O que é Zika?

A Zika, também chamada de febre Zika, é uma doença transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti contaminado com o Zika Vírus.

Descoberta em 1947 na floresta de Zika, em Uganda, a doença não causava muita preocupação já que a infecção frequentemente é assintomática, e quando os sintomas aparecem, duram apenas alguns dias, sem consequências sérias.

Entretanto, o vírus ganhou notoriedade no Brasil quando uma epidemia de febre Zika afetou o nordeste do país. Descobriu-se que quando gestantes são contaminadas pela doença, é possível que haja a contaminação do feto, já que o vírus consegue atravessar a barreira formada pela placenta.

Quando o agente infecta o bebê, ele pode causar problemas severos no desenvolvimento fetal, entre elas a famosa microcefalia.

Índice – neste artigo você vai encontrar as seguintes informações:

  1. O que é Zika?
  2. Causas
  3. Transmissão
  4. Grupos e fatores de risco
  5. Sintomas
  6. Zika na gravidez
  7. Como é feito o diagnóstico?
  8. Tem cura?
  9. Qual o tratamento?
  10. Medicamentos
  11. Prognóstico
  12. Complicações
  13. Como prevenir a Zika?
  14. Diferenças entre Zika, dengue chikungunya
  15. Perguntas frequentes

Causas

A febre Zika é causada pelo Zika Vírus, um arbovírus, o que significa que ele é transmitido por insetos, especificamente os mosquitos do gênero Aedes, como o Aedes aegypti, o mesmo transmissor da dengue e da febre chikungunya.

O vírus não é especialmente perigoso para humanos já nascidos.

Transmissão

A transmissão da Febre Zika se dá através da picada dos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus, que são vetores do vírus.

Apenas as fêmeas do mosquito precisam de sangue, então apenas elas picam humanos. Se a fêmea do mosquito está infectada e pica uma pessoa, ela contamina a área abaixo da pele com o Zika Vírus, que passa a se multiplicar no organismo.

Em regiões com muitos mosquitos (mesmo não infectados), é fácil para a doença se espalhar, pois o vírus é capaz de se multiplicar no corpo de um humano o bastante para que outros mosquitos que o piquem fiquem contaminados também, reiniciando o ciclo.

Normalmente os Aedes possuem hábitos diurnos, sendo mais frequentes no início da manhã e no final da tarde, então é nesses momentos que a maior parte das infecções ocorrem.

É possível que o Zika Vírus seja transmitido, também, por transfusões de sangue e pelo contato sexual enquanto os sintomas persistem, o que pode durar aproximadamente uma semana. Quando não existem sintomas, o que é frequente, a doença ainda possa ser transmitida dessa maneira e, da mesma forma, a transmissão dura até uma semana.

Grupos e fatores de risco

Estão nos grupos de risco aqueles que moram ou viajam para regiões onde o mosquito Aedes existe com a doença.

O site do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (da sigla em inglês CDC) possui uma lista de países onde o Zika vírus pode ser encontrado, e o Brasil está entre eles.

Recomenda-se que grávidas não viagem para cá. E se você mora aqui no Brasil, as regiões com maiores riscos de contaminação ficam no nordeste do país, mas todos os estados possuem registro de casos de Zika, portanto, previna-se contra as picadas, não importa onde more.

É especialmente necessário se prevenir durante o verão. Nesta estação, principalmente no mês de fevereiro, é quando existem mais mosquitos.

Lugares em que há acúmulo de água parada também podem ser um fator de risco visto que o mosquito precisa da água para se reproduzir.

Sintomas

Com frequência, a doença é assintomática. Apenas 20% dos pacientes apresentam os sintomas enquanto os outros 80% nem percebem que estão infectado, pois os sintomas, quando aparecem, não costumam ser fortes. Em geral, eles são os seguintes:

Febre

A febre Zika recebe seu nome pois um de seus mais característicos sintomas é uma febre, sinal de que o corpo está lutando contra o vírus. Entretanto, a febre relacionada a Zika é baixa, raramente passando dos 37,5º C.

Olhos vermelhos

Outro sintoma conhecidamente relacionado à febre Zika é a vermelhidão nos olhos. Esta vermelhidão, que acompanha inchaço, não apresenta coceira, nem ardência e nem secreções, o que a diferencia de uma conjuntivite clássica.

Manchas vermelhas

Manchas vermelhas podem aparecer na pele do paciente contaminado pelo vírus Zika, de maneira parecida aos que estão infectados por dengue. Irritação na pele também é frequente.

Outros sintomas

Além destes, alguns outros sintomas podem estar presentes caso a doença se apresente sintomática. São eles:

  • Calafrios;
  • Perda de apetite;
  • Suor;
  • Dores nas juntas e musculares;
  • Dor de cabeça;
  • Vômito;
  • Fadiga (cansaço).

Zika na gravidez

A zika na gravidez é uma das principais preocupações médicas, pois o vírus, apesar de menos perigoso para pessoas já nascidas, consegue penetrar na placenta e infectar o bebê que ainda está se desenvolvendo.

Assim, o vírus consegue causar problemas na criança, que pode nascer com malformações que podem acompanhá-la por toda a vida.

O risco é maior quando a grávida contrai o vírus no início da gravidez. Isso acontece porque no primeiro trimestre de gestação a placenta permite que o vírus a atravesse mais facilmente, enquanto em fases mais avançadas da gravidez ela é mais resistente e as chances de o vírus conseguir passar são menores.

Entre as malformações decorrentes do zika vírus está a microcefalia, que faz com que o cérebro do feto não tenha espaço para crescer e fique pequeno, causando diversos problemas como dificuldades intelectuais, atrasos no desenvolvimento e problemas motores.

Como é feito o diagnóstico?

Alguns exames podem ser feitos para a identificação do vírus Zika no corpo humano. Os médicos mais aptos para fazer  o diagnóstico são o infectologista e o clínico geral, e as maneiras para a realização dele são:

Diagnóstico clínico

Baseado nos sintomas e na região onde o paciente mora, o médico pode apontar a possibilidade da febre Zika. Entretanto, o diagnóstico clínico precisa ser confirmado e exames podem ser solicitados.

Teste sorológico ELISA

O teste sorológico analisa o soro do sangue, que é a parte líquida dele sem a série vermelha (glóbulos vermelhos e plaquetas). O exame é feito com uma coleta de sangue comum e busca descobrir se o paciente possui o vírus ao procurar imunoglobulinas específicas para o vírus Zika.

Imunoglobulinas podem ser divididas em Imunoglobulina M (IgM) e Imunoglobulina G (IgG). São glicoproteínas usadas no mecanismo de defesa do corpo, tendo função de anticorpos. O sistema imunológico produz versões específicas para o tipo de agente infeccioso na primeira vez em que o encontra.

As IgM são produzidas durante uma infecção (fase aguda) e contêm anticorpos específicos, servindo como marcadores da doença. Por outro lado, as IgG servem como uma espécie de memória da infecção, assim atuam na proteção do organismo para que o corpo saiba o que fazer caso aquele mesmo patógeno surja novamente.

O teste ELISA utiliza materiais que reagem com as imunoglobulinas para identificá-las no soro sanguíneo.

Quando o corpo possui imunoglobulinas G para o Zika Vírus, mas não possui as M, significa que o organismo já teve contato com o vírus, mas está curado e imune. Entretanto, quando as IgM são encontradas em conjunto com IgG, o corpo está sendo afetado pelo vírus e o diagnóstico está feito.

Exame RT-PCR

Este exame pode identificar o DNA dos vírus transmitidos pelos mosquitos Aedes e é realizado com a coleta de sangue do paciente. Entretanto, para a diferenciação da Zika, dengue e chikungunya, exames específicos para cada um devem ser feitos.

Kit Nat

O Kit Nat é um kit para exame capaz de identificar e diferenciar infecções pelos vírus da dengue, chikungunya e Zika.

O exame identifica o DNA dos agentes através de uma pequena amostra de sangue e pode diferenciá-los sem que haja necessidade de três exames diferentes. O teste é rápido e, em média, leva 3 horas para apresentar resultados.

Tem cura?

Sim. Normalmente a cura da febre Zika se dá em uma semana, depois de o sistema imunológico lidar com a contaminação sozinho. O Zika vírus não consegue trazer muitos danos ao corpo humano e é eliminado pelo sistema imunológico.

Qual o tratamento?

Não existe um tratamento específico para a cura da Zika. O tratamento é medicamentoso, visando aliviar os sintomas. Como a doença costuma se curar sozinha por conta do sistema imunológico, os medicamentos têm o objetivo de amenizar os sintomas quando eles estão presentes.

Além disso, o repouso e a hidratação são muito importantes para garantir uma recuperação rápida e tranquila.

Medicamentos

Não se recomenda o uso de ácido acetilsalicílico ou anti-inflamatórios para o tratamento de febre Zika, já que esses medicamentos aumentam os riscos de condições hemorrágicas causadas por outras infecções próximas do Zika, como a dengue.

Os medicamentos que podem ser usados para o tratamento dos sintomas como febre e dores da Febre Zika são:

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas neste site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Prognóstico

Na maior parte dos casos, pode-se esperar uma recuperação completa. Muitas das pessoas nem sabem que contraíram a doença e podem se curar rapidamente. Se você não estiver grávida, provavelmente não há riscos para sua saúde caso contraia o vírus.

Entretanto, caso o diagnóstico seja confirmado, você deve evitar ser picado pelos mosquitos para evitar que a doença se espalhe mais.

Grávidas

O prognóstico para mulheres grávidas é semelhante ao da população geral, o que significa que ela tende a se curar sem maiores complicações, entretanto é importante lembrar que existe o risco de problemas para o feto.

A gravidez, no caso de infecção, deve ser acompanhada de perto por um médico obstetra, que irá identificar possíveis problemas fetais.

Complicações

As complicações do Zika Vírus são poucas. A doença não causa sintomas sempre e é fácil de se combater, mas existem riscos nela. São eles:

Microcefalia para fetos

A complicação mais grave da infecção pelo Zika vírus se dá com os bebês de mulheres que são infectadas quando grávidas. Enquanto o vírus causa poucos problemas para pessoas nascidas, os bebês que ainda não nasceram podem sofrer severamente com a infecção, que é capaz de atravessar a placenta.

Lá dentro, ele pode alterar o desenvolvimento da criança, fazendo com que os ossos do crânio (a moleira) se fechem antes da hora, reduzindo consideravelmente o espaço que existe para o crescimento do cérebro e a criança nasce com microcefalia.

A condição causa problemas intelectuais, neurológicos, atrasos de desenvolvimento e dificuldades motoras, além de nanismo e outras consequências de um cérebro reduzido.

Síndrome de Guillain-Barré

Existem evidências de que a febre Zika pode causar, raramente, a síndrome de Guillain-Barré, uma doença auto-imune que ataca o sistema nervoso periférico. Essa doença causa fraqueza muscular que se desenvolve de maneira súbita.

Em aproximadamente 15% dos casos, pode causar risco à vida por deixar os músculos respiratórios ou cardíacos enfraquecidos. Nesse caso, a respiração mecânica pode ser necessária.

A Síndrome de Guillain-Barré não tem cura e é possível que volte de tempos em tempos, mas a fase aguda — em que os músculos se mostram enfraquecidos — resolve-se em alguns meses.

Ela é uma doença rara, mesmo considerando todos os fatores de risco, então dificilmente é uma das principais preocupações ao se contrair febre Zika.

Síndrome congênita do vírus zika

A síndrome congênita do vírus zika é qualquer complicação causada pelo zika vírus ao bebê durante a gestação, incluindo a microcefalia, mas não apenas ela.

Existem casos de malformação da cabeça, convulsões, irritabilidade, movimentos involuntários e outras disfunções. Também é possível que o bebê nasça com problemas visuais ou auditivos.

Espalhar a doença

Além dos riscos a sua própria saúde, se você estiver viajando e se infectar, pode ser que leve o vírus para casa e os mosquitos de sua região se infectem através de você, levando a febre Zika para novas regiões.

Como prevenir a Zika?

O melhor jeito de prevenir a Zika é evitando a picada e a proliferação do mosquito. Para fazer isso, você pode seguir alguns passos.

Não deixe água parada

Manter água parada é uma maneira certeira de garantir mosquitos em seu jardim, pois é nela que eles colocam seus ovos e se reproduzem. Se não houver água, os mosquitinhos não conseguem nascer e são eliminados.

Mantenha o lixo bem fechado

Isso garante que água não entre e se acumule no lixo, impedindo que água parada fique presa lá dentro, permitindo que mais vírus sejam liberados na natureza.

Coloque areia em potinhos de vasos de planta

A areia é usada nos vasos de planta para absorver a água que sobra da rega. Assim, o líquido não se acumula e fica parada no potinho, esperando pelo mosquito.

Durma com redes (mosquiteiro)

Existem redes para se colocar sobre a cama mantendo os insetos longe enquanto se está dormindo. O Aedes costuma estar mais ativo durante o amanhecer e o anoitecer, mas é possível que pique durante a noite também.

Telas de proteção

É possível instalar telas nas janelas para impedir que os mosquitos entrem em sua casa, protegendo aqueles que estão dentro dela.

Use suas roupas para se proteger

A utilização de mangas compridas e calças reduz a área de pele exposta que o mosquito pode picar, diminuindo as chances da contração do vírus.

Use repelentes

Os repelentes evitam que mosquitos se aproximem para te picar. Isso reduz as chances de você ser infectado já que a maior parte das contaminações com Zika vírus acontece a partir da picada do mosquito.

Leia mais: Repelente para grávidas, (icaridina, DEET), marcas, qual o melhor?

Use camisinha

Apesar de o mosquito ser o principal meio de contaminação, o sexo desprotegido também é capaz de transmitir a febre Zika. Por isso, é importante usar preservativo em relações sexuais, sobretudo em regiões de risco ou em surtos da doença, já que isso pode impedir você de contrair a doença.

Avise a prefeitura sobre criadouros

Se você encontrar um possível criadouro de mosquitos — como pneus com água parada, vasos a céu aberto — em um terreno que não seja seu, você pode avisar à prefeitura. A denúncia pode ser feita tanto sobre o terreno de vizinhos que não fazem nada em relação aos mosquitos, como sobre terrenos baldios, cujo dono não aparece.

A prefeitura de sua cidade será, neste caso, responsável por notificar o dono do local ou, no caso do terreno ser da prefeitura, responsável por realizar a limpeza do lugar.

Diferenças entre Zika, dengue chikungunya

Apesar de parecidas e transmitidas pelos mesmo vetores Aedes, as três doenças são diferentes umas das outras.

A febre Zika é uma doença com intensidade menor se comparada às outras e os sintomas, apesar de muito parecidos entre as outras 2, aparecem de maneira leve na maioria dos casos. Algumas das diferenças são as seguintes:

Sintomas gerais

A febre Zika raramente apresenta sintomas. Apenas 20% dos pacientes com a doença manifestam os sinais dela e, na maior parte dos casos, a febre nem é percebida.

Febre

A febre na dengue e na chikungunya costuma ser alta, enquanto é baixa ou ausente na Zika.

Transmissibilidade

Além disso, uma das principais diferenças está na transmissibilidade, ou seja, a capacidade da doença de se espalhar.

Um estudo feito pela Fiocruz em 2016 indicou que o vírus da Zika é pouco transmitido. Apenas 20% dos mosquitos que picam alguém que possui a doença consegue transmiti-la para outra pessoa.

Já a dengue tem uma taxa de transmissão de até 40% e a chikungunya alcança os 70%.

Hemorragias espontâneas

A dengue é conhecida por causar hemorragias, especialmente na segunda vez em que é contraída, quando se torna a dengue hemorrágica. A chikungunya também pode causar hemorragias dessa forma, apesar de serem mais leves do que as da dengue. Já a febre Zika não apresenta hemorragias.

Problemas neurológicos

Problemas neurológicos causados por zika vírus são mais comuns do que nos casos de dengue e chikungunya, mas em nenhum dos casos eles são frequentes.

Perguntas frequentes

É possível pegar Zika pelo beijo?

Não, o vírus Zika não passa pelo beijo. O vírus existe na saliva, mas não é capaz de infectar alguém através do beijo, então pode beijar sem se preocupar.

Existe vacina para a febre Zika?

Não existe vacina contra a febre Zika liberada para o público. Entretanto, existem testes. Em agosto deste ano uma vacina contra o vírus se mostrou um sucesso quando testada em camundongos.

Os roedores são o primeiro passo nos testes para uma vacina, mas os corpos deles são extremamente diferentes dos humanos, portanto ela ainda está em fase de estudos.

Mães infectadas pelo vírus zika podem amamentar seus bebês?

Sim. A Organização Mundial da Saúde recomenda que a alimentação do bebê recém-nascido seja exclusivamente através da amamentação, inclusive nos casos em que existe uma infecção pelo zika vírus. Traços do vírus podem ser encontrados no leite materno da mãe infectada, porém esta não é uma maneira pela qual a doença pode ser transmitida.

Quanto tempo dura a infecção do Zika?

O zika vírus pode ser encontrado no sangue durante os sete primeiros dias da infecção, o que é tempo o bastante para que os sintomas, se presentes, desapareçam. Na urina, o vírus aparece por até 10 dias, e no sêmen o vírus pode ser encontrado até dois meses após o início da infecção

Existe outro meio de contrair a doença?

A princípio, as únicas maneiras de contágio do Zika vírus são a picada do mosquito infectado, a transmissão sexual e a transfusão de sangue infectado, já descritos no texto.

Quem foi infectado pelo vírus Zika uma vez pode ter a doença de novo?

É sabido que existe imunidade após o contágio já que o corpo passa a ter anticorpos para lidar com o zika vírus, mas há estudos sendo realizados para descobrir se contrair a doença torna a pessoa imune por toda a vida.

A dúvida sobre a permanência desta imunidade vem do fato de não sabermos se existem outros sorotipos do vírus, o que poderia levar a uma infecção nova, da mesma maneira que é possível pegar gripe várias vezes durante a vida.


A febre Zika é uma doença que se espalha pelo Aedes aegypti, o mesmo mosquito que transmite a dengue, e apesar de assintomática na maioria das vezes, pode trazer sérias consequências quando infecta mulheres grávidas, portanto é importante tomar cuidado e impedir que o mosquito se reproduza para que possamos eliminar estas doenças.

Compartilhe este texto com seus amigos para que eles aprendam mais sobre a febre Zika!

Fontes consultadas

Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *