A gordura trans não é produzida pelo corpo humano, sendo ingerida pela alimentação, sobretudo aquela rica em industrializados.

É encontrada em carnes e leites ou pode ser fabricada artificialmente, por meio de um processo chamado hidrogenação (adição de hidrogênio à estrutura química da gordura).

Quando a gordura trans é consumida nos produtos naturais, não é tão prejudicial à saúde, uma vez que as quantidades presentes nos alimentos são bastante baixas.

Porém, nos alimentos industrializados a taxa costuma ser bem maior.

Antes do processo de hidrogenação, essa gordura pode ser encontrada em estado líquido (como um óleo).

Ao término desse processo, as cadeias moleculares podem ser empilhadas, deixando a gordura em estado sólido.

Por isso, elas são produzidas por duas razões:

  • Para dar mais sabor e consistência aos alimentos;
  • Para aumentar o tempo de validade de alguns produtos.

De acordo com as regras da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), produtos que contêm até 0,2g da substância podem ser embalados com rótulos que dizem “sem gordura trans”.


O que é gordura insaturada trans?

Gorduras insaturadas trans são aquelas que sofrem o processo de hidrogenação e são industrialmente modificadas. Ou seja, elas não existem na natureza.

Apesar das gorduras insaturadas serem consideradas boas para a saúde, o processo de modificação química afeta também o modo como agem no organismo.

Por isso, gorduras insaturadas e insaturadas trans não são a mesma coisa.

As insaturadas, quando consumidas adequadamente, são consideradas saudáveis. Estão presentes em alguns peixes (salmão, por exemplo), óleos e azeites naturais (de oliva), castanhas e sementes.

No organismo, elas podem diminuir o colesterol ruim (LDL) já que são fontes ricas em ômega 3 e ômega 6, além de aumentar o colesterol bom (HDL).

Assim, esse tipo pode ser dividido em 3 categorias:

  • Gordura monoinsaturada (traz benefícios se for consumida moderadamente);
  • Gordura poli-insaturada (traz benefícios se for consumida moderadamente);
  • Gordura insaturada trans (é prejudicial, independentemente da quantidade consumida).

Leia mais: Comer frutas e grãos é mais importante do que reduzir fast-foods

Gorduras monoinsaturadas e poli-insaturadas

A principal diferença entre gorduras monoinsaturada e poli-insaturada é a estrutura química.

Esses dois tipos trazem benefícios para a saúde, se forem consumidas moderadamente, pois participam da absorção correta de algumas vitaminas como a A, D, E e K.

Além disso, estudos mostram que ambas reduzem o risco de doenças cardíacas, pois elevam as taxas de colesterol bom (HDL) e baixam o ruim (LDL).

Mesmo com esses benefícios, o consumo recomendado é baixo. Isso porque, embora sejam positivas para a saúde, o excesso pode ajudar no ganho de peso.

O que é gordura saturada?

A gordura saturada é encontrada principalmente em alimentos de origem animal como carnes vermelhas e brancas, ovos, leite e derivados lácteos, além do óleo de coco.

Quando consumida em excesso, a gordura saturada tem os mesmos malefícios que a gordura trans: aumenta o colesterol ruim (LDL) e pode facilitar o aparecimento de doenças do coração.

Mas há um importante diferença: elas estão naturalmente presentes nos alimentos, ao contrário da trans, que é, em grande maioria, produzida industrialmente.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que apenas 10% da dieta diária seja de gordura saturada. Se a pessoa tiver histórico de doenças cardiovasculares, este percentual cai para 7%.

Leia mais: Por que comer legumes e verduras?

Consumo em excesso: por que é tão prejudicial e quais riscos pode causar?

A gordura trans aumenta o colesterol ruim (LDL) e reduz o colesterol bom (HDL), além de gerar acúmulo de gordura em algumas regiões do corpo como barriga, braços, coxas e pescoço.

Por estar relacionada ao aumento do colesterol, ela facilita o acúmulo de gordura nas artérias e veias, dificultando a circulação sanguínea e aumentando os riscos cardíacos.

Estudos já revelaram que a substância está relacionada com maiores riscos de:

  • Infarto;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Acidente vascular cerebral (AVC);
  • Resistência à insulina (elevando os riscos de diabetes tipo 2);
  • Complicações no sistema imunológico.

Outras pesquisas indicam que há uma relação entre a gordura trans e problemas de memória. Mas até agora, essa hipótese não foi comprovada cientificamente.

Por ser predominantemente artificial, essa substância também está relacionada com o aumento da obesidade e a dificuldade de perder peso.

A gordura trans artificial não traz nenhum benefício à saúde, uma vez que não contém e não gera nenhum tipo de nutriente para o organismo.

Quais alimentos evitar e quais incluir na dieta?

Alguns alimentos são ricos em gordura trans e outros estão livres dela. Saiba o que evitar, o que reduzir e o que incluir na alimentação para ter um estilo de vida mais saudável.

Evite

Os alimentos que mais contêm gordura trans são:

  • Hambúrguer;
  • Pizza;
  • Salgadinhos de pacote;
  • Bolachas recheadas;
  • Sorvetes;
  • Alimentos congelados;
  • Fast foods;
  • Pipoca de micro-ondas.

Reduza

Consuma com moderação de:

  • Carnes vermelhas;
  • Alimentos que levam manteiga ou margarina na preparação;
  • Alimentos fritos;
  • Açúcar e doces em geral.

Inclua na alimentação

Inclua na dieta do cotidiano:

  • Frutas;
  • Verduras;
  • Peixes (assados ou cozidos);
  • Castanhas e sementes (linhaça, girassol).

Alimentação saudável e a prática regular de exercício físico são ótimas recomendações para quem quer ter uma vida mais equilibrada.

O Minuto Saudável tem tudo sobre o mundo fitness: desde dietas e receitas caseiras até informações sobre atividades físicas e emagrecimento saudável. Veja nossas postagens!!!


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *