A gravidez anembrionária acontece quando, por erros nos cromossomos, não se forma um embrião. Essa condição é caracterizada pela fecundação do espermatozoide no óvulo e a formação do saco gestacional, mas sem embrião. A duração dessa gravidez é até a 8ª semana, em média. 

Depois desse tempo, o corpo da mulher elimina o saco gestacional por meio de um pequeno sangramento, considerado como aborto espontâneo. 

Em uma gravidez normal, o embrião pode ser visto a partir da 6ª semana.

Mas, ao se fazer um exame de imagem durante uma gravidez anembrionária, não se pode ver o embrião dentro da barriga.

Quando isso acontece, recomenda-se que a mulher faça novos exames dentro de alguns dias. 

Se novamente não for possível ver o embrião, em idade gestacional esperada para visualização de embrião, e saco gestacional vazio que atinge 20mm, o(a) médico(a) pode orientar:

  • Aguardar a eliminação do saco gestacional por conduta expectante;
  • Uso de medicações para abertura do colo;
  • Esvaziamento do útero por meio de aspiração ou curetagem uterina.

Vale lembrar que os procedimentos de esvaziamento do útero devem ser feitos no hospital, com o acompanhamento médico.

Como identificar uma gravidez anembrionária?

A melhor forma de confirmar uma gestação anembrionária é por meio do exame de imagem, a ultrassonografia. Entretanto, alguns sintomas como febre e pequenos sangramentos podem ser indicativos desse quadro. Por isso, é sempre importante a gestante procurar um médico obstetra que poderá fazer avaliações e tirar dúvidas. 


Vale ressaltar que os resultados de testes de gravidez (de farmácia e de laboratório) serão positivos, pois identificam o quadro como uma gravidez normal. 

Inclusive, muitas mulheres nessa condição têm os sintomas comuns de uma gestação: ausência de menstruação, enjoos, tonturas e dores na pélvis. 

Tudo isso dificulta a detecção precoce do quadro. 

Por isso, para ter uma confirmação se a gravidez tem ou não embrião, é recomendável que se faça os exames de ultrassom a partir da 7ª semana de gestação. 

Isso porque, se for feito antes, o embrião embora esteja saudável pode não aparecer por ser muito pequeno. 

Pode acontecer duas vezes? 

Sim. Embora seja raro, é possível que uma mulher tenha mais de uma gravidez anembrionária. 

Nesses casos, se o desejo for de engravidar, pode-se fazer exames para detectar quais são as dificuldades que impedem a concepção.  

Uma vez descoberto o motivo, pode-se iniciar tratamentos, sob a orientação médica, para combatê-lo e, assim, aumentar as chances de engravidar. 

Em grande maioria dos casos, depois de passar por uma gravidez anembrionária, é possível que a mulher engravide normalmente. 

Entretanto, recomenda que se espere cerca de 3 ciclos menstruais antes de tentar novamente, principalmente se houve curetagem uterina, já que o corpo da mulher precisará descansar e recuperar-se da gestação sem embrião.

Leia mais: Abortos recorrentes podem estar ligados a má qualidade do esperma

É possível prevenir?

Por ser um erro nos cromossomos, não há como prevenir a gravidez anembrionária. Mas é possível reduzir os riscos adotando algumas medidas e cuidados simples:

Cuidados com a alimentação

A alimentação deve ser rica em alimentos com vitaminas do complexo B (B2, B6, B9 e B12) presentes em: 

  • Carnes (peixe, fígado, cortes bovinos);  
  • Vegetais verdes (couve e espinafre);
  • Castanhas (do Pará, de caju, amêndoas, nozes).  

Frutas, verduras, legumes e hortaliças devem estar presentes na dieta diariamente. Evitar gorduras e açúcares também contribui para uma alimentação saudável.   

O homem precisa cuidar da alimentação porque a mesma interfere diretamente na qualidade dos espermatozoides, que se forem de má qualidade podem morrer antes mesmo de fecundar o óvulo. 

Já a mulher também deve comer corretamente para manter os óvulos e o útero saudáveis. O que favorece uma gestação saudável.   

Leia mais: Alimentos ricos em ferro: dieta para gestantes e para anemia

Exames e acompanhamento médico 

Tratar ou evitar as doenças sexualmente transmissíveis (sífilis e gonorreia, por exemplo) é outra medida que previne esse tipo de gestação. Por isso, se não tiver a intenção de engravidar, use camisinha

Fazer os exames de rotina e seguir as orientações médicas (ginecologista e urologista) também ajudam a prevenir a gravidez anembrionária.


A gravidez anembrionária acontece quando não há embrião. Esse tipo de gestação é difícil de ser identificada, já que tem sintomas similares ao de uma gravidez normal.

Felizmente, existem medidas de prevenção como alimentação rica em vitaminas do complexo B.

Fontes consultadas


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *