O que é joanete?

Joanete é uma espécie de calombo ósseo que surge no pé, em decorrência do deslocamento de um osso chamado metatarso.

Os joanetes são extremamente dolorosos e incômodos, embora não costumem estar relacionados a doenças mais graves. Uma das principais causas do problema é o uso de sapatos desconfortáveis, principalmente com salto alto e bico fino. Por isso, costuma ser mais comum em mulheres do que em homens.

Também pode ser causada por outros fatores, como doenças que atingem as articulações ou má formação na própria estrutura óssea dos pés do paciente.

O tratamento, em geral, envolve o uso de aparelhos ortopédicos e mudança nos tipos de calçado que são usados pelo paciente. Mas, em casos mais graves, intervenções cirúrgicas podem ser recomendadas.

Índice — neste artigo você encontrará as seguintes informações:

  1. O que é joanete?
  2. Tipos
  3. Classificação quanto à origem
  4. Causas
  5. Grupos de risco
  6. Sintomas
  7. Como é feito o diagnóstico de joanete?
  8. Joanete tem cura?
  9. Tratamento conservador
  10. Tratamentos caseiros para joanete
  11. Cirurgias para joanete
  12. Convivendo
  13. Complicações
  14. Como prevenir joanete?
  15. Exercícios para joanete

Tipos

Existem dois tipos diferentes de joanete, que divergem somente em relação a parte do pé em que aparecem.

São eles:

Hallux valgus

A Hallux valgus, ou hálux valgo, é a forma mais comum de joanete. É aquela em que a deformidade aparece no dedão do pé. A expressão que dá nome ao problema vem do latim e significa, sugestivamente, “articulação que salta para fora”.

Clinicamente, também pode ser chamada de joanete do primeiro metatarso. Metatarso é o nome de um conjunto de ossos compridos, que se localizam no antepé e oferecem sustentação aos dedos. O primeiro metatarso é justamente o que proporciona apoio para o dedão.

Em geral, a Hallux valgus é caracterizada por uma protuberância, muito semelhante à um osso saltado, que aparece nas proximidades do maior dedo do pé, principalmente em sua base.

Joanete de Sastre

A joanete de Sastre, também conhecida como joanete de alfaiate, é caracterizada pela aparição de uma elevação óssea na região do dedo mindinho do pé. Assim como a Hallux valgus, costuma aparecer com mais frequência na base do dedinho.

O nome popular, joanete de alfaiate, deve-se ao fato de que a doença era muito comum entre as pessoas que trabalhavam com alfaiataria até, mais ou menos, o início da segunda metade do século XX.

Isso porque, naquela época, os alfaiates costumavam trabalhar sentados no chão, em posição de lótus, colocando todo o peso do corpo sobre as laterais dos pés. Esse hábito fazia com que os trabalhadores desenvolvessem as tais joanetes nos mindinhos, e o fenômeno era tão comum que acabou batizando a doença.

Mas, clinicamente, o nome da joanete de alfaiate é outro. Seu médico provavelmente a chamará de bunionette, joanete de Sastre ou de joanete do quinto metatarso.

Classificação quanto à origem

Além dos tipos quanto a localização, joanetes ainda podem ter duas classificações diferentes, de acordo com o que ocasionou problema.

São elas:

Joanete congênita

A joanete congênita é aquela relacionada à estrutura dos pés ou histórico familiar. São chamadas de congênitas porque, de certa forma, a predisposição ao desenvolvimento delas já nasce com o paciente.

Joanete adquirida

As joanetes adquiridas são aquelas que estão relacionadas a causas que surgem ao longo da vida. Podem ser ocasionadas por doenças, traumas ou simplesmente pelo uso constante de sapatos desconfortáveis, por exemplo.

Causas

O que causa o calombo que caracteriza um joanete é um deslocamento do metatarso, que, por sua vez, pode ser ocasionado por uma série de fatores.

Esses fatores  podem ser congênitos, habituais (ou seja, que estão relacionados a algum hábito do paciente) ou patológicos (que têm natureza em alguma outra doença ou transtorno).

São eles:

Predisposição estrutural do pé

Algumas pessoas já nascem com predisposição a desenvolver joanetes, devido a própria estrutura natural do pé, que pode favorecer a aparição do problema.

Qualquer pequena alteração que interfira na estabilidade do pé durante a pisada pode aumentar a pressão sobre as articulações da falange – um osso que fica próximo ao metatarso – provocando o aparecimento de joanetes.

É por isso que o desenvolvimento de joanetes é muito comum entre quem sofre com problemas como:

  • Pisada supinada, quando a pessoa pisa torto, com os pés virados para fora;
  • Pisada pronada, quando a pessoa pisa torto, com os pés virados para dentro;
  • Pé chato, um tipo de estrutura em que o pé não tem o arco plantar, uma parte que fica na sola e é responsável por oferecer sustentação ao corpo;
  • Pé cavo, um tipo de estrutura em que o arco plantar é exageradamente arqueado, o que faz com que o paciente perca uma parcela significativa da capacidade de equilíbrio e distribuição do peso entre os pés;
  • Problemas e desgastes na cartilagem dos joelhos.

Hereditariedade

A aparição de joanetes está ligada à predisposição genética do paciente. Uma pesquisa feita pelo Framingham Foot Study, uma instituição norte-americana especializada em pesquisas sobre os pés, coletou dados entre 1.370 adultos que foram diagnosticados com joanetes e concluiu que a doença está intimamente ligada ao histórico familiar.

Por isso, se você acompanhou seus pais ou avós sofrendo com joanetes enquanto crescia e agora sofre com seus próprios joanetes, é importante levar essa informação para o médico no momento da consulta.

Uso de sapatos inadequados

A maior parte das pacientes com joanetes é do sexo feminino, por um motivo simples: as mulheres, por questões socioculturais, têm maior tendência a usar sapatos apertados e desconfortáveis, principalmente modelos com salto alto e bico fino.

O design de sapatos com salto faz com que o pé escorregue para a frente, permanecendo em uma curva que, anatomicamente falando, causa muito desconforto para os ossos que compõem essa parte do corpo. Os dedos, por sua vez, acabam recebendo a maior parte da pressão e peso do corpo a cada passo. Esse processo facilita o surgimento de deformidades.

Os calçados com bico fino são ainda piores, já que estreitam o espaço destinado a extremidade dos pés, fazendo com que o dedão seja empurrado até ficar sobreposto ao segundo dedo. Esse é o cenário perfeito para que um joanete desponte.

Artropatias

As artropatias são doenças que afetam as articulações, e podem ser inflamatórias ou infecciosas. Entre elas, estão transtornos como artrite reumatoide, psoríase e osteoartrite.

Artropatias costumam causar dores, rigidez nas articulações e, em alguns casos, deformidades. Por isso, joanetes costumam ser consequências comuns desse tipo de doença.

Problemas neurológicos

Algumas doenças neurológicas, como paralisia cerebral, lesões cerebrais e Acidentes Vasculares Cerebrais (AVCs) podem causar um fenômeno chamado espasticidade.

A espasticidade faz com que os músculos e articulações do corpo fiquem duros e tensos, sofrendo espasmos esporádicos violentos demais para a região em que ocorrem.

Esse processo pode, eventualmente, causar deformidades ósseas e articulares através do enfraquecimento de tecidos, que acontece justamente pela pressão dos espasmos. Aí, uma das consequências pode ser o aparecimento de joanetes.

Traumas

Lesões são consideradas causas raras para o surgimento de joanetes, mas pode acontecer. Geralmente, os traumas que originam o problema são aqueles que atingem uma região do pé chamada de primeiro raio, que corresponde ao primeiro metatarso e suas duas falanges:

  • a falange distal, um osso que fica na ponta do dedão;
  • a falange proximal, osso que faz a ligação entre o metatarso e a falange distal.

Os traumas que podem causar joanetes geralmente são torções, lesões que atingem terminações nervosas e fraturas em geral.

Dismetria dos membros inferiores

Dizer que alguém tem dismetria dos membros inferiores significa, basicamente, dizer que aquela pessoa tem uma perna mais comprida que a outra. O problema costuma ser congênito.

Pessoas com dismetria dos membros tendem a concentrar um peso maior na perna mais comprida quando caminham. Essa divisão desigual entre as pernas tende a provocar o desenvolvimento de joanetes no pé que recebe a maior carga de peso.

Grupos de risco

Tem o risco de desenvolver joanetes qualquer pessoa que passe pelas situações ou tenha os hábitos e doenças anteriormente citados. Portanto, os grupos de risco para o desenvolvimento de joanetes são:

  • Pessoas que usam sapatos de salto alto;
  • Pessoas que usam sapatos apertados;
  • Portadores de doenças que atinjam as articulações;
  • Portadores de problemas congênitos na formação dos pés;
  • Pessoas que tenham mais de dois casos de joanete na família, já que, nesse caso, a frequência dos eventos sugere tendência genética ao problema.

Sintomas

Os sintomas de joanete são muito característicos, e atingem essencialmente a área afetada. São eles:

  • Inchaço na região do dedão ou do mindinho, semelhante a um calombo ou calo, com consistência dura;
  • Vermelhidão localizada;
  • Dor constante na região do dedão ou do mindinho, que se intensifica ao caminhar, pisar no chão ou colocar os sapatos;
  • Rigidez no dedo afetado que piora com o passar do tempo;
  • Intensificação da deformidade, chegando ao ponto do dedo parecer totalmente torto;
  • Aparição de pequenos calos na sola dos pés ou próximo ao dedo afetado pelo joanete;
  • Pele grossa e seca embaixo do dedão;
  • Episódios em que o dedo afetado pelo joanete esquenta repentinamente.

Como é feito o diagnóstico de joanete?

O diagnóstico de joanete é feito diretamente na consulta com seu médico, sendo que a especialidade mais indicada para tratar de joanetes é a ortopedia.

Após apalpar a região, observar e fazer algumas perguntas, o médico provavelmente pedirá um raio-X do pé afetado. Em alguns casos, o profissional também pode solicitar uma ressonância magnética para confirmar o diagnóstico.

Artrite gotosa x joanete

É muito comum que pessoas com artrite gotosa em estágios iniciais confundam a doença com um episódio de joanete.

Mais conhecida como gota, a artrite gotosa é uma doença inflamatória da família das artropatias, ou seja, que atinge diversas articulações do corpo.

O diferencial da gota em relação a outras artrites é que ela atinge apenas uma articulação por vez, fazendo com que o paciente pense que se trata de uma dor localizada temporária, ou que as dores que sente em diferentes articulações não estão relacionadas.

Uma das articulações mais atingidas pela gota é, justamente, o dedão do pé. Durante as crises, a região pode ficar quente, avermelhada, inchada e sensível, sintomas típicos de joanete.

A dor em casos de ambas as doenças também é bem parecida, com intensidade que vai de moderada a muito forte, constante com episódios latejantes.

Para diferenciar as duas doenças, é importante observar que a gota se manifesta através de crises: os episódios de dor duram algum tempo, depois somem completamente, para voltar algumas semanas depois. Em alguns casos, a artrite gotosa também pode causar febre, sintoma que não existe no caso do joanete.

Por isso, mesmo que o joanete pareça ser um problema relativamente inofensivo, é muito importante consultar um médico para ter certeza do diagnóstico.

Joanete tem cura?

Joanete tem cura, e, na maior parte dos casos, o tratamento é simples e eficaz. Quadros mais complexos, no entanto, podem precisar de pequenas intervenções cirúrgicas para serem resolvidos.

Tratamento conservador

O tratamento conservador é, basicamente, uma modalidade de tratamento puramente terapêutica, que tem potencial para resolver o problema sem grandes intervenções ou prescrição de medicamentos específicos para resolver o problema dos joanetes.

Algumas medidas usadas no tratamento conservador são:

Troca de calçados

A primeira recomendação do ortopedista possivelmente será a suspensão imediata do uso de sapatos que possam estar piorando ou até mesmo causando os joanetes.

Calçados com saltos, bico fino, apertados ou sem amortecedores provavelmente serão suspensos até que o tratamento esteja concluído (para mais informações, leia a subseção “Cuidados com a escolha do calçado”).

Medicamentos

Os medicamentos indicados durante o tratamento de joanete não têm a função de eliminar o problema, mas sim, de diminuir a dor do paciente.

São receitados analgésicos para que a pessoa com joanete consiga ter uma qualidade de vida melhor enquanto trata a doença. O ortopedista pode prescrever medicamentos como ibuprofeno e paracetamol, por exemplo, em doses correspondentes a complexidade do seu caso.

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas neste site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Palmilhas

Seu médico pode recomendar palmilhas ortopédicas, que são um pouquinho diferentes daquelas que já vêm dentro dos sapatos quando os compramos em lojas.

As palmilhas para joanete são prescritas pelo ortopedista que, depois de uma análise, irá recomendar o modelo mais adequado para corrigir sua postura, aliviar o impacto da pisada nas articulações dos pés e trazer um pouco mais de conforto, evitando as dores.

Podem ser feitas sob medida e em diferentes materiais, principalmente silicone e gel. A palmilha ideal para seu caso levará em consideração o que exatamente está causando os joanetes.

O preço da palmilha varia de acordo com seu número de calçado, necessidades, correções necessárias e material em que será produzida. Em lojas online, podem ser encontradas de valores que vão de R$17,00 até R$155,00.

Afastador de dedos

Também chamado de separador de dedos, é um pequeno acessório produzido em silicone, feito para ser encaixado no espaço entre o dedão e o segundo dedo do pé.

O objetivo do uso do afastador de dedos é evitar a deformidade causada pelos joanetes, em que o dedão começa a se inclinar em direção ao segundo dedo. A expectativa é que, com à medida, as dores do paciente diminuam consideravelmente.

Geralmente, o afastador de dedos é usado como um tratamento paliativo, já que não garante o desaparecimento do joanete sem a mudança de outros hábitos – como a suspensão do uso de sapatos de salto e bico fino, por exemplo.

Em lojas online, custa, em média, de R$19,00 até R$25,00.

Tala corretiva para joanete

As talas para joanete – também conhecidas como órteses para joanete – são talas produzidas em acrílico ou silicone, criadas para serem flexíveis, com fecho e regulagem em velcro. Possuem apoio para a planta dos pés e um espaço para o encaixe perfeito do dedão.

O objetivo de utilizar uma tala corretiva é reduzir as dores e a pressão sobre o joanete, que deve regredir com o uso do acessório.

Geralmente, esse tipo de acessório é prescrito pelo ortopedista para uso noturno. É mais comum que seja recomendado para crianças, uma vez que sua eficácia é mais garantida nos pés dos pequenos, que ainda estão em formação.

Em lojas virtuais, a tala para joanetes custa, em média, R$60,00.

Uso de esparadrapos

O ortopedista pode recomendar o uso de esparadrapos cirúrgicos, do tipo fita micropore, para realinhar os ossos do pé. À medida impede o desenvolvimento do joanete e diminui a dor.

Para isso, será recomendado que o paciente coloque o pé na posição correta e o mantenha no lugar enrolando algumas camadas de esparadrapo diariamente. Esse tipo de tratamento costuma durar de uma a duas semanas. Alguns médicos preferem que o paciente visite o consultório a cada 2 ou 3 dias para garantir que a fita micropore está sendo colocada da maneira certa.

Tratamentos caseiros para joanete

É importante lembrar que os tratamentos caseiros não possuem eficácia cientificamente comprovada, e não devem substituir o tratamento oficial recomendado por um médico.

Algumas maneiras de tratar o joanete em casa e/ou com o auxílio de produtos naturais são:

Mergulhar os pés em água morna

A água morna promove relaxamento muscular, aliviando a dor e aumentando a mobilidade dos pés. Para quem tem joanetes, a recomendação é encher uma bacia e mergulhar os pés por meia hora, uma vez ao dia.

Fazer compressas de gelo

O gelo é responsável por diminuir inchaços localizados e o fluxo sanguíneo na região em que é aplicado. Por isso, embora não resolvam o problema do joanete em si, as compressas são excelentes para aliviar a dor.

Para obter os resultados desejados, é importante não aplicar o gelo na região do joanete por períodos maiores do que 20 minutos. Faça a compressa no mínimo uma e no máximo quatro vezes por dia.

Óleo de lavanda

O óleo de lavanda possui propriedades analgésicas e anti-inflamatórias, e, por isso, é um remédio caseiro muito popular para o tratamento de joanetes.

Você pode comprar o óleo de lavanda em lojas de produtos naturais, ou confeccionar o produto em casa.

Existem várias maneiras de fazer o óleo de lavanda caseiro. A mais simples é aquecer, em uma panela, algumas flores de lavanda frescas com um pouquinho de óleo de amêndoas ou azeite de oliva, em banho-maria.

Em seguida, coe a mistura para obter o óleo, retorne ao fogo e repita o procedimento mais duas ou três vezes. Depois, é só armazenar o produto em um pote e deixá-lo em local protegido do calor e da umidade. Aplique sobre os joanetes todas as noites, antes de dormir.

Caso apresente qualquer tipo de reação alérgica, como coceira ou vermelhidão, suspensa o uso imediatamente e consulte seu médico.

Óleo de lírio

O óleo essencial de lírio branco é conhecido por aliviar dores nos músculos e articulações, e pode ser comprado em casas de produtos naturais. Para utilizá-lo, basta aplicar algumas gotas sobre o joanete uma vez ao dia e massagear suavemente.

Sal de Epsom

Apesar do nome, o sal de Epsom não é um sal, mas sim, um composto especial de sulfato e magnésio que é extraído na cidade de Epsom, na Inglaterra. É utilizado para diversos fins medicinais, entre eles, o tratamento de joanetes.

As propriedades da substância garantem a redução da dor, inchaço e inflamações dos joanetes. Para apostar nesse tratamento, é preciso encher uma bacia com água morna e adicionar duas colheres bem generosas de sal de Epsom. Então, é só submergir os pés por 20 minutos, uma vez ao dia.

Arruda

A arruda é uma planta muito utilizada para reduzir dores e inflamações que atingem as articulações, e, por isso, é um tratamento caseiro para joanetes muito popular.

Para usufruir dos benefícios da arruda, basta preparar uma infusão da planta com água morna, colocar a mistura em uma bacia e mergulhar os pés por 15 minutos, uma vez ao dia.

Cirurgias para joanete

Joanetes maiores ou que estejam em estágio mais avançado precisam de tratamento cirúrgico para desaparecerem totalmente.

O tratamento é muito diverso: existem mais de 100 tipos de cirurgia para correção de joanete atualmente. Seu médico escolherá o mais adequado para você, de acordo com as particularidades do seu caso e histórico de saúde.

As escolhas cirúrgicas mais comuns para tratar joanetes são as seguintes:

Osteotomia

A osteotomia feita para correção de joanetes chama-se osteotomia distal do metatarso, e pode ser realizada de várias maneiras diferentes. O procedimento mais comum chama-se Osteotomia de Chevron.

Nesse tipo de cirurgia, o cirurgião insere um pequeno parafuso dentro do metatarso, com a intenção de segurar o osso na posição correta.

Para isso, é feito um corte em forma de V na parte do primeiro metatarso que está fora do lugar, dividindo o osso em dois. Então, as duas partes são alinhadas e fixadas com a inserção do parafuso.

Exostectomia

A exostectomia consiste, basicamente, na retirada do joanete através da raspagem do osso no local da lesão, sem corrigir o alinhamento ósseo.

Hoje, a exostectomia não é mais utilizada como um procedimento independente, já que retirar o joanete sem realinhar o metatarso faz com que o problema eventualmente volte.

Por isso, se seu médico optar pela exostectomia, saiba que, provavelmente, esse será apenas um procedimento complementar. Em geral, a exostectomia é feita em conjunto com a osteotomia.

Artrodese

Também conhecida como anquilose artificial, a artrodese é um procedimento em que articulações danificadas localizadas entre dois ossos são imobilizadas. Suas funções passam a ser feitas com a ajuda de placas de titânio e parafusos.

A artrodese é considerada um procedimento muito eficaz para o tratamento de joanetes, já que corrige a deformidade, oferece estabilidade para os pés e alivia a dor.

A maior desvantagem é que, após esse tipo de cirurgia, o metatarso afetado fica mais suscetível a fraturas, já que perde a capacidade de absorção de impactos que pertencia às articulações imobilizadas.

Pós-operatório

As cirurgias para reparação de joanetes são consideradas procedimentos simples. Por isso, a pessoa operada pode ser liberada assim que se recuperar da anestesia. Em alguns casos, a equipe médica pode solicitar que o paciente fique em observação por um período de até 24 horas.

A partir do dia seguinte a operação, o paciente precisará usar um calçado ortopédico chamado sandália Baruk sempre que caminhar, além de se certificar de que os pontos da cirurgia não sejam expostos a água ou a umidade excessiva. Essa etapa do pós-operatório costuma durar cerca de duas semanas.

Em seguida, o paciente precisará passar mais alguns dias com uma bota ortopédica especial. Em alguns casos, o ortopedista pode recomendar o uso de muletas para evitar que o pé operado receba uma carga de peso excessiva durante caminhadas.

Após mais ou menos um mês, o paciente deve estar de volta às suas atividades normais, incluindo dirigir. Já a liberação para a prática de exercícios físicos ficará a cargo da equipe médica.

Um leve inchaço no local da cirurgia pode se estender por mais alguns meses.

Fisioterapia

A fisioterapia é uma etapa importante do processo pós-operatório. O objetivo inicial dos exercícios é contribuir para a diminuição dos inchaços e incômodos na região operada.

Em seguida, começará um trabalho de relaxamento muscular e das articulações, para garantir que o pé recupere perfeitamente todas as suas funções após o tratamento cirúrgico.

Por fim, o fisioterapeuta investirá em um processo de fortalecimento muscular, para que o paciente consiga voltar a caminhar e retomar sua rotina normal sem sobressaltos.

Riscos da cirurgia

90% dos pacientes que passam pelo tratamento cirúrgico de joanete não sofrem com nenhuma complicação pós-operatória. O procedimento oferece um pequeno risco de infecções e lesões em nervos adjacentes ao local da cirurgia.

Convivendo

Embora não sejam graves, joanetes incomodam: não são bonitos, causam dores, dificultam atividades simples e tornam o ato de calçar um sapato praticamente uma missão impossível. Por isso, é importante consultar um médico o quanto antes para começar o tratamento correto e acabar logo com o sofrimento.

Compressas e analgésicos devidamente receitados por um profissional costumam ser a melhor forma de conviver com o problema no decorrer do tratamento.

Outro ponto crucial é evitar atividades físicas que forcem a região e escolher sapatos que não comprimam o joanete, evitando dores, desconforto e até mesmo complicações.

Cuidados com a escolha do calçado

Os sapatos desconfortáveis são os maiores vilões para quem convive com joanetes. Por isso, para sua recuperação, é imprescindível dedicar uma atenção especial ao momento da escolha dos calçados para o dia-a-dia.

Algumas medidas que você pode tomar:

  • Se tiver joanetes ou histórico da doença, suspenda o uso de salto alto. Sapatos de bico fino também são expressamente proibidos;
  • Se precisar usar sapatos de salto para trabalhar, prefira saltos que tenham, no máximo, 4 centímetros. Sapatos mais altos do que isso provocam uma pressão muito grande nos dedos do pé, aumentando o desconforto e piorando o problema;
  • Também preste atenção a estabilidade oferecida pelo salto. Prefira saltos firmes e mais largos, que oferecerão mais sustentação e apoio para seus pés;
  • Não pratique exercícios físicos com qualquer calçado – especialmente se a atividade envolver corridas. Invista em um tênis com amortecedores, absorção de choque e solado firme;
  • Não use calçados apertados. Um sapato que seja do tamanho certo para você terá espaço o suficiente para cada um de seus dedos, de forma que eles não fiquem pressionados. Também sobrará um pequeno espaço na ponta, que você pode sentir ao apertar aquela região do calçado;
  • Sempre utilize seus tênis com a palmilha almofadada que vem dentro deles no momento da compra;
  • Utilize botas feitas apenas de couro natural ou de camurça, que permitirão que seus pés respirem e contribuirão para que o joanete não continue a se desenvolver. Materiais sintéticos não são recomendados;
  • Se possível, prefira usar chinelos, tamancos e sandálias, de preferência com bastante espaço para a movimentação livre dos dedos. Esse tipo de calçado é, na verdade, o mais indicado para quem está em tratamento para joanetes.

Complicações

Joanetes não tratados podem gerar complicações que – acredite se quiser – conseguem ser ainda mais doloridas, incômodas e imobilizadoras.

São elas:

Joanete inflamado

A bursite acontece quando há a inflamação das bursas, ou bolsas sinoviais, que são pequenos sacos cheios de líquido que ficam no espaço entre um tendão ou músculo e um osso. É popularmente conhecida como joanete inflamado.

A deformidade causada pelo joanete pode ocasionar a bursite, que, por sua vez, causa dores intensas e rigidez nas articulações.

Dedos em garra

Também chamado de hammertoe (algo como “dedos do pé de martelo”, em tradução livre), o fenômeno dos dedos em garra é uma deformidade em que os tendões encolhem e atrofiam, deixando, como o nome da doença sugere, os dedos do pé curvados em formatos de garras. Podem ser uma evolução de joanetes não tratados.

Além de causarem dor intensa e impossibilitarem a movimentação dos pés, dedos em garra ainda têm um impacto profundo na autoestima do paciente.

Metatarsalgia

A metatarsalgia é a inflamação dos metatarsos, causada pelo estresse da deformidade de um joanete na região. Além de causar ainda mais dor, a doença ainda limita consideravelmente a movimentação dos pés.

Como prevenir joanete?

A prevenção aos joanetes é baseada em dois pilares: conforto e hábitos saudáveis. Para evitar que à deformidade surja nos seus pés, algumas medidas que podem ser tomadas são:

Use sapatos confortáveis

Estima-se que 90% das pessoas acometidas por joanete seja pertencente ao gênero feminino, e não por uma questão física ou psicológica, mas sim, social: mulheres são mais cobradas a usarem sapatos desconfortáveis – como os de saltos muito altos, por exemplo – em situações profissionais e sociais.

Usar sapatos confortáveis é a melhor forma de evitar o desenvolvimento e a piora de um joanete. Preste atenção especialmente aos sapatos de salto, bico fino e para a prática de atividades físicas (para mais informações, leia a subseção “Cuidados com a escolha do calçado”).

Passe mais tempo descalço

Pesquisas comprovam que passar algumas horas por dia descalço pode ter efeitos positivos sobre a saúde dos pés. No caso dos joanetes, reservar um período do dia para ficar sem sapatos pode prevenir ou até mesmo curar o problema.

Se possível, tire alguns minutos para caminhar em terrenos irregulares, como areia ou locais terrosos, por exemplo. Essa prática irá fortalecer seus dedos e articulações, evitando a aparição de joanetes.

Prepare um escalda-pés

Uma vez na semana, tire um momento para encher um recipiente com água morna e mergulhar seus pés por 20 minutos. Pode ser durante o tempo que você costuma usar para assistir televisão ou navegar na internet, por exemplo.

A água morna possui propriedades que ajudam as articulações e aliviam dores e tensões nos pés, evitando, assim, o aparecimento de joanetes.

Fique de pernas para o ar

Se você trabalha em pé ou sentado o dia todo, é muito importante tentar chegar em casa e passar 15 minutinhos com as pernas para o alto, deitado em sua cama ou sofá.

A medida também tem o objetivo de aliviar a tensão nos pés, articulações e tendões, além de melhorar a circulação sanguínea na região.

Alimentação

Alimentos com vitaminas A, C, D e Cálcio podem melhorar a saúde óssea e articular e, assim, prevenir o aparecimento de joanetes.

Inclua em sua dieta alimentos como:

Alimentos ricos em vitamina A

  • Bife de fígado;
  • Ovo cozido;
  • Queijo minas;
  • Cenoura;
  • Batata doce;
  • Espinafre;
  • Manga;
  • Couve;
  • Mamão.

Alimentos ricos em vitamina C

  • Laranja;
  • Limão;
  • Acerola;
  • Goiaba;
  • Mamão;
  • Pimentão;
  • Brócolis;
  • Morango;
  • Abacaxi;
  • Couve de Bruxelas;
  • Kiwi;
  • Melão;
  • Acelga;
  • Tomate.

Alimentos ricos em vitamina  D

  • Ostras;
  • Salmão;
  • Fígado de galinha;
  • Ovo cozido;
  • Sardinha;
  • Óleo de fígado de bacalhau.

Alimentos ricos em Cálcio

  • Leite desnatado e integral;
  • Iogurtes;
  • Queijos;
  • Tofu;
  • Espinafre;
  • Castanha-do-Pará;
  • Feijão;
  • Quiabo;
  • Ameixas;
  • Brócolis.

Exercícios para joanete

Fazer alguns exercícios que estimulem suas articulações dos pés é uma ótima maneira de prevenir os joanetes.

Faça movimentos como:

  • Use as mãos para puxar e esticar o seu dedão do pé por alguns segundos;
  • Curve e estique seus dedos dos pés repetidamente, devagar, no seu ritmo. Repita os movimentos por 10 segundos;
  • Pressione seus dedos contra uma parede ou no chão, até dobrá-los para trás. Essa é uma maneira de estimular a flexibilidade da região.

O joanete causa muita dor e incômodo, mas, em geral, não representa nenhum problema de saúde grave. Com o tratamento adequado, a doença desaparece totalmente e não deixa sequelas.

Se tiver alguma dúvida sobre joanetes, deixe no espaço abaixo reservado para comentários e logo responderemos. Também aproveite para compartilhar suas dicas para conviver com o problema!

Referências

https://www.pessemdor.com.br/dores/diagnostico-de-dores/joanete/
http://fisioterapia.com/como-curar-joanete-halux-valgo/
http://www.ortopediabr.com.br/joanete-halux-valgo
http://pt.wikihow.com/se-Livrar-de-Joanetes
http://www.medicinadope.com.br/joanete.html
https://www.dicasdemulher.com.br/joanete/
https://melhorcomsaude.com/como-eliminar-naturalmente-os-joanetes-com-remedios-caseiros/
https://drauziovarella.com.br/letras/j/joanete-hallux-valgus-ou-halux-valgo/
https://melhorcomsaude.com/como-eliminar-naturalmente-os-joanetes-com-remedios-caseiros/
http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/bunions/home/ovc-20262028
http://www.medicinenet.com/bunions/article.htm
http://www.webmd.com/skin-problems-and-treatments/understanding-bunions-basics
http://www.prevention.com/health/8-effective-solutions-for-bunion-pain
http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1646-21222015000100014
http://www.pessemdor.com.br/blog/bunionette/
https://saude.umcomo.com.br/artigo/como-escolher-o-calcado-se-tenho-joanetes-3046.html
https://saude.umcomo.com.br/artigo/como-usar-um-corretor-noturno-para-joanetes-1839.html
https://saude.umcomo.com.br/artigo/como-eliminar-os-joanetes-sem-cirurgia-1302.html
https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/saude/doencas-e-tratamentos/salto-alto-pode-causar-joanete-tire-10-duvidas-sobre-o-problema,4d4e79425013a310VgnVCM5000009ccceb0aRCRD.html
http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/35952

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Faça um comentário:

Por favor, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui