Estela (Minuto Saudável)
01/02/2019 08:00

Mídias sociais aumentam sintomas de depressão em adolescentes

Publicidade

Repare. Somente nos últimos 10 minutos, quantas vezes você checou seu celular para ver se tinham novas notificações das redes sociais?

Com o celular sempre as mãos, estamos constantemente conectados, normalmente dividindo nossa atenção em mais de uma plataforma.

Bombardeados de fotos, notícias, comentários, mensagens, stories e vídeos, estamos cada vez mais ansiosos e com a sensação de não estarmos dando conta de consumir tudo isso, como se estivéssemos perdendo algo.

Desse comportamento, surge um problema que afeta não só nossa vida social e o modo como nos apresentamos, mas também fere a nossa saúde mental.

Leia mais: Janeiro Branco: campanha incentiva cuidados com a saúde mental

Para compreender de que forma as mídias sociais podem interferir em nossas emoções, especialmente entre os adolescentes, um novo estudo foi realizado e publicado na revista científica The Lancet.

A pesquisa se baseou em dados coletados de 10.904 adolescentes de 14 anos e descobriu, a partir de métodos variados, que é o público feminino o que maior apresenta sintomas de depressão associado às mídias sociais.

Para as meninas que passam 5 horas ou mais diariamente conectadas às tecnologias, o risco de sofrer com os transtornos é de 50% — em meninos que ficam online durante a mesma quantidade de tempo, a porcentagem cai para 35%.

Segundo a pesquisa, os adolescentes que passam maior tempo do dia conectados, além de apresentarem os sintomas da depressão, possuem também maior relação com problemas de autoestima, assédio online, insônia e problemas de imagem corporal.

FOMO: o medo de ficar de fora

O medo de ficar de fora, ou FOMO (Fear of missing out), é uma expressão usada para descrever o desejo constante de se manter conectado às mídias sociais para não perder o que os outros podem estar fazendo.

Associado a esse desejo, é comum que os usuários apresentem arrependimento e tristeza ao sentirem que estão perdendo o evento que não puderam ir, o show que não conseguiram comprar o ingresso e todos os eventos sociais que estão acompanhando apenas pela tela do celular.

Tudo isso gera maior ansiedade e frustração.

Apesar de ser descrita como um fenômeno relativamente recente e não ser considerada uma doença ou transtorno, a FOMO é um risco para a saúde mental de jovens.

Leia também: OMS alerta para casos de transtornos mentais na adolescência

Uso consciente e saudável das mídias sociais

É difícil estabelecer quantas horas por dia gastas em mídias sociais seria o ideal. Porém, algumas mudanças de hábito podem ajudar as pessoas a terem uma relação mais saudável com essas tecnologias, sem ser necessário deixar de usá-las e sem as tornar um vício.

Veja algumas dicas:

  • Desative notificações sonoras em seu celular;
  • Monitore o tempo de uso nas redes sociais;
  • Durma sem o celular por perto, deixando em outro cômodo da casa. Para quem o usa como despertador e tem dificuldade em deixá-lo longe, talvez seja necessário usar diferentes tipos de alarmes para não perder a hora, como um aparelho despertador convencional;
  • Avise que ficará offline por um momento, para evitar notificações a todo momento;
  • Analise padrões e perceba em quais situações você sente a necessidade de estar sempre conectado, assim será possível contornar esse hábito;
  • Busque realizar atividades sem telefone, como atividades físicas, cinema, yoga, sair com amigos etc.;
  • Separe um momento do dia como “hora da checagem” ao invés de verificar o tempo todo se há novas mensagens, como ao ir tomar um café ou dando uma pausa no trabalho ou estudo;
  • Encontre outras atividades que te deem prazer em seu tempo livre, como ler, fazer passeios ao ar livre;
  • Selecione melhor a quantidade e o tipo de conteúdo que consome, assim você passará menos tempo online para verificar as atualizações de seus contatos e terá consumido só os assuntos que realmente são úteis e te interessam.

De olho nos sintomas da depressão

A depressão é um transtorno mental que manifesta sintomas físicos e psicológicos em quem sofre com a condição.

Entre os sintomas físicos, normalmente mais perceptíveis, estão perda ou ganho de peso repentina, fadiga e sono irregular.

Mas, os sintomas psicológicos são os que podem passar mais despercebidos e requerem um olhar atento de quem convive com pessoas nessa situação.

É importante notar se a pessoa apresenta sinais como humor deprimido, desinteresse, sentimento de culpa ou inutilidade, prejuízo na concentração e pensamentos suicidas, para que seja possível orientá-la a procurar ajuda de um profissional.

Leia mais: Sintomas da depressão (físicos, psicológicos, pós-parto): quais são?


As mídias sociais são ferramentas que somam ao nosso cotidiano vários pontos positivos. Elas facilitam a interação e troca de informação, sendo uma forma de entretenimento e conhecimento.

Mas, elas também podem ser perigosas quando utilizadas em excesso, como o estudo apresentado apontou.

Por isso, é essencial que as pessoas tenham uma consciência maior sobre os riscos desse uso exagerado e que tenham acesso e conhecimento às formas de prevenção e tratamento dos sintomas da depressão e outros transtornos mentais.

Cuidar da saúde mental é indispensável! Por isso, ao se identificar com os sintomas, busque ajuda de um psicólogo ou psiquiatra.

Obrigada pela leitura e não esqueça de compartilhar essas informações com seus amigos e familiares!

Fonte consultada

Social Media Use and Adolescent Mental Health: Findings From the UK Millennium Cohort Study – The Lancet

18/01/2019 15:23

Estela (Minuto Saudável)

Redatora, é jornalista pela Universidade Positivo. Autora de websérie sobre intersexualidade e identidade de gênero. Produz matérias sobre alimentação e saúde da mulher.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*