O gaslighting é um termo que tem surgido sobretudo nas redes sociais. Apesar de nem todo mundo entender exatamente sobre o que trata, muitas pessoas conhecem bem a situação.

O quadro designa, de forma geral, um abuso psicológico com base na manipulação da vítima. As consequências podem ser imensas e muito negativas, trazendo um grande sofrimento a ela.

Por isso, o Minuto Saudável vai explicar o que é, como identificar e o que fazer para se livrar de gaslighting no relacionamento:

Índice — neste artigo você vai encontrar:

  1. O que é gaslighting?
  2. Gaslighting é uma violência psicológica?
  3. Como identificar o gaslighting?
  4. Gaslighting no relacionamento: como lidar?

O que é gaslighting?

O gaslighting é uma forma de manipulação em que o abusador distorce, omite ou inventa informações com o intuito de fazer a vítima duvidar da sua memória, percepção e até mesmo sua sanidade.

De forma sutil, ele se utiliza dessa manipulação para anular sua vítima, desprezando seus argumentos, pontos de vista, duvidando de tudo que ela fala.

Frequentemente, as vítimas ouvem coisas como “você está exagerando”, “está inventando coisas” ou até mesmo “ficou louca?” quando relatam alguma coisa ao abusador. Além disso, o abuso pode ser tão intenso que chega a fazê-la duvidar de seus próprios sentimentos.

Como resultado, isso vai prejudicando a autoestima e autoconfiança da vítima, que vai aos poucos se fechando cada vez mais, ao ponto de sempre duvidar de si mesma e de sua sanidade. Algumas pessoas param até mesmo de opinar e se expressar.


O nome gaslighting vem do filme Gaslight, de 1944, que retrata um marido manipulando sua esposa a ponto de convencê-la que ela imagina coisas, que não se lembra direito dos acontecimentos, fazendo-a duvidar da sua própria percepção.

Quem sofre?

A maior parte das vítimas de gaslighting são mulheres, mas todos os gêneros podem vivenciar essa situação.

Além disso, a violência psicológica é frequentemente associada a relacionamentos românticos, mas pode ocorrer em qualquer tipo: amizades, família, colegas de trabalho, entre outros.

Pode ocorrer de forma isolada ou junto com outros abusos e negligências. Um marido infiel, por exemplo, pode usar do gaslighting para fazer a mulher acreditar que “está vendo coisas onde não tem” e que a traição nunca ocorreu.

O mesmo pode ocorrer em casos de abusos físicos ou sexuais, convencendo a vítima de que sua memória e percepção estão incorretas e que o abuso nunca aconteceu.

Vale lembrar que o abusador o faz porque tem algo a ganhar com a prática. Nem sempre a pessoa faz por malícia, às vezes apenas fazem para se livrar de uma situação desagradável, como cobranças da(o) parceira(o).

Contudo, independente da motivação do abusador, não muda o fato de que se trata de um abuso psicológico que pode trazer prejuízos significativos para a vítima e para a relação como um todo.

Gaslighting é uma violência psicológica?

Sim, o gaslighting é uma forma de abuso e, portanto, uma violência psicológica.

Em geral, ele vem acompanhado de várias outras violências psicológicas, como a invalidação e negligência emocional ou até mesmo agressões verbais.

Contudo, o gaslighting não engloba outros abusos mais aparentes, como agressões físicas (apesar de poder ocorrer concomitantemente). Por conta disso, reconhecer e denunciar essa violência é difícil, visto que grande parte das pessoas não compreendem esses comportamentos como abusivos.

Vale lembrar, no entanto, que muitos casos que começam com gaslighting e outros abusos psicológicos podem evoluir para violência física, sexual, patrimonial e/ou moral.

Como identificar o gaslighting?

Identificar o gaslighting pode ser difícil, pois ele se aproveita de um fenômeno comum no dia a dia: as falhas da memória e da percepção.

Ninguém lembra absolutamente tudo que aconteceu durante um dia, ou até mesmo durante um episódio específico. Assim, o abusador aproveita dessas falhas na memória para incluir percepções alteradas ou até mesmo inventar coisas que não aconteceram.

Além disso, o gaslighting costuma ser bastante sutil, o que faz com que o abuso não pareça um abuso de fato, mas sim uma coisa corriqueira, do dia a dia. Quem observa de fora pode também não perceber que se trata de uma situação abusiva.

Portanto, identificar o gaslighting pode ser bem difícil. A pessoa deve ficar atenta aos seguintes sinais:

  • Duvidar de si mesma(o) com frequência;
  • Quando confrontado, o abusador age de forma pacífica, agradando a vítima, a fim de gerar inseguranças no confronto;
  • Perguntar a si mesma(o) se está agindo de forma demasiadamente emocional;
  • Pedir desculpas ao abusador com frequência;
  • Precisar justificar as ações do abusador aos amigos e familiares com frequência;
  • Esconder dos amigos e familiares informações sobre a relação com o abusador;
  • Sentir-se responsável por todos os problemas que surgem na relação com o abusador;
  • Sentimentos de baixa autoestima, insuficiência, incapacidade, falta de confiança, entre outros.

Gaslighting no relacionamento: como lidar?

Ao reparar que está sofrendo gaslighting em um relacionamento, o melhor a se fazer é se afastar.

  • Se for um relacionamento amoroso, terminar a relação seria o ideal, visto que abusadores raramente mudam ou deixam de abusar de suas vítimas;
  • Caso seja um familiar ou um amigo, afastar-se da pessoa é uma ideia. Nem sempre é possível se afastar completamente, mas manter o contato limitado a conversas simples, sem muita intimidade, diminui significativamente as chances de alguém praticar gaslighting;
  • Confie mais no seu julgamento. Lembre-se que o abusador irá tentar fazer você desconfiar da sua memória e percepção. Confiar mais em si mesma(o) é um dos meios de evitar um dos prejuízos a longo prazo do gaslighting: a falta de autoestima e autoconfiança;
  • Peça ajuda a outras pessoas. Lembre-se que muitas pessoas não sabem o que é gaslighting, e pode ser necessário explicar o que é e porquê é uma forma de abuso, mas se a pessoa entender e for de confiança, ela irá tentar te ajudar;
  • Se você está tentando sair de um relacionamento abusivo, entre em contato com redes de apoio a vítimas de violência. Existem diversas destas redes por todo o país, e lá poderão te ajudar a sair do relacionamento minimizando os traumas e prejuízos que podem ocorrer;
  • Cuide-se. Lembre-se que o gaslighting costuma anular a pessoa, então é possível que você tenha deixado de cuidar de algumas de suas necessidades básicas enquanto sofria esse abuso;
  • Alimente-se corretamente, cuide da sua higiene, procure fazer atividades que gosta etc. Desta forma, poderá recuperar grande parte da sua autoconfiança;
  • Não se questione tanto. Questionar-se ao tomar uma decisão é normal, mas isso não deve ser um impeditivo para tomá-la. Ao lidar com uma situação na qual precisa tomar uma decisão, siga o seu tempo e os seus valores, não os questione e nem deixe que outras pessoas o façam;
  • Procure ajuda especializada. O gaslighting pode deixar feridas psicológicas profundas a longo prazo, mas que podem melhorar com ajuda especializada. A psicoterapia pode ajudar bastante nesse processo de cura, portanto, não deixe de procurar um profissional.

Existem diferentes formas de abuso e violência, e muitas nem sempre são fáceis de identificar. O gaslighting é uma delas, que, assim como outros abusos psicológicos, traz impactos negativos enormes às vítimas. 

Conhecer e saber lidar com essa situação é importante para identificar casos que possam ocorrer com você ou pessoas próximas. Veja mais dicas no minuto Saudável.


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.