Algumas pessoas trabalham comunicando-se diretamente com o público. Outras têm atividades que demandam menos exposição. Mas, no geral, todas requerem algum nível de interação social.

Além disso, falar com outras pessoas e fazer apresentações faz parte de muitas atividades, como apresentações da faculdade, viagens, cursos e até mesmo passeios pessoais.

No entanto, é comum encontrar quem tenha dificuldades e receio em falar para muitas pessoas. E nem sempre é por despreparo ou falta de domínio do assunto. Na verdade, geralmente é por nervosismo.

Por isso, treinar e dominar algumas práticas de oratória podem ser fundamentais para conseguir sair-se bem em apresentações ou comunicações em público.

Por que temos medo de falar em público?

Muitas pessoas associam o medo de falar em público com a timidez, mas isso está longe de ser verdade. Um dos maiores motivos para isso é a ansiedade.

Ela pode ser definida como o medo de uma ameaça futura, real ou imaginada e costuma surgir com frequência diante de situações sociais, como falar em público.

Isso acontece pelo receia à rejeição. A possibilidade do público ter uma opinião negativa sobre a apresentação é interpretada pelo cérebro como uma ameaça iminente, o que causa os sintomas da ansiedade.

Dentre estes sintomas estão as palpitações, suor exagerado, tremores, confusão e a falta de ar. A pessoa pode ficar tão nervosa que não consegue executar a tarefa. Gaguejar, perder a concentração ou “dar branco” são reações comuns à ansiedade na hora de fazer uma apresentação em público.


Vale lembrar que sentir ansiedade antes de fazer coisas que podem levar a uma rejeição é completamente normal. Contudo, em algumas pessoas, o medo é tão intenso que chega a ser uma verdadeira fobia: a glossofobia.

Pessoas que sofrem com glossofobia geralmente fazem de tudo para evitar esse tipo de situação, o que pode causar muitos prejuízos, tendo em vista que falar em público pode ser determinante para o sucesso acadêmico e/ou profissional.

Portanto, não é apenas a timidez que faz com que as pessoas tenham medo de falar em público. Até mesmo quem é bastante extrovertido(a) pode ter esse medo. Dentre os fatores que podem agravar essa situação estão:

  • Transtornos de ansiedade;
  • Transtornos de linguagem;
  • Falta de técnicas de oratória;
  • Falta de preparo.

É possível aprender a falar em público?

Sim, é possível aprender a falar em público. O principal desafio é vencer a ansiedade.

Existem muitos cursos de oratória que podem ajudar a aumentar a autoconfiança na hora de uma apresentação e, consequentemente, diminuir a ansiedade.

Contudo, nem todas as pessoas têm uma boa capacidade de regulação da ansiedade e continuam sofrendo com ela. Nesses casos, psicoterapia e acompanhamento psiquiátrico são opções adequadas.

Como falar e se expressar bem em público?

Falar em público não precisa ser complicado. De fato, há algumas dicas simples para fazer uma boa apresentação:

Prepare uma boa introdução

A ansiedade inicial começa a se dissipar cerca de 30 a 60 segundos após o início da apresentação. Por isso, estar confiante de que você tem uma boa introdução pode ser essencial para que essa primeira parte vá bem e, consequentemente, o resto da apresentação também.

Foque nos pontos principais

Lembre-se que é normal esquecer um detalhe ou outro na hora da apresentação, mas isso não é um problema. Contando que os pontos principais sejam expressos com clareza, a apresentação não é prejudicada.

Dê ritmo e clareza

É importante, também, manter um ritmo na fala. Não se pode falar de um jeito muito monótono ou rápido demais, pois há o risco do público perder o interesse.

Falar pausadamente e com clareza, sem que o discurso seja arrastado, é uma boa técnica para que a apresentação flua num ritmo legal.

Alguns segundos de silêncio entre um tópico e outro não são problemas, pelo contrário, tornam o discurso até mais natural, pois as pessoas percebem que, após a pausa, outro assunto é abordado.

Respire corretamente

Um dos fatores de maior importância para falar bem em público é a respiração. Qualquer pessoa que fez uma aula de canto sabe que a respiração é a base da projeção da voz, então saber respirar corretamente é fundamental.

Para isso, faça exercícios de respiração diafragmática: respire lenta e profundamente, expandindo o abdômen ao invés do peito. Solte o ar devagar e repita.

Esse tipo de respiração, além de melhorar a fala, ainda pode ser uma prática calmante na hora da apresentação.

Cuide da postura

A postura em palco pode influenciar muito a maneira que o público te vê. Na hora da apresentação, é importante que a postura passe uma imagem de dominância.

Para isso, pratique em casa posturas mais abertas e com a coluna ereta. Evite aquelas muito fechadas, com os braços muito colados ao corpo, pois isso demonstra falta de confiança.

Pratique gestos ao falar

Assim como a postura, os gestos também podem influenciar bastante a percepção do público. Gesticular ao falar ajuda a passar uma imagem autoconfiante.

Siga em frente quando errar

É importante ter em mente que erros são normais e, frequentemente, a plateia não lembra dos erros cometidos durante a apresentação.

Normalmente, o cérebro foca em duas coisas: o ápice emocional e o final da apresentação. Isso quer dizer que as pessoas vão lembrar melhor do final da apresentação e da parte que mais causou um impacto emocional nelas.

Sendo assim, detalhes como uma gaguejada em algum momento ou um esquecimento não são o suficiente para estragar a apresentação na mente dos espectadores.

Por isso, é imprescindível seguir em frente sempre que errar. Ao cometer um erro, é provável que você fique um pouco nervoso e isso atrapalhe a fluidez da apresentação.

O medo de errar novamente pode ser tão grande que você pode paralisar e perder a concentração. Contudo, isso só acontece se você der muita importância ao erro.

Isso quer dizer que basta dar continuidade à fala, assim o nervosismo se dissipa e você consegue terminar a apresentação sem maiores problemas.

Finalize bem

Como dito anteriormente, o cérebro costuma lembrar do final, então elaborar um bom final é uma ótima ideia. Faça uma atividade com a plateia ou conte uma história. Atividades que estimulam a imaginação do público são ótimas para causar um impacto.

Seja honesto quanto ao que não sabe

Caso alguém pergunte algo que você não sabe, não tente enrolar. Não saber de algo não significa despreparo, significa apenas que há uma informação faltando. Nem mesmo excelentes pesquisadores(as) sabem de todas as coisas a respeito de seus temas de pesquisa.

Ao não saber a resposta para uma pergunta, admita que não sabe e pergunte o que a plateia acha. Isso aumenta o engajamento e faz o público perceber que eles também podem contribuir para o debate.

Procure assuntos que gosta

Planejar-se é importante, mas falar sobre algo que gosta ou acredita pode ser o ponto chave para uma apresentação fluida e agradável. Foque em assuntos do seu interesse ou pontos de vista congruentes com a sua opinião.

Dessa forma, a apresentação pode ser bem mais agradável, tanto para você por estar falando de algo do seu interesse quanto para a plateia que pode identificar seu interesse genuíno pelo assunto.

Pesquise sobre o local e a plateia

Nada melhor para preparar-se do que conhecer onde e para quem você estará falando. Conhecer o local permite que você saiba quais ferramentas estarão disponíveis no dia da apresentação, por exemplo, um projetor para uma apresentação em slides.

Saber qual o seu público é fundamental não apenas para trazer um assunto de interesse dessas pessoas, mas para trabalhar uma linguagem que realmente dialogue com elas.

Treinamento para falar em público

Algumas coisas que você pode fazer em casa para melhorar sua performance na hora de falar em público são:

Apresente para uma plateia fictícia

Apresentar-se para pessoas desconhecidas pode ser bem complicado, mas já pensou em apresentar para sua família ou amigos mais próximos?

Essa é uma atividade que contribui para ter confiança o suficiente para falar em público. É possível começar com uma plateia imaginária também.

Grave seus treinos

Ao treinar a apresentação em casa, grave em vídeo para analisar e reconhecer falhas. Com a gravação, você pode observar sua postura, entonação, velocidade do discurso, entre outros fatores.

Crie um roteiro para a apresentação

Grande parte das pessoas, antes das apresentações, escreve um texto contendo tudo aquilo que deseja falar.

Apesar de essa técnica parecer eficaz, ela pode atrapalhar bastante, especialmente se a pessoa tenta decorar o texto para apresentar.

Isso acontece porque, com o texto decorado, ao esquecer uma passagem qualquer, o nervosismo aparece e pode impedir a progressão da apresentação.

O ideal é criar um roteiro para a apresentação e seguir uma linha de raciocínio com começo, meio e fim. Dessa forma, mesmo que você esqueça parte do conteúdo, a lógica da apresentação irá te salvar.

Estude o assunto

Não há dúvidas que, ao fazer uma apresentação, a pessoa deve, ao menos, saber sobre o assunto. Apesar de você não precisar saber de tudo, tente estudar além do básico.

Isso porque em muitos casos as pessoas têm dúvidas ao final da apresentação e estudar apenas aquilo que será apresentado pode te deixar sem resposta para os questionamentos, mostrando que o estudo do tema foi raso.


Dominar práticas de oratória é uma boa maneira de conseguir expressar-se bem, mesmo nos momentos em que o nervosismo aparece. Preparar-se e dominar o assunto, conhecer o ambiente e trabalhar a autoconfiança são dicas importantes.

Mas, além disso, é importante conhecer as próprias limitações e receios, pois isso ajuda as pessoas a descobrirem as melhores dicas e formas de lidar com a apreensão na hora de falar em público.

Quer saber mais dicas de bem-estar? Acompanhe o Minuto Saudável!


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *