O que é?

A hipercalemia, que também pode ser chamada de hiperpotassemia, é a grande quantidade de potássio no sangue e que pode causar sintomas como falta de ar e desmaios. A hipercalemia é medida por um valor de referência, e é caracterizada quando o nível de potássio for maior que 5,5mmol/L ou mais. Se o valor for maior que 6,5mmol/L o paciente pode estar correndo sério risco de saúde.

Sintomas como falta de ar podem ser considerados normais para algumas pessoas, assim como desmaios. Mas para quem tem hipercalemia isso é um sinal de que algo está errado e, quando ocorre, é indicado ir imediatamente ao médico.

A hipercalemia é medida pelo valor de referência. Ela se torna significativa se o valor for maior de 6,0mmol/L. Ela é caracterizada como moderada se os valores forem entre 5,0 e 6,0mmol/L.

Índice neste artigo você encontrará as seguintes informações:

  1. O que é
  2. Causas
  3. Fatores de risco
  4. Diferença entre hipercalemia e hipocalemia
  5. Sintomas
  6. Diagnóstico
  7. Tratamento
  8. Complicações
  9. Como conviver com o problema
  10. Prevenção

Causas

Geralmente a doença ocorre quando o nível de potássio está acima do normal, e isso se deve, muitas vezes, pelo consumo excessivo de sal.

Em outras ocasiões, isso acontece por problemas nos rins, como:

  • Insuficiência renal;
  • Uropatia obstrutiva;
  • Inflamação da parte responsável por filtrar o sangue (glomerulonefrite);
  • Rejeição de transplante do rim;
  • Falta de aldosterona.

A hipercalemia também pode surgir por outros fatores, como:

  • Uso de diuréticos e suplementos vitamínicos (principalmente os de potássio);
  • O excesso de potássio e sal em alimentos industrializados;
  • Pancadas, queimaduras e feridas graves;
  • Diabetes tipo 1;
  • Cirrose hepática e insuficiência cardíaca;
  • Uso excessivo de medicamentos antihipertensivos sem orientação médica;
  • Sangramento do estômago ou intestinos.

Ainda há casos de hipercalemia que ocorrem sem serem uma doença ou algum problema de saúde. Movimentos de abrir e fechar a mão repetidamente, para tirar sangue, por exemplo, podem aumentar o nível de potássio no sangue.

Fatores de risco

Alguns fatores podem contribuir e acelerar o acúmulo de potássio na corrente sanguínea:

  • Acidose;
  • Tumores;
  • Queimaduras;
  • Sangramento hemolítico;
  • Sangramento gastrointestinal;
  • Rabdomiólise;
  • Cirurgias;
  • Lesões traumáticas.

Diferença entre hipercalemia e hipocalemia

A principal semelhança entre as doenças é que ambas são causadas pelo potássio no sangue. A hipercalemia é quando há em excesso e a hipocalemia é quando ocorre a falta. As causas e tratamento são feitos de formas diferentes.

Apesar dos sintomas serem muito parecidos, as doenças são contrárias. As causas são muito diferentes, pois, na hipocalemia, o problema ocorre pela falta de potássio, e muitas vezes ocorre pela desidratação, seja pelos vômitos, diarreias e até mesmo na urina; enquanto na hipercalemia, ocorre principalmente por conta de problemas renais.

Sintomas

Na maioria dos casos não há sintomas aparentes. Nesse caso, o problema só é diagnosticado com a realização de exames de sangue.

Os sintomas só aparecem se o nível de hipercalemia for muito profundo. Eles são:

  • Náusea e vômito;
  • Batimentos cardíacos irregulares;
  • Fraqueza;
  • Dificuldade em respirar;
  • Desmaio e perda da consciência;
  • Pulsação lenta ou fraca;
  • Paralisia dos músculos;
  • Confusão mental.

Diagnóstico

O diagnóstico pode ser feito por nutricionista, nefrologista, gastroenterologista, angiologista, hematologista e clínico geral. Para que a consulta tenha mais resultados, é importante que você já vá com algumas anotações que possivelmente o médico irá perguntar:

  • Como é a sua alimentação?
  • Quais são e quando surgiram os sintomas?
  • Você utiliza medicamentos?
  • A família possui problemas renais?

Apesar do exame de sangue ser o mais requisitado, o médico pode solicitar um eletrocardiograma (ECG) para descobrir se há alterações como fibrilação ventricular, pulsações lentas ou irregulares, alto nível de potássio sérico e bradicardia.

Tratamento

Em casos de hipercalemia leve ou tratamento no longo prazo:

  • Parar de utilizar medicamentos que impedem a excreção de potássio dos rins e reduzir o consumo de potássio pela alimentação pode ser o suficiente para regularizar o problema.
  • Utilizar um medicamento diurético faz com que o potássio seja excretado.
  • Utilizar uma resina em que absorva e elimine o potássio nas fezes pode ser uma forma eficaz de tratamento.

Em casos de hipercalemia moderada a grave ou tratamento intensivo:

  • O nível de potássio deve ser reduzido imediatamente. Cálcio, insulina e glicose podem ser administrados para ajudar no tratamento. O cálcio é indicado para proteger o coração, enquanto a insulina e a glicose levam o potássio do sangue para as células, diminuindo a concentração no sangue.
  • Se nenhum desses tratamentos adiantarem e, caso a pessoa tenha insuficiência renal, é preciso recorrer à diálise.

Atenção! 

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Complicações

Problemas de saúde como alterações no controle neuromuscular e arritmia cardíaca podem surgir se a hipercalemia não for tratada da forma correta. Desse jeito, é possível até que o paciente tenha paradas cardíacas, principalmente se o nível de potássio for muito alto.

Como conviver com o problema

Diminuir a quantidade de potássio ingerida na alimentação é tão fundamental quanto seguir a orientação dada pelo médico. Além disso, mudar os hábitos alimentares para que o efeito do tratamento seja mais rápido pode ser uma solução para controlar a hipercalemia.

Prevenção

Para evitar a hipercalemia, é fundamental cuidar de outras doenças que possam resultar em um grande número de potássio no sangue. Realizar exames com frequência, que indiquem o funcionamento dos rins, é uma boa forma de prevenir o problema.

Esse texto foi feito para sanar as suas principais dúvidas relacionadas à doença, mas é sempre indicado consultar o médico antes de tomar qualquer atitude que envolva a sua saúde. Compartilhe com os amigos essas informações para que eles também saibam sobre os riscos da hipercalemia.

Referência
https://www.tuasaude.com/hipercalemia/
https://www.tuasaude.com/sintomasdehipercalemia/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Hipercaliemia
http://www.medicinanet.com.br/conteudos/casos/2231/hipercalemia.htm
http://brasil.bestpractice.bmj.com/bestpractice/monograph/60.html
http://doutissima.com.br/2014/02/17/hipercalemiasintomascausasetratamento46398/
http://se3.adam.com/content.aspx?productId=125&pid=69&gid=001179
http://www.mayoclinic.org/symptoms/hyperkalemia/basics/definition/sym20050776

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Avalie o conteúdo!)
Loading...

Faça um comentário:

Por favor, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui