Daniele (Minuto Saudável)
05/03/2019 08:00

Ginkgo biloba (comprimido, chá): benefícios, como tomar, bula, preço

No dia 6 de agosto de 1945, às 8h15 da manhã, foi lançada a primeira bomba atômica sobre a cidade de Hiroshima, no Japão, durante a Segunda Guerra Mundial.

Publicidade

A bomba causou muitos estragos na cidade e foi a responsável por várias mortes, mas em meio ao desastre uma planta sobreviveu ao triste fato histórico: o ginkgo biloba.

Essa espécie de planta é uma das mais antigas do mundo, que consegue viver por mais 1000 anos em terrenos com poucos nutrientes.

Acredita-se que ela tenha muitos benefícios a nossa saúde, por isso suas folhas são utilizadas para a realização de chás fitoterápicos e pela indústria farmacêutica em forma de cápsulas.

Conheça a ginkgo biloba, seus usos e benefícios para a saúde!

Índice — neste artigo você encontrará as seguintes informações:

  1. O que é a ginkgo biloba?
  2. A árvore ginkgo biloba
  3. Extrato de ginkgo biloba: chá ou comprimido?
  4. Propriedades: para que serve?
  5. Quais os benefícios da ginkgo biloba?
  6. Ginkgo biloba é bom para memória?
  7. Ginkgo biloba e Alzheimer
  8. Bula: como tomar ginkgo biloba?
  9. Preço e onde comprar ginkgo biloba
  10. Ginkgo biloba emagrece?
  11. Malefícios
  12. Efeitos colaterais
  13. Contraindicações
  14. Interação medicamentosa
  15. Perguntas frequentes

O que é a ginkgo biloba?

O ginkgo biloba (nome científico Salisburia Adiantifolia) é uma árvore de origem chinesa e suas folhas são utilizadas na medicina herbal para tratar diversas doenças há anos.

É uma grande árvore e suas folhas são conhecidas pelo seu formato de leque. É uma das espécies mais antigas no mundo — para se ter ideia um pé de ginkgo biloba consegue viver até mil anos.

Entre suas propriedades podemos encontrar os flavonoides e os terpenoides.

Publicidade

O primeiro grupo possui poder antioxidante e auxilia na defesa do organismo, além de reduzir o desenvolvimento de doenças e do envelhecimento precoce. Já o segundo grupo contém propriedades consideradas anti-inflamatórias, antidepressivas e anticancerígenas.

Devido a isso, o ginkgo passou a ser alvo de pesquisas, sendo considerado, por muitos, como capaz de auxiliar no combate à doença de Alzheimer e problemas de demências em pacientes.

Também pode ter efeito positivo na redução dos sintomas da TPM, auxiliar na saúde dos olhos, melhorar a circulação sanguínea e combater a ansiedade e depressão.

O ginkgo demonstrou que pode ser um aliado na perda de peso, isso devido a um flavonoide chamado quercetina, capaz de aumentar os gastos energéticos, ajudando no emagrecimento e na recuperação pós exercício físico. Sendo esse um dos motivos da planta ganhar mais popularidade.

Logo, passou a ser comercializada em formato de cápsulas e compridos, para auxiliar na saúde durante a correria do cotidiano.

Mesmo possuindo muitos benefícios, o ginkgo biloba possui restrições. Não é indicado que crianças, mulheres grávidas ou lactantes, entre outros grupos façam uso da planta. Pois podem ocorrer efeitos colaterais, como náusea, tontura, dor no estômago, entre outros.

Se for consumida em excesso pode ocasionar problemas de saúde ao invés de ajudar, entre eles, pedra na vesícula e até convulsões. Por isso é necessário atenção e acompanhamento médico ao fazer uso dessa planta tão antiga.

A árvore ginkgo biloba

As folhas da ginkgo biloba utilizada em formato de cápsulas ou comprimidos e chá vêm da árvore chamada Ginkgo biloba L., originária da China e Japão.

Essa árvore é considerada um fóssil vivo, devido aos cientistas terem encontrado folhas de ginkgo biloba em pedras da época Jurássica. Ela pode chegar até 30 metros de altura, cerca de um prédio de 3 andares.

Suas folhas são em formato característico de leque, de cor verde clara. Quando chega a troca de estação (inverno), as folhas ficam de cor amarelada e aos pouco caem, retornando logo ao início da primavera.

Publicidade

A ginkgo biloba é indicada para cultivo em regiões frias do país, como os chamados jardins de altitude nas serras.

Extrato de ginkgo biloba: chá ou comprimido?

É possível encontrar o ginkgo biloba em folhas, que são utilizadas normalmente nos chás, ou em comprimidos.

Em geral, o extrato tem as mesmas propriedades, diferenciando-se apenas pelo modo de consumo e pela concentração da planta.

Isso porque os comprimidos, encontrados em lojas de suplementos ou manipulados, tendem a ter uma concentração maior do extrato.

Mas não há uma opção melhor, devendo ser escolhida conforme a preferência, adaptação e necessidades de cada pessoa.

Propriedades: para que serve?

De origem chinesa, suas folhas e sementes costumavam ser usadas para tratar algumas doenças, como asma e bronquite.

Em geral, as bulas dos suplementos e extratos indicam que há efeitos positivos de usá-la para auxiliar no tratamento de doença de Alzheimer, demência, zumbido, doença vascular periférica (claudicação intermitente) e depressão.

A indústria aproveitou o interesse das pessoas pelos benefícios do ginkgo biloba e passou a oferecer a planta em comprimidos, cápsulas ou chás.

O ginkgo biloba pode ser utilizado para melhorar a circulação sanguínea, ajudar as atividades do cérebro, olhos, pernas e ouvidos. Por possuir propriedades antioxidantes, o grinko passou a servir como ingrediente em cosméticos devido a sua ação.

Podemos encontrar na composição do ginkgo biloba duas substâncias, são elas:

Flavonoides

Os flavonoides são substâncias conhecidas por dar cor a frutas e vegetais. Eles têm capacidades antioxidantes para o organismo, em que conseguem manter as células sadias, agindo contra os danos de oxidação que provocam o envelhecimento precoce.

Leia mais: Por que comer legumes e verduras?

Com isso, também são capazes de reduzir os riscos de doenças como diabetes, problemas cardíacos etc.

Consumir alimentos com a presença de flavonoides reduz o desenvolvimento de doenças e do envelhecimento precoce.

Terpenoides

Os terpenoides são substâncias produzidas pelos vegetais responsáveis por dar sabor e cheiro a eles. Elas são benéficas a nossa saúde por conter propriedades anti-inflamatórias, anticancerígenas e antidepressivas.

Quando extraídos, podem ser usados em produtos tópicos (como óleos de plantas) ou suplementos.

Quais os benefícios da ginkgo biloba?

Entre os benefícios que a planta pode oferecer, estão:

Auxilia na saúde dos olhos

O grinko ajuda a saúde ocular graças ao fato de possuir ativadores de plaquetas que previnem danos nas membranas dos olhos.

Em casos de degeneração nos olhos com relação à idade do paciente, a substância se mostrou positiva para preservar a boa visão e diminuir os danos no tecido ocular.

Concentração e cognição

Uma pesquisa realizada na Oregon Health Sciences University sugere que o ginkgo biloba ajuda na concentração e cognição, tendo um efeito parecido com o medicamento “donepezil”.

Em que, por meio das substâncias químicas contidas no ginkgo, é possível melhorar a transmissão de sinais entre os neurônios, auxiliando na conexão entre eles e ajudando na concentração e cognição.

Combate ansiedade e depressão

O ginkgo tem a capacidade de neutralizar os efeitos de hormônios, como adrenalina e o cortisol (relacionados ao estresse).

Essa neutralização é benéfica pois pode reduzir os quadros de transtornos como ansiedade, depressão, ataques de pânico e fobias.

Leia mais: Como controlar a ansiedade? 14 dicas para evitar crises

Pode reduzir o risco de demência e doença de Alzheimer

Um estudo do Instituto de Qualidade e Eficiência em Cuidados de Saúde, da Alemanha, demonstrou a possível eficácia da planta em relação ao declínio mental relacionado à idade, em pessoas mais velhas.

Utilizado em pacientes que estavam tratando o Alzheimer, a substância auxiliou na redução dos sintomas, melhorou a memória e o desempenho cognitivo. Em casos de demência, o grinko também apresentou melhorias.

Mas os resultados não são consenso. Uma outra pesquisa, da Associação Americana de Medicina, mostrou que não houve resultados positivos à melhora ou concentração nos pacientes que utilizaram a substância.

Reduz sintomas da TPM

Publicado no Journal of Complementary Medicine, um estudo demonstrou que o ginkgo ajuda a reduzir os sintomas da TPM.

Ao consumir em formato de suplemento e também em folhas em infusão para chá, houve diminuição dos sintomas como sensibilidade mamária, fadiga, alteração de humor, dor de cabeça e desconforto muscular.

Reduz os riscos de trombose

O ginkgo biloba pode reduzir os riscos do desenvolvimento de trombose, isso porque ele evita a aglomeração das plaquetas, fazendo com que não ocorra coagulação sanguínea de forma irregular.

Melhora a circulação e a saúde cardíaca

O ginkgo biloba possui ação vasodilatadora, ou seja, tem a capacidade de dilatar as veias para que o fluxo sanguíneo chegue às várias partes do corpo de maneira bem distribuída.

Essa capacidade acabou sendo analisada em pesquisas que demonstraram bons resultados na circulação do sangue, observando que há uma diminuição de pressão sob o coração.

Minimiza a claudicação intermitente

A claudicação intermitente, é a dor e sensação de que está ocorrendo cãibras nas pernas e pode aparecer nas pessoas que fazem corrida e caminhada com frequência.

Essa condição ocorre devido a uma interrupção no fluxo do sangue para as artérias localizadas nas pernas.

O ginkgo biloba possui uma ação estimulante para a circulação, podendo ser aliado no controle da claudicação.

Pode reduzir tonturas e labirintite

O ginkgo biloba ajuda na saúde cardíaca devido à ação vasodilatadora. Além de ajudar na saúde cardíaca, auxilia a irrigar a região chamada de labirinto, localizada no ouvido e responsável pelo nosso equilíbrio corporal.

Dessa maneira, levando a irrigação do sangue sem problemas, evita-se casos de labirintite, zumbidos e até dores.

Ginkgo biloba é bom para memória?

Depende. Algumas pesquisas dizem que sim, outras que não. Além de que há pessoas que notaram benefícios enquanto outras não apresentaram diferença.

Segundo uma pesquisa realizada pela Universidade de Maryland Medical Center, o ginkgo possui bons resultados no tratamento de demência. Os médicos notaram que, ao utilizar a substância, houve melhora do fluxo sanguíneo no cérebro, protegendo as células nervosas.

Dessa maneira, é benéfico para a capacidade de realizar tarefas, memória, pensamento e o comportamento social.

Após esses resultados, foram realizados testes para o tratamento de Alzheimer e novamente houve um resultado positivo. O ginkgo biloba pode ser eficaz para estabilizar o quadro dessa doença e também de melhorar as capacidades cognitivas dos pacientes.

Mas há estudos que também indicam o contrário. A planta, nesses casos, não apresentou diferenças aos pacientes.

Ou seja, ela pode ajudar, mas ainda divide opiniões da população e dos especialistas.

Ginkgo biloba e Alzheimer

Há muitas pesquisas que sugerem que o consumo de ginkgo biloba pode ser eficaz no tratamento da doença de Alzheimer. Isso devido à capacidade de melhorar a circulação de sangue no cérebro e distribuição no nível de oxigênio em várias partes do corpo.

Mas há controvérsias. Em alguns casos, como o da pesquisa do Journal of Clinical Neurology, demonstrou-se que houve pessoas que não apresentaram nenhuma melhoria ou evolução com o uso do ginkgo biloba.

O consenso da comunidade científica é de que são necessárias mais pesquisas para chegar a uma conclusão sobre o ginkgo biloba.

Leia mais: Exercício físico pode prevenir Alzheimer e melhorar memória

Bula: como tomar ginkgo biloba?

O ginkgo biloba pode ser encontrado em 2 formas, são elas: cápsula, ou comprimido, e em folhas secas. Quando utilizada em cápsulas ou comprimido, é comum a dose ser de 1 a 2 por dia (120mG a 240mG).

Já na forma de folhas secas, o produto é ideal para ser consumido em chá, cerca de 2 xícaras por dia (480mL).

Para preparar, utilize um bule com 1 litro de água e acrescente 2 colheres de sopa (28g), leve ao fogo para ferver. Após fervido, espere um esfriar, coe e beba.

120mG

Na opção de 120mG, a dose diária é de 1 comprimido da substância, de 12 em 12 horas, duas vezes ao dia. Dependendo do caso a recomendação do consumo fica a critério médico.

80mG

A dose diária, quando a escolha é a versão de 80 mg, deverá ser de 1 comprimido de 8 em 8 horas ou 12 em 12 horas. Dependendo do caso e da prescrição médica, pode haver um aumento na dose ou diminuição, tudo depende da avaliação de cada caso.

Preço e onde comprar ginkgo biloba

O ginkgo biloba pode ser encontrado em farmácias, casas de produtos naturais e lojas online, sendo comercializado, geralmente, em cápsula, comprimido ou folhas.

Em cápsulas e comprimidos, o ginkgo biloba custa em torno de R$20 a R$40, enquanto as folhas de R$10 a R$30.

Entre as opções de cápsulas, estão:

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Ginkgo biloba emagrece?

Diretamente, não. Mas, na verdade, o ginkgo biloba pode ser um auxílio no objetivo de emagrecer.

Isso porque sozinho não emagrece, mas aliado a exercícios físicos e uma dieta balanceada pode ajudar na perda de peso devido às suas propriedades antioxidantes, que auxiliam o organismo.

Elas mantêm as células do organismo sadias e possuem também uma ação anti-inflamatória, em que quanto menor a proporção de inflamação nas células livres do nosso organismo melhor é o auxílio na tarefa de emagrecer.

Mas ainda não há pesquisas que confirmem o emagrecimento só pelo consumo de ginkgo biloba.

Leia mais: Noz da Índia (cápsula): para que serve, efeitos colaterais, emagrece?

Malefícios

Quando o ginkgo biloba é utilizada em excesso, pode ocasionar malefícios para a saúde ao invés de ajudar, como:

Danos hepáticos

Quando se utilizado o ginkgo biloba em excesso pode ocorrer da substância ficar depositada em grande quantidade e sobrecarregar a atividade do fígado. Dessa maneira, pode ocorrer o desenvolvimento de doenças que causam danos hepáticos.

Pedra na vesícula

Além de poder sobrecarregar o fígado, o ginkgo biloba em excesso pode causar pedra na vesícula.

Esse órgão trabalha armazenando a bile, um líquido que é feito pelo fígado e responsável por ajudar na digestão de gorduras.

Quando há uma grande quantidade de gordura ocorre um desequilíbrio e a formação de pedras, causando dores.

Convulsões

Um estudo realizado por cientistas da Universidade de Bonn, na Alemanha, mostrou que o ginkgo biloba possui uma substância chamada ginkgotoxina.

Em pacientes com histórico de ataques epiléticos e convulsões, a substância pode agir como um desencadeador.

Efeitos colaterais

Em algumas pessoas o consumo de Ginkgo biloba pode gerar efeitos colaterais, se você possui alergia a plantas não deve tomar o ginkgo. Entre os possíveis efeitos colaterais, estão:

  • Náusea;
  • Diarreia;
  • Tontura;
  • Queda de pressão;
  • Dores de cabeça;
  • Dor de estômago;
  • Erupção cutânea (reação alérgica).

Contraindicações

Em alguns casos, o consumo de ginkgo biloba não é indicado.

Por exemplo, quando há alguma cirurgia marcada, deve-se suspender a utilização porque a substância pode causar sangramentos nos pacientes ou dificuldade de coagulação.

Além desse caso as pessoas que não devem tomar, são:

  • Crianças;
  • Mulheres grávidas ou amamentando;
  • Pessoas com diagnóstico de epilepsia;
  • Pessoas que tomam medicamentos anticoagulantes;
  • Pacientes com diabetes (precisam consultar um médico para tomar).

Interação medicamentosa

A planta pode interagir com alguns medicamentos, podendo aumentar o risco de sangramento. Não consuma a substância se você faz uso dos seguintes medicamentos:

Perguntas frequentes

Quem tem pressão alta pode tomar ginkgo biloba?

Sim! O ginkgo biloba produz o óxido nítrico, que em nosso organismo possui uma ação vasodilatadora, em que aumenta os vasos sanguíneos, melhorando o fluxo e auxiliando no transporte de oxigênio e nutrientes.

Qual a quantidade de ginkgo biloba por dia?

A dose diária geralmente é de 240mG, ou seja, dois comprimidos por dia, na forma de chá o recomendado é ingerir 2 colheres de sopa (28 g). Dependendo do tratamento, a dose diária recomendada fica a critério médico, após avaliação do paciente.

Como fazer chá de folhas de ginkgo biloba?

Pegue um litro de água e inclua 2 colheres de sopa das folhas de ginkgo biloba, leve ao fogo e deixe ferver cerca de 5 minutos. Desligue após fervura, espere esfriar um pouco, coe e beba (até 2 xícaras por dia).


O ginkgo biloba é uma planta utilizada há anos na medicina herbal para tratar diversas doenças. Você já tinha ouvido falar dela?

Compartilhe essa notícia com seus amigos para que mais pessoas conheçam as propriedades do ginkgo biloba!

Fontes consultadas

01/03/2019 15:49

Daniele (Minuto Saudável)

Redatora, é jornalista e especialista em Mídias Digitais, ambos pela Universidade Positivo. Produz matérias sobre saúde e bem-estar.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*