O que é um relacionamento abusivo? Sinais, relato e como sair

0

Relacionamentos são complicados, sejam eles amorosos, entre pais e filhos, entre amigos, com colegas de trabalho, professores ou entre quaisquer pessoas sem um vínculo emocional.

Somos complexos, diferentes, divergimos opiniões e crenças. Na maioria das vezes, como civilizados que somos, essas relações se tornam mais fáceis, ou ao menos parecem ser.

Os abusos podem estar presentes em todas as relações, mas ao nos aproximarmos de uma data como a do dia dos namorados, um enfoque nas violências presentes em uma relação amorosa se faz necessário.

O dia 12 de junho é sim uma data muito importante e que tem uma mensagem de valor por trás. Afinal, homenagear quem amamos e escolhemos para estar ao nosso lado é algo especial.

Mais especial do que isso é colocar o amor próprio em primeiro lugar e estar ciente do que é um relacionamento sadio.

Por isso, iremos nos aprofundar em um tema nada romântico: relacionamentos abusivos.

Neste artigo, vamos discutir um pouco mais sobre o tema e analisar as atitudes, comportamentos e sentimentos que envolvem um relacionamento não saudável. Boa leitura!

Índice – neste artigo você encontrará as seguintes informações:

  1. O que é um relacionamento abusivo?
  2. Sinais de um relacionamento abusivo
  3. Relato: como é viver em um relacionamento abusivo?
  4. Diferenças entre o relacionamento saudável e o abusivo
  5. Como sair de um relacionamento abusivo?
  6. Como ajudar alguém que está nessa situação?

O que é um relacionamento abusivo?

Em teoria, um relacionamento amoroso deveria ser algo saudável, prazeroso, repleto de sentimentos bons e companheirismo.

Felizmente, muitas pessoas conseguem manter um amor assim. Infelizmente, outras estão aprisionadas em um relacionamento abusivo. E o pior, muitas vezes não percebem.

Quando se fala em relacionamento abusivo é comum que as pessoas imaginem a relação amorosa entre um casal, principalmente a relação em que o homem é abusador e a mulher é a vítima.

Esse exemplo é muito comum, mas o abuso também acontece com a inversão desses papéis. A mulher também pode ser abusiva.

Por isso, vale lembrar que as relações abusivas podem acontecer em qualquer tipo de relacionamento, seja ele amoroso, entre amigos, profissional ou familiar.

Reconhecer que isso acontece em diferentes ambientes é um passo importante para conseguir identificá-los e mudá-los. Nem sempre essas mudanças são fáceis.

É preciso se afastar. Estar em um relacionamento abusivo não é saudável mental e fisicamente. As pessoas que estão em uma relação assim podem mesmo adoecer.

Nessas situações é comum que a vítima se sinta mal consigo mesma, que sofra com a autoestima baixa, insegurança, ansiedade ou depressão.

O abusador é aquele quem manipula, controla, provoca situações humilhantes para a vítima, a usa e a faz se sentir mal sempre.

As agressões presentes neste tipo de relação podem ser diferentes de uma para outra e isso pode tornar ainda mais difícil para as vítimas reconhecerem os sinais.

Para o parceiro abusivo estar sempre no controle do relacionamento ele pode apresentar os seguintes comportamentos:

  • Abuso emocional;
  • Agressões verbais;
  • Perseguição (stalker);
  • Abuso econômico, em que controla o dinheiro da vítima ou a impede de trabalhar e estudar;
  • Abusos físicos (violência física)  e comportamentos agressivos como chutar portas, esmurrar objetos etc.;
  • Ameaças;
  • Agressão sexual ou violência sexual.

Sinais de um relacionamento abusivo

Muitas vezes atitudes abusivas são confundidas ou consideradas como apenas uma demonstração de amor e cuidado.

A pessoa que está sofrendo abuso, por estar em uma situação vulnerável e fragilizada, às vezes não é capaz de discernir os sinais de que está em um relacionamento abusivo.

Separamos alguns indicativos que podem ajudar nesse processo de “descoberta” e que servem de alerta para situações abusivas no dia a dia.

Ao se identificar com alguns dos tópicos, aconselhamos que separe um momento para refletir sobre o porquê disso estar acontecendo, para conversar com alguém que você confie e buscar ajuda.

Verifique se o(a) seu(ua) companheiro(a):

Faz você se sentir ridicularizado(a)

Dentro do seu relacionamento, é comum que se sinta ridicularizado. Talvez tenha passado por situações em que seu parceiro riu de você ou fez você ser alvo de piadas que te fizeram ficar desconfortável.

Demonstra insegurança e ciúmes excessivo

Uma das principais características atribuídas ao perfil de uma pessoa abusadora é a insegurança e o ciúme extremo.

Esses dois traços da personalidade de alguém abusivo são fatores que contribuem para que os outros sinais aconteçam, tais como o ato de controlar todas as ações do outro, intimidação, chantagem e jogos emocionais para que a vítima se sinta culpada.

Faz você pensar que está louco(a)

De alguma forma, seu parceiro faz com que você pense que todos os problemas da relação são loucura da sua cabeça ou quando você questiona alguma atitude aponta para você e diz que está louco(a).

Fala que ninguém nunca vai te amar

Seu parceiro já disse frases como “se você me deixar, nunca vai encontrar alguém melhor”, “ninguém nunca vai te amar” ou “ninguém nunca vai te querer”? Não é preciso parar muito pra pensar para perceber o quanto essas frases são abusivas.

Um relacionamento saudável não é construído com ameaças como estas.

Faz você se afastar das pessoas

Pense se alguma vez o seu parceiro já te fez se afastar de alguém, se você se afastou dos seus amigos e familiares por ele ou se ele coloca restrições na quantidade de vezes que você quer sair com seus amigos.

Muitas vezes, a pessoa abusiva provoca esse isolamento da vítima. Assim, se sentindo sozinha e tendo somente seu parceiro ao seu lado, ela pode se sentir ainda mais fragilizada e dependente desse relacionamento nocivo.

Faz você se sentir inferior e não fica feliz por suas conquistas

Como seu parceiro reage às suas conquistas e as coisas boas que acontecem na sua vida? Em um relacionamento saudável, é normal que o parceiro fique feliz e comemore junto a você suas vitórias.

É importante reparar na reação do seu companheiro nesses momentos, se ele fica feliz por você ou se diminui suas conquistas, se faz você sentir que o que aconteceu não é nada demais e que nem merece comemoração.

Se você passa a achar que não é bom o suficiente e começa a questionar sua capacidade por comentários de seu companheiro, é importante repensar o relacionamento.

Nem sempre essas ações acontecem durante uma briga. Às vezes estão presentes em sinais sutis, comentários despretensiosos, mas que de alguma forma te afetam.

Isto não significa que seu parceiro irá te olhar e dizer “nossa, como é você burra(o)”, mas se você tem medo de falar algo porque sente que será desvalorizado ou diminuído, de que tudo que diz não é bom o bastante, fique atento a este sinal.

Faz você se sentir incapaz

É comum que o abusador dentro da relação tenha atitudes que façam a vítima se sentir incapaz. Ele pode usar discursos que façam o parceiro se sentir inferior e isso o levar a enxergar o abusador sempre como a figura superior.

Frases como “você não é bom nisso”, “desista, não é para você”, “você não fez nada certo” e outras do mesmo gênero podem estar presentes dentro deste sinal de relação abusiva.

Dessa forma, a vítima se afunda em sentimentos negativos, se sentindo incapaz, burra e insuficiente.

Controla todas a suas ações

Ao lado do seu parceiro você se sente sempre controlado, como se tivesse todos os seus passos, pensamentos e atitudes analisados?

Repare no quanto o seu parceiro se mostra controlador em relação às suas ações, as pessoas com quem você anda e com quem você conversa.

Além disso, no fundo, você sabe que esse controle não é uma preocupação saudável, mas sim uma forma de te manipular? Esses sinais são cruciais para compreender se sua relação é tóxica.

Fique atento com comentários como permissões de lugares onde pode ir, com quem pode falar, como deve se comportar e outras limitações impostas pelo companheiro.

Diz o que você deve vestir

Você já trocou de roupa antes de sair de casa porque sabia que a escolha iria desagradar seu parceiro? Já ouviu comentários referentes ao tamanho de uma saia, ou ouviu que o vestido era muito justo ou decotado?

Para algumas pessoas, esse tipo de comentário é interpretado como um sinal de ciúmes, podendo até mesmo ser considerado normal, mas não é. Esse é um sinal específico que está implícito em uma personalidade controladora do abusador.

É ameaçador(a)

Um sinal muito importante para conseguir entender se o seu relacionamento é abusivo implica na presença de um sentimento muito ruim: o medo.

Se alguma vez, alguma ação ou comentário do seu companheiro te fez sentir medo dele, é um grande alerta de que o relacionamento não está indo nada bem, mesmo.

Para psicólogos que acompanham casos de relacionamento abusivo, a intimidação e ameaça são consideradas recursos comuns entre os abusadores.

Algumas frases com tom ameaçador, tais como “se você não fizer isso…” ou “se você fizer tal coisa…”, “é melhor para você fazer o que estou dizendo…”, podem estar presentes no relacionamento tóxico.

São sempre condições que a vítima deve atender e que são sempre acompanhadas por uma espécie de “castigo”.  Se o seu parceiro ameaça te deixar e usa dos seus sentimentos por ele para conseguir o que quer, o seu relacionamento é abusivo.

Demonstra reações exageradas

É importante notar se o parceiro demonstra reações exageradas e explosivas diante de algumas situações que podem facilmente ser levadas de outra forma.

Se a vítima faz algo considerado simples e o abusador aproveita daquela situação para arquitetar uma briga e reage de forma ignorante ou violenta, é um sinal de que é melhor se afastar.

É preciso que os sentimentos que você tem pelo seu parceiro não te façam incapaz de perceber quando acontece uma reação desproporcional ao que aconteceu. Errar é normal do ser humano, mas é preciso lidar com esses erros de forma racional.

Não respeita quando você diz “não”

O não, uma palavra, três letrinhas e um significado. Parece simples, mas parece que é sempre necessário reforçar o que isso significa, até mesmo dentro de um relacionamento.

Preste atenção no quanto o seu parceiro respeita quando você se nega a algo. É comum em relacionamentos abusivos até mesmo que o abusador force a vítima a relação sexual.

Não é difícil de encontrar relato de pessoas que disseram ter feito sexo com seu parceiro por se sentirem manipuladas, ameaçadas ou chantageadas. Isso é abusivo e até mesmo um crime, pois o sexo sem consentimento é considerado estupro, mesmo acontecendo dentro de um relacionamento.

É agressivo(a)

Esse é um sinal de alerta grave. Uma relação onde acontecem agressões é extremamente abusiva.

E nesse caso não se trata apenas da agressão física, mas sim da moral e psicológica também. Todos os sinais listados anteriormente são uma forma de agressão.

Se você está em um relacionamento em que as violências se tornaram mais graves, saiba que é possível buscar ajuda em ONG’s que possam te acolher e existem leis de proteção a esses casos, como a lei Maria da Penha. Denuncie.

Não se sinta sozinha nesse momento, busque conversar com alguém em quem confia ou ligue para o 180, a Central de Atendimento à Mulher.

Relato: como é viver em um relacionamento abusivo?

Mesmo que para as pessoas que estão vendo de fora os sinais de abusos sejam óbvios, nem sempre é fácil para a vítima reconhecer esses problemas. Além disso, nem todo relacionamento abusivo começa ruim.

No começo, as coisas podem parecer que estão indo bem, como foi para Thalia Chiquetano, 20 anos, que esteve em um relacionamento abusivo por 1 ano.

“Nos primeiros meses, tudo era perfeito: ele sempre queria me ver, sempre me comprava coisas mesmo que eu tentasse recusar, era carinhoso, atencioso e tudo o que você sonha em um relacionamento. Ficamos noivos. Eu tinha certeza que queria me casar com ele, pois nunca existiria alguém tão perfeito pra mim como ele era. Até que ele começou a se mostrar outra pessoa”, conta.

Aos poucos, seu parceiro abusivo foi se transformando e tendo atitudes que minavam sua autoestima e confiança.

“Ele me fazia ciúmes o tempo todo, mesmo sabendo o quão insegura sou e o quanto aquilo me fazia mal, ignorando todas as vezes que eu pedia para ele parar. Me ofendia, me chamando de burra. Diversas vezes, quando eu o confrontava sobre algo que ele tinha feito que me incomodava, ele conseguia virar o jogo e me fazer pedir desculpas por algo que ele havia feito.

Nos nossos últimos três meses, o namoro estava um inferno. Ele arranjava desculpas para não me ver, saía toda semana e só voltava de madrugada, não me beijava e muito menos me tocava.

Eu comecei a pensar o que eu pudesse ter feito, pedia desculpas constantemente por qualquer coisa que eu pudesse estar fazendo. Me sentia errada em sentir ciúmes do aplicativo de encontro instalado em seu celular, em não gostar que meninas mandassem fotos íntimas e que ele sequer fizesse esforço para cortar essas atitudes, ou até mesmo de ficar magoada por ele mostrar essas conversas em tom de deboche para mim.

Eu estava triste o tempo todo, e chorava constantemente. Eu não tinha forças nem para fazer algo simples, como tirar o meu pijama e colocar uma roupa normal“.

Não há nada romântico e nem saudável em relações como esta.  Para a vítima, o fim do relacionamento abusivo aconteceu após muitas lágrimas derramadas. Mesmo após meses do fim da relação, as cicatrizes permaneceram. Levou algum tempo para serem superadas.

“Se eu pudesse conversar com cada pessoa que passa por essa situação, eu gostaria de dizer apenas uma coisa: se você se identificou com apenas 1% do que eu passei, ou se você leu esse depoimento e essa postagem e teve qualquer dúvida sobre seu relacionamento, sinto muito lhe informar, mas é muito provável que você esteja vivendo um relacionamento abusivo.

Abuso não é apenas uma força física, ele também pode destruir seu psicológico. Não importa o que você sinta pela pessoa, não tenha medo de terminar algo que não lhe faz bem. A pessoa certa está por aí, te esperando; tenha certeza que você não tem culpa de nada, e que você não merece todo o mal que está passando. Nenhum relacionamento deve te destruir de dentro pra fora.

Hoje estou namorando novamente, e pela primeira vez depois de tanto tempo, eu finalmente sinto que estou feliz. Existe respeito, carinho e amor, mas às vezes existem conflitos — afinal, um namoro de verdade tem seus prós e contras. E o meu erro foi acreditar que o que eu tinha com meu ex era literalmente perfeito”.

Diferenças entre o relacionamento saudável e o abusivo

Colocamos lado a lado algumas características de um relacionamento saudável e algumas atitudes abusivas, para possibilitar uma comparação entre esses extremos.

Relacionamento saudávelRelacionamento abusivo
Conversam abertamente sobre seus sentimentos e pensamentosQuando existe um diálogo, é para tentar fazer com que o outro se sinta culpado pelo que está sentindo
Há confiança e por isso nenhum dos dois controla onde o outro está e com quem estáDiz com quem você deve ou não conversar ou sair. Não há confiança e por isso impõe que o parceiro fique provando onde está e o que está fazendo
Há respeito aos momentos em que o parceiro quer estar sozinho, com os amigos ou famíliaProíbe o parceiro de sair sozinho ou com os amigos
Não te xinga e muito menos te agrideTe ofende constantemente e tenta te controlar usando força física
Os conflitos são resolvidos de forma respeitosa, sem agressões, xingamentos ou competitividadeÉ explosivo e ciumento. “Desconta a raiva” chutando portas, cadeiras ou esmurrando objetos, o que faz você sentir medo
Existe respeito a privacidade do outroControla todas as suas redes sociais para ver com quem conversa. Proíbe amizades e está sempre tentando invadir sua privacidade
Não há tentativas de mudar ou controlar o parceiroEstá sempre dizendo o quanto você não é bom, dispara ofensas e diz que ninguém irá te amar
Não existem ameaças ou medo, pois o seu parceiro é sempre carinhoso e compreensivoÉ sempre explosivo, o que faz você sentir medo de suas reações, o que implica agressões verbais, emocionais e físicas
Não há imposições no que o outro deve ou não vestirProíbe de usar determinadas roupas que não o agradem
Há respeito quando o outro diz “não”, principalmente quando o outro não está afim de transarNão respeita quando o parceiro diz “não”. Força o parceiro a ter relação sexual ou a fazer coisas que não se sente confortável
Os dois comemoram as conquistas um do outro juntosDemonstra inveja do parceiro e tenta diminuir suas conquistas
Ninguém tenta humilhar, ridicularizar ou diminuir de alguma forma o parceiroHumilha, ridiculariza e está sempre querendo se mostrar superior ao parceiro
Os dois tomam decisões importantes juntosNão existe diálogo, até mesmo em momentos de decisões que afetam os dois
Demonstrações de admiração e elogios são sempre presentesSempre está criticando o parceiro. Aponta sempre para os defeitos querendo diminuí-lo, faz brincadeiras sobre a aparência do outro
Um está sempre encorajando o outro e não há críticas que não sejam construtivasNão existe apoio, apenas críticas frequentes
Incentiva o parceiro a estudar e trabalhar e não interfere no que ele faz com o próprio dinheiro Controla financeiramente o parceiro, às vezes, impedindo-o de trabalhar e estudar
Não tenta atingir, de forma alguma, a autoestima e confiança do parceiroFaz você pensar que é louco (a) e diz coisas que minam sua autoestima

Como sair de um relacionamento abusivo?

Não é fácil compreender e aceitar que, de alguma forma, se está preso em um relacionamento abusivo. Para quem conseguiu passar por essa etapa, a próxima também não é nada simples.

Muitas pessoas que olham de fora podem questionar, por senso comum, por que as vítimas simplesmente não vão embora. A resposta a essa pergunta envolve uma série de fatores.

Muitas vezes, o amor que a vítima sente pelo abusador a inibe a tomar alguma decisão, deixando-a paralisada diante dessa situação. Há também pessoas que sentem medo da reação do parceiro abusivo, o que torna tudo mais delicado.

Nem sempre a vítima sabe que está em um relacionamento abusivo, pois está envolvida demais nesse relacionamento violento e nocivo que acaba naturalizando as ações do parceiro.

Além disso, alguns sinais de abuso são sutis, o que torna ainda mais complicado de se perceber a agressão psicológica que a vítima sofre.

No entanto, mesmo com todas as dificuldades desse momento, alguns passos podem ser seguidos:

Compreenda e busque mudanças

O primeiro passo para sair de um relacionamento abusivo é perceber que se está em uma relação assim. Em segundo lugar, é preciso querer mudar essa situação, pois apenas se dar conta dos abusos e continuar nessa relação não é o suficiente para trazer sua felicidade e um relacionamento saudável.

Converse com seu parceiro(a)

Converse abertamente com seu parceiro, sem acusações e discussões exaltadas, para esclarecer e entender por que a relação chegou a esse ponto. Se a pessoa em posição de abusador estiver disposta a mudar para continuar nesse relacionamento, os dois vão precisar trabalhar juntos para que a relação dê certo.

Isso não é fácil. Essa transformação só é possível quando a pessoa que está em posição de abusador quer realmente mudar, pois é um processo de dentro para fora. A vítima não é capaz de mudá-lo, somente ele pode promover isso.

No entanto, se o seu parceiro não consegue enxergar suas atitudes como abusivas, ou percebe e não quer mudar, a vítima precisa entender que não há o que se fazer, a não ser ir embora.

Entenda que o problema não é você

Dentro do relacionamento abusivo, é comum que o abusador manipule os sentimentos da vítima para que ela se sinta culpada.

É muito importante entender que os abusos não acontecem por culpa da vítima, mas que algo precisa ser mudado nas atitudes da pessoa que está na posição de abusador.

Converse com pessoas em quem você confia

Peça ajuda e busque a companhia de pessoas que lhe fazem bem. Superar um relacionamento abusivo não é fácil, por isso se una as pessoas que você confia para conversar sobre o que estava acontecendo e para se fortalecer nesse momento.

Terapia

O acompanhamento de um psicólogo pode ser bastante positivo nesse processo onde a vítima está se desfazendo do relacionamento abusivo. Em um momento vulnerável como este, apenas o apoio de pessoas amigas pode não ser o suficiente para que ela consiga passar por essa fase.

Além disso, os abusos sofridos pela vítima podem levá-la ao um quadro depressivo ou de ansiedade, que precisam ser acompanhados por um profissional que saiba dar os cuidados específicos para a saúde mental do paciente.

Converse com pessoas que passaram pelo mesmo

Conhecer e ouvir alguém que passou pelo mesmo problema e conseguiu superar um relacionamento abusivo pode ser um dos passos mais importantes para conseguir deixar para trás essa relação.

Reconhecer em outra pessoa os mesmos sofrimentos que está sentindo e ver que mesmo com o término tudo ficará bem pode ser um dos impulsos para que a vítima consiga agir e sair do relacionamento abusivo.

Infelizmente não é difícil encontrar pessoas que já passaram por isso, pois é muito mais comum do que se pensa. Portanto, busque essas pessoas, ouça o que elas têm a dizer e peça ajuda para encontrar a melhor solução para o seu caso.

Se empodere

Não deixe que as chantagens emocionais do seu parceiro abusivo te façam desistir de sua felicidade e amor próprio. Não acredite que sem ele ficará sozinho para sempre e que outras pessoas podem sim te valorizar e te amar de uma maneira saudável.

Busque realizar as atividades que te fazem bem e que você pode ter deixado de lado por causa do relacionamento. Saia com seus amigos e familiares para se divertir e acredite que o sofrimento do rompimento vai passar, por mais difícil que esteja agora.

Enquanto isso, busque fortalecer sua autoestima e não deixe que essa experiência ruim te afete ainda mais.

Como ajudar alguém que está nessa situação?

Uma questão muito presente quando o assunto são relações abusivas é de quando e até que ponto quem está olhando de fora pode se intrometer para tentar ajudar.

Sempre ouvimos coisas como “em briga de marido e mulher, não se mete a colher”, mas quando falamos isso simplificamos uma situação que pode ser bem mais grave do que se pensa, com agressões físicas e psicológicas que podem levar a vítima a ter sequelas graves.

Portanto, se você conhece alguém que está numa situação abusiva, não espere que ela perceba por conta própria. Nem sempre isso acontece. O abusador pode envolvê-la de tal maneira que ela normaliza todas as agressões e ainda se culpa por isso.

Algumas coisas podem sim ser feitas por quem está acompanhando de fora a relação:

Ofereça ajuda

Empatia é fundamental para quem está próximo dessas pessoas, portanto, ofereça sua ajuda. Isso significa estar presente na vida da pessoa mesmo que ela não aceite quando você diz que ela está em um relacionamento abusivo. Cada pessoa leva um tempo para compreender.

Se mostre disponível para sair com ela, diga que ela pode contar com sua ajuda, sendo esta ajuda um ombro amigo para chorar ou até mesmo para oferecer abrigo, pois muitas pessoas são dependentes do abusador financeiramente e as coisas podem ficar mais complicadas.

Seja paciente e não julgue

Entenda que as pessoas levam um tempo diferente para entender quando estão em um relacionamento abusivo e é muito mais fácil para quem está de fora do relacionamento perceber, pois a vítima está envolvida emocionalmente com seu parceiro.

Não diga coisas como “está com ele porque quer”, “se quisesse mesmo, já tinha terminado”. Não julgue a posição da vítima em relação ao abusador. Seja apenas presente e amigo e ofereça ajuda para o que ela precisar.

Coloque essa pessoa em contato com outras que passaram pelo mesmo

Apresente ou mostre casos de pessoas que passaram pelo mesmo problema ao seu amigo que está em um relacionamento abusivo. Ouvir de outras pessoas que viveram o mesmo pode ajudar.

Não a culpe

Por fim, nunca culpe a vítima. Não diga que ela está nesse relacionamento porque quer ou porque ela merece. Por mais próximo da pessoa que você seja, você não tem total conhecimento sobre o que acontece entre ela e o abusador. Nesse momento, a vítima precisa de ajuda, acolhimento e empatia.


A intenção desse artigo é que mais pessoas possam refletir sobre esses abusos, muitas vezes normalizados pela sociedade, encarados como gestos de ciúmes e preocupação. Também para reforçar que a culpa não é da vítima e que é possível ajudar essas pessoas.

Se você acredita que está em um relacionamento abusivo, peça ajuda! Não desista de ser feliz e buscar um relacionamento saudável. O amor deve ser compartilhado e não aprisionado em atitudes nocivas como as listadas nesse artigo.

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (21 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Deixe suas opiniões e comentários, nos preocupamos com ela:

Por favor, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui

Lamentamos a não possibilidade de dar-lhe conselho médico ou responder a questões médicas e farmacêuticas individuais através de e-mail, pois apenas um médico pode prestar tal atendimento. Embora tentemos responder a todos os comentários, opiniões e e-mails que recebemos em até dois dias úteis, nem sempre é possível devido ao grande volume que recebemos. Por favor, tenha em mente que qualquer solicitação ao Minuto Saudável está sujeita aos nossos Termos de Uso e Política de Privacidade, ao enviar, você indica sua aceitação.