O que é AVC

O Acidente Vascular Cerebral, mais conhecido pela sigla AVC, é uma séria condição médica que acontece quando o suprimento de sangue que vai para o cérebro é rompido. Isso acontece porque, como todos os órgãos, o cérebro, para funcionar adequadamente, necessita de oxigênio e determinados nutrientes que provêm do sangue. Portanto, quando há um rompimento no fluxo sanguíneo, as células do cérebro começam a morrer, ocasionando diversos problemas cerebrais, podendo até chegar à morte.

Por ser uma das doenças que mais matam no mundo, o AVC é uma urgência médica e necessita de tratamento imediato, pois quanto antes diagnosticado o que está acontecendo, menos danos o paciente sofrerá. No Brasil, o AVC é a principal causa de morte por incapacidade: são 130 mil pessoas que morrem vítimas da doença. Além disso, estima-se que, em 2030, o número mundial de mortes pode ser de 7,8 milhões.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Índice – neste artigo você irá encontrar as seguintes informações:

  1. O que é AVC
  2. Tipos de AVC
  3. Causas do AVC
  4. Fatores de risco
  5. Sintomas
  6. Diagnóstico
  7. Tratamento
  8. Medicamentos normalmente utilizados para tratar o AVC
  9. Complicações e Sequelas
  10. Recuperação e Reabilitação
  11. Prevenção

Tipos de AVC

O AVC pode ser classificado de duas maneiras: isquêmico ou hemorrágico. Veja abaixo o que caracteriza cada uma delas.


Fonte: redebrasilavc.org.br

AVC Isquêmico

Tipo de AVC mais comum – acomete cerca de 80% dos pacientes –, o AVC Isquêmico se deve ao fato da falta do fluxo sanguíneo para o cérebro. Isso pode ocorrer por 3 motivos:

  • Obstrução arterial, através de um trombo ou um êmbolo;
  • Queda na pressão de perfusão sanguínea, como em casos de choque;
  • Obstrução na drenagem do sangue venoso – como acontece na trombose venosa –, o que dificulta a entrada do sangue arterial no cérebro.

É importante salientar que, nos primeiros momentos em que o AVC ocorre, não há morte do tecido cerebral, mas, por conta da falta de suprimento sanguíneo, ele se degenera muito rapidamente. Porém, há uma região em volta do acidente que possui um fluxo de sangue reduzido e que se mantém vivo por um tempo ainda. A ela, dá-se o nome de penumbra, e é justamente nela que os esforços terapêuticos se concentram na hora do tratamento.

Dentro do AVC Isquêmico há ainda um subtipo, chamado Ataque Isquêmico Transitório (AIT). O AIT se caracteriza por um entupimento passageiro em um dos vasos sanguíneos, mas que não chega a causar uma lesão cerebral. Ou seja, é um déficit de sangue momentâneo que se reverte em poucos minutos ou em até 24 horas, sem deixar sequelas. Caso o tempo de 24 horas ultrapasse e o AIT ainda não tenha se revertido, ele passa a se chamar Acidente Isquêmico Vascular por Definição.

AVC Hemorrágico

Esse tipo de AVC é o menos comum de ocorrer, porém não deixa de ser grave. Ele acontece quando há uma ruptura de um vaso sanguíneo localizado dentro do crânio do paciente, causando uma ação irritativa por conta do contato do sangue com o parênquima nervoso (tecido cerebral com maior função). Além disso, essa inflamação, juntamente com a pressão que o coágulo faz sobre o tecido nervoso, prejudica e degenera o cérebro, bem como a sua função.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

A hemorragia intracraniana acontece por um desses dois motivos:

  • Ruptura dos aneurismas de Charcot-Bouchard – pequenas bolsas das artérias cerebrais que se formam por hipertensão arterial descontrolada ou não tratada;
  • Sangramento de aneurismas cerebrais no espaço liquórico ou subaracnóideo (partes formadoras do cérebro) – provavelmente possuem origem congênita.

Causas do AVC Isquêmico

Como esse tipo de AVC acontece por conta da falta de sangue no cérebro, alguns fatores podem ser extremamente perigosos para que ele acometa uma pessoa – ainda mais se ela já for um pouco mais de idade. Dentre esses fatores, estão:

  • Tabaco;
  • Hipertensão arterial;
  • Obesidade;
  • Alto nível de colesterol;
  • Histórico familiar de doenças cardíacas ou diabetes;
  • Uso abusivo de bebidas alcoólicas.

Fora esses fatores que podem causar o AVC Isquêmico, uma outra causa possível é ter um ritmo de batimento cardíaco irregular, o que pode gerar coágulos sanguíneos no cérebro. Essa irregularidade no batimento cardíaco pode ser consequência de:

  • Hipertensão;
  • Doença da artéria coronária;
  • Doença da válvula mitral;
  • Pericardite;
  • Hipertireoidismo;
  • Uso abusivo de bebida alcoólica;
  • Ingestão de muita cafeína – contida em chás, cafés e energéticos.

Causas do AVC Hemorrágico

A principal causa do AVC Hemorrágico é a hipertensão arterial, condição que acaba enfraquecendo as artérias do cérebro, tornando-as mais propensas à ruptura.

Vários são os fatores que podem aumentar a sua pressão arterial:

  • Estar acima do peso ou ser obeso;
  • Beber álcool de forma exagerada;
  • Fumar;
  • Não se exercitar;
  • Estresse.

Além da hipertensão, outra causa comum do AVC Hemorrágico é o acontecimento de um trauma na cabeça. Na maioria dos casos, a causa é óbvia. Porém, há alguns que não apresentam sinal algum de trauma na região do crânio, especialmente em pessoas idosas.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Fatores de risco

Além dos fatores que acabam por agilizar o acontecimento das causas do AVC, há também diversos outros que podem ser classificados da seguinte forma:

Gênero

Os casos de AVC são mais comuns em homens do que em mulheres, a não ser que se trate da terceira idade, pois aí o problema acomete mais as mulheres do que os homens. Supõe-se que isso acontece pelo fato das mulheres viverem mais do que os homens e o AVC ser mais comum em pessoas de mais idade.

Além disso, a gravidez e o uso de pílulas anticoncepcionais podem aumentar ainda mais o risco de um AVC nas mulheres.

Raça

As pessoas listadas abaixo possuem maior chance de terem AVC do que os brancos – porém, essas chances diminuem conforme a idade vai avançando:

  • Americanos nativos;
  • Hispânicos;
  • Asiáticos;
  • Afro-americanos.

Estilo de vida

Alguns fatores do seu estilo de vida pode influenciar diretamente na ocorrência de um AVC:

  • Fumar;
  • Dieta;
  • Falta de exercício físico;
  • Excesso de álcool;
  • Excesso de drogas.

Medicamentos e doenças

Como já dito, pílulas anticoncepcionais podem aumentar o risco de chance do AVC. Porém, além dele, medicamentos que afinam o sangue também são potenciais riscos, como a Varfarina, o Xarelto e o Eliquis.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Fora os medicamentos, algumas condições médicas também podem aumentar a sua chance de ter AVC em algum momento da sua vida. Veja:

  • Problemas vasculares e do coração;
  • Diabetes;
  • Histórico de AVC ou mini-AVC;
  • Colesterol alto;
  • Hipertensão arterial;
  • Obesidade;
  • Síndrome metabólica;
  • Enxaqueca;
  • Doença falciforme;
  • Condições que causam hipercoagulabilidade;
  • Condições que causam sangramento excessivo, como a falta de plaquetas ou hemofilia;
  • Tratamento com medicamentos que são trombolíticos;
  • Histórico de aneurisma ou anormalidades vasculares no cérebro;
  • Síndrome do ovário policístico;
  • Tumores no cérebro, especialmente os malignos.

Idade

Adultos com mais de 65 anos são os que possuem maior risco de serem acometidos por um AVC, especialmente se são:

  • Hipertensos;
  • Diabéticos;
  • Sedentários;
  • Acima do peso;
  • Fumantes.

Sintomas do AVC Isquêmico

  • Perda repentina da força muscular e/ou da visão;
  • Sensação de dormência no rosto, braços ou pernas;
  • Dificuldade em se comunicar e compreender;
  • Fala arrastada;
  • Tontura;
  • Formigamento num dos lados do corpo;
  • Alterações da memória.

Sintomas do AVC Hemorrágico

  • Dor de cabeça repentina;
  • Edema cerebral;
  • Aumento da pressão intracraniana;
  • Náuseas e vômitos;
  • Déficits neurológicos bem parecidos com os do AVC Isquêmico.

Diagnóstico

Caso suspeite de que você, ou alguém que você conheça, está tendo um AVC, um diagnóstico caseiro pode ser feito no ato para verificar se o caso é o acidente vascular ou não. Esse diagnóstico se chama FAST (do inglês: face (rosto), arms (braços), speech (fala) e time (tempo) e é um teste eficaz, pois 9 em cada 10 casos de AVC podem ser identificados apenas com esse teste.

  • Rosto: Peça à pessoa para sorrir. Um dos lados do rosto está com aspecto “tombado”?
  • Braços: Peça à pessoa para levantar ambos os braços. Um dos braços insiste em ficar mais baixo ou é incapaz de se levantar?
  • Fala: Peça à pessoa para dizer uma frase bem simples. Ela está falando de forma estranha ou arrastada?
  • Tempo: Se observar qualquer um desses sinais, chame imediatamente uma ambulância e fique no aguardo do atendimento médico. Lembre-se: o tempo, nesse caso, é fundamental.

Após chegar ao hospital, o médico – que poderá ser um médico de emergência (clínico geral), um neurologista ou um neurocirurgião – irá realizar uma bateria de exames em você, a fim de descobrir exatamente o que causou o AVC. A realização desse procedimento é muito importante, pois só assim o tratamento mais eficaz poderá ser indicado.

Dentre os exames, estão:

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Exame clínico

Essa primeira etapa pode ser subdividida em outras três:

  1. Na primeira, o médico irá fazer perguntas sobre os sintomas que o paciente vem tendo, quando começaram e o que estava sendo feito quando os sintomas apareceram. Após isso, ele irá verificar se esses sintomas ainda permanecem.
  2. Em seguida, o médico vai querer saber sobre os medicamentos que o paciente toma, bem como o histórico familiar de doenças cardíacas, AIT e AVC.
  3. Por fim, o médico irá examinar alguns sinais como a pressão arterial e os batimentos cardíacos. Além disso, ele poderá fazer uso, também, de um oftalmoscópio, a fim de verificar se há sinais de cristais minúsculos de colesterol ou coágulos nos vasos sanguíneos na parte de trás dos olhos do paciente.

Exame de sangue

Apenas um exame clínico não irá dar ao médico um diagnóstico preciso. Por isso, é preciso fazer exames adicionais. Um deles é o exame de sangue, que pode identificar o tempo de coagulação do sangue, bem como a taxa de açúcar presente nele e se os produtos químicos críticos ao sangue estão fora de equilíbrio.

Além disso, um exame de sangue também pode identificar se você possui algum tipo de infecção.

Tomografia computadorizada

Através de uma série de raios-x, a tomografia computadorizada visa criar uma imagem detalhada do seu cérebro. Dentre diversos fatores, ela pode mostrar uma hemorragia, um tumor ou, no caso, um AVC.

Ressonância magnética

Na ressonância magnética, o médico consegue verificar se o seu tecido nervoso está danificado por algum acidente vascular ou hemorragia cerebral através de ondas de rádio e ímãs.

Ultrassom da carótida

Com esse teste, ondas sonoras criam imagens do interior das artérias carótidas localizadas no pescoço. Através dele, é possível verificar se há acúmulo de placas gordurosas e também se o fluxo de sangue está normal ou não.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Angiografia do cérebro

Na angiografia, o médico insere um cateter através de uma pequena incisão (normalmente localizada na virilha) e o move entre as suas artérias principais, bem como na carótida ou artéria vertebral. Com esse procedimento, é possível ver detalhadamente as artérias do cérebro e do pescoço e constatar se há algum tipo de alteração.

Ecocardiograma

Através de ondas sonoras, o médico consegue ver imagens detalhadas do seu coração. Por conta disso, o eletrocardiograma mostra se há alguma fonte de coágulo no órgão e que possa, eventualmente, ter se deslocado até o cérebro, causando, assim, o AVC.

Tratamento para AVC Isquêmico

Para tratar esse tipo de AVC, os médicos precisam restaurar rapidamente o fluxo sanguíneo para o cérebro do paciente.

Tratamento emergencial com medicamentos

Esse procedimento, se feito de maneira rápida, pode não só aumentar a sua chance de sobrevivência, mas também de reduzir as eventuais complicações. Os médicos podem se utilizar de:

  • Aspirina: reduz a probabilidade de outro AVC ocorrer;
  • Injeção intravenosa de ativador do plasminogênio dos tecidos: restaura o fluxo sanguíneo através da dissolução do coágulo.

Procedimentos emergenciais

Às vezes, o médico pode recorrer a procedimentos emergenciais que não os medicamentos citados anteriormente. Esses procedimentos podem ser:

  • Medicamentos injetados diretamente no cérebro;
  • Remoção mecânica do coágulo.

Importante: Estudos recentes dizem que esses dois procedimentos não são benéficos para grande parte dos pacientes com AVC. É preciso que os médicos verifiquem detalhadamente se o uso desses procedimentos pode ser feito ou não.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Demais procedimentos

Para diminuir as chances do paciente sofrer com outro AVC, os médicos podem recomendar um procedimento que irá abrir uma artéria que está estreitada por conta do acúmulo de gorduras. Veja quais são:

  • Endarterctomia carotídea: Esse procedimento visa a retirada das placas que estão impedindo o sangue a ter o seu fluxo normal dentro das artérias localizadas no pescoço. É preciso enfatizar que a endarterctomia também possui certos riscos, principalmente em pessoas que tenham doenças cardíacas ou outras condições médicas.
  • Angioplastia e stents: Através do uso de um balão, as artérias estreitadas são expandidas. Em seguida, um stent – pequeno tubo expansível e em forma de malha – é inserido a fim de apoiar a artéria aberta.

Tratamento para AVC Hemorrágico

No caso de um AVC Hemorrágico, os médicos trabalham para controlar o sangramento que há dentro de seu cérebro e também diminuir a pressão exercida sobre o mesmo.

Medidas emergenciais

Se você faz uso de medicamentos para prevenir os coágulos sanguíneos, como a Varfarina ou o Clopidogrel, transfusões de sangue podem ser feitas para combater os efeitos dos diluentes do sangue. Além disso, você pode ser tratado também com medicamentos que irão baixar a pressão intracraniana, a pressão arterial e também para prevenir vasoespasmo e convulsões.

Cirurgia para reparar os vasos sanguíneos

O procedimento cirúrgico pode ser utilizado para reparar anomalias que estão presentes nos vasos sanguíneos, em decorrência de um AVC. O procedimento indicado pode ser um dos seguintes:

  • Clipagem cirúrgica: Com o auxílio de uma pequena braçadeira, o médico a coloca na base do aneurisma, para estancar o fluxo de sangue que está indo em direção a ele.
  • Embolização endovascular: Através de imagens provindas de raios-x, o médico insere pequenas bobinas destacáveis para dentro do aneurisma. Essas bobinas bloqueiam o fluxo de sangue e faz com que ele coagule.
  • Remoção cirúrgica do aneurisma: Caso o aneurisma esteja em um local acessível do cérebro, o médico pode optar por removê-lo e, assim, evitar que o AVC se agrave.
  • Desvio intracraniano: Em alguns casos, o desvio de certos vasos sanguíneos pode ser uma opção para melhorar a circulação do sangue na região do cérebro.
  • Radiocirurgia esterotáxica: através de múltiplos feixes de radiação, essa radiocirurgia é um tratamento usado para reparar eventuais má formações vasculares.

Medicamentos normalmente utilizados para tratar o AVC

O uso desses medicamentos normalmente são para evitar futuras complicações. Dentre eles estão:

Atenção! 

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Tratamento natural

Um estudo finlandês, publicado em 2012, constatou que comer tomates diminui significativamente os riscos de uma pessoa ter AVC ao longo da vida. Isso se deve ao fato do alimento ser rico em licopeno, um antioxidante poderoso.

Complicações e Sequelas

Um caso de AVC pode, muitas vezes, trazer algumas complicações temporárias ou permanentes – isso vai depender bastante da intensidade do acidente e de quanto tempo o cérebro ficou sem receber oxigênio. É válido ressaltar que algumas dessas complicações podem ser revertidas com programas de recuperação e reabilitação.

Paralisia ou perda do movimento dos músculos

Um lado do seu corpo pode ficar completamente imóvel após um caso de AVC – normalmente os músculos mais afetados são os do rosto e os dos braços.

A título de curiosidade: Caso o lado paralisado seja o esquerdo, o lado do cérebro danificado pelo AVC foi o direito. Em contrapartida, se a paralisação ocorre do lado direito do corpo, o dano no cérebro aconteceu do lado esquerdo.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Dificuldade em conversar ou engolir

Um AVC pode causar danos aos músculos em torno de sua boca e de sua garganta, o que acaba causando dificuldades na hora de falar e também na de engolir o que se ingere.

Além disso, pode haver também dificuldade na linguagem, seja ela falada, lida ou escrita.

Perda de memória ou dificuldade em pensar

Muitas pessoas que sofreram um AVC acabam perdendo parte de suas memórias. Outras, por sua vez, possuem dificuldade na hora de pensar e raciocinar.

Problemas emocionais

Pessoas que tiveram AVC tem maior dificuldade em controlar as suas emoções. Às vezes acabam desenvolvendo depressão também.

Síndrome de dor central

Em alguns casos, os pacientes de AVC possuem dor, dormência ou outras sensações estranhas nas partes afetadas pelo acidente.

Além disso, esses pacientes podem tornar-se mais sensíveis às mudanças climáticas, principalmente no frio.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Mudanças na capacidade de comportamento e cuidado próprio

Algumas pessoas vítimas de AVC podem tornar-se mais retraídas e antissociais. Elas talvez precisem de ajuda na preparação de tarefas diárias simples, como beber um copo d’água.

Hidrocefalia

Cerca de 10% das pessoas que tiveram um AVC também irão desenvolver um caso de hidrocefalia, condição que ocorre quando há excesso de líquido cefalorraquidiano nas cavidades do cérebro. Esse líquido é produzido pelo cérebro para proteger a si mesmo e também a medula espinhal.

A hidrocefalia pode ser caracterizada pelos seguintes sintomas:

Trombose Venosa Profunda (TVP)

Estima-se que 5% das pessoas que sofreram com um AVC também irão sofrer com uma Trombose em um futuro próximo. Essa condição se deve ao fato de um coágulo de sangue se formar em sua perna e acomete, em sua maioria, as pessoas que perderam os movimentos desse membro.

Dentre os sintomas da trombose estão;

  • Inchaço;
  • Dor;
  • Pele quente;
  • Sensibilidade do músculo;
  • Vermelhidão, principalmente na panturrilha.

Leia mais: O que é Trombose (TVP), sintomas, cura, tratamento e mais

Recuperação e Reabilitação

Pessoas que, felizmente, sobreviveram a um AVC, precisam de suporte e tratamentos auxiliares a longo prazo:

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)
  • Fisioterapia – para restaurar o movimento perdido;
  • Terapia ocupacional – para reaprender a executar tarefas diárias, como as que envolvem higiene pessoal;
  • Fonoaudiologia – para melhorar a capacidade de falar e se comunicar;
  • Psicólogo – para ajudar a lidar com os sentimentos de ansiedade ou depressão.

Prevenção

Seguir algumas dicas pode ser de extrema importância para manter a saúde em dia e, assim, evitar que um AVC o acometa:

  • Procure saber se você possui alguma doença que possa vir a desencadear um AVC (como diabetes, hipertensão ou colesterol alto);
  • Seja ativo e faça exercícios físicos regularmente;
  • Tenha uma dieta saudável no seu dia a dia, rica em verduras e legumes e com pouco sal;
  • Controle o seu consumo de álcool;
  • Evite fumar – caso o faça, procure parar o quanto antes;
  • Aprenda a reconhecer os primeiros sintomas do AVC (teste FAST).

Com essas dicas e as demais informações constantes nesse texto, controlar seus fatores de risco, bem como saber identificar os primeiros sinais de um AVC, será muito mais fácil.

Compartilhe o artigo com seus familiares e amigos e ajude-nos a propagar os danos que o AVC pode causar na vida de alguém!

Referências:

http://www.your.md/condition/stroke
http://www.criasaude.com.br/N11461/doencas/acidente-vascular-cerebral.html
https://pt.wikipedia.org/wiki/Acidente_vascular_cerebral
http://www.healthline.com/health/stroke/massive-stroke
https://drauziovarella.com.br/doencas-e-sintomas/avc-acidente-vascular-cerebral/
http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/stroke/home/ovc-20117264
http://www.redebrasilavc.org.br

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

2 Comentários

  1. Obrigado por tanta informação num só artigo.Uma perguntinha,entre as pessoas com maaior probabilidade de sofrer um AVC estãos os ”Americanos Nativos”,seria os ameríndios?

Faça um comentário:

Por favor, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui