O que é Lordose (Cervical e Lombar), sintomas e como tratar

3

O que é lordose?

A lordose é uma curvatura fisiológica da coluna vertebral projetada para dentro, que está presente na região cervical e lombar. Tais estruturas podem ter variações entre 20 a 40 graus na cervical e 40 a 60 graus na lombar, sendo esses valores considerados normais. Ou seja, todas as pessoas têm lordose.

Porém, quando há alterações na curvatura lordótica – hipolordose (curvatura reduzida) ou hiperlordose (curvatura acentuada) -, surgem os problemas de coluna. Essas condições podem ter relação com várias causas, especialmente genéticas. O sobrepeso, má postura e fraquezas musculares também são fatores importantes e devem ser considerados.

Entre os principais sintomas estão as dores nas costas, formigamento na região da coluna, fraqueza nos músculos da barriga, rigidez e dores no pescoço.

Os métodos mais eficazes para o tratamento são a fisioterapia e, em alguns casos, até mesmo a cirurgia. A boa notícia é que a ida regular ao médico e a melhora na postura são medidas capazes de prevenir o problema.

Vale destacar que as lordoses são estruturas secundárias, pois só começam a aparecer depois que a pessoa aprende a deixar sua coluna ereta, geralmente quando começa a andar.

Lordose, cifose e escoliose: qual a diferença?

Tanto a lordose quanto a cifose são curvaturas normais da coluna vertebral. A diferença está no formato da curva. No primeiro caso, o desvio é para dentro (anterior), e no segundo, a projeção é para fora (posterior).

Também é possível diferenciar essas curvaturas de acordo com sua localização. A lordose está situada na parte de baixo da coluna, próximo ao abdômen, e na região do pescoço. Já a cifose compreende a parte de cima, próximo ao tórax, além da região do cóccix.

Ao contrário da lordose, que se desenvolve após o nascimento, a cifose surge ainda no período embrionário. Em situações de alteração nessa curvatura, há um aumento anormal do desvio posterior, formando a famosa “corcunda”.

Por fim, a escoliose é caracterizada por um crescimento assimétrico da coluna, em que há um desvio lateral, formando uma curva em formato de “S” ou “C”. É uma rotação de vértebras que engloba toda a parte da coluna e que se desenvolve em crianças, durante a fase de crescimento.

Índice — neste artigo você irá encontrar as seguintes informações:

  1. O que é lordose?
  2. Lordose, cifose e escoliose: qual a diferença?
  3. Tipos
  4. Retificação da lordose: o que significa?
  5. Causas: como se adquire a lordose?
  6. Fatores de risco
  7. Sintomas
  8. Quando devo procurar um médico?
  9. Diagnóstico
  10. Lordose tem cura? Qual o tratamento?
  11. Complicações
  12. Como prevenir a lordose?

Tipos

As alterações na lordose podem ser classificadas em dois tipos: hipolordose, que é a curvatura reduzida, e hiperlordose, caracterizada pela curvatura excessiva.

Considerando esses termos, podemos diferenciá-las entre:

Lordose cervical

Numa coluna normal, a lordose cervical apresenta um formato de “C”, em que a curva aponta para a parte de trás do pescoço. Quando existe uma alteração nesse desvio, a curvatura da espinha não se curva como deveria, podendo se mover mais para direita ou esquerda, ou ainda projetando-se excessivamente.

Pessoas que têm excesso de cifose, ou seja, possuem uma curvatura exagerada na região do tórax, apresentam boas chances de desenvolver uma diminuição na lordose cervical, fazendo com que o pescoço seja projetado para frente. Isso acontece devido à compensação natural que o corpo faz para equilibrar a coluna.

Na hipolordose cervical, o paciente tem a mobilidade reduzida.

Lordose lombar

Mais comum que a lordose cervical, as alterações na curvatura lombar na maioria das vezes representam um excesso no desvio (hiperlordose). Essas condições provocam a projeção do abdômen e dão a sensação de “bumbum arrebitado”, além de causar dores constantes. Os casos mais comuns ocorrem por fatores genéticos, obesidade e gravidez.

Há também situações de hipolordose, ou lordose diminuída, em que ocorre a retroversão abdominal e aparência de “bumbum retraído”. Geralmente, elas ocorrem em pacientes idosos, com alterações degenerativas nos discos ou ligamentos.

Retificação da lordose: o que significa?

O termo retificação da lordose é bastante utilizado no ambiente clínico. Por isso, é comum encontrar tal expressão ao receber o resultado de um exame. Mas afinal, o que ele quer dizer?

A retificação da lordose pode ser considerada um sinônimo de hipolordose. Ou seja, ela acontece quando ocorre uma diminuição da lordose cervical ou lombar.

Causas: como se adquire a lordose?

Algumas condições são capazes de provocar alterações na curvatura cervical e lombar. São elas:

  • Trauma na parte inferior da coluna;
  • Má postura ao sentar ou levantar muito peso;
  • Obesidade;
  • Alterações genéticas;
  • Inflamação entre as vértebras;
  • Osteoporose ou perda de densidade óssea;
  • Espondilolistese (condição em que a vértebra desliza para frente);
  • Condroplastia (tipo de nanismo);
  • Osteossarcoma (câncer ósseo);
  • Hipercifose;
  • Fraqueza muscular, especialmente na região do abdômen.

Em crianças

Muitas vezes, alterações na lordose aparecem na infância, sendo conhecidas como lordose juvenil benigna. O problema ocorre porque o músculo na região do quadril da criança é fraco ou apertado. Nesses casos, o desvio tende a ser corrigido durante o crescimento.

Raramente, outras condições que podem afetar a lordose de crianças estão relacionadas ao sistema nervoso ou problemas musculares, como:

Fatores de risco

Todas as pessoas podem desenvolver problemas na lordose, sem importar o sexo ou idade. Porém, as mulheres estão mais propícias devido à curvatura natural de sua coluna vertebral.

Os fatores que podem afetar o desvio incluem:

  • Ter má postura;
  • Ter músculos abdominais fracos;
  • Usar salto alto;
  • Carregar cargas pesadas;
  • Andar ou correr por longos períodos;
  • Obesidade;
  • Gravidez.

Sintomas

Tanto a hiperlordose quanto a hipolordose podem ser bastante doloridas. Geralmente, as pessoas que têm o problema sentem certa dificuldade para realizar alguns movimentos e sofrem com dores constantes. Mesmo sem apresentar sintomas, é possível estar com a doença, pois muitas vezes ela se manifesta quando o quadro está pior.

As queixas variam de acordo com a região do corpo em que se desenvolvem.

Lordose lombar

  • Dores nas costas;
  • Fraqueza no músculo da barriga;
  • Formigamento no corpo;
  • Celulite nos glúteos;
  • Flacidez na barriga;
  • Dificuldade para se abaixar e pegar peso.

Lordose cervical

  • Rigidez;
  • Dores no pescoço;
  • Fraqueza nos músculos da região;
  • Formigamentos.

Em mulheres grávidas

Durante a gestação, é bastante comum a mulher se queixar de dores na lombar. Desse modo, o problema pode ser facilmente confundido com um quadro de hiperlordose. O que costuma ocorrer é uma resposta da coluna para realinhar o centro de gravidade.

Além disso, essa dor pode ocorrer devido ao fluxo sanguíneo irregular, e provavelmente irá embora quando o bebê nascer.

Nesses casos, a hiperlordose pode se desenvolver caso a mulher apresente fraqueza muscular. Por isso é tão importante manter o abdômen fortalecido.

Quando devo procurar um médico?

Se a curvatura lordótica for corrigida no momento em que a pessoa se inclina para frente, não há necessidade de procurar um médico. Porém, se a curva não for flexível e as tarefas diárias começam a tornar-se difíceis, é preciso buscar ajuda.

Outros sintomas podem indicar problemas mais graves e não devem ser ignorados. São eles:

  • Entorpecimento;
  • Formigamento;
  • Fraqueza;
  • Dificuldade para controlar a bexiga;
  • Dificuldade em manter o controle muscular.

Diagnóstico

Qualquer problema na lordose pode ser percebido por um ortopedista ou até mesmo um clínico geral. Em 80% dos casos, o diagnóstico é estabelecido por meio de avaliação clínica. Essa consulta inclui a análise do histórico do paciente, além de um exame físico completo.

O médico deverá levar em conta a fraqueza muscular, principalmente na região abdominal e a baixa flexibilidade articular no dorso e membros inferiores.

Exame físico

O exame físico da coluna vertebral irá considerar a amplitude de diferentes movimentos feitos pelo paciente, bem como o surgimento de dor, espasmo muscular, rigidez e bloqueio.

Esse processo também poderá incluir a manipulação por meio do toque, a fim de identificar possíveis anormalidades.

Além do exame físico, o médico poderá solicitar:

  • Raio-X da coluna: analisando o paciente na posição de frente e em perfil, o exame capta imagens internas, a fim de medir as curvas da coluna vertebral.
  • Tomografia computadorizada: técnica que utiliza uma combinação de raios-X e computadores para reproduzir imagens horizontais do corpo.
  • Ressonância magnética: produz imagens detalhadas de órgãos e estruturas internas do corpo.
  • Exames ósseos: verifica se há alterações degenerativas e/ou artríticas nas articulações.

Lordose tem cura? Qual o Tratamento?

As alterações na lordose têm cura e podem ser tratadas de acordo com a gravidade da lesão. É preciso lembrar que nem todos os casos necessitam de cuidados. Porém, quando a curva é rígida, é necessário um tratamento eficaz e bem direcionado – uma curva espinhal mais severa pode exigir o uso de cintas ou até mesmo cirurgias.

No geral, o tratamento para lordose aumentada ou diminuída pode incluir:

  • Medicação (analgésicos e anti-inflamatórios) para aliviar dor e inchaço;
  • Exercícios e fisioterapia;
  • Uso de cinta traseira;
  • Perda de peso;
  • Cirurgia.

Vale ressaltar que é mais fácil corrigir a postura durante a puberdade. Sendo assim, adolescentes com uma curvatura mais acentuada que o normal podem fazer fisioterapia e, muito possivelmente, ter o problema tratado apenas com uma mudança na flexibilidade e postura.

Medicamentos para lordose

Não existem medicamentos específicos para o tratamento da lordose e, por isso, são comumente indicados analgésicos e anti-inflamatórios para tratar os sintomas. Alguns desses medicamentos são:

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas neste site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Exercícios e fisioterapia para lordose

Para aumentar a flexibilidade e força muscular, existem alguns métodos eficazes no tratamento da lordose e capazes de garantir uma melhora na postura. As técnicas mais utilizadas são:

Reeducação Postural Global (RPG)

A técnica da Reeducação Postural Global é muito usada em problemas de postura, uma vez que busca tratar a condição focando não apenas nos ossos e articulações do paciente, como também os músculos e demais tecidos que influenciam na movimentação e sustentação.

Equipamentos fisioterápicos

Diversos equipamentos fisioterápicos, como mesa de tração e mesa de flexão e descompensação dinâmica, são bons auxiliares no tratamento da lordose. Isso porque elas buscam exercitar, sem prejudicar, a musculatura e articulações da região, de maneira que amenize a dor do paciente.

Órteses

As órteses são equipamentos externos que ajudam a manter os ossos e articulações em seus devidos lugares. Uma das órteses mais recomendadas nos casos de lordose lombar são as órteses lombares, que buscam imobilizar a região do lombo, impedindo que a postura favoreça curvaturas acentuadas ou inexistentes.

Pilates

A prática de pilates é benéfica para diversas partes do corpo, mas pode ser especialmente eficaz no tratamento da lordose com exercícios focados na pelve (região da bacia).

Exercícios corretivos

Há também alguns exercícios corretivos que podem ser feitos em casa. Porém, nesses casos, é imprescindível o acompanhamento de um fisioterapeuta ou médico.

As técnicas incluem exercícios que movimentam, em especial, o quadril e a parte inferior das costas. Além disso, são recomendados exercícios de fortalecimento dos glúteos e alongamentos em geral.

No entanto, tratando-se de exercícios, é necessário que o paciente seja bastante cuidadoso. O recomendável é que haja sempre a supervisão ou acompanhamento de um profissional habilitado para a prática dessas atividades.

É importante lembrar também que pacientes que tentam ganhar força muito rapidamente ou ainda realizam os exercícios de maneira inadequada, podem provocar uma sobrecarga na coluna e agravar a situação.

Cirurgia para lordose

A intervenção cirúrgica é considerada somente quando há envolvimento neurológico ou se a curvatura é muito grave. O procedimento e método utilizado será definido pelo médico cirurgião da coluna, levando em consideração os sintomas e tipo de problema.

Normalmente, a cirurgia busca endireitar a coluna por meio de uma haste de metal, parafusos ou ganchos. No entanto, pode ser também feito um enxerto ósseo (retirada de parte do osso) para que o crescimento seja promovido de modo a estabilizar a coluna vertebral.

Em suma, a cirurgia irá deter a progressão da curva, corrigir a deformidade e melhorar a aparência estética da coluna.

Complicações

A lordose em geral não causa muitas complicações quando tratada. Porém, a coluna vertebral é responsável por grande parte do nosso movimento e flexibilidade. Portanto, não tratar a lordose pode elevar os riscos de problemas na coluna, cintura pélvica, pernas e até mesmo órgãos internos.

Outras complicações com a falta de tratamento são as hérnias de disco e problemas psicológicos (devido às dores constantes).

Como prevenir a lordose?

A coluna vertebral pode passar anos sofrendo lesões sem demonstrar nenhuma dor ou inflamação. Muitas vezes, quando o sintoma surge, a coluna pode estar bastante danificada. Por isso, a principal medida preventiva é ir regularmente ao médico, mesmo sem apresentar dores, a fim de fazer os exames de rotina.

Outras dicas incluem:

  • Manter a postura correta;
  • Praticar exercícios físicos com supervisão;
  • Ter alimentação balanceada;
  • Controlar o peso;
  • Evitar a automedicação.

As alterações na lordose são muito comuns, mas nem sempre apresentam sintomas. Por isso, exames de rotina são fundamentais para a prevenção, além de exercícios físicos. Se você sofre ou conhece alguém com o problema, procure um médico!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (9 votos, média: 4,22 de 5)
Loading...

3 Comentários

Atenção: os comentários abaixo são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

  1. BOA NOITE!
    SOU EDILEUZA, AQUI DE SALVADOR, TENHO 46 ANOS.
    ESTOU E, CRISE DE LORDOSE.
    TENHO QUATRO HERNIAS DE DISCO CERVICALE LOMBAR.
    TENDINITE E EPICONDILITE NOS DOIS BRAÇOS.
    FADCITE PLANTAR E ESPORÃO EM AMBOS OS PÉS.
    ESTOU EM CRISE DA LOMBR DESDE ONTEM.
    AMEI A MATÉRIA !
    MUITO OBRIGADA!

  2. Muito esclarecedoras as informacoes obtidas.Já faço tratamento médico e gosto de saber sobre as doenças pois consigo conversar melhor com meu médico e ajudar no tratamento e diagnostico.obrigada.

Deixe o seu comentário, nos preocupamos com sua opinião:

Por gentileza, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui

Lamentamos a não possibilidade de dar-lhe conselho médico ou responder a questões médicas e farmacêuticas individuais através de e-mail, pois apenas um médico pode prestar tal atendimento. Embora tentemos responder a todos os comentários, opiniões e e-mails que recebemos em até dois dias úteis, nem sempre é possível devido ao grande volume que recebemos. Por favor, tenha em mente que qualquer solicitação ao Minuto Saudável está sujeita aos nossos Termos de Uso e Política de Privacidade, ao enviar, você indica sua aceitação.