Os medicamentos estão cada vez melhores para auxiliar na saúde e recuperação de diversas condições de saúde.

Um exemplo disso é o Benlysta, que ajuda a proporcionar mais qualidade de vida às pessoas que sofrem com Lúpus. Veja mais sobre o medicamento e em quais casos ele pode ser utilizado:

O que é Benlysta?

Benlysta é um medicamento biológico indicado para tratar os graus mais severos da doença conhecida como Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES). 

É uma solução intravenosa, ou seja, aplicada na veia por gotejamento (infusão). Geralmente, a bolsa completa com esse remédio leva 1 hora para terminar. 

Pode ser que o(a) paciente precise ficar em observação após a aplicação, para que sejam avaliadas possíveis reações alérgicas. 

A bula indica que, normalmente, a dose usada é de 10mg para cada kg corporal. Ou seja, se a pessoa pesar 70kg, a dose recomendada é de 700mg. Mas isso deve sempre ser avaliado por médicos(as) que acompanham o tratamento.

Esse remédio é indicado como terapia adjuvante, ou seja, uma forma de tratamento adicional à terapia usual. No caso do LES, além de corticosteroides e imunossupressores, também pode-se utilizar Benlysta.  

Para que serve o Benlysta? 

Benlysta é indicado para tratar os pacientes que possuem graus moderados e severos de Lúpus eritematoso sistêmico (LES). Esse tipo de Lúpus, se não for tratado corretamente, pode afetar muitas partes do corpo como o rosto, pescoço, braços, pernas, tronco, rins, pulmão, coração, pés, mãos, joelhos e cotovelos. 


Saiba um pouco mais sobre a doença que esse medicamento trata: 

Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) 

Lúpus eritematoso sistêmico é uma doença autoimune, ou seja, as próprias células do sistema imunológico (que deveriam proteger o organismo), atacam os órgãos e tecidos do corpo humano. 

Isso acontece porque há uma produção excessiva de anticorpos, o que acaba causando um mau funcionamento do organismo como um todo. 

Os principais sintomas são febre, erupções e vermelhidão na pele, mal-estar, ansiedade, febre e inflamações em órgãos (como pulmões e coração). 

Em casos mais raros, a enfermidade ainda pode provocar convulsões, anemia, arritmia cardíaca, enjoos, vômitos e surgimento de caroços abaixo da pele, principalmente na região da axila, pescoço e virilha. 

Qual o princípio ativo e como age?

O princípio ativo de Benlysta é uma substância conhecida como Belimumabe, que pertence a um grupo conhecido como anticorpos monoclonais.  

Mas o que são anticorpos monoclonais? Calma que vamos explicar por partes. 

Um anticorpo é uma proteína que funciona como um mecanismo de defesa do nosso corpo. Eles são produzidos para combater agentes externos danosos, como vírus, bactérias e fungos. 

É possível que eles sejam produzidos em laboratório para combater uma determinada doença. Nesses casos, são chamados de anticorpo monoclonal, pois reagem especificamente com alguma proteína ou molécula, por exemplo.

Esse é o caso do princípio ativo de Benlysta, o Belimumabe.

Quem tem lúpus, geralmente possui alterações em um grupo de glóbulos brancos, conhecidos como “células B”, que são responsáveis por produzir anticorpos. Por causa da doença, os anticorpos podem atacar as células sadias (esses são conhecidos como autoanticorpos). 

A função de Benlysta é ligar-se às substâncias que desencadeiam a produção de anticorpos e, no caso de pessoas com lúpus, de autoanticorpos.

Qual a frequência das doses?

Antes de tudo, vale reforçar que Benlysta deve ser administrado por um(a) profissional de saúde que esteja apto(a) para desempenhar essa função. 

Na maioria das situações, esse remédio é administrado na seguinte frequência:

  • 1ª dose: em uma data qualquer; 
  • 2ª dose: entre 14 e 28 dias a partir da última dose tomada (a quantidade de dias varia conforme a gravidade de cada caso); 
  • 3ª e demais doses:  a cada 4 semanas a partir da última dose tomada. 

O tempo máximo de uso é de 6 meses. Se até esse período não houver melhora, deve-se tentar outra forma de tratamento. 

Quais os efeitos e reações colaterais?

O uso de Benlysta pode causar várias reações colaterais. As mais comuns e muito comuns incluem diarreia, enjoos, insônia, enxaqueca, febre, depressão, infecções renais, pulmonares e bacterianas (como bronquite) e reações alérgicas. 

Em casos mais incomuns, outros efeitos colaterais também podem incluir inchaço da face, queda da pressão, coceira e erupções na pele. 

Benlysta ainda pode provocar uma reação alérgica à infusão. Essa reação é mais provável de acontecer no 1º dia de tratamento, mas podem acontecer mais tarde (estendendo-se até o 10º após a aplicação) 

Os sintomas dessa condição são inchaços no lábio ou na língua, dificuldade para respirar, falta de ar, coceira e erupções na pele. 

Em situações extremas, essa condição pode levar à morte. Por isso, se apresentar esses sinais, procure auxílio médico imediatamente. 

Quais as contraindicações na bula?

Mulheres com suspeita de gravidez, gestantes ou mamães que estão amamentando só devem usar o medicamento com indicação e acompanhamento médico.

Esse medicamento também não deve ser utilizado se o(a) paciente apresentar uma forte reação alérgica (conhecida como anafilaxia) após o uso.  

Belimumabe engorda?

Belimumabe é o princípio ativo de Benlysta. Essa substância é um anticorpo monoclonal, ou seja, é produzido em laboratório especificamente para combater uma doença ou condição. 

Na bula, não consta nenhum possível efeito adverso de alteração de peso, no entanto, vale mencionar que cada organismo pode manifestar reações diferentes. Somando com outros aspectos, como alimentação, prática de atividades físicas e estresse, é possível que durante o tratamento haja mudanças de peso.  

Além disso, o medicamento pode causar algumas reações adversas como dor de cabeça, diarreia e vômito, que podem influenciar na alteração do peso por fatores indiretos à medicação.   

Preço do Benlysta

O preço do Benlysta variam conforme a miligramagem do medicamento: 

*Preços médios consultados em dezembro de 2019. Os valores podem sofrer alteração. 

A ANVISA aprova Benlysta?

Sim. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) permite a comercialização de Benlysta. 

A autorização foi concedida em novembro de 2012 e é válida por 10 anos (ou seja, até o mesmo mês em 2022). 

Depois desse período, novos testes que comprovem a segurança e a eficácia do medicamento devem ser feitos.

Benlysta pelo SUS: tem como conseguir?

Não. O Sistema Único de Saúde (SUS) não fornece esse medicamento. 

Se o(a) paciente não tem condições financeiras de adquirir esse remédio, pode-se entrar com um processo judicial. 

Para isso, é necessária a assistência de um(a) advogado(a) e alguns documentos como a receita médica que comprovem a necessidade do fármaco e um orçamento com o preço de 3 farmácias ou drogarias. 

Nessa horas, você pode contar com a Assessoria do Consulta Remédios. 

Basta entrar nesse link, preencher o formulário com os seus dados e, em poucas horas, vamos enviar uma cotação personalizada para o seu caso. 


Benlysta é um medicamento indicado para o tratamento do Lúpus Eritematoso Sistêmico. No geral, os resultados com o uso da medicação indicam melhora na qualidade de vida do(a) paciente. 

Quer saber mais sobre medicamentos? Acesse os posts do Minuto Saudável!!


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.