Estamos acostumados, desde pequenos, a ouvir frases como “é preciso tomar oito copos de água por dia para se manter hidratado”, e assumimos isso como verdade pelo resto de nossas vidas.

Acontece que muitas dessas noções populares sobre a saúde são passadas de gerações para gerações sem ao menos existir qualquer embasamento científico.

Confira 63 desses mitos e o porquê de eles não serem verdadeiros:

1. Leite faz bem para os ossos

Devido ao leite de vaca ser rico em Cálcio (importante para a manutenção da força dos ossos) e Vitamina D (auxilia na absorção do Cálcio), a publicidade enxergou uma oportunidade de divulgar o produto como altamente benéfico, sendo capaz de fortalecer os ossos e evitar fraturas.

É verdade que o leite possui muitas vitaminas e minerais que o nosso corpo necessita, mas diversas pesquisas mostram que não há uma associação entre beber leite e a diminuição de fraturas ósseas.

Fonte: JAMA Pediatrics

2. Comida orgânica não contém pesticidas e é mais saudável

Na verdade, comida orgânica também recebe pesticidas, a diferença é que são derivados de matérias primas naturais, ao contrário dos pesticidas de origem sintética usados pela maior parte dos agricultores. Isso não é motivo para se preocupar: os níveis de pesticida, tanto os sintéticos quanto os naturais, não são suficientes para causar danos à nossa saúde.

Um estudo divulgado no British Journal of Nutrition revela que comidas orgânicas possuem mais antioxidantes do que alimentos convencionais. Ainda assim, apenas isso não é o suficiente para dizer que, num geral, alimentos orgânicos são mais saudáveis ou nutritivos.

Fontes: Annals of Internal Medicine, The American Journal of Clinical Nutrition, PubMed

3. Regra dos 10 Segundos

Muitos conhecem a “Regra dos 10 Segundos”, podendo ser também 5 segundos, que diz que se o alimento que caiu permanecer no chão por menos de 10 segundos, ele ainda pode ser comido, alegando que o tempo não foi suficiente para ser contaminado pelas bactérias.

O fato é que bactérias precisam apenas de alguns milisegundos para contaminar um alimento, então não importa quanto tempo ele ficou no chão, ele já não é mais próprio para consumo. O que determina a contaminação é a umidade da comida, o formato da superfície e a condição de limpeza do piso. Tempo não significa nada nesses casos.

Fonte: Discovery

4. Comer chocolate dá espinhas

Sempre ouvimos dizer que chocolate dá espinhas e este é um argumento muito usado por mães para incentivar hábitos alimentares mais saudáveis. Entretanto, uma pesquisa publicada no Journal of American Medical Association revela que o consumo excessivo de chocolate e gordura não altera a aparição de espinhas.

Foram estudadas 65 pessoas com acne moderada, parte delas consumiu barras de chocolate “enriquecido” (barras que continham dez vezes mais chocolate do que uma barra normal), enquanto a outra parte comia barras idênticas, porém sem chocolate.

Ao contar a quantidade de espinhas nas pessoas no começo e no final do experimento, não havia diferença entre os participantes que comeram muito chocolate e os que comeram as barras sem chocolate.

Fonte: Journal of American Medical Association

5. Uma maçã por dia previne doenças

Embora maçãs contenham bastante Vitamina C e fibras, o consumo diário da fruta não é o suficiente para prevenir doenças. O corpo humano precisa de muito mais vitaminas e minerais que devem ser obtidos através de outros alimentos, e não apenas aqueles contidos em uma maçã. Os componentes da fruta também não são eficazes contra vírus e bactérias.

Fonte: How Stuff Works

6. Adoçar com mel ao invés de açúcar processado é melhor para a saúde

Por se tratar de uma opção mais “natural”, é normal que as pessoas tenham a impressão de que adoçar com mel seja mais saudável do que açúcar refinado ou cristal. A verdade é que o açúcar “natural” de frutas e outros produtos naturais não é diferente do açúcar encontrado nos supermercados: sua estrutura e composição molecular é a mesma (frutose + glicose), independente de sua origem.

O que pode ser um diferencial, neste caso, é que produtos que usam o açúcar comum geralmente contém uma quantidade maior de açúcar, ao contrário dos produtos que utilizam mel em sua composição.

Fonte: SciShow

7. Café impede o crescimento

No Brasil — e em várias outras partes do mundo —, o consumo do café é visto como uma coisa apenas para adultos. Isso acontece devido ao fato de que há uma crença que o café interrompe o crescimento das crianças.  Entretanto, crianças costumam ingerir refrigerantes de cola, que possuem cafeína em suas fórmulas.

O mito muito provavelmente tem suas origens na publicidade, quando nos anos 1900, nos Estados Unidos, foi lançada uma campanha para um produto chamado “Postum”, uma bebida que viria para substituir o café. Tal campanha buscava denunciar os malefícios do café, alguns sem qualquer fundamentação científica, entre eles o de que o café seria capaz de parar o crescimento das crianças.

Embora não existam evidências sobre isso, também não há evidências de que ele não afeta a fase de crescimento. Ainda não há estudos o suficiente para concluir quais os efeitos do consumo de café durante a infância. Estudos realizados em adultos demonstram apenas que a cafeína atrapalha a absorção de Cálcio (necessário para o crescimento dos ossos), mas que isso pode ser facilmente contornado com uma simples colher de leite de vaca.

Fonte: Smithsonian Magazine

8. Tomar sorvete piora resfriado

Existe o mito de que leite e seus derivados podem aumentar a produção de muco, piorando quadros como simples resfriados. Felizmente, pesquisas revelam que o leite pode engrossar o muco da garganta, mas não faz com que mais muco seja gerado. Já os alimentos derivados de leite congelados (sorvete, frozen yogurt, entre outros) podem até ajudar a aliviar os sintomas de uma garganta machucada.

Fonte: Mayo Clinic

9. Açúcar é tão viciante quanto heroína

Há diversos estudos que mostram que o cérebro reage ao açúcar da mesma maneira que reage ao álcool, tabaco e até drogas mais pesadas, como a cocaína e a heroína. As partes do cérebro que se acendem ao ingerir açúcar são as mesmas que se acendem quando fazemos atividades prazerosas.

Apesar disso, não é possível dizer que a substância é viciante, pois não foi identificada uma parte no cérebro que “mostra” o vício. Ou seja, cientistas não descobriram como um vício “aparece” no cérebro, sendo impossível dizer que o açúcar causa vício apenas por acender as mesmas partes que outras substâncias altamente viciantes.

Fonte: Business Insider

10. Açúcar e chocolate são afrodisíacos

Não é raro vermos chocolate relacionado a situações românticas e/ou eróticas, o que pode significar que este é mais um mito que veio da publicidade. O fato é que: não há provas científicas de que “afrodisíacos naturais” tem algum efeito no apetite sexual de homens. Quando se trata de mulheres, é preciso mais estudos.

Fonte: Mayo Clinic

11. Açúcar causa hiperatividade nas crianças

De acordo com o Dr. Bryan Burke, professor da University of Arkansas for Medical Sciences, não há evidências de que uma dieta rica em açúcar pode causar déficit de atenção ou hiperatividade. Entretanto, o doutor recomenda cuidados com o açúcar na dieta de crianças por conta dos riscos de obesidade.

Fonte: UAMS

12. O sangue fica azul por falta de oxigênio

O sangue humano é sempre vermelho. As veias e as camadas de tecido podem fazer suas veias apresentarem a cor azul, mas o sangue que por ali circula (sangue não oxigenado) é sempre vermelho.

A cor do sangue só varia entre vermelho brilhante, quando há oxigênio, e vermelho escuro, quando o sangue está sem oxigênio – geralmente o tipo de sangue que circula pelas veias que vemos.

Fonte: UCSB ScienceLine

13. Humanos possuem 5 sentidos

Embora sejamos ensinados na escola que possuimos 5 sentidos (visão, audição, olfato, tato e paladar), pesquisadores estimam que os seres humanos possuem entre 9 e 21 sentidos.

Ainda não há um consenso geral, mas podemos perceber isso simplesmente observando as sensações que temos: nosso corpo capta temperatura, pressão, tempo, equilíbrio e até mesmo um sentido chamado propriocepção (cinestesia), que é a consciência da localização espacial do corpo. Graças à este sentido, nós não saímos por aí topando com tudo e todos.

Fonte: Curiosity.com

14. O hímen é um tecido que bloqueia a vagina

O hímen é uma membrana bem fina que bloqueia apenas parcialmente a entrada da vagina. A abertura desta membrana pode se apresentar de diversas formas: anelar (em forma de anel), septado (separado em dois), cribiforme (várias perfurações pequenas), entre outros. Em raros casos, há a ocorrência de hímens sem abertura, sendo necessário um procedimento cirúrgico para liberar a saída da menstruação.

Há mulheres que nascem sem hímen, assim como há mulheres que possuem hímen elástico, cuja abertura se expande durante o ato sexual e volta ao seu tamanho normal pouco tempo depois. Em geral, essas mulheres só tem o hímen rompido ao dar a luz.

Também é válido lembrar que o hímen é extremamente frágil e pode ser rompido com simples exercícios físicos ou o uso de absorventes internos.

Fonte: Go Ask Alice! (Columbia University)

15. Comer muitas cenouras auxilia na visão noturna

Cenouras são ricas em Vitamina A, importante para uma visão saudável. Entretanto, não se pode dizer que auxilia na visão noturna.

Este mito surgiu durante a Segunda Guerra Mundial, quando havia muita propaganda para que as pessoas comessem alimentos ricos em Vitamina A, pois iriam auxiliar na visão noturna. A verdade é que essa propaganda foi usada pelos britânicos como uma justificativa do porquê havia aviões britânicos ativos durante a noite. O real motivo era a invenção do radar, que mostrava a posição dos aviões alemães sem que fosse preciso enxergar onde eles estavam. Os britânicos, com medo de que os alemães descobrissem a nova tecnologia, inventaram toda uma campanha para enganá-los.

Fonte: TechInsider

16. Gravidez deixa a mulher “burra”

Durante a gravidez e os primeiros meses de maternidade, há a crença de que o cérebro da mulher é afetado e sua memória e habilidade de pensar não funcionam como deveriam, deixando a mulher “boba”.

De certo modo, uma combinação de mudanças hormonais, privação do sono e estresse pode  causar mudanças cognitivas, deixando a mulher mais esquecida. Entretanto, não há evidências que provem que a gravidez deixa a mulher “burra”.

Fonte: Mayo Clinic

17. Cabelo e unhas ainda crescem depois da morte

O que realmente acontece é que a pele encolhe e seca, de maneira que faz parecer com que os cabelos e as unhas tenham crescido.

Fonte: TechInsider

18. Humanos não criam novas células cerebrais

O processo de formação de novos neurônios no cérebro se chama neurogênese e, até pouco tempo, acreditava-se que ela só acontecia durante o desenvolvimento do cérebro. Entretanto, estudos recentes mostram que a nerogênese é um processo contínuo, que não para mesmo quando o cérebro está completamente desenvolvido.

Fonte: Cell

19. Chicletes leva 7 anos para ser digerido

Na realidade, a goma de mascar é praticamente impossível de se digerir, então o corpo busca expelí-la por outros meios. Assim como qualquer coisa que o corpo não necessita, o aparelho digestivo se encarrega de eliminar o chicletes da maneira que ele bem conhece: através das fezes.

Fonte: Scientific American

20. Micro-ondas pode dar câncer e estragar o marca-passo

Por se tratar de radiação, as pessoas rapidamente associam o uso do micro-ondas ao câncer. Na verdade, a radiação do micro-ondas não é a do tipo cancerígena — poucas são, e sempre depende da quantidade de radiação —, tudo que ela faz é aquecer a comida. Entretanto, é preciso tomar cuidado com embalagens plásticas que, quando aquecidas, liberam toxinas cancerígenas.

Em se tratando de marca-passo (dispositivo que regula os batimentos cardíacos), a radiação do forno micro-ondas não interfere em seu funcionamento normal.

Fontes: Cancer Research UK, Gnt, American Heart Association

21. Drogas criam “buracos” no cérebro

Drogas, tanto lícitas quanto ilícitas, podem causar alterações significativas na estrutura do cérebro, prejudicando o seu funcionamento normal. Ainda assim, as drogas não são capazes de criar buracos no cérebro, no sentido literal da palavra.

Fontes: Scientific American

22. Após comer, é preciso esperar meia hora para entrar na água

Após uma refeição, o corpo direciona o sangue para o estômago, para ajudar na digestão. Quando se está nadando, um pouco desse sangue pode acabar indo para os músculos, o que pode acabar causando uma câimbra, porém essa câimbra não deve ser o bastante para que uma pessoa se afogue.

Nesses casos, é recomendado sair da água e relaxar. Não existe um motivo plausível para o tempo de meia hora, depende do metabolismo.

Fonte: The Washington Post

23. Tomar vitaminas vão te manter saudável

No mercado, existem diferentes polivitamínicos disponíveis com as mais diversas promessas, que podem ser comprados sem prescrição médica. Entretanto, estudos mostram que o consumo dessas cápsulas ricas em vitaminas e minerais não funciona como o esperado. A maior parte dos suplementos não são capazes de prevenir doenças ou morte, sendo seu uso desnecessário. Alguns pesquisadores temem que o consumo de polivitamínicos possa até mesmo ser prejudicial.

Fonte: Scientific American

24. Oito copos de água por dia para se manter hidratado

Existe um consumo ideal de água diário que, para um adulto, aproxima-se dos 2,5 litros. Essa quantidade é, muitas vezes, equiparada a 8 copos de água por dia, mas o que muita gente não sabe é que maior parte dessa quantidade já é consumida através da comida.

O importante para se manter hidratado é, na verdade, consumir líquidos quando estiver com sede, sem contar os copos. Entretanto, a água é uma substância sem calorias, sendo uma ótima alternativa a refrigerantes e sucos.

Fonte: FiveThirtyEight

25. Água com gás não hidrata tanto quanto água sem gás

Em um estudo feito para desbancar este mito, pesquisadores estudaram ciclistas em diversas situações onde eles suaram cerca de 4% da sua massa corporal. Quando os ciclistas paravam, tomavam uma bebida: primeiro água sem gás, depois água gaseificada, água com açúcar e, por fim, água com gás adoçada com açúcar. Em todos os testes, a rehidratação foi a mesma, provando que a presença do carbono na água com gás não atrapalhava seu potencial de hidratação.

Fonte: International Journal of Sports Medicine

26. Iogurte ajuda no funcionamento do intestino

Geralmente a publicidade mostra o iogurte como fonte de probióticos — bactérias que ajudam no funcionamento do intestino — e, por isso, regulam o intestino. A verdade é que os próprios cientistas ainda não entendem muito bem como essas bactérias funcionam no nosso organismo, muito menos quando se tem iogurte envolvido.

Sendo assim, não há como comprovar que os iogurtes realmente auxiliam o intestino, mas também não quer dizer que o consumo desse alimento não é saudável. É importante ficar atento às calorias.

Fonte: Business Insider

27. Você perde o calor do corpo pela cabeça

Não necessariamente. O que acontece é que a cabeça é geralmente a única parte do corpo que fica descoberta nos dias frios. Todo o resto é coberto por camadas de blusas, agasalhos, luvas, meias etc. O calor vai escapar pela parte que não está coberta, ou seja, a cabeça. Qualquer outra parte do corpo é tão capaz de liberar calor quanto a cabeça, apenas não o faz porque, na maior parte do tempo, estamos vestidos.

Fonte: WebMD

28. Ir ao banheiro pela primeira vez significa ir mais vezes

O consumo de bebidas alcoólicas é comum em situações como uma festa ou numa mesa de bar, e juntamente com o álcool temos um de seus efeitos colaterais: a inibição do antidiurético. Assim, nosso corpo não consegue reter a água, e precisamos ir ao banheiro diversas vezes — é isso, também, que causa a desidratação característica da ressaca.

Nessas situações, muita gente hesita antes de ir ao banheiro, porque sabe que quando for a primeira vez, precisará ir mais vezes. Na verdade, ao evitar ir ao banheiro, nada está sendo resolvido: a bexiga continua se enchendo devido ao álcool, e vai continuar enchendo enquanto a pessoa continuar bebendo.

Ir ao banheiro pela primeira vez na noite não vai determinar quantas vezes você ainda vai precisar ir durante a mesma noite, mas sim a quantidade de álcool que você consome.

Fonte: Business Insider

29. Beber mais cura ressaca

Ingerir mais álcool quando se está de ressaca só irá prolongá-la, além de continuar desidratando por conta do efeito diurético. O importante nessas situações é beber água.

Fonte: Business Insider

30. Álcool mata as células cerebrais

Enquanto o uso abusivo de álcool pode causar danos ao cérebro, pesquisas mostram que adultos que bebem moderadamente não correm risco de perder células cerebrais. O que pode acontecer é uma redução da comunicação entre os neurônios e algumas alterações em sua estrutura, sem “matar” as células.

Ou seja, beber faz mal para o cérebro, só não exatamente da maneira como imaginamos.

Fonte: New York Times

31. Comer antes de beber te mantém sóbrio

Comer antes de beber aumenta a absorção do álcool, mas não mantém ninguém sóbrio. O álcool absorvido não entra na corrente saguínea, então demora um pouco mais para que o álcool faça efeito, mas não é uma demora significativa a ponto de deixar alguém sóbrio a noite inteira.

Essa absorção extra do álcool também pode ajudar numa possível ressaca, mas de pouco adianta comer depois de já ter bebido.

Fonte: Business Insider

32. Beber na ordem certa ajuda a não passar mal

Quando se trata de tomar licores, destilados e cervejas na mesma noite, as pessoas sempre tentam arranjar uma ordem certa para não passar mal. A verdade é que não existe uma ordem certa para se beber, porque álcool é álcool e vai afetar o organismo da mesma maneira. O que determina se você vai passar mal ou não é a quantidade de álcool consumida, não a ordem.

Um motivo pelo qual talvez seria mais esperto tomar destilados e outras bebidas antes de tomar cerveja é que, caso a cerveja seja consumida antes, pode ser mais difícil ter noção do quanto se está bebendo, já que os sentidos já estão alterados. Pode ser melhor começar com o teor alcoólico mais alto e terminar no mais baixo, mas isso não é garantia de que você vai saber quando parar ou de que não vai passar mal.

Fonte: Gizmodo

33. Memórias perdidas pelo álcool podem ser lembradas

Quando bebemos tanto a ponto de apagar e esquecer, não adianta tentar lembrar no dia seguinte. Isso porque o que acontece nesses casos é simples: a parte do nosso cérebro que codifica as memórias se “desliga”. As pessoas que dizem conseguir lembrar de alguma coisa nesses casos geralmente está lidando com memórias falsas.

Fonte: PubMed

34. Açúcar mascavo é mais saudável do que o branco

A cor do açúcar mascavo é devido aos restos de melaço na substância, e não significa ser mais “natural” ou saudável. O melaço em si possui vitaminas e minerais não encontrados no açúcar, porém no açúcar mascavo esses nutrientes são encontrados em quantidades tão baixas que o organismo nem percebe a diferença.

Fonte: Business Insider

35. Sentar muito perto da TV é ruim para os olhos

É um fato que passar muito tempo olhando para uma tela brilhante, seja de TV, computador, celular ou tablet, pode cansar os olhos e causar dores de cabeça, mas não há evidências de que, a longo prazo, a pessoa pode perder a vista. O que pode acontecer é astenopia e, portanto, é recomendado sempre utilizar estes aparelhos em ambientes bem iluminados e fazer pausas do trabalho para descansar os olhos.

Fonte: New York Times

36. Vacinas podem causar autismo

Este mito tem origem em um estudo de 1998 — retirado por se mostrar defeituoso e, aparentemente, conter dados falsos — feito com apenas 12 crianças, publicado no The Lancet. O estudo defendia que havia uma ligação entre a vacina Tríplice Viral e autismo.

Vários outros estudos foram conduzidos, analisando dados de milhares de crianças, e mostraram não haver uma relação entre vacinas e a doença. O motivo de tal mito ser tão difundido até hoje é porque o estudo foi “válido” durante 12 anos, tendo sua retração apenas em 2010.

Fonte: PBS

37. Açúcar causa diabetes

Sempre ouvimos que açúcar dá diabetes, mas acontece que isso não é totalmente verdade. A Associação Americana de Diabetes admite que diabetes é uma doença complexa e não há provas de que ela é causada diretamente pelo consumo do açúcar.

Existem dois tipos de diabetes: o tipo 1 e o tipo 2. O tipo 1 é causado pela genética e outros fatores desconhecidos que acabam por desencadear a doenças, já o tipo 2 está relacionado tanto à genética quanto estilo de vida.

Entretanto, a associação recomenda que as pessoas evitem bebidas muito doces, como refrigerantes, energéticos e isotônicos esportivos, pois eles aumentam muito a quantidade de glicose no sangue e fornecem calorias em demasia.

Fonte: American Diabetes Association

38. Comida asiática com glutamato monossódico faz mal

Comumente conhecido no Brasil como “Ajinomoto”, o glutamato monossódico é um aminoácido natural muito usado na culinária asiática como um realçador de sabor. O mito começou com um cientista que, em 1968, escreveu para o New England Journal of Medicine, dizendo que teve algumas reações adversas ao produto, como fraqueza e palpitação. Também há relatos de dormência ou queimação ao redor dos lábios, pressão facial e inchaço.

O consenso científico é de que o glutamato monossódico afeta temporariamente apenas algumas pessoas, quando consumido em grandes quantidades e a pessoa estava de estômago vazio, mas o composto é seguro para a maior parte das pessoas.

Vale observar que o glutamato monossódico é encontrado em vários outros alimentos, como tomate, queijo parmesão, cogumelos, molho shoyu e batatas.

Fonte: Business Insider

39. Crianças que tomam refrigerante vão ficar obesas

Existem estudos que mostram uma relação entre obesidade e o consumo de refrigerante e outras bebidas açucaradas em crianças, porém não é possível provar uma causalidade. Certamente não é saudável beber líquidos com muitas calorias, mas não se pode dizer que é o único fator que conta quando se trata de obesidade infantil.

Na verdade, ao invés de cortar totalmente o açúcar, o que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) sugere é que as crianças tenham hábitos saudáveis como alimentação equilibrada e atividades físicas.

Fonte: Business Insider, CDC

40. Estalar os dedos causa artrite

A artrite é uma inflamação nas juntas que não possui cura, que pode causar dor e reduzir a mobilidade das juntas afetadas. Há quem tema que estalar os dedos da mão pode causar artrite a longo prazo, mas um estudo publicado no Journal of the American Board of Family Medicine aponta que não há relação entre o estalar de dedos e a inflamação.

Fonte: JABFM

41. Não comer ajuda a diminuir a febre

Embora a febre dure pouco e seja um período no qual não sentimos muita fome, não se pode deixar de comer. Há quem acredite que a falta de alimentação durante uma febre ajuda a diminuir a temperatura corporal, mas a verdade é que a febre é uma resposta do sistema imunológico, que aquece o corpo numa tentativa de se livrar de vírus e bactérias.

Esse aumento na temperatura queima as calorias mais rapidamente, fazendo com que seja necessário ingerir ainda mais calorias para manter o corpo funcionando. A temperatura elevada também faz com que haja mais suor, fazendo da hidratação uma medida crucial para quem está com febre.

Fonte: Scientific American

42. A cor do muco nasal mostra o tipo de infecção

Há quem acredite que muco nasal esverdeado significa infecção por bactérias e muco nasal amarelo indica a presença de vírus. De fato, a cor do muco pode dar uma dica do que está acontecendo no corpo, mas não é o suficiente para um diagnóstico, sendo preciso levar em consideração outros fatores e sintomas, uma vez que existem muitas doenças e infecções que causam essa alteração.

De qualquer maneira, se você estiver se sentindo mal e tendo muita secreção, o indicado é procurar um médico.

Fonte: Cleveland Clinic

43. Sucos detox limpam o corpo

Enquanto não há problema no consumo de sucos, dietas de sucos detox não são eficazes quando se trata de desintoxicar o sistema. Isso porque o próprio corpo já se responsabiliza por eliminar aquilo que não pode ser aproveitado, e os sucos não possuem nada de especial que possa ajudar nesse processo.

O problema é quando dietas baseadas nesses sucos vão longe demais. Em primeiro lugar porque não se deve trocar refeições completas e nutritivas por sucos que consistem em frutas e vegetais batidos, até porque muitos dos nutrientes são perdidos nesse processo. Depois, essas dietas não ajudam a eliminar as gorduras, apenas diminuem a massa muscular, o que acaba dando a impressão de emagrecimento, mas é, na verdade, perigoso.

Fonte: Tech Insider

44. Pessoas com Síndrome de Tourette xingam e falam palavrões

A Síndrome de Tourette é um distúrbio neurológico caracterizado por movimentos involuntários e “tiques”. Esses “tiques” podem ser piscar freneticamente, contrair-se, ladrar/rosnar, limpar a garganta, tossir ou repetir certas palavras. Apenas algumas pessoas tem “tiques” com palavras chulas/de baixo calão.

Fonte: Child Mind Institute

45. Ficar no sereno pode dar resfriado

Não há provas de que a simples exposição ao sereno ou temperaturas baixas podem causar um resfriado, embora possa desencadear outras condições, como a hipotermia.

O que acontece é que, no frio, as pessoas passam mais tempo em lugares fechados, sem deixar o ar circular, o que facilita a propagação de vírus, tanto do responsável pela gripe, quanto os vírus responsáveis por resfriados comuns.

Fonte: Live Science

46. Estresse causa hipertensão

Um estudo publicado pelo British Medical Journal mostra que muitos pacientes associam a hipertensão à períodos de estresse, porém não há relação entre esses dois. Isso porque o estresse agudo pode aumentar os níveis de pressão no sangue, mas apenas temporariamente. Pessoas que ficam estressadas muito frequentemente certamente terão sintomas de pressão alta, porém isso não significa que esteja desenvolvendo um quadro crônico de hipertensão, uma vez que para isso há vários outros fatores a serem considerados.

Fonte: British Medical Journal

47. É possível pegar verrugas de sapos e rãs

Verrugas são tumores benignos que aparecem na pele por conta dos vírus da família Papiloma virus humano (HPV), que só existe nos humanos. Trata-se de um vírus altamente transmissível e com o qual a maior parte das pessoas é infectada durante a vida, mas não se manifesta na forma de verruga em todos.

Pode ser transmitido no contato com pele ou objetos contaminados, além do ato sexual.

Fonte: WebMD

48. Os humanos pegaram HIV porque alguém fez sexo com macacos

O HIV, vírus responsável pela AIDS, é uma das doenças sexualmente transmissíveis mais temidas pelos seres humanos, e tem sua origem em outros primatas. O que algumas pessoas não sabem é que, na verdade, o vírus HIV pode ser transmitido através do sangue e fluídos corporais em geral.

Estima-se que a passagem do vírus para os humanos seja devido à caça de macacos infectados para alimentação, que levou ao contato do sangue do macaco com o sangue humano.

Fonte: Cold Spring Harbor Perspectives on Medicine

49. Bronzeamento artificial é seguro

Muitos acreditam que o bronzeamento artificial é seguro, até mesmo mais que o bronzeamento solar, quando as câmaras usadas não utilizam a luz UVB — frequentemente associada com melanoma e outros tipos de cânceres de pele. A verdade é que a luz UVA é tão nociva quanto a UVB, podendo também causar câncer.

Fonte: WebMD

50. Calorias engordam mais durante a noite

Comer muito durante a noite, antes de dormir, pode não ser uma sábia escolha, mas não é por conta das calorias. Não importa a hora, calorias são sempre calorias e o que determina se você vai ganhar peso é a quantidade dessas calorias que você queima. Quando se consome mais calorias do que se gasta, essas calorias se transformam em gordura, a qualquer hora do dia.

Fonte: WebMD

51. Ovo faz mal para o coração

Devido ao alto colesterol, muitos acreditam que comer ovo é prejudicial à saúde do coração. Porém, após 25 anos de estudo, pesquisadores descobriram que o principal culpado pelo colesterol no sangue é a gordura saturada. Quando consumidos moderadamente, ovos são uma ótima fonte de proteína e não causam mal ao coração.

Fonte: WebMD

52. Susto faz o soluço parar

Soluços são espasmos do diafragma (músculo responsável pela respiração) e há quem acredite que dar um susto numa pessoa tendo uma crise pode parar o soluço. Isso porque sustos geralmente causam suspiros ou gritos, expandindo o diafragma.

Não há evidências científicas de que este truque funciona, embora ele possa acabar sendo útil graças ao efeito placebo.

Fonte: Live Science

53. Todas as ervas são naturais e inofensivas

Assim como nem todo cogumelo é comestível, nem todas as ervas são inofensivas. Pesquisas mostram que até mesmo ervas usadas como tratamento possuem efeitos colaterais.

Um exemplo é a Kava, natural do Oceano Pacífico, que é usada para tratar ansiedade, se administrada por via oral, pode causar doenças graves, inclusive danificar o fígado. Também pode piorar quadros de depressão.

Fonte: WebMD

54. Dietas com poucas gorduras garante perda de peso

Muitas empresas vendem produtos com poucas gorduras — principalmente doces como bolos e biscoitos —, mas o que poucos sabem é que as verdadeiras vilãs quando se trata da perda de peso são a calorias.

Independente de quantidade de gorduras que você come, o que realmente influencia no peso é a quantidade de calorias que não são queimadas. Essa energia é transformada e armazenada como gordura no corpo.

Fonte: SF Gate

55. Músculos viram gordura quando você não se exercita

Não. Quando você não se exercita, o que acontece é que os músculos encolhem e você queima menos calorias, podendo ganhar peso pelo excesso de energia transformado em gordura.

Fonte: Today I Found Out

56. Remoção de placas bacterianas causa queda de dentes

Placa é um apanhado de bactérias que ficam nos dentes e que pode ser facilmente removida através da escovação e uso do fio dental.

Quando as placas não são removidas, elas endurecem, virando tártaro, sendo preciso fazer a remoção em um dentista. Se não houver remoção do tártaro, pode-se desenvolver uma doença chamada periodonite que, por sua vez, causa a queda de dentes.

Fonte: National Institute of Dental and Craniofacial Research

57. Ler com pouca luz deixa cego

Ao contrário do que se acredita, ler na luz baixa não é tão prejudicial e não deixa ninguém cego. Na escuridão, fica mais difícil para o olho focar em alguma coisa, e por isso pode acabar causando cansaço visual temporário.

Não há evidências de que, a longo prazo, ler no escuro com luzes baixas pode ser prejudicial aos olhos.

Fonte: WebMD

58. Fazer lanches rápidos não é saudável

Por conta das tarefas diárias, o ser humano se acostumou a fazer 2 ou 3 refeições por dia e deixando, assim, a dúvida: fazer lanches rápidos é saudável?

Enquanto muitos acreditam que lanches podem levar ao ganho de peso, pesquisas mostram que isso não é necessariamente verdade. As calorias são as responsáveis pelo aumento de peso, e o importante é queimá-las para que elas não se transformem em gordura. Comer fora dos horários das refeições não influencia nisso, apenas o valor calórico dos alimentos.

Além disso, acredita-se que lanches podem ajudar a alcançar as necessidades nutricionais diárias em pessoas que não conseguem fazer isso através das refeições completas, como idosos, crianças e pessoas muito ativas.

Fonte: European Food Information Council

59. Leite quente faz dormir

Existem dois fatores que fazem as pessoas acreditarem que leite quente ou morno ajuda a dormir. Um deles é a temperatura, e afirmar que coisas quentes ajudam a dormir não é totalmente errado. Entretanto, pesquisas afirmam que é o aumento da temperatura da pele que causa esse efeito, e tomar um copo de leite quente não irá afetar essa parte do seu corpo.

Em segundo lugar, o leite contém triptofano, um aminoácido que se converte em serotonina e melatonina, hormônios que dão sono. Porém, a quantidade de triptofano em alimentos é tão pequena que não seria o suficiente pra aumentar tanto os níveis hormonais, a ponto de fazer alguém dormir.

Pra finalizar, talvez exista um motivo pelo qual as pessoas se sintam mais sonolentas ao consumir leite quente, mas é basicamente psicológico: bebês costumam dormir rapidamente após a amamentação. Sendo assim, é possível que haja sensação de sono, uma espécie de lembrança nostálgica desses tempos.

Fonte: Science Line

60. Carboidratos engordam

Existem três macronutrientes que nos dão energia: carboidratos, proteínas e gorduras. Os três são indispensáveis para uma alimentação saudável e podem engordar caso a energia (calorias) obtida não for gasta. Carboidratos, por si só, não engordam, mas outros fatores como estilo de vida podem influenciar no peso.

Fonte: Daily Mail

61. Suco de laranja é saudável

Não necessariamente. É fato que o suco de laranja possui bastante Vitamina C, não possui gordura ou colesterol, mas é rico em carboidratos que vem da frutose, ou seja, do açúcar natural da fruta.

A quantidade de açúcar encontrado em sucos de frutas se assemelha àquela encontrada em refrigerantes, sendo tão prejudicial quanto. Quando se trata do açúcar, o corpo muitas vezes nem percebe a diferença.

Fonte: The Guardian

62. Micro-ondas mata os nutrientes dos alimentos

Há quem acredite que a radiação dos aparelhos de micro-ondas “mata” os nutrientes, mas isso não é bem verdade. O que pode desfazer alguns nutrientes é o calor, sendo que isso acontece até mesmo quando o alimento é cozido no fogo. O micro-ondas pode até ajudar a manter tais nutrientes, pois aquece mais rápido e o alimento não precisa ficar muito tempo exposto ao calor.

Fonte: The Huffington Post

63. Deveríamos comer como homens das cavernas

Sabemos que se os homens das cavernas não tivessem uma alimentação saudável, nós não estaríamos aqui hoje. É por isso que muitos acreditam que uma dieta paleolítica seria a dieta ideal para os seres humanos, mas isso só seria verdade se nós fôssemos geneticamente iguais aos nossos ancestrais.

Em apenas 7.000 anos, o ser humano se adaptou e adquiriu tolerância à lactose. Isso porque o gene responsável pela enzima lactase, que faz a digestão da lactose, cessa/suspende seu funcionamento na infância. Quando o leite foi amplamente incluído na dieta humana, as pessoas sofreram uma mutação que fez com que esse gene ficasse ativo até a idade adulta. Isso é apenas uma das diferenças que temos em relação aos nossos ancestrais e, embora não seja uma mutação muito grande, já é algo que interfere muito na nossa dieta.

Outra razão pela qual não podemos comer como os homens das cavernas é o fato de que os alimentos que eles consumiam já não estão mais disponíveis. Não há garantias de que as frutas e sementes possuem os mesmos nutrientes de antes, sem falar nas mutações genéticas de alimentos por seleção artificial, isto é, feita pelo homem.

Fonte: Scientific American


Estes foram 63 mitos que são frequentemente espalhados como sabedoria popular, mas que não possuem embasamento científico. Alertamos que é sempre bom pesquisar e se informar antes de fazer o uso de qualquer método ou medicamento recomendado por outros que não profissionais da área da saúde.

E você, conhece algum outro mito que não está aqui? Já acreditou em algum desses mitos? Conta pra gente!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Avalie o conteúdo!)
Loading...

Faça um comentário:

Por favor, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui