Uma preocupação bem frequente relatada por mulheres após o parto é como recuperar as medidas, visto que muitas têm a autoestima abalada com as mudanças no corpo depois da gestação. 

Dessa forma, existe a procura por estratégias que facilitem a perda de peso, o que pode ocasionar na tentativa de métodos nocivos à saúde. 

Pensando nisso, neste texto o Minuto Saudável ajuda as mamães a saberem o que pode ser feito para atingir o peso desejado e, também, o que é perigoso e deve ser evitado. Confira!

Índice – Neste artigo, você vai encontrar:

  1. Qual é o ganho de peso na gestação?
  2. É possível recuperar a boa forma pós-parto?
  3. Cuidados
  4. Principais atitudes para emagrecer pós-parto

Qual é o ganho de peso adequado na gestação?

O pré-natal é a melhor forma de monitorar o ganho de peso!

O ganho de peso durante a gravidez é algo absolutamente normal e esperado, já que é um sinal de que a gestação está acontecendo de forma saudável. 

No entanto, o Ministério da Saúde ressalta que esse aumento de peso deve ser controlado de acordo com o período gestacional e as condições de saúde de cada mulher.  Isso só é possível se a mulher realizar o pré-natal corretamente.

Na consulta, além do (a) médico (a) verificar aspectos como a pressão arterial, o crescimento do bebê, movimentação, entre outras questões, também é avaliado se a gestante apresenta ganho de peso excessivo ou menor do que é ideal para o momento da gravidez em que ela está.

A partir dessa avaliação, o (a) obstetra irá fazer orientações em relação à alimentação e hábitos da mulher para que a situação seja normalizada.  


Segundo o Institute of Medicine, o ganho de peso adequado é:

  • Baixo peso: 2,3 kg no primeiro trimestre e 0,5 kg por semana no segundo e terceiro trimestres;  
  • Peso médio: 1,6 kg no primeiro trimestre e 0,4 kg por semana nos segundo e terceiro trimestres; 
  • Sobrepeso: 0,9 kg no primeiro trimestre e segundo e terceiro trimestres até 0,3 kg por semana;
  • Gestantes obesas: não necessitam ganhar peso no primeiro trimestre, já no segundo e terceiro trimestres até 0,2 kg por semana.             

Vale ressaltar que é direito da gestante ter assistência pré-natal, com regularidade de consultas e exames. Por isso, é importante que assim que a mulher comprove a gravidez, procure um posto de saúde para dar início ao acompanhamento.                   

É possível recuperar a boa forma pós-parto?

Sim! Porém, isso não irá acontecer de uma hora para outra, sendo necessário manter a paciência e respeitar os limites físicos e também emocionais após a gestação. 

Uma boa notícia é que logo nas primeiras semanas depois do parto, a mulher já começa a notar rapidamente a redução de medidas. Isso porque está passando pelo processo de desinchaço, sendo todo o líquido acumulado na gestação eliminado através da urina. 

Outro ponto positivo é a circulação sanguínea que estabiliza juntamente com a diminuição do útero, que retorna ao tamanho original. 

Após esse processo, é normal que o cancelamento seja menos intenso e a mulher desanime. Nesse momento, será essencial apostar na alimentação equilibrada, assim como a prática de atividade (conforme liberação médica) para alcançar o objetivo de redução de peso.    

Cuidados

Dieta restrita: JAMAIS!

O medo de não retornar à forma física anterior à gravidez é um medo apresentado por várias mulheres, sendo assim, buscam meios de “acelerar” o processo e garantir as medidas padrão antes que seja mais difícil alcançar esse objetivo.

No entanto, para isso algumas mamães podem acabar pondo em prática atitudes que prejudicam sua saúde e, por consequência, a do recém-nascido já que a criança depende de processos como o da amamentação para o desenvolvimento saudável. 

Portanto, é importante tomar cuidado para não cair em “contos de fadas” quando se trata de emagrecimento pós-parto. 

Dietas restritas

A ansiedade gerada pelo desejo de voltar à boa forma pode levar mulheres a realizar uma dieta restrita, consumindo menor quantidade de alimentos do que o aconselhável pelo profissional de saúde. 

Essa atitude compromete o fornecimento dos nutrientes essenciais para manter todas as funções metabólicas do corpo, além da produção regular de leite materno.  

Por isso, a postura mais adequada é ter um cardápio variado com alimentos ricos em vitaminas, sais minerais, fibras e boas fontes de gordura, além de comer na quantidade e horário certos.

Atividade física intensa

De modo algum a mulher em puerpério deve retomar a prática de exercícios físicos sem  avaliação e confirmação médica, ainda mais se for modalidades de atividade física intensa.

Isso porque a realização de exercícios irá depender muito do quadro clínico da mulher, considerando principalmente o tipo de parto (normal ou cesariana) e se houve uma complicação durante o procedimento. 

Dessa forma, ignorar esses fatores e iniciar a atividade física sem consultar um especialista pode acarretar em problemas como fraturas e lesões, visto que determinadas partes do corpo, modificadas devido à gestação, estão se recuperando e voltando à condição normal. 

Dicas “milagrosas”

Buscando métodos para emagrecer, muitas vezes nos deparamos com dicas suspeitas que prometem uma grande perda de peso em poucos dias, indo contra as orientações de alimentação equilibrada e a prática de atividade física regular.  

Principais atitudes para emagrecer pós-parto

Além de criar conexão com a criança, a mãe também perde peso ao amamentar!

Dado os alertas em relação ao que não fazer para conseguir emagrecer após a gestação, vamos a algumas práticas que são viáveis:

Amamentação

Segundo o Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), é importante que os bebês sejam alimentados exclusivamente com leite materno até, no mínimo, 6 meses de vida. 

Mulheres que podem e seguem essa recomendação, além de garantir o crescimento saudável da criança, também contribuem para a redução de peso no pós-parto, já que o processo executado pelo organismo feminino para produção de leite, queima em média cerca de 750 kcal por dia. 

Ademais, a contração do útero é estimulada por meio da liberação de oxitocina durante o aleitamento materno, facilitando o retorno à medida padrão do órgão que é de 60 gramas. 

Alimentação 

Apesar de ser orientado que mamães tenham uma alimentação em função da alta demanda de energia para a produção de leite, é válido destacar que isso não significa comer de forma exagerada ou ingerir itens super calóricos (é necessário apenas 300 kcal extras no período de pós-parto). 

De modo geral, as dicas mais importantes para a rotina alimentar são:

  • Priorizar alimentos nutritivos e in natura (carnes, frutas, legumes, verduras, cereais, oleaginosas, sementes) e evitar itens processados (vegetais em conserva, carnes temperadas, frutas em calda) ultraprocessado (salgadinhos, bebidas de caixinha, biscoitos recheados, doces, refeições congeladas); 
  • Não realizar intervalos muito longos entre as refeições, pois pode ocasionar na diminuição da sensação de saciedade e por consequência aumenta a vontade de consumir alimentos calóricos. Nesse período é recomendado até 5 refeições por dia (café da manhã, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar);
  • Na hora de preparar os alimentos, o modo mais correto é assar ou cozinhar. Além de evitar a adição de molhos e temperos em grande quantidade.

Massagem linfática

A massagem linfática (ou drenagem linfática) é uma técnica estética baseada na aplicação de movimentos que se assemelham ao bombeamento sanguíneo, promovendo a oxigenação dos tecidos. 

Devido a isso, é capaz de promover a diminuição de edemas (inchaço),  que se dá em função do acúmulo de líquido entre as células do corpo. Além disso, aumenta a circulação sanguínea e tem efeito relaxante.

A prática é boa opção para reduzir as medidas depois do parto, visto que contribui para modelar as curvas e reduzir a gordura localizada.    

Exercícios físicos

A atividade física é um recurso fundamental para quem almeja a perda de peso, no entanto a prática requer maiores cuidados no pós-parto. 

Geralmente, mulheres que tiveram parto normal sem nenhuma complicação podem fazer exercícios físicos quando se sentirem à vontade e com disposição. 

Porém, em casos de cesarianas, a indicação é esperar ao menos 6 semanas para iniciar em práticas leves (caminhadas por exemplo)  ou 12 semanas para modalidades de alto impacto como corridas extensas. 

Independentemente da situação, é importante ir entrando no ritmo aos poucos para não sobrecarregar a musculatura. Ademais, buscar executar os movimentos com supervisão de um profissional de educação física também ajuda na prevenção de acidentes. 

Hidratação

O aumento da ingestão de líquidos, principalmente água, é essencial para manter a produção de leite “a todo vapor”, além disso a água atua na diminuição do inchaço corporal, potencializando a funcionalidade dos rins e colaborando para a eliminação de substâncias tóxicas do organismo.    

Quando a mulher não bebe água o suficiente, pode confundir a sede com a sensação de fome, consumindo mais alimentos sem necessidade. Então para assegurar que esse problema não ocorra é válido beber aproximadamente 2,5 litros de água por dia.


É totalmente compreensível querer voltar a boa forma anterior a gravidez para poder se sentir feliz com a própria imagem e recuperar a autoestima, contudo é importante ressaltar que antes de tudo a prioridade do pós-parto é a saúde da mãe e da criança. 

Por isso, vale buscar o emagrecimento, mas de forma saudável e progressiva, além de evitar comparações com outras mulheres.  

Lembrando que o(a) médico deve ser sempre informado de qualquer ação que possa interferir na saúde e bem-estar de ambos.

Se você gostou deste conteúdo, aproveite para compartilhar com familiares e amigos, e não esqueça de acompanhar o Minuto Saudável nas redes sociais! 

Fontes consultadas


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.