O que é Apneia do Sono, tipos, sintomas, tratamento, tem cura?

6

O que é apneia do sono?

Apneia do sono, hipopneia ou SAHOS, é uma condição caracterizada pela parada ou diminuição temporária da respiração várias vezes durante o sono. Pode ser causada por alguma obstrução nas vias aéreas, assim como por problemas de origem neurológica. É uma condição crônica que pode ser tratada.

A apneia, em si, é um fenômeno comum, que pode ocorrer voluntariamente ou não, porém é considerada doença quando acontece com frequência durante o sono, sem que o paciente tenha qualquer outra condição afetando seu sistema respiratório. Nesses casos, fala-se da Síndrome da Apneia/Hipopneia Obstrutiva do Sono (SAHOS), embora esse nome seja errôneo, pois não leva em conta outro tipo de apneia que não é causada por obstruções nas vias aéreas.

PUBLICIDADE

Essa condição é extremamente prejudicial para a qualidade do sono. As suspensões da respiração podem chegar a ocorrer mais de 50 vezes a cada hora, o que caracteriza um quadro grave de apneia do sono.

É mais frequente em homens acima dos 40 anos, especialmente em quadros de obesidade. O não tratamento da síndrome pode acarretar em riscos para a saúde do paciente, pois a qualidade do sono piorada pela condição aumenta os riscos de doenças crônicas.

A condição é encontrada na Classificação Internacional da Doença pelo código G47.3.

Índice — neste artigo você encontrará as seguintes informações:

  1. O que é apneia do sono?
  2. Apneia e hipopneia: qual a diferença?
  3. Qualidade do sono com apneia
  4. Tipos e causas da apneia do sono
  5. Fatores de risco
  6. Severidade da apneia do sono
  7. Sintomas da apneia do sono
  8. É ronco ou apneia?
  9. Quando visitar um médico?
  10. Como é feito o diagnóstico da apneia do sono?
  11. Apneia do sono tem cura? Qual o tratamento?
  12. Complicações
  13. Apneia do sono pode matar?
  14. Outros problemas durante o sono
  15. Convivendo com a apneia do sono
  16. Como prevenir a apneia do sono?

Apneia e hipopneia: qual a diferença?

Para ser considerada apneia, a parada respiratória deve durar um mínimo de 10 segundos, e pode chegar a durar mais de um minuto. Já a hipopneia é a diminuição do fluxo de ar em 30% a 50%. Embora sejam diferentes, as duas condições trazem as mesma complicações: noites mal dormidas, prejuízo para a saúde, falta de oxigênio no sangue e nas células, entre outras.

Qualidade do sono com apneia

A apneia é uma condição que anda na direção oposta da boa qualidade de sono, uma vez que o cérebro “acorda” para que o reflexo da respiração seja retomado. Assim, o paciente tem uma noite cheia de despertares súbitos dos quais não tem consciência.

O sono possui 5 fases, sendo a 4ª delas a mais profunda, e a fase REM (Rapid Eye Movement) a responsável pela consolidação do aprendizado e memórias. É comum que o indivíduo tenha apneia durante a quarta fase ou durante o sono REM, ambas extremamente importantes para o descanso do corpo. Isso porque é nesses momentos que o corpo está mais relaxado e o cérebro menos “consciente”.

Quando ocorre a apneia, o cérebro passa do estágio 4 ou da fase REM para um estágio mais leve, a fim de recuperar a respiração. Isso diminui a quantidade de horas nos dois estágios mais importantes do sono, o que acarreta em diversos problemas, como dificuldade para lembrar as coisas, dificuldades para prestar atenção, sonolência durante o dia, entre outros.

Tipos e causas da apneia do sono

Existem três tipos de apneia do sono: obstrutiva, central e mista, que é uma mistura das duas primeiras. Para compreender cada uma delas, é preciso ter uma certa noção de suas causas. Entenda:

Apneia obstrutiva do sono (AOS)

Quando dormimos, os músculos da garganta e da língua relaxam, ocupando maior espaço dentro do pescoço. Em algumas pessoas, esse relaxamento é tão intenso que pode acabar bloqueando as vias aéreas total ou parcialmente. Esse bloqueio costuma dar origem ao ronco.

PUBLICIDADE

Nem sempre essa obstrução é causada pelo relaxamento dos músculos. Muitas vezes, diferenças anatômicas como tamanho das passagens aéreas, língua grande, alterações no formato da cabeça e do pescoço (que podem ser muito largos), queixo afundado, desvio de septo nasal, amígdalas e adenoides grandes e até mesmo obesidade, podem ser a causa da apneia.

Em alguns casos de infecções como gripes e resfriados, quando há maior produção de muco e congestão nasal, a apneia obstrutiva pode ocorrer de forma temporária e costuma se resolver quando o indivíduo melhora da infecção. O mesmo ocorre com reações alérgicas como rinite e sinusite.

Trata-se do tipo de apneia mais frequente, sendo responsável por cerca de 80% dos casos.

Apneia central do sono (ACS)

Esse tipo de apneia ocorre por uma falha na comunicação entre o cérebro e as vias aéreas. Nesses casos, os músculos responsáveis pela respiração não recebem o sinal de que devem funcionar e, por isso, continuam estáticos. O que ocorre, então, não é uma interrupção da respiração, mas sim as vias aéreas que nem tentam respirar, por não receberem o comando para tal.

Geralmente, é causada por doenças neurológicas, como mal de Alzheimer, Parkinson, esclerose lateral amiotrófica, além de danos ao cérebro como os causados por encefalite, acidente vascular cerebral, lesões, entre outros. Esse tipo está conectado, também, a problemas cardiovasculares, hipotireoidismo e insuficiência renal.

Em alguns casos, os médicos não são capazes de descobrir a origem do quadro. Nessas situações, dá-se o nome Apneia Central Idiopática.

Apneia mista do sono

Trata-se de uma mistura dos dois tipos de apneia citados acima. Algumas vezes, tratando a apneia obstrutiva, descobre-se a central, muitas vezes sem se saber, claramente, os motivos.

Fatores de risco

Sabemos as causas associadas à apneia, mas existem também fatores de risco que colaboram para que ela seja mais frequente, embora em alguns casos não se saiba exatamente o porquê.

PUBLICIDADE

Geral

Alguns fatores de risco se aplicam a qualquer um dos tipos de apneia do sono. Entenda:

  • Ser homem: A apneia do sono é 2 vezes mais frequente em homens;
  • Idade: Embora a condição possa se manifestar em qualquer idade, é mais comum a partir dos 40 anos;
  • Pressão alta: Cerca de metade das pessoas que têm apneia sofrem também com hipertensão arterial;
  • Álcool: Consumir bebidas alcoólicas antes de dormir piora a apneia;
  • Histórico familiar: A síndrome de apneia obstrutiva do sono é mais comum em pessoas que têm histórico da doença na família. Isso pode ser por conta de diferenças anatômicas que são passadas pelos genes.

A apneia do sono também está relacionada a casos de síndrome metabólica e diabetes.

Apneia obstrutiva

  • Obesidade: Devido a maior concentração de tecido mole no pescoço, que pesa durante o sono, obstruindo a passagem do ar;
  • Crianças pequenas: Devido ao maior tamanho das tonsilas palatinas e faríngeas (mais conhecidas como amígdalas e adenoides), o que pode causar obstrução nas vias aéreas;
  • Ter um pescoço largo: Pessoas com pescoço largo (maior que 42,5cm em homens e 37,5cm em mulheres) têm mais propensão a desenvolver apneia do sono;
  • Diferenças na estrutura anatômica do pescoço: Algumas pessoas podem ter as vias aéreas mais finas, por exemplo, o que torna o fluxo de ar menor do que o normal, piorando a respiração durante o sono;
  • Cigarro: Fumar aumenta as chances de ter qualquer tipo de obstrução das vias aéreas;
  • Menopausa: As mudanças nos hormônios durante a menopausa podem fazer com que os músculos da garganta relaxem mais do que o normal;
  • Congestão nasal: A congestão das vias aéreas superiores pode suspender a respiração durante o sono;
  • Uso de sedativos e medicamentos para dormir: Esses medicamentos ajudam a relaxar os músculos, causando a obstrução na garganta.

Apneia central

  • Problemas na coluna vertebral: Artrite, cirurgias ou tratamentos com radiação na região da coluna vertebral podem aumentar o risco de apneia central, devido ao fato de estar próximo à medula espinhal (massa de nervos que desce do cérebro até a região lombar, responsável pela comunicação entre o cérebro e o resto do corpo);
  • Uso de narcóticos: Analgésicos opioides como codeína, morfina e metadona aumentam o risco de apneia central;
  • Problemas do coração: Pessoas com insuficiência cardíaca têm maiores chances de sofrer com apneia;
  • Derrame: Pessoas que sofreram derrames (acidente vascular cerebral) podem ter danificado as partes do cérebro responsáveis pelo reflexo respiratório, o que ocasiona a parada respiratória durante a noite;
  • Nascimento prematuro: Em recém-nascidos prematuros, o centro respiratório cerebral não está totalmente formado, o que pode causar perda do reflexo respiratório. Essa condição costuma passar a medida em que o bebê se desenvolve, mas existem casos em que o bebê simplesmente não retoma a respiração.

Severidade da apneia do sono

O índice de distúrbio respiratório é o nome para o número de episódios de apneia ou hipopneia por hora durante o sono, o que determina sua severidade. Para se ter o diagnóstico de apneia do sono, é preciso que esse índice seja superior ou igual a 5. Entretanto, grande parte dos pacientes com índice 20 não apresenta sintomas.

A severidade da apneia do sono pode ser classificada da seguinte maneira:

Número de pausas por hora

Severidade

Menos que 5

Normal

6-15

Leve

16-30

Moderada

Mais que 30

Severa

Sintomas da apneia do sono

Muitas vezes, o próprio indivíduo não sabe que sofre de apneia, pois o despertar do cérebro é muito sutil, sem recuperar a consciência total. Nesses casos, é o parceiro de cama que percebe a doença, pois a pessoa costuma roncar muito alto e fazer sons como se estivesse se engasgando ou sendo sufocado enquanto dorme, sintomas que são mais comuns na apneia obstrutiva.

Algumas vezes, quando estes sintomas não estão presentes (o que é mais recorrente na apneia central), o indivíduo só irá saber que tem algo de errado ao analisar alguns sintomas que são refletidos no cotidiano, como a sensação de não ter descansado durante a noite.

Alguns sintomas que podem ser sentidos pelo próprio paciente são:

PUBLICIDADE
  • Sono excessivo durante o dia (hipersonia);
  • Dor de cabeça ao despertar;
  • Acordar com a boca seca ou com a garganta dolorida;
  • Dificuldade para recordar algumas informações (perda da memória recente);
  • Dificuldade para se concentrar;
  • Irritabilidade;
  • Acordar abruptamente durante a noite com falta de ar (mais comum em casos de apneia central);
  • Insônia;
  • Perda de interesse sexual;
  • Acordar muitas vezes durante a noite para urinar (nictúria).

Em crianças e bebês

Muitas vezes, as crianças não sabem expressar muito bem o que sentem. Por isso, os pais devem ficar atentos aos seguintes sinais:

  • Pausa na respiração enquanto dorme, podendo apresentar roncos e barulhos de sufocamento;
  • Dormir em posições esquisitas, diferentes do normal;
  • Fazer xixi na cama com frequência, no caso de crianças que já aprenderam a controlar a bexiga durante a noite;
  • Transpirar demais durante a noite;
  • Acordar no meio da noite com sentimentos de medo, ritmo cardíaco acelerado, confusão, podendo apresentar gritos ou não — condição chamada de terror noturno;
  • Demonstrar sonolência durante o dia;
  • Desenvolver problemas de comportamento e notas mais baixas;
  • Voz anasalada (fanha).

Ao perceber esses sintomas, é importante levar a criança a um pediatra especializado em distúrbios do sono. Isso porque tal condição afeta a qualidade do sono, o que reflete na capacidade de aprendizagem, no humor, crescimento e desenvolvimento geral da criança.

Em bebês, os sinais são mais sutis, uma vez que diversos desses comportamentos são normais para a idade deles (fazer xixi na fralda, por exemplo) e outros são difíceis de perceber (como a voz anasalada). A mãe deve ficar atenta à respiração do bebê enquanto ele dorme, buscando sinais de parada respiratória, como barulhos de sufocamento.

É ronco ou apneia?

Nem todas as pessoas que roncam têm apneia, assim como nem todos que sofrem com apneia produzem o ronco. Para descobrir do que se trata, você pode:

Observar seus sintomas durante o dia

O ronco normal não costuma interferir tanto na qualidade do sono quanto a apneia, pois não costuma acordar o indivíduo. Se você não sofre com fadiga extrema e sonolência durante o dia, provavelmente não se trata de apneia.

Pedir que alguém observe seu ronco

Quando se tem apneia do sono, o ronco é extremamente alto e costuma vir acompanhado de pausas, além de sons como o de sufocamento ou de tentar recuperar o fôlego. Pedir para que alguém observe e anote as anormalidades no seu ronco pode te ajudar a ter uma noção se é apenas um ronco normal ou se é algo mais sério.

Uma alternativa é gravar a si mesmo enquanto dorme. Essa gravação pode ser levada para o médico, caso haja suspeita de apneia.

Quando visitar um médico?

Embora o ronco possa ser normal em algumas pessoas, é preciso visitar o médico quando houver suspeita de qualquer distúrbio do sono, especialmente quando o ronco é alto e sofre pausas — momento no qual o indivíduo provavelmente não está respirando.

Deve-se, também, ir ao médico ao perceber outros sintomas relacionados à falta de sono, como sonolência excessiva durante o dia, irritabilidade e dificuldade para se concentrar, o que pode ser causado por uma variedade de distúrbios do sono.

Alguns sintomas podem ser causados por outras condições, então é importantes que você deixe claro que você suspeita de problemas durante o sono, não tenha vergonha e fale de todos os sintomas — inclusive sobre o ronco, se for o caso.

Como é feito o diagnóstico da apneia do sono?

Para ter um diagnóstico da apneia do sono, o paciente deve visitar um médico do sono, que irá recomendar um estudo do sono ou polissonografia. Entretanto, nem sempre o paciente tem condições de fazer esse exame e, por isso, existem outros testes mais simples que auxiliam o diagnóstico. Entenda:

Polissonografia

Esse exame consiste em medir diversas variáveis durante o sono do paciente e, por isso, ele deverá passar a noite no hospital.

É realizada com eletrodos (sensores):

  • No tórax, para avaliar a atividade cardíaca;
  • Perto das pálpebras, para identificar o sono REM;
  • Na cabeça, a fim de medir as ondas cerebrais;
  • Nas pernas, para avaliar o tônus muscular (verificar se os músculos estão relaxados).

Outros dispositivos usados são:

  • Faixas em torno do tronco, a fim de avaliar a movimentação do peito e do abdome (esforço respiratório);
  • Uma cânula nasal, para monitorar a respiração;
  • Um oxímetro no dedo, para medir os níveis de oxigênio no sangue.

Tudo isso é registrado e analisado, a fim de constatar a presença da apneia do sono ou de qualquer outro distúrbio que possa estar causando os sintomas. Outros médicos que podem fazer a análise dos resultados são neurologista, cardiologista e pneumologista.

Mini estudo do sono

Uma maneira semelhante de realizar o diagnóstico é o mini estudo do sono, que pode ser feito em casa, por meio de um aparelho que mede a respiração, os níveis de oxigênio no sangue e o pulso do paciente.

Um especialista mostra ao paciente como aplicar os sensores e monitores, explicando como usar o dispositivo de gravação. No dia do estudo, o indivíduo deve seguir sua rotina normal, colocar o aparelho e ir dormir normalmente. Ao acordar, deve levar o dispositivo de volta para o laboratório, clínica ou hospital.

Ressonância magnética

Caso haja suspeita de apneia central, um exame de ressonância magnética pode ser pedido. Esse exame utiliza ondas de rádio para criar imagens detalhadas das estruturas internas e pode detectar anomalias na medula espinhal.

Essas anomalias podem ser as responsáveis pelas paradas respiratórias, uma vez que é da medula espinhal que vem o sinal para que as vias aéreas exerçam sua função.

Exame físico

Principalmente em crianças, um exame físico já pode ser o suficiente para diagnosticar a apneia do sono, por conta da possibilidade de tonsilas grandes. Já em adultos, o médico pode analisar o tamanho da úvula (a “campainha”, “sininho” ou “goela” do fundo da boca) e do palato mole (porção mais funda do céu da boca), que podem ser os responsáveis pela obstrução.

Histórico médico e familiar

Na consulta com o médico, é provável que o médico queira saber detalhes como o horário em que o paciente vai dormir, quando acorda, como se sente ao acordar, etc. Ele pode perguntar, também, se o paciente ronca e com que frequência. Dificilmente o paciente tem noção disso sozinho e precisa que outra pessoa (alguém da família, parceiro de cama, entre outros) o diga.

Se houver histórico familiar de apneia do sono na família, o médico dará mais importância para a possibilidade de apneia do sono, antes de tentar encontrar outro diagnóstico.

Apneia do sono tem cura? Qual o tratamento?

A possibilidade de cura da apneia do sono vai depender da sua causa, uma vez que, não raramente, ela é causada por alguma outra condição. No entanto, existem diversas alternativas de tratamento que podem ser de grande ajuda durante o tratamento da outra doença, dependendo da severidade da síndrome.

Tratamentos caseiros

Para tratar a apneia, o paciente pode fazer muito por si mesmo. Algumas medidas clínicas são:

  • Perder peso: Se o paciente sofre de apneia devido a obesidade, perder peso é uma das melhores opções de tratamento;
  • Exercícios regulares: Além de auxiliar na perda de peso, exercitar-se regularmente ajuda a fortalecer os músculos, incluindo a musculatura da garganta (que causa a apneia obstrutiva). Para isso, recomenda-se exercícios aeróbicos e até mesmo yoga;
  • Dormir de lado: Dormir com a barriga pra cima é a posição que mais facilita a obstrução das vias aéreas. Por isso, dormir de lado é uma boa alternativa, embora seja difícil manter a posição a noite inteira;
  • Parar de fumar: Pacientes que fumam devem parar, não apenas por conta da apneia, mas para garantir melhor qualidade de vida de maneira geral, uma vez que o cigarro é responsável pelo desenvolvimento de várias doenças crônicas;
  • Manter o nariz descongestionado: Fale com seu médico sobre o uso de descongestionantes nasais e outras opções para manter as passagens aéreas abertas, pois alguns medicamentos podem ser prejudiciais a longo prazo;
  • Elevar a cabeceira da cama: Deixar a cabeceira da cama entre 10 e 15cm mais alta faz com que a gravidade puxe os músculos relaxados da garganta para baixo em um ângulo que não obstrui a passagem do ar;
  • Cantar ou tocar instrumentos de sopro: Essas duas condições ajudam a fortalecer os músculos da garganta e o palato mole, evitando o relaxamento excessivo durante o sono.

Medidas clínicas

Alguns meios de tratar a apneia não estão relacionadas ao fenômeno em si, mas sim a condições que também precisam de atenção médica. Entenda:

  • Suspender o uso de medicamentos: Sob orientação médica, suspender o uso dos medicamentos que podem provocar a apneia, como calmantes, remédios para dormir, opióides, entre outros;
  • Fonoterapia: Na fonoterapia, pode-se fazer exercícios para fortalecer os músculos da garganta, o que impede que o relaxamento excessivo ocorra;
  • Tratar problemas otorrinolaringológicos: Problemas como o desvio do septo nasal, hipertrofia das conchas nasais, alergias, pólipos, tumores, hipertrofia adenoamigdaliana, entre outros, devem ser tratados, pois podem ser os causadores da pausa respiratória durante o sono.

Aparelho intraoral

Os aparelhos intraorais posicionam a mandíbula mais para frente, evitando obstruções, o que possibilita a passagem do ar pela garganta. São usados, principalmente, em casos de apneia leve e roncos, porém apresentam limitações.

Não é recomendado para pessoas que têm poucos dentes, usam próteses dentárias grandes, sofrem com problemas periodontais severos ou que têm grande dificuldade para manter o aparelho dentro da boca.

Pessoas com distúrbio da ATM (articulação temporomandibular, que articula a mandíbula com o resto do crânio) não devem fazer o uso dos aparelhos intraorais, pois podem piorar a condição.

Em pessoas muito obesas, com apneia grave ou com qualquer grau de apneia central, o uso de aparelhos intraorais não é eficaz.

Aparelho de Pressão Contínua nas Vias Aéreas (CPAP)

O CPAP (do inglês Continuous Positive Airway Pressure) é uma das alternativas mais eficazes nos casos de apneia obstrutiva grave. Consiste em um aparelho compressor de ar de alta tecnologia, que se conecta a uma máscara que encobre o nariz e a boca do paciente, e libera um fluxo de ar contínuo nas vias aéreas do paciente.

É capaz de prevenir a obstrução das vias aéreas durante o sono, além de preservar a entrada de ar em pacientes que não estão fazendo o esforço respiratório (apneia central). Sendo assim, os CPAPs são indicados para todos os tipos de apneia do sono.

O aparelho deve ser usado com indicação médica. É preciso que o paciente seja avaliado para descobrir qual a pressão ideal, a fim de ajustar o equipamento de maneira adequada, evitando seu uso incorreto.

Apesar de parecer desconfortável, a maioria dos pacientes se adapta bem ao aparelho.

Outra alternativa são os BiPAPs, que se assemelham ao CPAP, porém possuem dois níveis de pressão: uma de inalação e outra de exalação, para que haja mais conforto na hora de expirar o ar.

Cirurgias

Em alguns pacientes cuja apneia foi atribuída à diferenças anatômicas, as cirurgias podem ser indicadas. Tais procedimentos focam na correção dos distúrbios que podem trazer dificuldades respiratórias.

Algumas dessas cirurgias são:

  • Septoplastia: Corrige o alinhamento do septo em casos de desvio;
  • Uvulopalatofaringoplastia: Consiste na remoção das amígdalas e do palato mole (parte onde fica o “sininho” da garganta, também conhecido como “goela”), abrindo mais espaço para que o ar possa passar;
  • Avanço maxilomandibular: Esse procedimento consiste em mover os ossos maxila (cima) e mandíbula (baixo) para frente, liberando maior espaço na região do palato (fundo da boca).

Medicamentos para apneia do sono

Não existem medicamentos específicos para a apneia do sono e o tratamento é majoritariamente mecânico, ou seja, sem o uso de qualquer tipo de química.

No entanto, em alguns casos de apneia central, o médico pode receitar acetazolamida para estimular o sistema respiratório.

Complicações

Devido à má qualidade do sono, as complicações da apneia noturna vão além do cansaço. A longo prazo, noites mal dormidas aumentam os riscos de desenvolver diversas doenças. Saiba mais:

Distúrbios cardiovasculares

Devido à baixa nos níveis de oxigênio no sangue durante a noite, é comum que o corpo tente compensar de alguma forma. Assim, muitos pacientes com apneia do sono desenvolvem pressão alta.

Além disso, quando não tratada, a apneia aumenta as chances de ataques cardíacos recorrentes, arritmia cardíaca, fibrilação atrial, bradicardia sinusal, bloqueio atrioventricular, extrassístoles ventriculares isoladas e bigeminadas, além de infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral (AVC).

Diabetes tipo 2

Comparada a pessoas sem distúrbios do sono, indivíduos que sofrem de apneia têm maiores chances de desenvolver resistência à insulina, característica da Diabetes tipo 2.

Síndrome metabólica

Essa síndrome é, na verdade, uma junção de diversos fatores de risco ligados à problemas no coração. Esses fatores são, principalmente, hipertensão arterial, colesterol anormal, hiperglicemia e uma circunferência maior da cintura, geralmente causada pela obesidade.

Problemas no fígado

Pessoas com apneia do sono tendem a ter mais anormalidades nos exames de funcionamento do fígado, além de maior propensão a ter cirrose, mesmo sem o consumo exagerado de álcool.

Acidentes de trânsito e trabalho

Com a sonolência causada pelas noites mal dormidas, aumentam as chances de acidentes de trânsito e no trabalho. Estudos comprovam que as chances de acidentes de trânsito em pacientes com SAHOS são 2 a 3 vezes maiores em relação à população mundial.

Distúrbios cognitivos

Por conta das noites mal dormidas e de pouco tempo nos estágios 4 e sono REM, é comum que pacientes com apneia de sono apresentem distúrbios cognitivos. Perda da memória recente, dificuldade de aprendizagem e déficit de atenção são manifestações comuns.

Apneia do sono pode matar?

Infelizmente sim, a apneia do sono pode matar. Isso por conta dos frequentes episódios de hipoxemia (falta de oxigênio no sangue), que leva pouco oxigênio para as células do corpo. Esses episódios fazem com que o coração tente contornar a situação, resultando em morte súbita por batimentos cardíacos irregulares.

Outros problemas durante sono

Alguns pacientes com apneia do sono são importunados durante a noite, também, por situações aterrorizantes, como pesadelos, paralisia noturna e alucinações. Entenda:

Pesadelos

São sonhos que evocam sentimentos ruins como medo, desespero, ansiedade e tristeza. Pacientes que sofrem de apneia podem ter pesadelos nos quais estão se afogando, sendo sufocados, entre outros relacionados à dificuldade de respirar.

Paralisia noturna

Ocorre quando o cérebro passa do sono REM para o estado desperto muito rapidamente, fazendo com que o indivíduo esteja consciente, mas não consiga se mover por conta dos músculos relaxados, característicos dos estágios profundos do sono, que demoram um pouco para retornar à atividade normal.

Durante o episódio, a pessoa pode sentir pressão na região do peito, além de falta de ar. A paralisia pode ocorrer sem apneia, mas os despertares frequentes causados pelo distúrbio podem aumentar as chances de um episódio.

Alucinações

Podem se apresentar em decorrência da paralisia noturna. Devido à uma exacerbação eletroquímica do cérebro, é comum que pessoas com paralisia noturna vejam, ouçam ou sintam coisas durante o episódio. É comum que os pacientes descrevem alguma presença, da qual costumam ter medo, que pode ser sentida, vista e, às vezes, ouvida.

Terror noturno

Se difere da paralisia noturna por ocorrer durante o estágio 4 do sono, ou seja, a pessoa não acorda de fato, e, ao acordar, muitas vezes não se lembra do que viu ou sentiu.

A pessoa “acorda” repentinamente, gritando ou gemendo, com batimentos cardíacos acelerados, e pode apresentar inquietação, mas faz tudo isso enquanto o cérebro ainda está adormecido no estágio 4.

Convivendo com a apneia do sono

Após o início do tratamento, conviver com a apneia do sono é mais fácil, uma vez que a qualidade do sono melhora e o paciente tem maior energia para o dia a dia. No entanto, adaptar-se ao aparelho de pressão contínua ou intraoral pode ser um pouco difícil no começo.

Nesses casos, a dica é avaliar as opções disponíveis e escolher aquela que melhor se adequa às suas necessidades. Procure um aparelho silencioso, de preferência com a tecnologia de ajustar o fluxo para uma expiração mais natural, e uma máscara confortável. No caso de aparelhos intraorais, o ideal é conversar com o cirurgião-dentista e debater as opções disponíveis.

É de extrema importância que o paciente tente manter o peso (ou perder, se for o caso de obesidade), tendo uma alimentação adequada e praticando exercícios físicos. Fumantes e pessoas que costumam consumir bebidas alcoólicas devem evitar essas duas atividades, que pioram ou impedem a melhora do quadro de apneia.

Pacientes operados devem seguir as recomendações médicas em relação à repouso e dieta.

Manter as visitas ao médico (check-ups) em dia é uma das melhores maneiras de prevenir as complicações da apneia do sono. Falar com um médico sobre episódios que atrapalham o sono, como terrores noturnos e pesadelos, pode ajudar a encontrar uma solução para eles — embora o esperado é que eles não ocorram durante o tratamento da apneia.

Como prevenir a apneia do sono?

Não existe uma maneira específica para prevenir a apneia do sono além do que já foi citado aqui: alimentação adequada, manter um peso normal, evitar fumar e consumir álcool em excesso, entre outros.

No entanto, dormir em decúbito lateral (de lado) diminui bastante as chances de ter uma apneia por obstrução, uma vez que o peso do tecido da garganta cai para o lado e não pressiona as vias aéreas. Embora não seja a solução ideal para todo mundo, é uma maneira de tentar evitar um episódio durante a noite.


A maior parte das pessoas com apneia do sono não sabe que sofre do distúrbio. O ronco meio engasgado pode ser um sinal que o(a) parceiro(a) pode notar facilmente. Se você recebe muitas reclamações sobre seu ronco, visite um médico: nem sempre é algo inofensivo!

Compartilhe este texto com seus amigos para que eles também possam avisar as pessoas que eles conhecem sobre os perigos daquele ronco chato!

Referências

http://www.disturbiosdosono.net/apneia-do-sono.shtml
http://www.resmed.com/pt-br/consumer/diagnosis-and-treatment/sleep-apnea.html
http://www.polisono.com.br/disturbios-sono/apneia-sono-sahos.asp
https://drauziovarella.com.br/obesidade/apneia-do-sono/
http://www.webmd.com/sleep-disorders/guide/central-sleep-apnea#1
http://www.nhs.uk/conditions/Sleep-apnoea/Pages/Introduction.aspx
http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/sleep-apnea/basics/definition/con-20020286
https://www.helpguide.org/articles/sleep/sleep-apnea.htm#children
https://www.healthysleep.net.au/sleep-apnea/
https://www.britishsnoring.co.uk/snoring_&_sleep_apnoea/what_is_sleep_apnoea.php
http://www.healthline.com/health/sleep/central-sleep-apnea#overview1
http://www.cpapmed.com.br/c/o-que-e-cpap
http://www.end-your-sleep-deprivation.com/is-sleep-paralysis-linked-to-sleep-apnoea.html
https://www.whywesnore.com/nightmares-waking-sleep-apnea/
http://www.nightterrors.org/
http://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/quest%C3%B5es-sobre-a-sa%C3%BAde-na-inf%C3%A2ncia/problemas-em-rec%C3%A9m-nascidos/apneia-da-prematuridade

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (7 votos, média: 4,29 de 5)
Loading...

6 Comentários

Atenção: os comentários abaixo são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

  1. Li tudo, achei uma matéria excelente…..quantas pessoas sofrem desses males e não sabem…..eu já passei por isso, inúmeras vezes…..diversos sintomas….é terrível!

Deixe o seu comentário, nos preocupamos com sua opinião:

Por gentileza, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui

Lamentamos a não possibilidade de dar-lhe conselho médico ou responder a questões médicas e farmacêuticas individuais através de e-mail, pois apenas um médico pode prestar tal atendimento. Embora tentemos responder a todos os comentários, opiniões e e-mails que recebemos em até dois dias úteis, nem sempre é possível devido ao grande volume que recebemos. Por favor, tenha em mente que qualquer solicitação ao Minuto Saudável está sujeita aos nossos Termos de Uso e Política de Privacidade, ao enviar, você indica sua aceitação.