O que é Aneurisma (Cerebral, Abdominal, etc), sintomas, tem cura?

0

O que é aneurisma?

Um aneurisma é uma dilatação que se forma em uma artéria, em decorrência de uma vasodilatação anormal. Essa protuberância cresce progressivamente, até que se rompe, podendo levar a morte. Ao contrário do que diz o senso comum, pode aparecer em diversas partes do corpo.

A vasodilatação é um processo fundamental para o equilíbrio da pressão arterial e a regulação térmica do organismo. O processo consiste em uma dilatação, isto é, no aumento do diâmetro – ou, a grosso modo, no alargamento – de um vaso sanguíneo, ocasionado pelo relaxamento temporário do tecido muscular que compõe a parede desses vasos. Em condições normais, a dilatação dos vasos é totalmente natural.

O aneurisma é resultado direto de um processo de vasodilatação que não deveria estar acontecendo, geralmente ocasionado por um enfraquecimento crônico do tecido muscular. Isso resulta em uma espécie de inchaço localizado, com formato semelhante ao de um pequeno balão, que cresce ao ser alimentado pela corrente sanguínea.

Em geral, a mera presença de um aneurisma não causa nenhum sintoma. Muitas pessoas, inclusive, convivem a vida toda com o fenômeno sem sequer desconfiar e acabam falecendo de outras causas que nada tem a ver com o problema.

No entanto, o risco de rompimento aumenta com o passar dos anos, e as consequências podem ser catastróficas: 30% dos pacientes que sofrem uma ruptura de aneurisma morrem antes mesmo de chegar ao hospital. Entre os sobreviventes, 55% ficam com sequelas graves. O Brasil conta com uma média de 15 mil casos anuais de hemorragias causadas pelo rompimento de aneurismas.

Índice — Neste artigo você encontrará as seguintes informações:

  1. O que é um aneurisma?
  2. Tipos de aneurisma
  3. Causas
  4. Fatores de risco
  5. Números da doença
  6. Sintomas
  7. Como é feito o diagnóstico de um aneurisma?
  8. Aneurisma tem cura? Qual o tratamento?
  9. Convivendo
  10. Complicações
  11. Como prevenir um aneurisma?

Tipos de aneurisma

Os aneurismas podem ser classificados de acordo com três características: sua localização, sua forma e sua origem ou agente causador. Cada aneurisma é identificado de acordo com uma combinação desses três fatores.

Classificação segundo localização

Aneurisma cerebral

Também chamado de aneurisma sacular, consiste na aparição de um aneurisma em artérias cerebrais. Estima-se que atinja de 3% a 5% da população mundial, sendo, assim, a forma mais comum da doença. Na maior parte dos casos, se desenvolve na parte inferior do cérebro, sobretudo em pontos próximos à base do crânio.

Qual é a diferença entre aneurisma cerebral e Acidente Vascular Cerebral (AVC)?

Embora muitas pessoas confundam os dois problemas, AVCs e aneurismas cerebrais são doenças distintas, ainda que um aneurisma rompido possa ser a causa de um AVC.

PUBLICIDADE

Um Acidente Vascular Cerebral (AVC) é um fenômeno que faz com que parte do cérebro não receba fluxo sanguíneo e, consequentemente, oxigênio, perdendo algumas funções.

A maior parte dos AVCs é isquêmico, ou seja, consiste na interrupção da circulação de sangue em alguma zona cerebral. Pode ser causado por vasodilatações, que são, entre outras coisas, uma complicação de aneurismas cerebrais rompidos (para mais informações, ver seção “Complicações”).

Já os AVCs hemorrágicos são aqueles em que há sangramento, inchaço e aumento da pressão intracraniana. A causa de um AVC hemorrágico pode ser a ruptura do aneurisma em si.

Aneurisma da aorta abdominal

A aorta é a maior e mais importante artéria de todo o sistema circulatório, já que é responsável por transportar sangue oxigenado para todas as partes do corpo. Esse vaso basicamente transpassa o organismo, já que sai do coração e se estende até o abdômen. Um aneurisma da aorta abdominal é justamente um aneurisma que se estabelece neste último trecho da aorta.

É o tipo de aneurisma que possui a taxa de mortalidade mais alta após a ruptura. Depois de um rompimento, estima-se que apenas 10% a 15% dos pacientes sobreviva.

Aneurisma da aorta torácica

Como o nome sugere, um aneurisma da aorta torácica refere-se a uma dilatação que surge no trecho da artéria aorta que passa pelo peito. Assim como o aneurisma da aorta abdominal, possui alta taxa de mortalidade, devido ao fluxo sanguíneo intenso da região.

Outros locais

É possível desenvolver aneurismas em locais diferentes dos já citados, como no intestino, no baço e atrás dos joelhos. Entretanto, são casos raríssimos.

Classificação segundo a forma

Aneurismas saculares

Os aneurismas saculares têm esse nome pela sua aparência semelhante a uma bolha, ou um “saco”. Geralmente surgem em zonas que recebem maior pressão do fluxo sanguíneo, como bifurcações e curvas.

Aneurismas fusiformes

Os aneurismas fusiformes são caracterizados pelas medidas mais largas, formando uma espécie de losango.

Aneurismas dissecantes

Aneurismas dissecantes aparecem exclusivamente na aorta. É uma condição em que a lesão se instala nas paredes internas da artéria. As paredes externas, no entanto, permanecem intactas.

Classificação segundo a origem

Aneurismas ateroscleróticos

Os aneurismas ateroscleróticos são uma consequência da aterosclerose (para mais informações, leia a seção “Fatores de risco”). Nesse caso, a formação das placas de ateroma típicas da doença enfraquece as paredes das artérias, formando o aneurisma.

Aneurismas infecciosos

Mais raros, os aneurismas infecciosos são fruto de um enfraquecimento das paredes arteriais causadas por infecções específicas – como a sífilis, por exemplo.

Aneurismas congênitos

É raríssimo que uma pessoa nasça com um aneurisma congênito, isto é, que já está formado desde o nascimento. O que pode acontecer é que o paciente nasça com uma predisposição a formação de aneurismas (para mais informações, leia a seção “Causas”).

Causas

A causa do aneurisma é o enfraquecimento das paredes arteriais. À longo prazo, as paredes enfraquecidas se dilatam devido ao impacto da pressão sanguínea, formando o aneurisma. Esse fenômeno pode acontecer por diversos motivos. Alguns deles são referentes a hábitos adquiridos ao longo da vida, enquanto outros são relacionados a condições congênitas, isto é, que são hereditárias ou já nascem com o paciente.

Entretanto, embora algumas pessoas possam ter predisposição genética ao desenvolvimento de aneurismas, é importante ressaltar que é muito raro que se nasça com um aneurisma congênito. A doença é raríssima em crianças, sendo mais comum em adultos com mais de 40 anos. Em um recorte por gênero, acomete mulheres com mais frequência do que homens.

Fatores de risco

Alguns hábitos, problemas de saúde ou mesmo condições imutáveis podem favorecer o enfraquecimento das paredes arteriais, e, consequentemente, a aparição de aneurismas. São eles:

Ter mais de 50 anos

O enfraquecimento da estrutura física das paredes arteriais é uma das consequências de se aproximar da terceira idade. Pessoas com 50 anos ou mais representam o grupo afetado por aneurismas com maior frequência.

Fumar

Estudos apontam que o cigarro é responsável por enfraquecer um gene diretamente responsável pela proteção das artérias. De acordo com uma pesquisa da Universidade da Pensilvânia, fumantes têm até 12% a mais de risco de desenvolver problemas relacionados aos vasos sanguíneos, incluindo aneurismas.

Uso excessivo de álcool e drogas

A sensação de euforia ocasionada pelo uso de certas drogas – principalmente cocaína e estimulantes – tem relação direta com um aumento repentino dos batimentos cardíacos e da pressão arterial. Essas reações sobrecarregam as artérias, enfraquecendo suas paredes.

Este tipo de malefício, no entanto, não se limita a drogas ilícitas. O consumo regular de bebidas alcoólicas pode causar diversos problemas cardiovasculares, entre eles o endurecimento progressivo das artérias.

Hipertensão

Em pessoas com a pressão arterial elevada, a força com que o sangue se choca contra as paredes das artérias é muito maior que o normal. Essa sobrecarga leva a um enfraquecimento eventual, o que pode favorecer o aparecimento de aneurismas.

Aterosclerose

Uma das principais características da doença é causar o estreitamento dos vasos sanguíneos, prejudicando a estrutura de suas paredes a curto prazo.

Doença renal policística

Também conhecida como “rins policísticos”, a enfermidade hereditária é responsável por substituir o tecido renal por inúmeros cistos, que crescem progressivamente.

A relação dessa doença com aneurismas é que o fenômeno não atinge apenas os rins, mas diversos órgãos, como fígado, pâncreas, coração, intestino grosso e cérebro – o que favorece a formação de aneurismas cerebrais, podendo aumentar em até 7 vezes o risco de ocorrência das dilatações.

Estima-se que de 5% a 40% dos portadores da doença renal policística desenvolvam aneurismas.

Traumas

Pancadas na cabeça, tórax ou abdômen podem romper vasos e artérias, favorecendo a aparição de aneurismas. Por isso, depois de traumas violentos – como acidentes de carro, por exemplo – é imprescindível monitorar eventuais danos neurológicos, torácicos e abdominais.

Menopausa

O estrogênio é um hormônio conhecido por atuar como regulador do ciclo menstrual. O que pouca gente sabe é que a substância também é responsável por proteger as artérias das mulheres. Por isso, na menopausa, quando os níveis de estrogênio estão baixos, as paredes arteriais tendem a se enfraquecer.

Inflamações sanguíneas

As inflamações sanguíneas, também chamadas de vasculites, afetam diretamente a saúde das paredes vasculares, incluindo as paredes arteriais.

Diabetes

A diabetes não tratada está diretamente relacionada com uma série de problemas cardiovasculares, como acúmulo de gordura nas paredes arteriais, desenvolvimento de aterosclerose e endurecimento das artérias. Daí a relação da doença com aneurismas.

Colesterol alto

Níveis elevados de colesterol formam uma placa de gordura na parede das artérias, que, por sua vez, acabam se enfraquecendo.

Predisposição genética

Algumas pessoas possuem predisposição hereditária ao desenvolvimento de aneurismas. O médico especialista deve solicitar exames específicos caso o paciente tenha dois ou mais casos da doença na família, principalmente em parentes de primeiro grau (como pais e irmãos).

Distúrbios do tecido conjuntivo

Algumas doenças hereditárias que afetam o tecido conjuntivo, como a Síndrome de Ehlers-Danlos e a Síndrome de Loeys–Dietz, afetam diretamente a elasticidade de algumas estruturas do organismo, incluindo as artérias.

Displasia fibromuscular

A displasia fibromuscular é uma doença que afeta o equilíbrio celular das paredes arteriais, causando diversas anomalias, entre elas o enfraquecimento do tecido.

Malformação arterial

Também chamadas de malformações arteriovenosas (identificadas pela sigla MAV), são defeitos congênitos que, em 15% dos casos, tornam-se aneurismas.

Números da doença

Quando o tema é aneurisma, os números estão entre os fatores que mais impressionam quem convive com o problema. Para se ter uma ideia, segundo a Companhia de Processamento de Dados de Porto Alegre (Procempa):

  • Estima-se que entre 1% a 5% da população adulta conviva com aneurismas;
  • 10% dos pacientes que enfrentam o rompimento de um aneurisma morrem antes de chegarem ao hospital;
  • De 30% a 40% dos pacientes não sobrevive mesmo após o tratamento adequado;
  • Entre os sobreviventes, 25% ficam com sequelas graves para o resto da vida. 45% desenvolvem problemas de memória;
  • A taxa de mortalidade fica em torno de 45%;
  • 5% dos Acidentes Vasculares Cerebrais são causados por aneurismas rompidos;
  • Para quem tem dois ou mais casos de aneurismas na família, a chance de ser acometido pelo problema cresce 8%.

Entretanto, nem todos os números da pesquisa são desesperadores.

  • Se um aneurisma possui menos de sete milímetros, as chances de ruptura em um prazo de cinco anos giram em torno de zero;
  • Menos de 1% dos pacientes com aneurismas rompidos tem menos de 20 anos;
  • Na exata metade dos casos (50%), o aneurisma nunca chega a se romper e o paciente vive normalmente.

Sintomas

Em uma madrugada de outubro de 1999, depois de um dia absolutamente normal, o comerciante Paulo César Santos de Oliveira acordou repentinamente com a sensação de que toda sua cabeça estava esquentando, enquanto o resto do corpo parecia gelado. Em seguida, sentiu-se enjoado e fraco, sem forças para ficar em pé por muito tempo. Correu para o hospital na mesma hora, onde foi diagnosticado com enxaqueca. Medicado, o brasiliense que, na época, tinha 34 anos, continuou sentindo-se mal.

Progressivamente, os sintomas pioraram. Paulo não conseguia mover o pescoço para os lados, sentia um mal estar generalizado e vomitou. Precisou ir ao pronto socorro cinco vezes até que, depois de muita insistência da família do paciente e de uma ressonância magnética com resultados inconclusivos, a médica plantonista solicitasse um exame de coleta de líquor (para mais informações, leia a seção “Como é feito o diagnóstico de um aneurisma”).

O líquido, que deveria ser transparente em casos normais, saiu totalmente escuro. O comerciante foi levado imediatamente para o centro cirúrgico. Tinha um aneurisma cerebral que estava com uma fissura, mas ainda não tinha chegado a se romper. Era, no entanto, uma questão de tempo.

Assim como no caso de Paulo, a maior parte dos aneurismas é totalmente assintomática até que apresenta algum problema. Se a dilatação é grande e pressiona alguma região específica, podem haver sintomas genéricos relacionados a parte que está sendo comprimida – como visão borrada, no caso de aneurismas cerebrais, ou tosse, para aneurismas da aorta torácica, por exemplo.

No mais, os sinais só aparecem quando o aneurisma já se rompeu ou está prestes a se romper. Algumas pessoas relatam dores localizadas muito fortes e repentinas alguns dias antes da ruptura do vaso. Essas dores, no entanto, acontecem em episódios rápidos e logo passam, sem persistirem por tempo ou intensidade suficientes para preocupar o paciente.

Sintomas de aneurisma roto

Os sintomas de aneurisma rompido não podem ser ignorados. Ao menor sinal deles, é recomendável procurar um médico o mais rápido possível. São eles:

  • Dor repentina na cabeça, abdômen ou tórax, de acordo com a localização do aneurisma. A sensação é muito característica. É como se, do nada, o paciente tivesse levado uma pancada forte;
  • Sensação repentina de quentura na cabeça, abdômen ou tórax;
  • Dificuldade para caminhar ou ficar em pé;
  • Visão turva ou dupla;
  • Tontura repentina;
  • Vômito em jato;
  • Crises convulsivas;
  • Perda de consciência.

Como é feito o diagnóstico de aneurisma?

Exames para mapear possíveis aneurismas não estão inclusos na rotina de check-up, exceto em casos de suspeita de predisposição genética. Como são silenciosos e assintomáticos, geralmente são descobertos por acaso ou apenas quando se rompem.

Diagnóstico de aneurisma cerebral

O primeiro passo para o diagnóstico de um aneurisma roto – como são chamados aneurismas rompidos – é a realização de uma Tomografia Computadorizada (TC), que tem a capacidade de mostrar hemorragias localizadas.

Em seguida, poderá ser feita uma punção lombar como exame complementar. A punção consiste numa coleta de um líquido chamado de Líquido Cefalorraquidiano (LCR), popularmente conhecido como líquor, que fica em torno da medula espinhal e do córtex cerebral. Se a amostra de LCR contiver sangue, há um forte indicativo de aneurisma rompido.

Para determinar o tamanho e a localização exata do aneurisma, o neurologista deverá pedir uma angiografia cerebral. O exame é, basicamente, a inserção de uma espécie de tubo flexível chamado cateter em uma artéria da perna, que deverá seguir pelos vasos sanguíneos do corpo até chegar no aneurisma.

Dependendo das particularidades do caso, o médico pode optar por substituir a angiografia por uma angiotomografia, um exame não invasivo que utiliza contraste.

Diagnóstico de aneurisma da aorta abdominal

Além da tomografia e da angiografia, para diagnosticar um aneurisma da aorta abdominal, o médico também pode solicitar uma ressonância magnética e uma ecografia do tórax. Ambas têm a função de mapear a extensão do aneurisma e, dependendo do caso, da hemorragia.

Diagnóstico de aneurisma da aorta torácica

Em caso de suspeita de aneurisma da aorta torácica, assim como nos casos anteriores, o médico poderá solicitar tomografias, ressonâncias magnéticas e angiografias. Um diferencial é que o profissional também poderá solicitar um ecocardiograma, já que aneurismas torácicos costumam estar perigosamente relacionados com o coração.

Aneurisma tem cura? Qual o tratamento?

A cura para o aneurisma é a intervenção cirúrgica, que pode acontecer através da embolização ou, mais comumente, através da clipagem do aneurisma. Em casos de aneurisma roto, o paciente será levado para a cirurgia imediatamente.

A taxa de sobrevivência pós-rompimento é maior em casos de aneurisma cerebral – estima-se que ⅔ dos pacientes sobreviva, sendo ⅓ sem sequelas graves. Já para aneurismas da aorta, por acontecerem em uma artéria maior, são mais sérios. Cerca de 90% das pessoas acometidas pelo evento não sobrevivem.

Entretanto, caso o aneurisma seja descoberto antes de sangrar, o médico decidirá se a melhor opção é a intervenção cirúrgica ou não. Para isso, o profissional levará em conta o tamanho e local do aneurisma, além do histórico do paciente.

Em geral, quando a dilatação tem menos de 5,5 centímetros de diâmetro, a equipe médica deverá recomendar o acompanhamento frequente da evolução do quadro, sem cirurgia. Isso acontece porque, estatisticamente, os riscos de um aneurisma pequeno se romper são mínimos em relação aos riscos de um procedimento cirúrgico delicado.

Cirurgia de aneurisma cerebral

O procedimento para aneurisma cerebral pode ocorrer por duas vias: através de uma embolização ou, mais comumente, por clipagem.

A embolização, também chamada de tratamento endovascular, é um método menos invasivo, feito com a inserção de um cateter na artéria femoral, localizada na coxa. O cateter avança pelo corpo até chegar no aneurisma, onde instala molas de platina que impedem hemorragias.

Apesar da vantagem de não necessitar da abertura do crânio, a embolização não costuma ser recomendada para aneurismas com mais de 10cm ou que já se romperam. Existe, também, o pequeno risco do aneurisma voltar a encher de sangue depois do procedimento.

Embora seja um procedimento menos moderno, a cirurgia de clipagem continua sendo o método mais utilizado para tratamento de aneurismas cerebrais, sobretudo devido a sua eficácia – uma vez que o paciente seja operado, não há riscos do aneurisma voltar a aparecer.

Cirurgia de aneurisma da aorta

Devido a importância da aorta no organismo, os procedimentos cirúrgicos envolvendo esta artéria costumam ser mais delicados e complexos. Para aneurismas da aorta abdominal e da aorta torácica, existem duas possibilidades.

A primeira é a cirurgia convencional, em que a parte da aorta em que se encontra o aneurisma é totalmente retirada e substituída por um tubo. Para isso, há a interrupção do fluxo de sangue na região. Trata-se de um procedimento de alto risco e, atualmente, é a opção de tratamento menos utilizada para aneurismas da aorta.

A segunda, assim como no caso do aneurisma cerebral, é um tratamento endovascular. O tubo que irá substituir a parte da artéria que sustenta o aneurisma é inserido através de um cateter.

Como esse procedimento é relativamente novo (foi realizado pela primeira vez em 1991), os pacientes submetidos a ele precisam de acompanhamento frequente para que o médico responsável pelo caso possa se certificar de que a endoprótese está no lugar correto e não precisa de reparos.

Pós-operatório

Paulo, o comerciante citado anteriormente, retomou a rotina apenas 2 semanas depois da cirurgia de clipagem de aneurisma cerebral. A recuperação acelerada foi tão surpreendente que chegou a ser temática de simpósios médicos, embora possa ser parcialmente explicada pelo histórico do paciente: um homem jovem, que não fumava ou bebia e praticava exercícios físicos regularmente. Em geral, pessoas que passam por intervenções cirúrgicas para tratamento de aneurismas demoram, em média, 3 meses para retornarem às atividades normais.

Logo após a cirurgia, enquanto ainda estiver no hospital, o paciente será monitorado de hora em hora durante as primeiras 24 ou 48 horas, dependendo da gravidade do caso. Essa rotina é uma precaução para garantir que não houveram complicações pós-cirúrgicas, como embolias ou hemorragias, por exemplo.

Quando estiver fora de risco, o paciente poderá ser transferido para um quarto, onde continuará sob observação de acordo com as diretrizes da equipe médica. Internações após esse tipo de intervenção cirúrgica costumam durar no mínimo 5 dias.

Os cuidados pós-operatórios são tão delicados quanto a cirurgia. É importante permanecer em lugar tranquilo e silencioso, além de ficar atento a variações fisiológicas, como intestino preso, por exemplo, que podem indicar que algo não vai bem. É imprescindível repouso absoluto e dieta leve, sem alimentos gordurosos.

Pacientes que passaram por tratamentos endovasculares devem evitar fazer movimentos bruscos com as pernas, principalmente forçando a coxa ou a virilha. Já quem foi exposto a procedimentos cirúrgicos mais invasivos é expressamente proibido de tomar sol no local da incisão.

O cirurgião pode recomendar o uso de alguns medicamentos após a cirurgia, como anticonvulsivantes, bloqueadores dos canais de cálcio e remédios para dor.

Convivendo

Para quem tem aneurismas que não se romperam, é preciso manter a calma. Embora aneurismas rotos sejam muito graves, aneurismas não rotos podem nunca chegar a causar nenhum problema, permanecendo sempre adormecidos. Isso porque as chances de rompimento são muito baixas, variando de 1% a 2,7% ao ano.

É importante conversar com o neurocirurgião para sanar todas as dúvidas e entender os motivos que o levam a concluir que os riscos de uma cirurgia são maiores do que os riscos de conviver com o aneurisma.

Pacientes que convivem com aneurismas não rotos precisam monitorar a situação periodicamente. Em geral, os exames de check-up nesses casos costumam acontecer com a seguinte frequência:

Diâmetro do aneurisma (em centímetros)

Frequência dos exames

3,0 a 3,4

A cada três anos

3,5 a 4,4

Anualmente

4,5 a 5,4

Semestralmente

A partir de 5,5

Cirurgia

Para evitar complicações, é muito importante que o paciente tenha um estilo de vida saudável e regrado. Alimentação saudável, prática de exercícios e controle de doenças que podem agir como gatilhos para o aneurisma, como hipertensão e colesterol alto, por exemplo, são imprescindíveis.

A pessoa que convive com o aneurisma não roto também precisa abandonar hábitos que não sejam benéficos, como fumar, ingerir bebidas alcoólicas e usar drogas estimulantes.

Quais são as chances de um aneurisma se romper?

De acordo com um levantamento organizado pela Procempa, os números são os seguintes:

Tamanho do aneurisma
(em milímetros)

Chances de ruptura
(nos próximos 5 anos)

Até 7

Menor que 1%

De 7 a 12

2,6%

13 a 25

14,5%

Exatamente 25

40%

Complicações

A única complicação possível para um aneurisma não roto é que ele se rompa. A partir do rompimento, existe uma série de desdobramentos ruins que podem acontecer, como:

Acidente vascular hemorrágico

O rompimento de um aneurisma pode ser a causa de um AVC hemorrágico. Isso ocorre porque a hemorragia pode causar um aumento da pressão intracraniana, que leva a perda de funções cerebrais.

Trombose

A trombose consiste na formação de um ou mais coágulos que obstruem determinadas veias, e é relativamente comum após intervenções cirúrgicas. Esses coágulos também podem se desprender e “navegar” pela corrente sanguínea, ficando presas em órgãos importantes e gerando um fenômeno chamado embolia, que pode levar a morte.

A trombose é um evento mais comum após cirurgias reparadoras de aneurismas da aorta.

Ressangramento

Aneurismas que já se romperam correm o risco de sangrar novamente, principalmente durante ou após a cirurgia. Isso pode aumentar a extensão dos danos já existentes ou mesmo requerer novos procedimentos cirúrgicos para reparação.

Hipotensão pós-cirúrgica

A perda de sangue pré e intra procedimento, no caso de aneurismas rotos, pode levar a episódios de quedas de pressão pós-cirúrgicas, o que afeta diretamente a recuperação cardiovascular do paciente.

Vasoespasmo

Hemorragias decorrentes de aneurismas cerebrais podem causar contrações involuntárias das artérias, fenômeno que atende pelo nome clínico de vasoespasmo. Esses espasmos arteriais prejudicam a passagem adequada de fluxo sanguíneo, o que pode causar AVCs isquêmicos.

Hiponatremia

A hiponatremia é a queda dos índices de sódio no sangue, o que pode ser causado por hemorragias provenientes de aneurismas rotos. Esse desequilíbrio pode provocar uma espécie de inchaço das células cerebrais e provocar danos graves e irreversíveis.

Hidrocefalia

Hidrocefalia é o nome que se dá ao acúmulo de água dentro do crânio. Pode acontecer se a hemorragia causada por um aneurisma bloquear o fluxo de Líquido Cefalorraquidiano no cérebro e na medula espinhal, ocasionando um excesso localizado de líquor.

A hidrocefalia aumenta a pressão intracraniana e pode causar diversos danos permanentes, atingindo capacidades como a de fala, locomoção, memória e visão, por exemplo.

Paralisia

Paralisias são sequelas raras para aneurismas cerebrais, mas podem acontecer. Geralmente são parciais, podendo afetar um lado do rosto ou do corpo do paciente.

Dificuldades motoras e de fala

Disfunções nas capacidades psicomotoras são comuns durante o período de reabilitação após o rompimento de um aneurisma. Podem ser reversíveis ou permanentes.

Coma

Dependendo da extensão e intensidade de um sangramento pós-rompimento de aneurisma, a hemorragia pode fazer com que o paciente desmaie ou até mesmo entre em coma.

Morte

Um aneurisma pode matar imediatamente, mas também vários dias após seu rompimento, devido a intensidade da hemorragia inicial e ressangramentos.

O índice de óbitos depois da ruptura de um aneurisma, tanto cerebral quanto na aorta, é altíssimo. No Brasil, a doença causa uma média de 6,5 mil mortes por ano, de acordo com dados do Ministério da Saúde.

Como prevenir um aneurisma?

A melhor maneira de prevenir o enfraquecimento das paredes arteriais é cultivar hábitos saudáveis, como:

  • Praticar exercícios;
  • Manter a pressão arterial e os níveis de colesterol sob controle;
  • Se alimentar de maneira adequada;
  • Ingerir bebidas alcoólicas com moderação e não fumar ou usar drogas estimulantes.

Para quem possui histórico familiar ou problemas de saúde que possam favorecer o desenvolvimento de aneurismas, é importante buscar acompanhamento médico.


Aneurismas rompidos são problemas gravíssimos e devem ser tratados com seriedade. Ao menor sinal de que algo possa estar errado, procure um médico imediatamente. Em casos como esses, o tempo é crucial para definir o destino do paciente.

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (8 votos, média: 4,88 de 5)
Loading...

Deixe o seu comentário, nos preocupamos com sua opinião:

Por gentileza, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui

Lamentamos a não possibilidade de dar-lhe conselho médico ou responder a questões médicas e farmacêuticas individuais através de e-mail, pois apenas um médico pode prestar tal atendimento. Embora tentemos responder a todos os comentários, opiniões e e-mails que recebemos em até dois dias úteis, nem sempre é possível devido ao grande volume que recebemos. Por favor, tenha em mente que qualquer solicitação ao Minuto Saudável está sujeita aos nossos Termos de Uso e Política de Privacidade, ao enviar, você indica sua aceitação.