O que é dor de dente?

A dor de dente é um sentimento incômodo produzido pela excitação de terminações nervosas na região dentária, e pode ser provocada por cáries, bruxismo, gengivite, hipersensibilidade, nascimento do siso, sinusite e até infarto.

O CID (Código Internacional de Doenças) para dor de dente é o K08 Outros transtornos dos dentes e de suas estruturas de sustentação.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Índice neste artigo você irá encontrar as seguintes informações:

  1. O que é dor de dente?
  2. Causas da dor de dente
  3. Quais sintomas podem aparecer junto com a dor de dente?
  4. Como a dor de dente é diagnosticada?
  5. Dor de dente tem cura? Qual é o tratamento?
  6. Medicamentos
  7. Como prevenir a dor de dente?

Causas da dor de dente

Existem diversas razões para surgir uma dor no dente, dentre elas:

Cárie dentária

Doença infecciosa caracterizada pela desmineralização local do tecido dentário (esmalte e dentina) pelo ácidos orgânicos produzidos por bactérias na boca, especialmente a Streptococcus mutans. Essa deterioração se dá por meio de orifícios e leões no dente.

Ocorre especialmente quando não é realizada uma higiene bucal de qualidade, propiciando o acúmulo desses micro-organismos e de alimentos que lhes dão energia, fenômeno que é chamado de placa bacteriana ou biofilme. Essa placa, quando não removida, também pode endurecer e formar o tártaro (cálculo dental), que irrita os tecidos gengivais e fornece ao biofilme um espaço maior para propagação e, assim, proliferação das cáries.

Os fatores que influenciam no aparecimento de cáries são: a obesidade, a grande quantidade de biofilme, o tipo de bactéria, a dieta do paciente, muitas restaurações, a presença de fissuras no dentes, o fluxo salivar e sua capacidade tampão (que mantém a higiene da boca). Embora o consumo de açúcares também aumente a chance delas aparecerem, ele não é um fator decisivo se houver uma escovação adequada.

Como a cárie é resultado do ácido produzido pelos micróbios da boca, ela não é transmissível, mas suas bactérias causadoras podem, sim, ser transmitidas. A principal época de contágio é nos três anos de idade da criança, quando a criança ainda não tem anticorpos, e se houver um bom ambiente para os micro-organismos (pouca higiene), a doença pode se proliferar. Portanto, é importante evitar beijar a criança na boca e compartilhar talheres, além de manter sua limpeza bucal.

Os tipos de cárie são:

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)
  • Cárie coronária: é a mais comum e ocorre tanto em crianças quanto em adultos. Se localiza na superfície de mastigação ou entre os dentes.
  • Cárie radicular: quando a pessoa apresenta retração gengival, a raiz do dente, além de ficar exposta, fica mais propensa a apresentar cárie, pois essa região não possui a proteção do esmalte.
  • Cárie recorrente: aparece em volta de restaurações e coroas existentes na boca do paciente, regiões que tendem ao acúmulo de placa.

Bruxismo (ranger os dentes)

Consiste em ranger ou apertar muito os dentes. É um hábito normalmente inconsciente, pois o bruxismo mais comum ocorre durante o sono, e geralmente só é percebido quando uma terceira pessoa adverte sobre o barulho que a pessoa tem feito enquanto dorme, ou mesmo ao receber o diagnóstico de dentes desgastados ou de esmalte rachado após um exame de rotina. No bruxismo acordado (em vigília) a pessoa mantém os dentes muito apertados em momentos de tensão ou até quando estão lendo ou assistindo televisão.

Pode ser causado por estresse, ansiedade, frustração, raiva e alimentação incorreta. Também pode ser efeito colateral de algum medicamento ou de alguma doença do sistema nervoso, como a doença de Parkinson. Outra probabilidade é que esteja relacionado à apneia do sono ou à má oclusão (alteração no mecanismo de contato entre os dentes superiores e inferiores). O bruxismo é mais comum em crianças, adolescentes e pessoas hiperativas. Outro fator de risco que aumenta as chances do paciente apresentar bruxismo é o uso de substâncias estimulantes como cafeína, cigarro, álcool e outras drogas.

Gengivite

A gengivite é uma inflamação da gengiva causada pela presença de placa bacteriana, que produz ácidos e, quando não é removida, irrita a mucosa da gengiva. Também pode ser causada por escovação excessiva ou limpeza forte com o fio dental, alterações hormonais, idade avançada, cigarro, medicamentos (como os que reduzem a produção de saliva, que mantém os dentes limpos e controla o crescimento das bactérias), carência de cálcio e vitamina B e C, dentes tortos (criam mais espaço para as placas se formarem), baixa imunidade, histórico familiar, diabetes e infecções virais e fúngicas na boca.

Ela pode ser intensificada caso não seja tratada e é classificada em estágios, que fazem parte da doença periodontal:

  • Gengivite: normalmente resulta em sangramento. Nesse estágio, pode ser revertido, considerando que o osso e o tecido conjuntivo que sustentam o dente não foram atingidos.
  • Periodontite: nessa fase, ossos e fibras já estão irreversivelmente danificados. Forma-se uma bolsa que armazena os detritos e a placa bacteriana no entorno da gengiva, que também pode retrair.
  • Periodontite avançada: ocorre a destruição dos ossos e sustentação dos dentes, que mudam de lugar, podendo afetar a mordida e até perder os dentes.

Hipersensibilidade

Afeta 57% da população e é normalmente sentida através da ingestão de alimentos quentes, frios, doces ou ácidos ou se respirar ar frio pela boca. É sentida principalmente por:

  • Desgaste do esmalte que protege os dentes e exposição da dentina: através da ingestão de bebidas ácidas (como refrigerantes), bruxismo, escovação com creme dental abrasivo, bulimia ou doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) e clareamento dental (pode ser causada diretamente pelos componentes do creme ou pela pressão do creme contra os dentes, e normalmente ocorre apenas durante o procedimento).
  • Retração da gengiva (expõe a raiz, que não é protegida pelo esmalte): pode ocorrer por meio da gengivite, escovação incorreta (muito forte ou com uma escova muito dura) ou pela idade.

Dente quebrado ou rachado

Um dente pode quebrar, rachar ou trincar por mastigar um objeto duro, estresse, bruxismo, acidente ou trauma violento. Muitas vezes, essa ruptura pode não ser visível a olho nu, então ela acaba sendo notada apenas quando o dente entra em contato com alimentos muito quentes ou muito gelados, ou até mesmo através da mastigação.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Nascimento do dente do siso

Os dentes do siso são os terceiros molares, os últimos dentes de cada lado da arcada e costumam nascer entre os 16 e os 20 anos de idade. Por nascerem mais tarde, os outros dentes já estão todos formados, então é comum que não haja espaço na boca para o siso. Assim, eles precisam procurar outro espaço, podendo ficar no interior da gengiva, nascer entre outros dentes ou até aparecer no próprio osso, provocando uma inflamação na gengiva, acompanhado de dor de cabeça e dor de ouvido.

Mesmo nascendo na sua posição de origem, o dente do siso nasce de uma maneira mais agressiva, o que pode infeccionar a gengiva, causando inchaço, dor e sangramento.

Abscesso

É a instalação de uma bactéria em uma cavidade entre a gengiva e os ossos da face ou do pescoço, seguida pela formação de uma bolsa de pus. É causado por cáries, quebra de um dente (permite a entrada de bactérias na ponta), alimentos ou material estranho na gengiva e doença periodontal.

Lesão no maxilar

As dores de diversas razões provenientes do maxilar podem irradiar para a boca, dando a impressão de dor de dente.

Sinusite

É a inflamação da mucosa que envolve os seios da face. Normalmente é acompanhada de dor de cabeça, tosse intensa, obstrução nasal com presença de catarro purulento, mal estar e febre. A sinusite pode ser maxilar, etmoidal, frontal e esfenoidal. A dor de dente é mais comum no caso de sinusite esfenoidal, e atinge a altura dos dentes caninos.

Infarto

Durante um infarto do miocárdio, surgem dores que se iniciam no tórax, ombro e braço esquerdo. Entretanto, esses estímulos dolorosos podem estimular outras fibras nervosas, como as da região da mandíbula e maxilar, podendo ser confundidas com uma dor de dente. Mesmo sendo apenas uma sensação, é importante atentar para a relação de uma higiene bucal escassa com a maior probabilidade de doenças coronarianas (depósito de gordura nas artérias coronárias).

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Os fatores de risco do infarto são sedentarismo, fumar cigarro (aumentam o nível de colesterol), hereditariedade, alta pressão arterial, diabetes, nível de triglicérides alto, álcool, estresse, idade avançada, obesidade.

Dor de dente na gravidez

Durante a gravidez, ocorre um aumento no nível de progesterona que pode causar gengivite na mulher. Por isso, a dor de dente pode ocorrer com frequência e bastante intensidade, chegando a dar dores de cabeça. Para aliviar a dor, você pode recorrer para os remédios caseiros listados em Tratamentos. Mesmo assim, não deixe de procurar seu dentista, pois ele poderá te indicar um medicamento adequado.

Quais sintomas podem aparecer junto com a dor de dente?

Considerando as possíveis causas da dor de dente, os principais sintomas que podem vir acompanhados são:

  • Cárie: orifícios nos dentes, coloração escura, presença de tártaro em volta do dente, dor ao morder, mau hálito;
  • Bruxismo: contrações rítmicas dos músculos da mandíbula, que pode ficar apertados ou doloridos, dor nos músculos da face, dentes danificados, restaurações quebradas, gengivas feridas, dor de cabeça, inchaço na mandíbula, esmalte do dente desgastado;
  • Gengivite: gengiva avermelhada, irritada e com sangramento, dentes mais longos devido à retração da gengiva, secreção de pus ao redor dos dentes, dente amolecido, próteses desajustadas;
  • Nascimento do siso: gengiva da região do siso inchada e avermelhada;
  • Abscesso dentário: náusea, vômito, febre, calafrios, diarreia, sensibilidade ao toque, dificuldade de abrir a boca ou mastigar, gânglios do pescoço inchados;
  • Sinusite: nesse caso, muitos dentes doem ao mesmo tempo, dor de cabeça, tosse, coceira no nariz, congestão nasal, nariz escorrendo, perda de olfato, espirros, fadiga, febre, mal estar, dificuldade de dormir e de respirar, dor ou irritação na garganta, sensibilidade no rosto;
  • Infarto: mal estar, enjoo, tontura, palidez, dificuldade para respirar, sensação de indigestão, suor frio, tosse seca, dor de garganta, dor no peito que pode se alastrar para o pescoço, axila, costas ou braço esquerdo, formigamento no braço e punho.

Como a dor de dente é diagnosticada?

Considerando a diversidade de motivos para sua dor de dente, ela pode ser tanto algo passageiro como um problema mais sério. Por isso, se houver recorrência de dor ou de qualquer outro dos sintomas descritos no campo acima, principalmente quando a dor ultrapassar 2 dias, com presença de febre, sintomas de infecção e dificuldades para respirar ou engolir, é indicado ir ao dentista para que se realize o tratamento adequado.

O diagnóstico é realizado por um dentista e pode ser solicitado um exame da área afetada e radiografia panorâmica da maxila e mandíbula.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Dor de dente tem cura? Qual é o tratamento?

Felizmente, a dor de dente tem cura, embora possa resultar em diversas complicações quando não tratada.

Existem alguns remédios caseiros que podem ser resolver a dor e evitar a ida ao dentista. É importante lembrar que não são métodos comprovados cientificamente, portanto não há garantia de sua segurança. Dessa forma, se esses tratamentos não funcionarem, a ida ao dentista é imprescindível, pois pode ser necessário um tratamento mais intenso.

Inicialmente, é importante identificar o dente dolorido e analisar se a região apresenta sinais de pus. Nesse caso, é necessária a prescrição de antibióticos por um dentista. Se não houver sinais de inflamação, você pode tentar os seguintes tratamentos:

Posição da cabeça

Se a dor estiver latejante, procure manter a cabeça elevada, para evitar uma pressão maior no dente.

Alimentação

Independente do motivo da dor, procure ingerir alimentos frios e fáceis de mastigar, para que a dor de dente não piore.

Ar

Normalmente, se o dente estiver muito sensível, ele pode doer até com o ar que entra na boca. Procure deixar a boca fechada principalmente quando estiver ao ar livre, e, se necessário, proteja o dente com gaze.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Higiene bucal

Passe um fio dental entre os dentes na região dolorida, para retirar algum resto de comida que possa estar causando o incômodo. Após passar o fio, escove os dentes delicadamente principalmente na região dolorida.

Gelo

Diminui o inchaço e a inflamação. Segure uma bolsa de gelo no rosto (coberto com um pano para não queimar a pele) próximo da dor ou colocar uma pedra de gelo na boca. Mantenha o gelo no local durante 15 minutos 3 vezes ao dia.

Água morna e um pouco de sal

Enquanto o sal elimina a infecção, a água drena os fluidos da possível causadora da dor. Dilua 1 colher (chá) de sal em um copo de água e bocheche por 30 segundos a cada hora. Não engula a água.

Chá de macela e própolis

Possuem propriedades anti-inflamatórias, analgésicas, cicatrizantes e antissépticas. Ingredientes: 2 colheres (sopa) de folhas secas de macela, 30 gotas de extrato de própolis e 1 litro de água. Modo de fazer: Coloque as folhas e a água em uma panela e deixe ferver por 5 minutos a partir da ebulição. Tampe a panela e espere amornar, coe e adicione o própolis, misturando bem.

Cravo da índia

Possui propriedades antissépticas, analgésicas e anti-inflamatórias. Existem várias maneiras de aproveitar seus benefícios. Você pode mascar um cravo da índia, massagear o local com um cotonete umedecido com o óleo essencial de cravo da índia, fazer bochechos ou gargarejos com uma mistura de 150 mL de água e 1 gota do óleo após cada refeição, com os dentes já limpos. Outra dica é moer dois dentes de cravo, adicionar azeite de oliva ou óleo de girassol e aplicar no dente por 5 minutos.

Folhas de losna

Possui propriedades antissépticas e controla a inflamação.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Folhas de chá verde

Contêm ácido tânico, catequinha e floral, grandes reforços para a saúde dos dentes. Mastigue as folhas por 5 minutos duas vezes por dia.

Salsinha e azeite

Propriedades anti-inflamatórias. Misture folhas de salsinha amassadas com azeite e sal. Enrole em uma gaze e pressione sobre o dente afetado.

Folhas de goiaba

Possuem propriedades analgésicas e anti-microbianas. São eficazes tanto fervidas com sal e usadas como antisséptico bucal, quanto mastigadas.

Folhas de batata doce

1 folha de batata doce e 1 xícara de água fervente. Modo de preparo: Coloque a folha na água e ferva por mais 5 minutos. Coe e faça bochechos várias vezes ao dia.

Batata

Pode aliviar dores fracas. Coma crua e com um pouco de sal.

Hortelã

Possui propriedades calmantes que podem controlar a dor. Ingredientes: 1 colher (sopa) de folhas picadas de hortelã e 1 xícara de água fervente. Modo de preparo: coloque as folhas na xícara, deixe repousar por 20 minutos, coe e beba de 3 a 4 xícaras do chá por dia.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Pepino

O alimento ingerido fresco pode aliviar dores mais fracas.

Alho

Possui propriedades antibióticas e medicinais que diminuem a ação das bactérias. Misture pó de alho com sal e aplique sobre o dente dolorido.

Álcool

Bochecho com bebidas alcoólicas como vodka, conhaque e uísque podem ajudar os sintomas a passarem.

Extrato de baunilha

Reduz a inflamação no dente. Mergulhe um cotonete no extrato e aplique na área dolorida.

Bicarbonato de sódio

Pode curar a dor. Faça bochechos com água 2 a 3 vezes ao dia até as dores diminuírem.

Pimenta

Possui efeitos analgésicos, podendo acabar com altas sensibilidades na gengiva devido a dores de dente. Ingredientes: 1 pitada de gengibre em pó, 1 pitada de pimenta caiena e água. Modo de preparo: misture os temperos em um recipiente pequeno, adicione algumas gotas de água e misture até formar uma pasta. Aplique no dente dolorido com um cotonete. Evite aplicar na gengiva.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Quando a dor for proveniente de uma lesão, é indicado que você vá ao dentista. O tratamento varia de acordo com cada caso. Caso o dente tenha lascado, pode ser necessária uma correção cosmética, o uso de facetas (prótese de porcelana fina colada na frente dos dentes), coroas (modo colocado sobre um dente para recuperar sua forma) ou restaurações.

Se o dente for quebrado, pode ser necessário fazer um tratamento de canal, que trata-se da remoção da área danificada do dente, limpeza e desinfecção e, em seguida, preenchimento e selamento. Dependendo da maneira que o dente quebrou, pode ser necessária inclusive sua extração.

Se uma pancada muito forte levar à extração do dente, é preciso buscar seu dentista o mais rápido possível, lavando o dente apenas com água e mantê-lo molhado, segurando sempre pela coroa. A chance de sucesso do reimplante é maior nos primeiros 30 minutos. Se não houver mais como recolocar o dente, ele deve ser substituído para evitar problemas de mastigação e enfraquecimento do maxilar. Os dentes podem ser substituídos por próteses fixas, removíveis e implantes.

Em caso de suspeita de mandíbula quebrada, não a movimente, amarre um lenço ou toalha em volta do queixo e em cima da cabeça e procure imediatamente um hospital.

Caso a dor seja proveniente do nascimento do siso, o ideal é procurar seu dentista para que ele analise se o seu dente está nascendo de maneira correta. Ele pode, inclusive, indicar um medicamento que alivie a dor.

Medicamentos

Os medicamentos comumente indicados por médicos e cirurgiões-dentista para diminuir a dor e tratar uma provável infecção na boca são:

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas neste site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Como prevenir a dor de dente?

Existem algumas medidas que podem ser tomadas para evitar que a dor de dente apareça. Considerando as principais causas, as melhores maneiras de prevenir a dor são:

Escovar os dentes corretamente todos os dias após cada refeição e use o fio dental antes de dormir

Escove a superfície dos dentes voltada para a bochecha, tanto superior quanto inferior, em movimentos circulares. Escove a superfície de mastigação com movimentos de vai e vem e, em seguida, a superfície interna com movimentos semelhantes ao de uma vassoura (varrendo os dentes de dentro para fora). Não se esqueça de escovar a língua. Recomenda-se usar creme dental com flúor.

Evitar alimentos que prejudicam os dentes e favorecem o desenvolvimento de cáries

Evite alimentos ricos em açúcar, como balas, refrigerantes, frutas secas e frutas cristalizadas, pois as bactérias existentes na boca transformam o açúcar em ácido, que corrói o esmalte dos dentes; bebidas alcoólicas, café, vinho e chá, que possuem pigmentos e corantes que mancham os dentes e prejudicam a boca; sucos e frutas ácidos, como limão, laranja e uva; vinagre e tomate; alimentos ricos em carboidratos, que são mais propensos a desenvolver cárie.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Aumentar a ingestão de alimentos que fazem bem aos dentes

A maçã e a cenoura são ricas em água, fibra, vitaminas e minerais e como levam mais tempo para serem mastigadas, estimulam a produção de saliva, a qual promove uma limpeza dos dentes; o queijo aumenta o pH da boca, reduzindo o risco de cárie, e contém cálcio e proteína, que reforçam o esmalte do dente; o iogurte, além de também possuir cálcio e proteína, apresenta em sua composição bactérias benéficas para a gengiva; as folhas verdes são ricas em cálcio, ácido fólico, vitaminas e minerais e possuem baixas calorias; o aipo raspa partículas de comida e bactérias do dente e é fonte de vitamina A e C.

Lembre-se de ir ao dentista de 6 em 6 meses para checar a sua saúde bucal e fazer uma limpeza.


Além do incômodo, a dor de dente pode ser proveniente de diversas causas. É importante reconhecê-las, pois assim como pode ser algo simples de resolver, pode também tratar-se de uma situação mais graves e preocupantes. Por isso,compartilhe este texto com seus amigos e familiares para que mais pessoas possam ter conhecimento sobre a dor de dente e suas causas, sintomas sobre qual a melhor maneira de tratá-la.

Referências
www.colgate.com.br/SaudeBucal/DorNosDentes‎
www.dalvim.com.br/‎
https://biosom.com.br/blog/saude/10-remedios-caseiros-para-aliviar-a-dor-de-dente/
www.nursing.com.br
https://www.tuasaude.com/dor-de-dente-o-que-fazer/
https://www.tuasaude.com/primeiros-socorros-para-dor-de-dente/
https://biosom.com.br/blog/saude/10-remedios-caseiros-para-aliviar-a-dor-de-dente/
www.sorrisologia.com.br/tag/dor-de-dente_t115/1
www.remedio-caseiro.com/receitas-para-aliviar-a-dor-de-dente/
dieta.blog.br
pt.wikihow.com

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Avalie o conteúdo!)
Loading...

Faça um comentário:

Por favor, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui