A 35ª semana de gestação faz parte do terceiro trimestre e indica que o parto está próximo. Nessa fase, algumas coisas podem ser feitas para auxiliar a chegada do bebê. Por exemplo, checar se tudo está pronto. 

Por exemplo, o enxoval do bebê deve estar pronto. Também pense no berço, no carrinho de passeio e na cadeirinha (bebê conforto) para colocar no carro. 

Se você tem outros filhos, procure alguém para ajudar a cuidar deles, pelo menos durante as primeiras semanas depois do parto. 

Caso os filhos sejam pequenos, os pais também podem conversar com eles explicando que o neném é frágil e precisará de mais atenção. Não esqueça de envolvê-los nesse momento mágico.  

Outro ponto que pode ser pensado é a alimentação depois que o bebê nascer. Se somente a gestante cozinha, ela pode preparar os alimentos e congelá-los, o que vai facilitar na manutenção da rotina alimentar.  

Os pais e mães ainda podem pesquisar sobre cuidados com o bebê e outros assuntos como amamentação e caderneta de vacinação. 

35 semanas de gestação são quantos meses?

Com 35 semanas começa o 8º, e penúltimo, mês de gestação. O bebê está com quase todos os órgãos e sistemas formados, sendo que alguns já funcionam (como o sistema nervoso) e outros entrarão em atividade depois do parto (sistema respiratório que ainda está em amadurecimento).

O neném identifica as vozes, os sentimentos da mãe e sente todas as carícias. Por isso, a gestante pode aproveitar para cantar ou ler histórias para o bebê e fazer carinhos na barriga. 


Leia mais: Conheça os benefícios do pilates na gravidez

Qual o peso ideal para um feto de 35 semanas?

O peso ideal para um neném com 35 semanas de gestação varia entre 2kG e 2,5kG, e o comprimento varia entre 35cm e 40cm, semelhante a um melão.

Ao chegar na 35ª semana, o bebê está todo formado. A partir de agora, ele vai ganhar peso e crescer diariamente.

Em média, por semana, o peso tende a aumentar 250g. Ao nascer, em mais ou menos um mês, o neném pesará pouco mais de 3kG.  

Os movimentos ainda são percebidos com frequência embora o espaço esteja reduzido, já que o útero está começando a ficar pequeno. 

Nessa fase, o bebê também pode estar começando a virar, encaixando-se para o nascimento. A posição correta para um parto saudável é com a cabeça direcionada para o canal vaginal e as pernas pressionadas contra as costelas da mãe.     

Bebê com 35 semanas de gestação é prematuro?

Sim. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), bebês com menos de 37 semanas são considerados prematuros.

Mas isso não significa, necessariamente, algo grave ou perigoso. Geralmente, nessas condições, o bebê já tem todas as condições para sobreviver igual a uma criança que nasce no tempo certo. 

Mas entre as complicações que podem ser decorrentes do parto prematuro estão: problemas de temperatura corporal, dificuldade de mamar e menor resistência às infecções. Por isso, em alguns casos é necessário que a criança fique em incubadoras até o desenvolvimento total e saudável.

Em geral, são as gestantes de gêmeos ou múltiplos que têm mais probabilidade de entrar em trabalho de parto prematuramente. Mas isso não significa, necessariamente, algo sério ou perigoso, sobretudo se o pré-natal foi feito corretamente. 

Mesmo assim, em caso de suspeitas e sintomas como dores e sangramentos, procure uma maternidade.  

Quais são os sintomas com 35 semanas?

Durante a gravidez, o organismo da mulher passa por vários processos de transformação. Confira as partes do corpo que são mais afetadas por volta das 35 semanas da gravidez: 

Costas 

Com o peso e o tamanho da barriga é normal que algumas gestantes tenham o eixo de equilíbrio comprometido. 

Isso acaba gerando dores e desconfortos nas costas. Entretanto, a mulher deve sempre tentar corrigir a postura enquanto estiver em pé, deitada ou sentada. Usar almofadas e travesseiros pode ajudar nessas horas. 

Leia mais: Grávida pode tomar paracetamol? Saiba a dosagem e riscos

Barriga dura 

A sensação de barriga dura é comum na reta final da gravidez. Isso acontece devido às contrações do útero que se prepara para o parto. 

Essa condição só é sinal de preocupação se for acompanhada de dilatações, sangramentos ou dor intensa.

A mulher pode tentar respirar calma e profundamente para aliviar a sensação da barriga dura. Se deitar do lado esquerdo também costuma funcionar para amenizar o desconforto.  

Sistema digestivo  

Com o movimento do bebê para encaixar-se, os intestinos (grosso e delgado) podem ser pressionados causando prisão de ventre ou tenesmo (vontade frequente de evacuar).

Também é normal que algumas grávidas tenham flatulência (eliminação frequente de gases). Os hormônios e a pressão do neném no sistema digestivo estão relacionados com essa condição.  

Para diminuir os desconfortos, a mulher deve evitar comer alimentos de difícil digestão, como feijoada, doces, massas e frituras. 

Membros (pés, pernas, braços e mãos)

Muitas grávidas se queixam do inchaço durante a gestação. As causas do inchaço podem variar: retenção de líquido, aumento da pressão arterial ou falta de circulação sanguínea. 

Para diminuir essa condição ou reduzir o desconforto, a gestante pode fazer caminhadas leves, esticar as pernas, beber em média 2L de água por dia e usar roupas confortáveis. 

Canal vaginal  

Algumas bactérias, fungos ou vírus podem entrar no canal vaginal podendo trazer complicações para o neném enquanto estiver na barriga ou mesmo durante o parto. 

Por isso, o(a) obstetra pode solicitar um exame para verificar se não há a presença desses microrganismos no canal vaginal. 

O teste mais comum é chamado de GBS (ou cultura da secreção vaginal) e consiste na coleta de material da vagina. Se o resultado for positivo, a gestante poderá tomar antibióticos conforme a recomendação médica. 

Leia mais: Tampão mucoso: saiba como é e se pode provocar cólicas

Costelas

O bebê também pode acabar empurrando as costelas causando dor e até um pouco de falta de ar. 

A mamãe pode tentar respirar profunda e calmamente sempre que sentir dificuldades. Fazer massagens delicadamente na região também pode ajudar. 

Sistema urinário 

Com a pressão exercida pelo bebê sobre a bexiga, é comum que a grávida tenha vontade frequente de urinar.

Mas, embora as idas ao banheiro sejam mais constantes, a mulher deve continuar ingerido uma média de 2L de água por dia. 

Além de se preocupar com a desidratação, a mulher também deve cuidar para não contrair bactérias ou vírus que podem causar infecções na bexiga e no sistema urinário. 

Útero 

As cólicas podem marcar o final da gestação. As dores e contrações neste órgão podem causar desconfortos e preocupação. Mas manter a calma é importante. 

Falta, em média, menos de um mês para o nascimento, por isso, é normal que o corpo esteja se preparando para o parto.  

As cólicas são normais. Mas se as dores forem intensas ou acompanhadas de febre e sangramentos, é aconselhável procurar orientação médica. 


A gravidez está chegando ao fim com o início do penúltimo mês. Alguns preparativos podem ser feitos. A ansiedade e a expectativa tendem a aumentar cada vez mais a partir dessa fase. 

A mulher deve tentar ficar tranquila e procurar informar-se sobre todas as próximas etapas. Por isso, o Minuto Saudável traz muitas informações sobre gravidez. Acompanhe nossas postagens!!!  


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.

Participe da discussão

5 comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

  1. Estou ansiosa preocupada tensas milhares de coisas mais confiante em deus que tudo ser concedido no tempo de deus

  2. Estou confiante que Deus irá me dar uma boa hora,e que essas explicações me ajudaram muito Obrigada

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *