Anelise Wickert (Minuto Saudável)
18/05/2019 08:00

O que é gravidez ectópica? Entenda as diferenças entre os tipos

A gravidez ectópica acontece quando o óvulo fecundado pelo espermatozoide (zigoto) não se aloja dentro do útero da mulher.

Quando isso acontece, o zigoto é implantado em outras partes do sistema reprodutor feminino, como nos ovários e tubas uterinas (também chamadas de trompas de Falópio).

A gravidez ectópica oferece risco à vida da mulher, uma vez que pode provocar o rompimento de algum órgão e causar hemorragia interna, por isso precisa ser interrompida.

No total de gestações, cerca de 2% são casos de gravidez ectópica.

Mesmo sendo prejudicial para a saúde feminina, aproximadamente 60% das mulheres que passaram por essa condição desenvolvem gestações normais e saudáveis nos anos futuros.

O que é gravidez ectópica e tópica?

A gravidez ectópica é quando o óvulo fecundado pelo espermatozoide (zigoto) se aloja incorretamente, ou seja, fora do útero, o que pode trazer complicações. Já a gravidez tópica é a gravidez normal, ou seja, quando o óvulo fecundado pelo espermatozoide (zigoto) se aloja dentro do útero.

A gravidez tópica dura cerca de 9 meses, nos quais o embrião se desenvolve dentro da barriga da mãe e vira um bebê.

Alguns sintomas são semelhantes nos dois tipos de gravidez (enjoo e desmaio, por exemplo) o que dificulta o diagnóstico da gestação ectópica.

Tipos

A gravidez ectópica pode ser subdivida em dois tipos: em gravidez tubária e gravidez ectópica rota. No entanto, esta última denominação é como uma complicação da gravidez tubária, quando uma intervenção cirúrgica é necessária para evitar riscos à saúde da mulher.

Gravidez tubária

A gravidez ectópica tubária acontece quando o zigoto se aloja e se desenvolve nas tubas uterinas.

Em alguns casos, o embrião começa a se desenvolver. Contudo, não consegue sobreviver fora do útero por duas razões: não ter espaço o suficiente para crescer e não encontrar os nutrientes necessários para o desenvolvimento.

Nestes casos, abortos naturais são comuns. Se isso não acontecer, a gestação ectópica tubária deve ser interrompida o quanto antes, pois pode colocar a vida da mulher em risco.

Gravidez ectópica rota

A gravidez ectópica rota é quando ocorre o rompimento da tuba uterina (ou trompas de Falópio).

Os sintomas deste tipo de gravidez incluem dor, tontura, palidez, enjôo, vômito, anemia e hemorragia.

Quando uma gestante é acometida por uma gravidez ectópica rota, é necessário fazer uma cirurgia emergencial de retirada do embrião (que na maioria dos casos não está mais vivo).

Essa intervenção cirúrgica é necessária porque essa ruptura da tuba uterina causa uma hemorragia, que se não for controlada, pode levar  mulher a morte.

O que é endometriose e como ela influencia a gravidez ectópica?

A endometriose é uma doença causada quando os tecidos que revestem a parede do útero (endométrio) estão em outras partes do sistema reprodutor feminino, como nas tubas uterinas e ovários.

As causas dessa enfermidade são desconhecidas.

A endometriose acompanha a mulher durante todo o ciclo menstrual, desde a primeira menstruação (menarca) até a menopausa.

As mulheres com endometriose têm uma certa dificuldade natural para engravidar.

Um estudo de 2015, feito com quase 15 mil mulheres, revelou que as portadoras de endometriose têm 3 vezes mais chances de desenvolver a gravidez ectópica. Essa condição também aumenta em 76% a chance da gestante sofrer um aborto espontâneo.

As informações foram coletadas durante 30 anos em pesquisas feitas na Escócia.

Isso acontece por causa do acúmulo de endométrio nas tubas uterinas ou ovários, que ajudam o óvulo fecundado pelo espermatozoide a se instalar no lugar errado, ou seja, fora do útero.

Quando uma mulher diagnosticada com endometriose tem como complicação uma gravidez ectópica, se não fizer acompanhamento médico, pode ter um aborto espontâneo ou precisar fazer cirurgia.

Quais são os sintomas da gravidez ectópica?

Quando a gravidez ectópica progride, os sintomas mais comuns são dor de barriga ou sensação de cãibra na região da pélvis, desmaio, sangramento vaginal moderado ou intenso, dor durante a relação sexual, tonturas, perda de consciência e vertigens. Se tiver esses sinais, procure um ginecologista ou obstetra.

O diagnóstico pode ser feito por meio de 2 exames: o exame de sangue (Beta hCG), normalmente utilizado para diagnosticar a gravidez; ou exames de imagem, que permitem descobrir onde o embrião está localizado  (como ultrassom).

Leia mais: Teste de Gravidez (sangue, farmácia): como fazer, preço, resultados

Exame Beta hCG e gravidez ectópica

O hCG é um hormônio produzido pelo organismo feminino durante a gravidez. O exame de sangue que detecta a gestação avalia a quantidade dessa substância.

Em uma gravidez normal, a quantidade de hCG no organismo da mulher dobra a cada 48 horas. Em uma gravidez ectópica, o nível de hCG não aumenta.

Conforme o resultado do exame Beta hCG, o médico poderá ou não solicitar algum exame de imagem para ver em que lugar o zigoto está alojado.

Em excessão do hCG, a gravidez ectópica libera todos os outros hormônios de uma gestação normal, por isso é diagnosticada por testes de farmácia.


A gravidez ectópica é arriscada para a mulher e por isso deve ser interrompida. Quanto antes for diagnosticada, menor o risco para a gestante. Por isso, se os sintomas se manifestarem, procure ajuda médica.

Como a gravidez é um período delicado, a mulher deve buscar orientações médicas antes, durante e, em alguns casos, até depois da gestação.

O Minuto Saudável tem tudo sobre gravidez, desde a fecundação até o parto. Acompanhe!!!

10/05/2019 08:58

Anelise Wickert (Minuto Saudável)

Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável. Confira mais na nossa página de quem somos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*