Comumente em casos de inflamações como dor de dente ou dor de garganta, é necessário buscar auxílio médico e, não raras vezes, é indicado o uso de medicamentos — tais como a Nimesulida.

Mesmo sendo um medicamento bastante conhecido, é importante entender como ele atua em nosso organismo e alguns cuidados necessários. Com isso e seguindo as orientações profissionais, é possível fazer o uso seguro da medicação.

Por isso, separamos algumas informações importantes sobre a Nimesulida. Confira:

Índice — neste artigo você vai encontrar:

  1. O que é Nimesulida?
  2. Qual a diferença entre Nimesulida e Ibuprofeno?
  3. Para que Nimesulida é indicada?
  4. Como age no organismo?
  5. Qual a posologia e que horas tomar Nimesulida?
  6. Genérico e referência: qual escolher?
  7. Quem não pode tomar Nimesulida?
  8. Tem efeitos colaterais?
  9. Qual o preço e onde comprar?
  10. Nimesulida faz para o fígado?

O que é Nimesulida?

A Nimesulida é uma substância medicamentosa presente em diferentes remédios como princípio ativo. Sua ação anti-inflamatória e analgésica faz com que seja utilizada para tratar sintomas como febre, dor e desconfortos — comuns em processos inflamatórios.

Nesse sentido, é classificada como um anti-inflamatório não esteroide (AINEs), uma classe de medicamentos que comumente atua nos sintomas mencionados.

Além disso, dentre as medicações que contam com a Nimesulida como PA (princípio ativo), há formulações em comprimido (dispersível ou não), cápsulas, supositório e gotas. Esses, disponíveis em versões genéricas, similares e de referência.

Também existem versões para uso tópico (gel), indicadas para aplicação em áreas doloridas e inchadas. Não devendo ser aplicada em áreas em que a pele esteja rachada, aberta ou com infecção local, nem em queimaduras e feridas.


Nesse caso, o tratamento pode durar de 7 a 15 dias — seguindo orientação médica.

Vale destacar que esse remédio é contraindicado para menores de 12 anos, grávidas e lactantes, bem como pessoas em outras condições específicas — como portadores da Síndrome de Steven Johnson.

É anti-inflamatório?

Sim. A Nimesulida é uma substância que atua como um anti-inflamatório no organismo, ou seja, combate a inflamação de tecidos.

Consequentemente, conforme a inflamação diminui, também diminuem os sintomas causados por ela: dor, desconforto, febre, etc. Assim, mais que anti-inflamatório, também atua como um analgésico, visto que proporciona o alívio das dores.

É antibiótico?

Não. O medicamento de referência que contém a Nimesulida como PA (princípio ativo), é o Nisulid, o qual está registrado na ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) sob o número 105730301 — classificado como um anti-inflamatório.

Dessa forma, entende-se que a Nimesulida não é um remédio voltado para o tratamento de doenças causadas por bactérias, como é o caso dos antibióticos.

Qual a diferença entre Nimesulida e Ibuprofeno?

Tanto a Nimesulida quanto o Ibuprofeno são anti-inflamatórios do tipo não esteroidais (AINEs). Assim, ambos atuam no controle dos sintomas da inflamação: febre, dor, desconforto, etc.

Entretanto, apesar de semelhantes, são duas substâncias medicamentosas diferentes. Ou seja, não agem da mesma forma no organismo.

De maneira geral, ao analisar as indicações da bula de cada um, a diferença principal é que as orientações do Ibuprofeno recomendam a medicação para quadros reumatológicos e traumas do sistema musculoesquelético.

Enquanto que a bula da Nimesulida indica o uso da medicação de forma geral, para combater processos inflamatórios diversos.

Além disso, a farmacêutica Francielle Mathias explica que “a Nimesulida é uma inibidora com maior seletividade pela COX-2 (enzima responsável pelos fenômenos da inflamação), enquanto que o Ibuprofeno é não seletivo: inibe COX-1 (enzima associada à produção de prostaglandinas) e COX-2. 

Ela explica que a “COX-2 é a enzima que tem papel direto na inflamação, então, quando o medicamento é seletivo, ele acaba sendo mais efetivo e pode ter menos efeitos adversos — como o incômodo gástrico, por exemplo”.

Sendo assim, mesmo que ambos tenham semelhanças, é importante saber que a substituição de um pelo outro não deve ser feita de forma independente. Siga as orientações médicas e farmacêuticas a fim de realizar o tratamento de forma correta.

Pode tomar Nimesulida e Ibuprofeno?

Não. Considerando que a Nimesulida e o Ibuprofeno fazem parte da mesma classe de medicamentos (anti-inflamatórios não esteroidais), não é recomendado utilizá-los simultaneamente.

Além disso, lembre-se de sempre seguir as orientações médicas quanto ao uso de qualquer medicação — não fazendo substituições ou uso de forma independente.

Para que Nimesulida é indicada?

De acordo com as indicações da bula, a Nimesulida é indicada para o tratamento de diferentes condições que necessitem de ação anti-inflamatória, analgésica (proporciona alívio de dores) e antipirética (ou antitérmica).

Sendo assim, ao tratar a inflamação no organismo, consequentemente alivia sintomas como dor, desconforto e febre — recorrentes em casos inflamatórios. 

Além disso, devido à ação analgésica, também pode ser indicada para tratar desconfortos menstruais e dor de cabeça. Entretanto, não deve ser a primeira opção de tratamento, considerando que sua principal ação é anti-inflamatória. 

Lembrando que a automedicação nunca é recomendada, então, independente do problema em questão: busque sempre orientações médicas. Nesse sentido, veja algumas condições em que a Nimesulida pode ser indicada:

Dor de dente

A dor de dente é uma condição que pode ter diferentes causas: cáries, sensibilidade dental, problemas na gengiva, bruxismo ou até mesmo problemas relacionados ao siso.

Considerando que muitas dessas condições causam dores e podem levar à febre, pode ser recomendado o uso de Nimesulida para alívio dos sintomas.

Porém, vale destacar que a automedicação nunca é recomendada. Sendo assim, em casos de desconfortos, é imprescindível buscar o auxílio de um(a) profissional de odontologia. Assim, ele(a) poderá descobrir a origem do problema e receitar o tratamento ideal.

Dor de garganta

A dor de garganta pode ser causada por infecção ou aparecer como consequência de uso excessivo de álcool, irritação devido ao ar seco ou fumaça, alergias, refluxo, etc.

Quando a pessoa está com a garganta inflamada, é normal que a região fique inchada, com vermelhidão e quente. Além de causar dor, desconforto e febre.

Ao apresentar sintomas, é sempre ideal buscar o auxílio médico. Dessa forma, o(a) profissional poderá realizar o diagnóstico de maneira correta e, dentre os tratamentos que podem ser indicados, está o uso da Nimesulida.

Isso considerando que ela atua diretamente no alívio da dor e febre. Mas, vale destacar que a automedicação nunca é recomendada — busque um(a) especialista.

Como age no organismo?

De acordo com as indicações da bula, a Nimesulida apresenta propriedades que combatem a inflamação, dor e a febre. 

Essa substância medicamentosa atua inibindo uma enzima chamada cicloxigenase. Essa, está relacionada com a produção da prostaglandina — grupo de lipídios que são produzidos em locais de dano ou infecção tecidual.

A prostaglandina sinaliza ao organismo quando há lesões ou doenças. De forma que pode controlar processos inflamatórios, formação de coágulos sanguíneos e até indução do parto. 

Sendo assim, a partir da inibição da cicloxigenase, a Nimesulida consegue atuar nas áreas afetadas pela inflamação — fazendo com que ela e a dor diminuam.

Alguns estudos também demonstraram que ela possui outras propriedades bioquímicas, as quais possivelmente são responsáveis por suas capacidades clínicas.

Vale destacar, ainda, que o tempo estimado para o início da ação da Nimesulida (após a ingestão) de aproximadamente 15 minutos para alívio da dor. Em casos de febre, a resposta geralmente ocorre de 1 a 2 horas após o uso do medicamento e dura em média 6 horas.

Quando a Nimesulida é indicada para uso tópico (apresentação em gel), ela age diretamente no local das inflamações para aliviar a dor e pode diminuir o inchaço — neste caso, após alguns usos os sintomas tendem a diminuir.

Qual a posologia e que horas tomar Nimesulida?

De maneira geral, a bula traz a recomendação de que a Nimesulida, assim como todos os anti-inflamatórios não esteroidais, seja utilizada em sua menor dose efetiva possível — pelo menor período de tempo possível.

Quanto ao horário, a bula não apresenta especificação direta, mas recomenda que sempre seja tomado após as refeições. Além disso, as doses precisam de um intervalo de 12 horas.

A posologia indicada muda de acordo com o tipo do remédio e também pode variar devido às recomendações médicas. Mas, de forma geral, a bula recomenda:

  • Comprimido dispersível — tomar 1 comprimido 2 vezes ao dia (equivale a 100mg diários), dissolvido em meio copo de água (100mL);
  • Comprimido — tomar meio ou 1 comprimido inteiro por dia (50mg — 100mg) por via oral, com água;
  • Supositório retal — aplicar um supositório de 100mg por via retal (através do ânus), duas vezes ao dia;
  • Gotas — pingar (em um copo com pouca água ou direto na boca) 1 gota para cada kg de peso corporal. Cada 20 gotas, correspondem a 1mL do medicamento. A bula recomenda não ultrapassar as 80 gotas diárias.

Além disso, em alguns casos, a dose diária recomendada pode chegar a 200mg (situações específicas). Por isso, sempre siga as orientações médicas para um uso seguro e eficaz.

Genérico e referência: qual escolher? 

Medicamentos de referência são aqueles originadores da fórmula de um medicamento novo. No caso da Nimesulida, o medicamento de referência é o Nisulid — do laboratório Aché.

Quando um remédio novo é criado, o laboratório desenvolvedor ganha um tempo de patente com relação à fórmula desenvolvida — com isso, tem exclusividade de produção e comercialização durante esse período.

Ao encerrar o tempo de patente, a fórmula passa a ser disponibilizada e podem ser criadas outras versões da medicação: 

  • Similares — são remédios que contêm os mesmos princípios ativos (fármacos), forma farmacêutica, via de administração, posologia, indicação farmacêutica e concentração que o medicamento referência;
  • Similares intercambiáveis — seguem as mesmas regras que os similares. Porém, a diferença é que se apresentaram à ANVISA estudos comparativos com os medicamentos referência. Com isso, comprovando que pode haver uma substituição equivalente com os remédios de referência (desde que com orientação médica).
  • Genéricos — são remédios que não têm nome comercial, mas que são vendidos a partir de seu princípio ativo (fármaco).

De maneira geral, todas as medicações aprovadas pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) têm sua segurança e eficácia comprovadas a partir de testes. Então, para escolher o ideal para seu caso, siga as recomendações médicas e farmacêuticas.

Quem não pode tomar nimesulida?

De acordo com as indicações da bula, a Nimesulida não é indicada para menores de 12 anos ou a pessoas que se enquadrem em alguma das seguintes condições:

  • Portadores(as) da Síndrome de Stevens Johnson;
  • Alergia à Nimesulida ou outro componente do medicamento;
  • Histórico de reações de hipersensibilidade (como rinite ou urticária) ao ácido acetilsalicílico — ou a outros anti-inflamatórios não esteroidais;
  • Histórico de reações hepáticas (originadas pelo fígado) ao produto;
  • Pacientes com úlcera péptica em fase ativa, ulcerações recorrentes ou hemorragia no trato gastrointestinal;
  • Pacientes com distúrbios de coagulação graves;
  • Pacientes com insuficiência cardíaca grave;
  • Pacientes com insuficiência renal e/ou hepática;
  • Grávidas ou lactantes.

Além disso, a bula reforça que o medicamento também é contraindicado em caso de suspeita de dengue, pois pode aumentar o risco de sangramentos.

Siga sempre as orientações de um(a) profissional para fazer um uso seguro da medicação.

Tem efeitos colaterais? 

Como qualquer medicação, a Nimesulida pode causar efeitos colaterais nas pessoas que realizam o seu uso — considerando que por vezes nenhum se manifesta e outras, podem surgir mais de um.

De maneira geral, a bula indica como possíveis reações adversas muito comuns (que se manifestam em mais de 10% dos casos): diarreia, náusea e vômito.

Mas também destaca que podem ocorrer maiores complicações, embora raras, como a Síndrome de Stevens-Johnson. Um distúrbio muito raro e grave, que afeta a pele e as membranas mucosas.

Dessa forma, reforça-se a necessidade de se atentar a possíveis alterações sem causa aparente, que podem ser causadas pelo uso da medicação. Ao notar qualquer reação adversa, o ideal é suspender o uso do remédio e buscar auxílio médico.

Caso deseje saber mais sobre efeitos colaterais raros e incomuns da Nimesulida, pode-se procurar ajuda de um(a) especialista e ler a bula.

Nimesulida dá sono?

Dentre os efeitos colaterais comuns da Nimesulida, não está nenhum tipo de distúrbio que possa afetar o sono — tanto no sentido de causar mais sonolência, quanto com relação à insônia.

A bula apenas menciona a sonolência como uma reação adversa muito rara. Dessa forma, pode-se dizer que no geral o uso da Nimesulida não causa sono.

Se ao usar essa medicação você notar alterações ou irregularidade no sono, é ideal buscar o auxílio médico. Assim, será possível obter um diagnóstico preciso a fim de saber se a causa é a medicação ou outro fator.

Qual o preço e onde comprar?

Os medicamentos que contam com a Nimesulida como princípio ativo podem ser encontrados em diferentes redes de farmácias. Caso você deseje maior praticidade, pode optar por comprar online através do site Consulta Remédios.

Essa plataforma permite que você compare o preço da medicação, a fim de comprar pelo melhor valor em sua região, sem precisar sair de casa e de forma prática.

Conforme mencionado em tópico anterior, há a versão de referência do Nimesulida e também formas genéricas e similares. Veja a comparação de preço* entre algumas das opções:

  • Nisulid (referência) — está disponível em caixa com 12 comprimidos ou em solução oral (15mL), o preço varia entre R$30 e R$50;
  • Nimesulida Legrand (genérico) — comercializado em embalagem com 12 comprimidos, variando entre R$4 e R$20;
  • Cimelide (similar intercambiável) — é disponibilizado em caixa com 12 comprimidos ou em solução oral (15mL), o valor varia entre R$4 e R$18;
  • Neosulida (similar intercambiável) — a caixa com 12 comprimidos tem seu preço variando entre R$2 e R$10.

*Preços consultados em maio de 2020. Os valores podem sofrer alterações.

Nimesulida faz mal para o fígado?

A bula da Nimesulida informa que a substância é contraindicada para pessoas que tenham histórico de problemas hepáticos (relacionados ao fígado).

Nesse sentido, alguns especialistas explicam que toda medicação anti-inflamatória pode ser hepatotóxica. Ou seja, pode afetar diretamente o fígado, principalmente no caso de pessoas que já apresentem alguma sensibilidade ao tratamento.

Entretanto, indicam que não há como prever se a Nimesulida (ou outro remédio semelhante) será prejudicial ao fígado. Além de reforçar que essa não ser uma reação comum.

Por isso, o ideal é seguir as recomendações médicas e indicações da bula. Ainda, em caso de complicações, não raras vezes o(a) médico(a) realiza a suspensão e/ou substituição da medicação.


O uso da automedicação nunca é recomendado. Sendo assim, mesmo ao usar medicações popularmente conhecidas como a Nimesulida, busque auxílio de um(a) profissional de saúde, a fim de realizar o uso seguro.

Continue acompanhando o Minuto Saudável para mais informações sobre medicamentos, bem-estar e saúde em geral!


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.