É comum exagerar na comida às vezes, seja por causa de um prato saboroso ou pela existência de algum problema. Porém, quando essa atitude se torna excessiva e fora de controle pode se tornar compulsão alimentar, trazendo riscos à saúde.

Cerca de 4% da população mundial sofre com o problema. Entre os obesos, este número aumenta ainda mais, chegando perto dos 6%. A cada quatro pessoas com a compulsão, três apresentam quadros de obesidade, por comerem além do necessário.

Distúrbio

O problema, que é considerado um distúrbio químico, costuma estar associado aos mecanismos que causam a fome e à saciedade. Além disso, a depressão e ansiedade também podem estar relacionadas a essa complicação.

Sintomas

Alguns sinais característicos costumam ser apresentados pela pessoa que possui o quadro de compulsão alimentar. A dificuldade para controlar o consumo de alimentos se torna extremamente difícil. O indivíduo passa a se alimentar cada vez mais rápido e inclusive esconde a necessidade, devido ao sentimento de culpa que costuma se tornar comum após o ato.

Mudanças

Considerada uma patologia, o seu tratamento envolve mais do que a alimentação. Também requer uma mudança de hábitos e comportamentos, além da adoção de atividades físicas.

Frequentar locais como lanchonetes e mercados pode levar ao consumo excessivo de alimentos, por isso, quando necessário, é importante estar acompanhado de um familiar ou amigo que possa auxiliar nesse processo de controle.

Medicamentos   

Quando o problema envolve questões emocionais, medicamentos como ansiolíticos e antidepressivos podem ser prescritos pelo médico. O seu uso não deve ser realizado sem o devido acompanhamento.

Complicações

A obesidade é a consequência mais visível e também pode ser muito perigosa. Mas, é importante lembrar que o paciente também pode sofrer outros riscos, como AVC (Acidente Vascular Cerebral), diabetes, problemas cardíacos e trombose.

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Avalie o conteúdo!)
Loading...

Faça um comentário:

Por favor, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui