O que é Raiva, tratamento, transmissão, prevenção e vacina

9

O que é raiva?

A raiva é uma infecção viral aguda que é transmitida para seres humanos a partir da mordida, lambida ou ferida causada por animais infectados. O vírus causador da doença acomete o sistema nervoso central do hospedeiro, ocasionando uma encefalite (inflamação no cérebro que causa inchaço no mesmo) que geralmente evolui rapidamente.

Por ser transmitida de animais para seres humanos é considerada uma zoonose, em casos raros o vírus pode ser transmitido entre homens, através de transplante de órgãos onde o doador foi / está infectado.

PUBLICIDADE

A doença é considerada fatal pois seu índice de letalidade é de aproximadamente 100%. A infecção através de animais domésticos é controlada em várias partes do mundo, porém animais silvestres também podem transmitir o vírus. Pode atingir qualquer país, salvo áreas nas quais a doença é considerada erradicada, como na Antártida, Japão, Reino Unido e outras ilhas.

Até 2006 somente 6 casos de cura em humanos foram registrados, dentre eles, 5 haviam recebido tratamento vacinal pré e pós exposição ao vírus e somente 1 não recebeu o mesmo tratamento.

Recentemente, no Brasil, novos casos de raiva humana foram registrados. No Estado do Pará, até o início do mês de junho, foram notificados 14 casos de suspeita de raiva, onde sete foram confirmados em laboratórios. Uma criança de 10 anos morreu com suspeita da doença no dia primeiro deste mês. Entre os casos confirmados, seis pacientes morreram e um está internado em estado grave.

Em 2017, a raiva também provocou outros casos na região norte do país. Após serem mordidas por um morcego hematófago, duas crianças morreram por causa da raiva e outra, sobrevivente, permaneceu com sequelas.

Diante desses novos casos, a Secretaria do Estado de Saúde Pública (Sespa) fez um alerta para a doença e pediu que a identificação precoce de possíveis pacientes sejam intensificados.

Continue a leitura para descobrir como  reconhecer os sintomas e se prevenir dessa doença.

Índice neste artigo você irá encontrar as seguintes informações:

  1. O que é raiva?
  2. Casos de raiva humana no Brasil
  3. Causas da raiva
  4. Transmissão da raiva
  5. Grupos de risco
  6. Sintomas da raiva
  7. Como é feito o diagnóstico da raiva?
  8. A raiva tem cura? Qual o tratamento?
  9. O que devo fazer quando for agredido por um animal?
  10. Convivendo com a raiva
  11. Complicações da raiva
  12. Como prevenir a raiva?

Casos de raiva humana no Brasil

Embora os casos registrados recentemente no estado do Pará sejam preocupantes, é possível dizer que o número de pacientes com raiva humana no Brasil, nos últimos anos, é relativamente baixo.

Pelo fato de ter maiores ações de vigilância e controle da raiva em animais nos últimos 30 anos, o Brasil apresenta taxas reduzidas de mortalidade pela doença.

Dentro do período de 2010 a 2017, foram registrados 25 casos de raiva humana, sem nenhum caso notificado no ano de 2014. De acordo com o Ministério da Saúde, os casos registrados se encaixam em esporádicos e acidentais.

PUBLICIDADE

Entre os 25, 9 foram causados por contato com cachorros infectados, 8 por morcegos, 4 por primatas não humanos, 3 por felinos e 1 deles não foi identificado.

Causas da raiva

Causada pelo vírus do gênero Lyssavirus, da família Rhabdoviridae, é transmitida pela saliva infectada de animais. Esse vírus é atraído pelas células do sistema nervoso periférico após ser absorvido pela pele, a partir de então o parasita começa a se movimentar lentamente nos nervos, cerca de 12 milímetros por dia, em direção ao sistema nervoso central.

Pode ser transmitida por animais domésticos, apesar de esses casos já serem considerados controlados, silvestres, e em raros casos, entre humanos, através de doação de órgãos com doador infectado.

Transmissão da raiva

O vírus é transmitido por mordidas, lambidas ou machucados causados por mamíferos contaminados. Contato com a pele do animal não oferece riscos. Na maioria dos casos a contaminação ocorre por cães ou morcegos.

Pode ser transmitido entre seres humanos, através de doação de órgão com doador infectado, porém são casos isolados e mal documentados. O mais comum é a transmissão por animais domésticos e selvagens.

Animais domésticos e da fazenda

  • Gatos;
  • Cachorros;
  • Vacas;
  • Furões;
  • Cabras;
  • Cavalos.

Animais domésticos tem o período de transmissão de 2 a 3 dias antes do surgimento dos sintomas clínicos. E a morte dos mesmos pode acontecer entre 5 e 7 dias após a manifestação sintomática.

Animais selvagens

  • Morcegos;
  • Castores;
  • Coiotes;
  • Raposas;
  • Macacos;
  • Guaxinins;
  • Gambás;
  • Marmotas.

Grupos de risco

A doença é mais comum em indivíduos que têm grande contato com animais, como profissionais da área. Outros fatores de risco da raiva são:

PUBLICIDADE
  • Viver em áreas populadas por morcegos;
  • Viajar para países em desenvolvimento;
  • Morar em áreas rurais com grande exposição a animais selvagens e pouco ou nenhum acesso a vacinas;
  • Acampar e se expor a animais selvagens frequentemente.

Sintomas da raiva

O tempo de incubação do vírus da raiva é variado, pode ser de 10 dias a até 7 anos, porém, geralmente seu tempo médio é de 12 semanas. Alguns dos sintomas podem ser parecidos nos humanos e nos animais.

Sintomas da raiva em humanos

Os sintomas iniciais da raiva podem ser comparados ao de uma gripe, como febre, fraqueza muscular, malestar e dor cabeça.

Outros sintomas que a doença pode causar são:

  • Convulsão;
  • Excitabilidade;
  • Espasmos musculares;
  • Entorpecimento e formigamento;
  • Sensibilidade e dor no local da mordida;
  • Perda de sensibilidade em algumas áreas do corpo;
  • Perda da função muscular.

Com o avanço da doença também é comum que o indivíduo desenvolva a raiva furiosa, uma fase da raiva na qual o paciente pode ficar hiperativo e apresentar comportamento anormal. Nessa fase os sintomas comuns são:

  • Insonia;
  • Ansiedade;
  • Confusão;
  • Agitação;
  • Alucinações;
  • Salivação em excesso;
  • Problemas para engolir;
  • Hidrofobia, medo incontrolável e inexplicável de água.

A última fase da raiva, chamada de raiva paralítica, geralmente leva o paciente ao coma e óbito. Nessa fase o indivíduo fica lentamente paralisado e eventualmente entra em coma, o que o leva diretamente ao falecimento.

Sintomas da raiva em animais

Quando o vírus atinge um animal carnívoro, mais comumente ele apresenta raiva furiosa, tornandose agressivo. Já quando atinge animais herbívoros, o mais comum é apresentar a raiva paralítica, deixandoo paralisado.

Porém, independente da forma manifestada da doença, todos os animais sofrem os mesmos sintomas:

  • Dificuldade para engolir;
  • Salivação em excesso;
  • Mudança de comportamento;
  • Mudança nos hábitos alimentares;
  • Paralisia das patas traseiras.

Nos cachorros o latido fica parecido a um uivo rouco, e os morcegos, com a mudança de hábitos, podem ser vistos durante o dia, em locais não habituais.

PUBLICIDADE

Como é feito o diagnóstico da raiva?

Caso tenha tenha sido mordido por algum animal, devese sempre procurar um médico. Com base nas lesões e em como ocorreu a mordida, o paciente juntamente com o médico decidirão se o tratamento para prevenir a raiva é adequado.

Um teste isolado não é suficiente para confirmar a doença em humanos, são necessários diversos testes que são feitos com amostras de saliva, fluido espinhal, plasma e pele. Um teste comum, feito inicialmente, é o imunofluorescência, onde o médico ou enfermeiro examinará o paciente e observará a mordida.

Outro teste que pode ser utilizado para o diagnóstico é feito usando um pedaço de pele do pescoço, esse mesmo teste também pode ser utilizado para diagnosticar a doença em animais. Demais testes como procurar pelo vírus na saliva ou no fluido espinhal, não são tão sensíveis e podem precisar ser repetidos.

Punções na lombar também podem ser administradas para buscar sinais de infecção no fluido espinhal.

Não existem testes que detectem a raiva em seus estágios iniciais.

A raiva tem cura? Qual o tratamento?

Geralmente essa doença leva o paciente ao óbito, poucos casos de cura foram registrados até hoje. Porém existem as exceções, alguns casos de cura envolvem pacientes que tomaram a vacina contra a raiva e outros são pacientes que passaram por um tratamento chamado Protocolo de Milwaukee, esse tratamento consiste em conduzir o paciente a um coma induzido para tratar a doença, assim o corpo concentraria toda a energia a eliminar o vírus. Até 2008, esse protocolo havia sido aplicado em 16 indivíduos, porém somente teve sucesso em 2.

Após ser mordido e procurar a ajuda de um profissional, se houver risco de raiva o paciente receberá uma série de vacinas preventivas, para que a infecção não se espalhe, administradas em 5 doses durante 14 dias. Também pode receber uma vacina denominado imunoglobulina humana para raiva, que deve ser administrada no dia da mordida.

Mordidas na cabeça ou pescoço são consideradas mais graves pois estão mais próximas ao cérebro, mãos e pés também são regiões perigosas por serem áreas com muita inervação, facilitando a chegada do vírus aos nervos periféricos.

De acordo com o Ministério da Saúde, a profilaxia dessa doença pode ser resumida neste quadro:

Condições do animal agressor Cão ou gato sem suspeita de raiva no momento da agressão Cão ou gato clinicamente suspeito de raiva no momento da agressão

Cão ou gato raivoso;

Animais silvestres; 

Animais domésticos

Tipos de exposição
Contato direto Lavar com água e sabão, não tratar Lavar com água e sabão, não tratar Lavar com água e sabão, não tratar
Acidentes leves: ferimentos superficiais, pouco extensos, geralmente únicos, em tronco e membros (exceto mãos e polpas digitais e planta dos pés); podem acontecer em decorrência de mordeduras causadas por unha ou dente, lambedura de pele com lesões superficiais. Lavar com água e sabão, observar o animal durante 10 dias após a exposição, se o animal permanecer sadio no período de observação, encerrar o caso. Se o animal morrer, desaparecer ou se tornar raivoso, administrar cinco doses de vacina (dias 0,3,7,14 e 28). Lavar com água e sabão, iniciar o esquema com duas doses, uma no dia 0 e outra no dia 3, observar o animal durante 10 dias após a exposição. Se a suspeita de raiva for descartada após o 10º dia de observação, suspender o esquema e encerrar o caso. Se o animal morrer, desaparecer ou se tornar raivoso, complementar o esquema até cinco doses. Aplicar uma dose entre o 7º e o 10º dia e uma dose nos dias 14 e 28. Lavar com água e sabão. Iniciar imediatamente o esquema com cinco doses de vacina administradas no dias 0, 3, 7, 14 e 28.
Acidentes graves: ferimentos na cabeça, pescoço, mão, polpa digital e/ou planta do pé, ferimentos profundos, múltiplos ou extensos, em qualquer região do corpo, lambedura de mucosas, de pele onde já existe lesões grave, ferimento profundo causado por unha de animal. Lavar com água e sabão, observar durante 10 dias após a exposição, iniciar esquema com duas doses, uma no dia 0 e outra no dia 3. Se o animal permanecer sadio no período de observação, encerrar o caso. Se o animal morrer, desaparecer ou se tornar raivoso dar continuidade ao esquema, administrando o soro e completando o esquema até cinco doses. Aplicar uma dose entre o 7º e o 10º dia e uma dose nos dias 14 e 28. Lavar com água e sabão, iniciar o esquema com soro e cinco doses de vacina nos dias 0, 3, 7, 14 e 28. Observar o animal durante 10 dias após a exposição, se a suspeita de raiva for descartada após o 10º dia de observação, suspender o esquema e encerrar o caso. Lavar com água e sabão. Iniciar imediatamente o esquema com soro e cinco doses administradas nos dias 0, 3, 7, 14 e 28.

Após o aparecimento dos sintomas da raiva não existem tratamentos efetivos conhecidos para a doença, somente existem formas de prevenção como foi citado acima.

O que devo fazer quando for agredido por um animal?

Sempre que for mordido ou machuco por um animal, mesmo estando vacinado contra a raiva, devese:

  • Lavar imediatamente o ferimento com água e sabão;
  • Procurar atendimento médico;
  • Caso seja um animal doméstico, deixálo em observação durante 10 dias, para identificar qualquer sinal de raiva;
  • Se o animal adoecer, morrer, desaparecer ou mudar de comportamento, voltar imediatamente ao médico;
  • Nunca interromper o tratamento preventivo sem recomendação médica.

Convivendo com a raiva

Siga sempre a recomendação médica a risca e limpe a ferida constantemente.

Para indivíduos que perderam um ente querido para a doença, podese procurar grupos de apoio para pessoas que estão passando pelo luto ou aconselhamento com médicos psicólogos.

Complicações da raiva

Em alguns casos, o paciente pode desenvolver reações alérgicas à vacina para prevenção. Não tratar a doença pode levar o indivíduo a óbito.

Vacina para raiva e como prevenir?

Existem algumas formas de se prevenir da raiva, como as vacinas antirrábicas. Outras formas de prevenir a doença são:

  • Vacinar seus animais de estimação;
  • Contatar o controle de animais quando achar um animal sem dono na rua;
  • Evitar contato com animais selvagens;
  • Prevenir que morcegos entrem em espaços de convivência ou outras estruturas próximas a sua casa.

A vacinação para a prevenção da raiva é somente indicada para indivíduos com alto risco de contaminação, como:

  • Médicos veterinários;
  • Biólogos;
  • Agrotécnicos;
  • Indivíduos que trabalham em laboratórios de virologia;
  • Indivíduos que trabalham com animais silvestres;
  • Indivíduos envolvidos na captura e estudo de animais com suspeita de raiva;
  • Indivíduos que vão viajar para áreas onde ainda não há controle da raiva nos animais.

A raiva, apesar de ter baixa incidência, é uma doença extremamente perigosa e quando o paciente desenvolve seus sintomas, geralmente leva ao coma e a óbito. Porém existem formas de prevenir a doença. Compartilhe este texto com seus amigos e familiares para que eles também conheçam as formas de prevenir a raiva!

Referências

http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/oministerio/principal/secretarias/svs/raiva
http://www.saude.sp.gov.br/institutopasteur/paginasinternas/oqueeraiva/oqueeraiva
http://www.brasil.gov.br/saude/2014/10/conhecaosprincipaissintomasdaraiva
http://www.healthline.com/health/rabies#Symptoms2
https://www.cdc.gov/rabies/

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (9 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

9 Comentários

Atenção: os comentários abaixo são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

  1. Parabéns a equipe minuto saudável, pois as informações apresentadas ,certamente, ajudarão à saúde pública!

  2. Eu gostei das explicações. Só que preciso saber se a pessoa que é mordida por um animal com raiva sobre algum problema futuro. E isso não vi em site nenhum. A mais ou menos 28 ou 30 anos atrás minha irmã foi mordida por um gato que estava com raiva. Não sei se tem associação com esse fato, mas minha irmã nunca aprendeu a ler, escrever e tem muita dificuldade de aprendizagem. E o estranho que ela tem duas filhas que nasceram com problema parecidos e uma delas tem dificuldade até pra falar. Quero muito saber se isso tem a ver com o que aconteceu com ela. Pois lembro que na nossa infância minha irmã era ativa e esperta e depois desse ocorrido ficou estranha.

    • Olá Nalva!

      Quando a raiva não é tratada, o vírus se espalha pelo sistema nervoso central e leva o paciente à morte. Por isso, depois de tanto tempo, é improvável que esta seja a causa dos problemas de sua irmã. Leve-a até um neurologista para que seja feito um diagnóstico.

  3. Me ajudou bastante, já que vou fazer um concurso para agente de endemias… Muito obrigada. Espero passar! Rs’

  4. Meu Deus estou impressionada com o site achei muito bacana tudo que fizeram, nunca achei que ao pesquisar por uma doença iria me interessar tanto por ela. O site de vocês estão de parabéns…me ajudou muito no trabalho que estou fazendo. Parabéns!

Deixe o seu comentário, nos preocupamos com sua opinião:

Por gentileza, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui

Lamentamos a não possibilidade de dar-lhe conselho médico ou responder a questões médicas e farmacêuticas individuais através de e-mail, pois apenas um médico pode prestar tal atendimento. Embora tentemos responder a todos os comentários, opiniões e e-mails que recebemos em até dois dias úteis, nem sempre é possível devido ao grande volume que recebemos. Por favor, tenha em mente que qualquer solicitação ao Minuto Saudável está sujeita aos nossos Termos de Uso e Política de Privacidade, ao enviar, você indica sua aceitação.