Bonar é um medicamento indicado para o tratamento de carcinomas, linfomas e casos de derrame pleural

O seu uso sempre deve ser feito com a ajuda de um(a) profissional de saúde. Em casos de dúvida, converse com o(a) médico(a) que lhe receitou esse remédio. 

Índice — neste texto você vai encontrar: 

  1. O que é Bonar? 
  2. Para que serve o medicamento Bonar? 
  3. Como usar conforme a bula? 
  4. Quando foi aprovado pela ANVISA? 
  5. Quais os efeitos colaterais? 
  6. Preço: quanto custa Bonar? 
  7. Como orçar Bonar?

O que é Bonar?

Bonar é um remédio similar intercambiável que pode ser aplicado por várias vias: intramuscular (no músculo), intravenosa (na veia, como se fosse soro), intrapleural (aplicação feita nas costas e atinge diretamente o pulmão) ou subcutânea (abaixo da pele). 

Esse medicamento pode ser usado como única forma de tratamento ou como terapia complementar junto a outras substâncias.  

Tal fármaco não deve ser usado por pessoas que apresentam reações alérgicas ao Sulfato de Bleomicina (princípio ativo) ou qualquer outra substância presente na fórmula. 

O Sulfato de Bleomicina é uma combinação de vários antibióticos citotóxicos (capazes de destruir outras células) que são tirados do fragmentos de uma bactéria chamada de Streptomyces verticillus. 

Pode ter interação medicamentosa?

Antes de tudo, é importante explicar que a interação medicamentosa acontece quando um medicamento anula ou diminui o efeito de outro. 


Bonar pode influenciar no efeito dos fármacos que contenham as seguintes substâncias: 

Esse remédio também não deve ser administrado juntamente com soluções que tenham aminoácidos, já que pode haver o risco de precipitação (quando não ocorre a diluição correta do princípio ativo).   

Para que serve o medicamento Bonar?

Alguns medicamentos, como o Bonar, são capazes de tratar diversas doenças, por causa do seu mecanismo de ação no corpo.

No caso de Bonar, tal remédio é indicado para o tratamento de carcinomas, linfomas e derrame pleural. 

Mas o que são essas condições? Vamos explicar cada uma delas: 

Carcinomas de células escamosas

Carcinoma é um nome científico para designar tumores compostos de células malignas que se reproduzem anormalmente, popularmente conhecidas como câncer

Os tipos mais comuns de carcinomas que Bonar combate são os que se manifestam: 

  • Na cabeça: boca, língua, seios nasais, pele, palato (céu da boca) e gengiva;  
  • No pescoço: laringe, faringe, epiglote e amídalas;
  • No sistema reprodutor: vulva, canal vaginal (cérvix uterina), pênis e testículos.  

Linfomas 

O sistema linfático é composto de glóbulos brancos que são células responsáveis pela defesa do organismo contra vírus, bactérias e fungos. 

Mas essas células podem tornar-se malignas e se reproduzirem anormalmente, formando tumores chamados de linfomas.  

Tais tumores pode ser de 2 tipos: linfoma de Hodgkin e não-Hodgkin.  

A principal diferença entre esses 2 tipos de tumores a presença de uma célula chamada de Reed-Sternberg, presente no tipo Hodgkin. 

Essa célula é maligna e pode representar até 2% da massa geral do tumor. 

Bonar é indicado para tratar paliativamente o linfoma de Hodgkin quando a doença está em estágios IVA e IVB (que são mais avançados). 

É possível que esse medicamento seja indicado como complemento a outras formas de tratamento (como a radioterapia). 

Se o(a) paciente estiver com um linfoma de Hodgkin IA ou IIA, que são estágios mais brandos da enfermidade, o tratamento é feito somente com radioterapia. 

Derrame pleural 

De forma bem simples, pode-se dizer que derrame pleural é o acúmulo de água dentro da pleura (membrana que reveste o pulmão). 

Vale dizer que o quadro em si não é uma doença e sim um sinal da presença de outras enfermidades (como o câncer de pulmão).  

Quando Bonar é utilizado no tratamento dessa condição, a sua aplicação é feita com uma injeção intrapleural (ou seja, a injeção será tomada nas costas e a agulha vai atingir o pulmão). 

Como usar Bonar conforme a bula?

A bula indica que o uso de Bonar só deve ser feito com o auxílio de uma equipe médica e em ambiente hospitalar. 

Já a posologia indicada varia conforme o tipo de condição que o medicamento está tratando: 

  • Carcinoma e linfomas: aplicação por via intravenosa, intramuscular ou subcutânea de 0,25 a 0,50 unidades por kg (10 a 20 unidades/m²); 
  • Derrame pleural: 60 unidades que devem ser administradas por injeção intrapleural. 

A quantidade de creatinina que é liberada no sangue também pode influenciar na dose de Bonar: 

Creatinina (ml/min)% dose 
maior ou igual a 50 100% 
40 a 5070% 
30 a 4060%
20 a 3055% 
10 a 2045%
5 a 1040% 

Quando foi aprovado pela ANVISA?

Para explicar melhor, vamos esclarecer algumas informações comerciais entre os laboratórios Aché e Biosintética. 

Mas porque é importante entender isso? 

O primeiro registro de Bonar feito na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) foi realizado em janeiro de 1998, pela farmacêutica Biosintética. Esse autorização permitia que esse laboratório comercializasse o remédio até abril de 2019. 

Mas, em 2004, outra farmacêutica, a Aché comprou a Biosintética por um valor estimado entre 500 e 600 milhões de reais. 

Assim, a autorização de manipular o medicamento Bonar passou da Biosintética para a Aché.   

Em fevereiro de 2019, a Aché fez um novo registro de Bonar na ANVISA, como detentora oficial do direito de vender o remédio. Essa nova autorização é válida até abril de 2025.  

Quais os efeitos colaterais?

Como todos os medicamentos, Bonar também pode provocar alguns efeitos colaterais que, na bula, são divididos conforme a frequência em que acontecem: 

Muito comum 

As reações adversas muito comuns ocorrem em mais de 10% dos(as) pacientes que usam o medicamento: 

  • Inchaço nas mãos e pés; 
  • Vermelhidão ou palidez na pele; 
  • Rachaduras e calos na pele (hiperqueratose); 
  • Escurecimento da pele; 
  • Queda de cabelos
  • Bolhas; 
  • Inflamação nas veias (flebite); 
  • Coceira.  

Comum 

Quando os efeitos colaterais se manifestam entre 1% e 10% dos casos, eles são classificados como comuns: 

  • Queda de pressão; 
  • Confusão mental; 
  • Febre
  • Calafrios; 
  • Pneumonia
  • Fibrose pulmonar. 

Sem frequência definida 

As reações adversas sem frequência definida de Bonar são: 

Preço: quanto custa Bonar?

A caixa com 1 frasco em pó para solução de uso injetável tem um valor mínimo de R$255*.  

Se você não tiver condições de comprar essa medicação, será necessário entrar com um processo judicial, já que Bonar não é oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Para isso será necessário o auxílio de um(a) advogado(a), além de uma documentação que inclui o laudo médico que comprove a necessidade do remédio e um orçamento com pelo menos 3 estabelecimentos que comercializem o fármaco.  

Como orçar Bonar?

Para fazer o orçamento de Bonar, você pode contar com a Assessoria do Consulta Remédios. 

Basta acessar o link e preencher o formulário com o seus dados pessoais. Pronto! Em pouco tempo nossa equipe vai te enviar um orçamento personalizado e exclusivo para o seu caso. 


Bonar é indicado para o tratamento de células malignas (carcinomas e linfomas) e derrame pleural. 

Sua forma de aplicação é variada e complexa e por isso requer o auxílio de um(a) profissional de saúde. 

O Minuto Saudável traz mais informações sobre remédios. Acesse as nossas postagens!!


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.