoriais e avaliação clínica. Em termos gerais, o kwashiorkor é uma deficiência proteica, enquanto o marasmo é uma deficiência energética.

Porém, existem algumas características específicas que diferenciam o marasmo do kwashiorkor, sendo uma delas a diferença de crescimento das crianças que possuem a condição.

Ou seja, crianças com marasmo tendem a crescer menos de 50% do esperado para a idade, quando as crianças com kwashiorkor apresentam crescimento de até 80% do esperado.

Isso ocorre porque o organismo não está recebendo a quantidade ideal de carboidratos e gorduras, fazendo com que ele recorra às proteínas.

Como consequência, é possível perceber uma diminuição no peso corporal, além de uma diminuição dos músculos, sendo classificado como desnutrição geral.

O que é kwashiorkor marasmático?

Pode ser considerado uma junção de ambas as condições, sendo classificada como desnutrição proteico-calórica. Uma forma de diagnosticar a condição é por meio da presença de edemas (inchaços pelo corpo, como tornozelos e pulsos).

Em geral, é possível que o paciente apresente sintomas característicos de ambas as condições.

Causas

O Kwashiorkor é uma condição complexa, com muitas controvérsias relacionadas ao seu desenvolvimento.

Acredita-se que é uma disfunção nutricional devido a ingestão insuficiente de proteínas e predomínio de carboidratos, que são grupos alimentares são essenciais para o crescimento e regulação de processos vitais.

Outra possível explicação referente às causas do kwashiorkor está relacionada à deficiência de nutrientes, como ferro, ácido fólico e vitamina C, que são responsáveis pela proteção antioxidante do organismo.

Leia mais: Alimentação na infância: o que saber

Crianças com kwashiorkor apresentam quantidades reduzidas dessas substâncias, deixando o organismo mais suscetível aos danos dos radicais livres.

Boa parte das crianças com kwashiorkor tiveram um desmame precoce, além de uma dieta caracterizada pelo baixo ou nenhum consumo de alimentos com minerais e vitaminas.

Fatores de risco

Por ser uma condição considerada como desnutrição, o kwashiorkor pode ser desencadeada ou agravada por algumas condições específicas que citaremos a seguir:

Baixa escolaridade materna

Este fator está relacionado à baixa quantidade de informação e conhecimentos relacionados tanto à prevenção como à manutenção da saúde sexual (na hora da gravidez) e da saúde infantil (tempo de amamentação, por exemplo).

Em geral, a baixa escolaridade está associada também à má alimentação, indicando um consumo desequilibrado de nutrientes e alta ingestão de industrializados.

Baixo peso ao nascer

O peso da criança no nascimento pode ser utilizado como comparativo para classificar a gestação como saudável ou deficiente.

Dessa forma, crianças que nascem pesando menos de 2500g podem ser classificados como “baixo peso ao nascer” e têm maiores riscos de sofrer com desnutrição.

Desmame precoce

O aleitamento materno é considerado o melhor alimento para oferecer para crianças até os 6 meses de vida. Quando esse aleitamento é interrompido antes do tempo considerado ideal, a criança pode sofrer prejuízos no desenvolvimento.

Alcoolismo

Apesar de ser rico em calorias, o álcool é uma substância que não possui outros nutrientes que enriqueçam o organismo. Dessa forma, pessoas que enfrentam o alcoolismo possuem maior tendência de desenvolver kwashiorkor.

Baixa renda e estrutura familiar

Pessoas que moram em países com menor estrutura socioeconômica possuem maiores chances de desenvolver kwashiorkor. Isso porque as dificuldades de acesso a alimentos ricos em vitaminas e minerais acabam sendo maiores.

Leia mais: Falta de higiene e saneamento afetam 1 em cada 4 centros de saúde

Sintomas

O Kwashiorkor pode ser entendido como uma deficiência proteica, que causa inchaço, doenças de pele ou alterações na cor do cabelo. Além disso, é possível perceber os seguintes sintomas:

Abdômen distendido

Esta característica pode ser entendida como um aumento do fígado, devido à carência de apolipoproteínas, responsáveis por distribuir a gordura do fígado para outros locais do corpo.

Além disso, existe uma outra explicação que leva o nome de barriga d’água, que ocorre em decorrência do aumento da permeabilidade dos vasos sanguíneos. Isso significa que outras substâncias do sangue conseguem atravessar as paredes dos vasos e, assim, se acumulam nos tecidos.

Pele ressecada e inflamada

Estes sintomas podem ser compreendidos como pele com aspecto descascado, de coloração avermelhada, podendo ser classificada como dermatite cutânea generalizada.

A explicação está relacionada à alteração de nutrientes em decorrência da desnutrição, em que há comprometimento dos lipídios, proteínas, vitaminas hidro e lipossolúveis, além do cálcio e ferro.

Edemas

Essa condição pode ser entendida como o acúmulo de líquidos no organismo, que no caso do kwashiorkor acomete principalmente os tornozelos e os pés.

Gordura no fígado

É possível perceber uma deficiência dos mecanismos de equilíbrio do órgão, causando um acúmulo de gorduras presentes no fígado.

Carência de aminoácidos

Ocorre uma redução na concentração de proteínas plasmáticas produzidas pelo fígado, entre as quais podemos citar a albumina, o que acaba alterando a quantidade de aminoácidos presentes no organismo.

Podemos considerar isso como uma das principais causas de edemas presentes no corpo.

Outros sintomas

  • Apatia;
  • Fraqueza;
  • Incapacidade de ganhar peso.

Como é feito o diagnóstico?

A avaliação pode ser feita por um clínico geral, nutrólogo ou nutricionista, porém, deve ser detalhada, buscando outros sinais além da desnutrição.

Para isso, o médico responsável pode requisitar anamnese alimentar, que consiste em registrar as rotinas alimentares de forma descritiva, além de registros de peso e medidas do paciente.

Além disso, existe um conjunto de classificações e índices, chamado de antropometria, que auxilia na avaliação do desenvolvimento infantil. Para isso, faz o comparativo entre:

  • Peso e idade;
  • Estatura e idade;
  • Peso e estatura.

O kwashiorkor está associado a outras anomalias bioquímicas do organismo, que também podem auxiliar no diagnóstico da condição.

Exames

A principal maneira de examinar e diagnosticar pessoas com kwashiorkor é por meio da antropometria, que é compreendida como uma combinação de classificações e índices que apontam a saúde ou a desnutrição da criança, junto com a observação física.

Para isso, o médico responsável deverá pesar, medir e avaliar os aspectos físicos da criança com relação aos números considerados ideais para a faixa etária correspondente.

Tem cura?

Sim. Uma vez descoberta precocemente, o Kwashiorkor pode ser curado. Para isso, o principal tratamento está ligado à introdução de uma dieta rica em proteínas.

Qual o tratamento?

Essencialmente, o tratamento da kwashiorkor ocorre por meio de mudanças nos hábitos alimentares, introduzindo proteínas e carotenoides. Fazer ingestão de calorias necessárias, a fim de permitir a reabilitação do organismo.

Além disso, em alguns casos, o médico responsável, pode achar necessário fazer a introdução de suplementos vitamínicos e minerais.

Dependendo do caso, também pode ser necessário realizar um tratamento de combate a possíveis infecções bacterianas decorrentes do kwashiorkor.

Em geral o tratamento leva em torno de 2 a 6 semanas para ser realizado por completo. Quando feito precocemente, tem boas chances de recuperação.

O tratamento pode passar por períodos, que são:

Fase de estabilidade

A fase de estabilidade pode ser caracterizada como um período em que não ocorrem alterações dos sintomas ou agravamento do estado de saúde.

Compreende a primeira semana, ou seja, do 1º ao 7º dia e visa controlar anormalidades metabólicas e de alimentação.

Fase de reabilitação

É o processo de introdução a novos alimentos, visando o aumento do peso e altura. Engloba da 2ª a 6ª semana de tratamento, onde ocorre a intensificação da alimentação e a recuperação de peso.

Além disso, essa fase é importante, pois é onde se inicia o processo de estimulação emocional e física para o retorno às atividades cotidianas.

Fase de acompanhamento

Neste período é possível perceber um crescimento semelhante ao de crianças que não possuem a condição. Porém, é preciso continuar o acompanhamento para possíveis prevenções, orientando as famílias sobre as consequências da desnutrição.

Medicamentos

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), crianças com pouca ou nenhuma infecção, podem fazer uso de Sulfametoxazol + Trimetoprima, a cada 12 horas, por 7 dias.

Já crianças com sinais mais aparentes de infecção, podem administrar o seguinte medicamento Sulfato de Gentamicina, uma vez por dia, durante 7 dias.

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Convivendo

O ideal para que está enfrentando o kwashiorkor é manter-se sempre hidratado, tomando bastante água durante o dia. Além disso, é essencial buscar alimentos ricos em vitaminas, minerais e proteínas, a fim de melhorar o peso e consequentemente o organismo como um todo.

Prognóstico

O prognóstico do kwashiorkor é complexo. Isso porque, muitas pessoas apresentam uma melhora significativa, porém, cerca de 40% vão a óbito devido ao desequilíbrio eletrolítico, infecções, hipotermia ou como consequência de uma parada cardíaca.

Leia mais: Maus-tratos na infância podem causar depressão na fase adulta

Complicações

Crianças com desnutrição leve à moderada podem apresentar algumas outras condições em decorrência da kwashiorkor. Entre as possíveis doenças que podem se desenvolver, estão:

Doenças infecciosas agudas

Devido à falta de nutrientes, o organismo fica com o sistema imune enfraquecido, facilitando a entrada de bactérias, vírus e outras possíveis infecções.

Anemias

O ferro é uma das possíveis substâncias escassas quando o kwashiorkor se desenvolve. Quando não está nos níveis adequados, a falta de ferro pode provocar a anemia.

Parasitoses intestinais

São condições conhecidas por estarem presentes em áreas rurais ou mais precárias. Também conhecido como “vermes”, estas condições possuem diversos subtipos, sendo que a transmissão depende muito das condições sanitárias e de higienização local.

Leia mais: Cérebro e intestino: a saúde deles na infância reflete na vida adulta

Como prevenir kwashiorkor?

O  Kwashiorkor é considerada uma condição socioeconômica, uma vez que atinge predominantemente países pobres, principalmente devido às condições precárias de saúde e higiene.

Por isso, algumas atitudes podem fazer a diferença no surgimento e desenvolvimento dessa condição, por exemplo:

Alimentação

Manter uma rotina de alimentação balanceada e adequada para cada faixa-etária é essencial para que haja um desenvolvimento pleno do organismo.

Além disso, é de extrema importância manter o aleitamento materno até que a criança complete 2 anos de vida. Isso porque o leite materno é considerado o alimento mais saudável para as crianças em desenvolvimento, pois é rico em proteínas, gorduras, vitaminas, minerais e água.

Higiene ambiental e alimentar

Algumas das principais condições gastrointestinais são causadas pela falta de cuidados no preparo de alimentos, bem como do local em que ocorrem as refeições. Por isso, algumas maneiras de prevenir eventuais condições são:

  • Ter cuidado na escolha dos fornecedores;
  • Separar folhas, caules e legumes que estejam danificados;
  • Levar todos os itens em água corrente;
  • Manter os alimentos refrigerados;
  • Não recongelar carnes descongeladas;
  • Manter a cozinha e a despensa sempre limpos.

Integração com a comunidade

O kwashiorkor pode ser diagnosticado com maior frequência em países subdesenvolvidos, porém, pode ser controlado melhor quando todos estão cientes e colaborando para seu combate. Pensando nisso, o ideal seria promover hábitos saudáveis na comunidade, além de fazer o acompanhamento de gestantes, introduzindo a educação nutricional.

Perguntas frequentes

Qual a quantidade ideal de proteína diária?

O recomendado é que você destine cerca de 10% das suas calorias diárias para proteínas. O cálculo ideal é que seja consumido 0,75g por quilo corporal, ou seja, em média 55g diários para homens e 45g diários para mulheres.

Quando a internação é necessária?

Quando a criança ou adulto apresenta sinais clínicos de edemas e/ou desnutrição, é preciso redobrar os cuidados. Além disso, é preciso levar em consideração o desvio de peso com relação ao taxado como ideal para cada faixa-etária.

Kwashiorkor é desnutrição?

Sim. O kwashiorkor é uma condição de desnutrição proteica, ou seja, quando organismo recebe uma quantidade menor de proteínas do que o recomendado para ingestão diária.


O crescimento é um processo biológico necessário para o desenvolvimento das crianças. Porém, algumas pessoas ainda vivem em condições de pouca higienização e cuidados sanitários.

Por isso é tão importante sempre procurarmos informações relacionadas a possíveis condições desenvolvidas nessas circunstâncias, como o kwashiorkor.

Se você acha que mais pessoas podem usufruir dessas informações, compartilhe o texto com seus amigos!

Publicado originalmente em: 29/06/2017 | Última atualização: 16/04/2019

Fontes consultadas

16/04/2019 09:35

Luiza (Minuto Saudável)

Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável. Confira mais na nossa página de quem somos.

Ver comentários

  • Ótimo artigo, me ajudou a entender melhor a doença!

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Interessante! Agora sim entendo melhor essa doença.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*