Minuto Saudável
11/04/2019 07:50

Eritema nodoso (hansênico): o que é, causas, tratamento, fotos, CID

Quem nunca praticou algum esporte e acabou machucando a canela? Esse é uma ocorrência comum, que pode provocar alguns roxos na pele que aparecem e somem com o passar do tempo.

Mas e quando manchas avermelhadas e nódulos surgem na canela mesmo sem você ter feito nada? Esse pode ser um sinal de alerta do seu corpo para alguma condição prejudicial à saúde.

Pode ser o caso de um eritema nodoso, doença em que manchas e nódulos avermelhados aparecem na região da canela, também podendo surgir nos joelhos e coxas provocando muita dor nas articulações.

Conheça mais sobre essa condição e como ela afeta nossa saúde:

Índice — neste artigo você vai encontrar as seguintes informações:

  1. O que é eritema nodoso?
  2. Histopatologia do eritema nodoso
  3. Eritema nodoso e tuberculose
  4. Eritema nodoso e lúpus
  5. O que é eritema nodoso hansênico?
  6. Causas do eritema nodoso
  7. Fatores de risco
  8. Sintomas e características do nódulos
  9. Como é feito o diagnóstico?
  10. Tem cura?
  11. Qual o tratamento para eritema nodoso?
  12. Medicamentos
  13. Tratamento natural para eritema nodoso
  14. Prognóstico
  15. Complicações: eritema nodoso é grave?
  16. Perguntas frequentes

O que é eritema nodoso?

Eritema nodoso é o nome dado aos caroços avermelhados e dolorosos que surgem na pele, principalmente na região da canela. Em alguns casos pode afetar o tornozelo, coxa, antebraço e joelho.

Esses nódulos são um problema de origem inflamatória, sendo um tipo de paniculite, ou seja, uma inflamação da camada de gordura que fica sob a pele.

As causas desse problema, muitas vezes, são desconhecidas, mas entre as alternativas estão a manifestação de infecções, alergia a algum medicamento, desenvolvimento de uma doença mais grave como a tuberculose etc.

Sabe-se que alguns fatores auxiliam no desencadeamento da condição, são eles: hábito de fumar, desnutrição, presença de diabetes, HIV ou tratamento oncológico, doenças renais, entre outras.

Os nódulos são avermelhados e dolorosos, sendo que o paciente pode ter dor ao tocá-lo. Observa-se ainda a sensação de queimação, coloração diferente de um dia para o outro etc.

Para que o diagnóstico seja feito, é preciso procurar um médico dermatologista, que irá avaliar o caso e tratar da melhor maneira. O tratamento consiste em uso de medicamentos e repouso, em alguns casos os nódulos podem desaparecer de forma espontânea em até 3 meses.

O eritema nodoso é uma condição rara, que pode ser encontrado na Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde, o CID 10 pelo código L52 –  Eritema nodoso.

Histopatologia do eritema nodoso

O eritema nodoso consiste em um tipo de paniculite septal, que se caracteriza pelo surgimento de nódulos na região das canelas devido ao processo de inflamação que ocorre nessa região do corpo.

Histologicamente, ocorre uma inflamação aguda no início do quadro, havendo presença de células como neutrófilos, eosinófilos e basófilos (que atuam no sistema imune, destruindo agentes invasores).

Com o curso do eritema nodoso, linfócitos, histócitos ou células gigantes (que participam do sistema imune) substituem total ou parcialmente a composição eritematosa. Isso acarreta na cicatrização da região (fibrose) e permanência da inflamação, mas a presença de células neutrófilas é menos em relação aos edemas recentes.

Eritema nodoso e tuberculose

Quando a tuberculose se instala no corpo do paciente ela pode causar o eritema nodoso, sendo ele um sintoma.

Chamado de eritema indurado de Bazin, os nódulos na pele são causados pelo mesma bactéria da tuberculose (Mycobacerium Tuberculosis).

Há, portanto, uma associação, ainda que pouco frequente, entre o eritema nodoso e a tuberculose. Nesse caso, eles tendem a ser firmes e dolorosos, em alguns casos podem ser ulcerados nos membros inferiores.

Quando o médico avalia o eritema, ele pode considerar este um sinal para que seja solicitado um exame aprofundado (como raio X), que possa descobrir se o paciente contraiu a tuberculose.

Dessa maneira se for confirmado o caso de tuberculose, pode-se iniciar o tratamento o mais rápido possível para conseguir a cura da doença.

Eritema nodoso e lúpus

O lúpus eritematoso sistêmico, conhecido popularmente como lúpus, é uma doença que afeta não só a pele como também os rins, paredes dos vasos sanguíneos, pulmões, coração, entre outros órgãos.

Mas sua principal característica são o surgimento dos eritemas, lesões avermelhadas em diferentes partes do corpo, como no rosto, nas costas etc.

O lúpus é uma doença em que o nosso corpo produz grande quantidade de anticorpos, causando um desequilíbrio. Esse desequilibrio faz com as células de defesa ataquem nosso próprio corpo, causando um mau funcionamento e problemas de saúde.

Entre os outros sintomas do lúpus eritematoso sistêmico estão: cansaço, febre, emagrecimento repentino, perda de apetite, inflamação na pele em diferentes locais e dor nas articulações.

O que é eritema nodoso hansênico?

Muitos pacientes com hanseníase podem desenvolver uma síndrome inflamatória, sendo chamada de eritema nodoso hansênico ou reação tipo 2.

Em que pode ocorrer antes, durante ou depois do tratamento da hanseníase (condição em que infecciona a pele e os nervos).

Os principais sintomas são o comprometimento dos nervos, presença de lesões oculares causando embaçamento visual, artrite e edema inflamatório nas mãos e nos pés.

O eritema nodoso hansênico é uma das causas mais comuns de morbidade nos pacientes com hanseníase que não possuem assistência médica, devido aos danos neurais, paralisias e outras alterações que a doença pode causar.

Causas do eritema nodoso

Geralmente, o eritema nodoso surge como um sintoma de outra doença, mas também pode aparecer devido à alergia a algum medicamento ou por causas desconhecidas. As doenças e condições que podem ocasionar o eritema nodoso são:

Medicamentos

O uso de alguns medicamentos pode fazer com que apareça o eritema nodoso ao longo do corpo, os fármacos mais comuns de causar essa condição são: sulfonamidas, iodetos, brometos e contraceptivos por via oral.

Alergias

Uma das causas mais frequentes do eritema nodoso são as alergias ou sensibilidades a substâncias diversas, incluindo medicamentos ou agentes externos que invadem o corpo.

Leia mais: Alergia na pele: causas e como identificar os sintomas

Hanseníase

Antes, durante ou depois do tratamento da hanseníase, os pacientes podem desenvolver uma síndrome inflamatória, chamada de eritema nodoso hansênico. Essa condição se caracteriza pela presença dos nódulos avermelhados e doloridos. Nesse caso, a doença hanseníase é a causadora do eritema.

Lúpus

A principal característica do lúpus é a presença de lesões (eritemas) e manchas avermelhadas em diferentes partes do corpo. Quando eles surgem são interpretados como um dos sintomas, da presença do lúpus no paciente.

Sarcoidose

A sarcoidose é uma resposta do sistema imunológico desencadeada por fatores desconhecidos, mas atribuída, possivelmente, ao contato com vírus, fungos, bactérias ou outros agentes externos. Essa doença inflama as articulações e causa inchaços dolorosos na pele (eritema nodoso).

Doença inflamatória intestinal

As doenças inflamatórias intestinais não têm sua causa ainda identificada, a hipótese é de que ocorrem devido a bactérias normais do funcionamento do intestino.

Alterações autoimunes ou predisposições genéticas fazem com que haja uma reação de forma anormal, causando problemas ao paciente, sendo um deles o eritema nodoso.

As doenças inflamatórias intestinais são a retocolite ulcerativa inespecífica (RCUI), a doença de Crohn (DC) e a colite indeterminada.

Gravidez

Entre as diferentes reações que ocorrem no corpo durante o período gestacional, uma delas são as de pele. O eritema nodoso pode surgir nas gestantes, causar dor e sumir espontaneamente após o parto.

Leia mais: O que não é normal durante a gravidez?

Tuberculose

Causada por uma bactéria que se propaga pelo ar, a tuberculose tem como uma de suas reações o eritema nodoso. Ele pode surgir quando ocorre uma infecção do tipo primária da tuberculose e afeta principalmente a panturrilha.

Doença de Behçet

A doença de Behçet se caracteriza por uma inflamação dos vasos sanguíneos, do tipo crônica, que causa feridas doloridas pelo corpo. Além delas, também podem surgir lesões como o eritema nodoso, inflamação no olho, trombose em veias entre outros sintomas.

Câncer

Alguns tipos de câncer costumam trazer junto aos sintomas o eritema nodoso, são eles os do tipo linfoma (que afeta o sistema linfático) e leucemia (afeta as células da medula óssea).

Fatores de risco

Os fatores de risco que podem influenciar no eritema nodoso, são:

  • Diabetes;
  • Desnutrição;
  • HIV;
  • Tabagismo;
  • Tratamento oncológico;
  • Doença renal.

Sintomas e características do nódulos

Os nódulos do eritema nodoso geralmente são dolorosos, bilaterais, podendo se resolver sem ulcerações ou cicatrizes, entre as características dessa condição estão:

Dor e sensibilidade

Quando os nódulos aparecem, vêm seguidos de dores e uma sensibilidade ao tocar na lesão.

Lesões bilaterais

Nos pacientes os nódulos podem aparecer nos dois lados do corpo, sendo possível identificar o eritema de forma simples.

Ardência e queimação

Quando o eritema nodoso surge, deixa uma sensação de ardência e queimação na região em que apareceu, incomodando o paciente. As articulações podem ficar inchadas e também ter início de febre.

Alteração de cor

O eritema pode aparecer na cor avermelhada, mas com o passar dos dias pode alternar para roxo ou azul.

Outros sintomas

Além das manchas e erupções da pele, que podem causar dor, o paciente pode apresentar outros sintomas como:

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é feito por um médico dermatologista, que irá analisar a aparência clínica e vai poder confirmar o resultado, o especialista também pode solicitar exames como biópsia excisional de um nódulo quando necessário e exame de sangue:

Avaliação clínica

A avaliação clínica consiste no médico observar detalhadamente a lesão,  nesse caso são analisadas as características como cor, consistência, forma, distribuição da lesão, tipo (pode ser mancha, cicatriz) etc.

Leia mais: Observar lesões não é suficiente para diagnosticar câncer de pele

Exame de sangue

O exame de sangue, apesar de não ser específico para o eritema, é recomendado para complementar o diagnóstico, identificando a presença de infecções, outras doenças ou a presença da inflamação.

Biópsia

A biópsia é um exame em que se colhe uma pequena amostra do local onde há a lesão. Depois encaminhada a um laboratório, que por meio de microscópio irá pesquisar a causa e o tipo de lesão com maior profundidade.

Tem cura?

Sim, o eritema pode ser curado. Após o diagnóstico, o especialista pode orientar qual o melhor medicamento para o caso, alguns exemplos são uso de anti-inflamatórios, corticoides e antibióticos.

O repouso também ajuda a aliviar as dores e a reduzir o tamanho do inchaço nas pernas.

Em alguns casos pontuais, pode ser suspensos medicamentos utilizados no cotidiano para verificar se não é algum desses fármacos que está causando o problema.

Qual o tratamento para eritema nodoso?

O eritema nodoso pode ser tratado com repouso e uso de medicamentos, quando a causa é  identificada pelo médico. Para os nódulos são indicados fármacos para alívio da dor, mas dependendo do caso o eritema pode desaparecer espontaneamente:

Repouso

É indicado permanecer em repouso e realizar a elevação das pernas, em um local que elas possam ficar estendidas, como sofá ou mesmo na cama.

Compressas frias podem aliviar a dor, também é preciso evitar caminhar por um longo período, para não piorar a situação. Realizando o repouso, o eritema pode se curar sozinho entre 3 até 6 semanas.

Tratamento da origem do eritema

O eritema nodoso pode surgir devido a uma outra condição que está se manifestando no organismo. Ao iniciar o tratamento, os nódulos vão sumir espontaneamente. Nesses casos, o tratamento varia de acordo com a alteração causadora.

Medicamentos

Na parte medicamentosa, podem ser utilizados fármacos para reduzir a inflamação, aliviar as dores, combater agentes infecciosos ou tratar condições e doenças associadas..

Entre os medicamentos mais utilizados para tratamento de eritema nodoso, estão:

Anti-inflamatórios não esteroides

Os anti-inflamatórios são recomendados para ajudar no combate a dor nas articulações e para diminuir a inflamação dos nódulos. Podem ser usados:

Corticoide

Além dos anti-inflamatórios, os corticoides podem ser utilizados para diminuir os sintomas. Entre eles:

Iodeto de potássio

O iodeto de potássio pode ser recomendado nos casos em que as lesões não cicatrizam facilmente, pois ele auxilia a diminuir as reações da pele.

Antibióticos

Após realizado o diagnóstico e confirmado a formação do nódulo devido a alguma infecção de origem bacteriana, são administrados os antibióticos como:

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Tratamento natural para eritema nodoso

O tratamento caseiro não exclui o tratamento realizado com os medicamentos, ele deve ser feito em conjunto para auxiliar na melhora do paciente:

Alimentação: o que comer?

A alimentação pode ajudar na melhora da dor causada pela inflamação, para isso são indicados alguns alimentos anti-inflamatórios, como:

  • Frutas cítricas no geral;
  • Frutas vermelhas como o morango;
  • Vegetais como brócolis e couve-flor;
  • Temperos como açafrão, cravo-da-índia, alho.
  • Peixes por serem ricos em ômega-3.

Prognóstico

Geralmente ele some sozinho entre 3 a 6 semanas, com o repouso e tratamento adequado, sem causar complicações futuras.

Em casos considerados raros, o eritema nodoso pode se tornar crônico, em que os nódulos podem permanecer de 6 meses a 2 anos causando dores e sem a causa ser descoberta.

Complicações: eritema nodoso é grave?

Em geral, não. O eritema nodoso, sozinho, não provoca complicações e não representa grandes riscos ao paciente. Porém, é preciso investigar a origem do problema.

Muitas vezes, são doenças que manifestam o eritema nodoso como um sintoma. Nesses casos, a condição pode ser grave se não for tratada.

Perguntas frequentes

Eritema nodoso coça?

Não, o eritema nodoso não provoca coceira, mas pode gerar dor nos nódulos e nas articulações do corpo, deixando a região em que se encontram mais sensíveis ao toque.

Leia mais: Sarampo coça?

É possível clarear as manchas causadas pelo eritema nodoso?

Sim! Na maioria dos casos as manchas somem sozinhas sem deixar sinais, mas se restarem cicatrizes, é possível clareá-las.

Como elas são causadas devido a um depósito de pigmento, que é feito nas camadas profundas da pele, o médico dermatologista poderá indicar a forma mais eficaz e segura para suavizar esse pigmento, clareando e uniformizando a região.

Eritema nodoso pode voltar?

Pode, o eritema nodoso é imprevisível assim como ele pode curar e desaparecer ele também pode voltar várias vezes ao paciente. Nesses casos é preciso investigar melhor a causa.

Eritema nodoso pode ser causado pelo anticoncepcional?

Apesar de não ser tão frequente como as infecções por bactérias, pode. Outros medicamentos também tem uma relação mais frequente com os eritemas nodosos, mas ainda assim é preciso investigar a possibilidade do anticoncepcional ser a causa do eritema.

Paniculite e eritema nodoso são a mesma coisa?

Sim. A paniculite é uma condição que pode afetar todo o corpo, o eritema nodoso é um dos tipos de paniculite, que afeta predominantemente a região das canelas e pernas. O eritema nodoso se classifica como paniculite septal, e pode surgir em diferentes partes do corpo.


O eritema nodoso é uma condição que surge como um alerta para nosso corpo, podendo indicar que outra doença está se desenvolvendo.

Compartilhe esse artigo com seus conhecidos e amigos, para que mais pessoas possam obter conhecimento dessa condição!

Publicado originalmente em: 29/06/2017 | Última atualização: 11/04/2019

Fontes consultadas

11/04/2019 08:01

Minuto Saudável

Somos um time de especialistas em conteúdo digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável. Confira mais na nossa página de quem somos.

Ver comentários

  • Meu marido está com eritema nodoso, tem perigo de me contaminar?

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Olá Suzilei!

      O eritema nodoso em si não é uma doença contagiosa, no entanto ele pode ser desencadeado por condições que são transmissíveis. É importante que você busque ajuda médica, pois somente este profissional está apto para fornecer orientações de acordo com as suas condições de saúde.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Essa doença causa muita dor nas articulações 😢

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Eu estou tratando eritema nodoso os nódulos já se foram mas ficou uma dor terrível nas articulações

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

      • Oi, você está fazendo uso de antibiótico?

        Cancelar resposta

        Deixe uma resposta

        Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Foram de alto valor as informações, pois ficamos desesperados sofrendo de algo que nunca vimos falar, obrigado 🙏

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Tive vários anos isso é a3 anos já não tomava mais a medicação pois tinha sido curada ...mas no mês de junho e julho me saiu nas duas pernas ainda estou na perna direita dói muito acho que vou ter q voltar a tomar remédio

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Qual remédio vc tomou? Seu eritema e sem causa?

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Estou com nódulos nas pernas do joelho pra baixo.
    Sinto muito dor nos joelhos e tornozelos. Dificuldade de andar. As pernas vivem inchadas.
    Os médicos teimam em dizer que é esporitricose, sem ao menos pedir um exame para ter a certeza da doença. Não sei o que fazer, pois não tenho plano de saúde e os médicos do SUS, por outro lado, tem os dados dos pacientes e quando olham no computador a nossa ficha repete o mesmo diagnóstico do primeiro médico, não dando chance nem de ao menos ouvir o paciente.
    Pelo que já li sobre as duas doenças (esporitricose e eritema nodoso), meus sintomas são todos de eritema nodoso. As fotos de pacientes com eritema também são muito parecidas com os nódulos e manchas nas minhas pernas.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Tbm tenho Epidemo nodoso dói e fica inchado mas estou com acompanhamento médico.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Eu tenho a 4 anos. São bem doloridos, vermelhos e inchados. As vezes tenho mais de 70 nódulos nas pernas. Já passei por Alergista e dermatoligista e falam que é uma doença auto imune e que não há cura. Ela vai e volta vc ameniza com corticoides. Depende até do seu emocional. SÓ sei que hoje estou muito mau com muitos nódulos.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Oi vc acha que tem a ver com emocional? Pq os médicos que eu passo temao q nao

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Gostei muito do conteúdo, e embora já tenha passado pelo médico, percebi q tudo q diz nesse site é verdadeiro, parece até q foi a mesma médica q me atendeu q o escreveu, muito bom.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • N sei quem escreveu a matéria, mas discordo de algumas informações aí.
    Tenho eritema nodoso desde 2010 e minhas canelas ficaram cicatrizes sim, todas manchas escuras e horríveis que não saem mais, apenas clareiam com o tempo da cor purpura para um marrom.
    E não tem cura, apenas ele fica um tempo sem aparecer e de repente aparece sem sabermos o motivo.
    Fiz dezenas de exames e biopsias para encontrarem uma causa, mas nada foi descoberto, apenas dizem q é uma doença auto imune e que tenho q conviver com ela.
    Com esses anos de experiência, percebi que no meu caso, ela aparece sempre que estou passando por algum problema que me abala emocionalmente, então pra mim está diretamente ligada ao emocional que de alguma forma meche com o sistema imunologico da gente.
    A pior parte dessa doença são essas manchas horriveis que ficam na nossa pele, que incomoda bastante.
    Espero que encontrem uma cura ou ao menos uma solução para tirar as manchas, pois atrapalha muito para usarmos vestidos.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Isis eu tenho eritema nodoso e as manchas ficam fundas e pra sempre.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Olá, Isis!

      O eritema nodoso, em si, tem cura e costuma se resolver em pouco tempo na maioria dos casos. Mas ele pode estar associado a uma outra condição subjacente, ou seja, outra doença pode estar causando o eritema como sintoma. Por isso, não basta tratá-lo sem também tratar sua origem. Esse é um dos fatores que pode dificultar a melhora do quadro. Além disso, quando falamos de doenças e condições, é importante lembrar que cada organismo reage de uma maneira, o que pode tornar tudo um pouco mais complexo.

      Converse bastante com seu médico para que ele te oriente sobre como lidar com a condição. Falar com pessoas que passam pelo mesmo problema também é sempre muito válido. Juntos vocês podem compartilhar experiências e trocar dicas.

      Agradecemos o seu comentário e desejamos sorte no tratamento!

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Eritema nodoso pode aparecer por problemas emocionais?

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

    • Olá, Solange.
      Há diversas causas associadas e, muitas vezes, é difícil especificar a origem do eritema. Há relatos de pacientes que percebem a manifestação da inflamação quando passam por condições estressantes, mas são, em geral, as infecções, alterações crônicas, além do uso de medicamentos os fatores mais relacionados.
      É sempre importante buscar uma avaliação médica e investigar o que pode estar causando a condição.

      Cancelar resposta

      Deixe uma resposta

      Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Eu tenho esse problema a tempos, a primeira vez foi devido a anticoncepcional do nada começou a aparecer isso. A matéria está muito bem elaborada, fala tudo, somente não retrata o lado emocional, que creio que influencie sim.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Alguém teve na gravidez? Quais alterações podem acontecer nos exames de sangue além do VHS?

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*