Eletroencefalograma (EEG): o que é, tipos e para que serve o exame?

6

O que é eletroencefalograma?

Eletroencefalograma (EEG) é um exame de monitoramento não-invasivo que registra a atividade elétrica do cérebro. É realizado com eletrodos fixados no couro cabeludo por meio de uma pasta condutora de eletricidade. Objetiva registrar a atividade cerebral para detectar possíveis anormalidades neurológicas.

Índice — neste artigo você irá encontrar as seguintes informações:

  1. O que é eletroencefalograma?
  2. Pra que serve o exame?
  3. Pra quem é indicado?
  4. Tipos de eletroencefalograma
  5. Como se preparar para o exame?
  6. Como é feito o exame?
  7. Eletroencefalograma dói?
  8. Riscos
  9. Duração do exame
  10. Recomendações pós-exame
  11. Contraindicação
  12. Resultados
  13. O que pode alterar o resultado?
  14. Complicações
  15. Qual o preço do eletroencefalograma?

Pra que serve o exame?

O teste é mais usado para poder detectar uma variedade de doenças psiquiátricas e neurológicas, tanto as infecciosas quanto degenerativas, como:

  • Epilepsia;
  • Problemas com perda de consciência ou demência;
  • Encefalites (inflamação ou infecção do cérebro);
  • Tumores cerebrais;
  • Lesões cerebrais;
  • Hemorragia (sangramento excessivo);
  • Cefaleia ou outros tipos de enxaqueca;
  • Edema cerebral (inchaço parcial ou inteiro);
  • Apneias e outros distúrbios do sono;
  • Excesso de álcool ou drogas.

Além disso, o EEG também detecta o grau de certos comas ou morte cerebral, condição na qual o cérebro perde sua funcionalidade. Ajuda ainda a detectar quando uma pessoa tem deficiência física ou problemas na saúde mental, que incluem problemas no cérebro, medula espinhal ou sistema nervoso.

Pra quem é indicado?

O eletroencefalograma pode ser realizado em qualquer pessoa, sendo indicado em casos de suspeita de anormalidade na atividade cerebral, indícios de epilepsia e indícios de disfunção da consciência.

Como a atividade cerebral não muda com idade ou sexo, esse exame pode ser realizado em todas as fases da vida. Pode ser realizado também durante a gravidez, por não ser invasivo.

Tipos de eletroencefalograma

É importante notar que não existe apenas um tipo de EEG e que cada um tem as suas especialidades. Entenda:

EEG rotineiro (normal)

São colocados eletrodos no couro cabeludo do paciente e registrado suas atividades cerebrais durante algumas atividades. O eletroencefalograma rotineiro pode durar de 20 a 40 minutos e o paciente pode ser solicitado a fechar e abrir os olhos, realizar exercícios respiratórios como aspirar e expirar rapidamente (hiperventilação), ou pode ser colocada uma luz pulsante na frente do paciente, a fim de ver a alteração da atividade cerebral.

EEG em sono ou vigília

EEG em sono é um procedimento no qual a pessoa passa a noite no hospital, usado para detectar possíveis distúrbios do sono (apneias, narcolepsia). Já o exame em vigília é usado para diagnosticar ações espontâneas no comportamento do cérebro (epilepsia, demências, tumor cerebral).

O paciente pode ser privado de dormir uma noite antes da realização do exame, a fim de garantir que durma durante as horas suficientes para captar as atividades cerebrais no eletroencefalograma em sono (também chamado de EEG privado de sono).

EEG em sono com foto

O EEG com foto ou vídeo serve para ter mais informações sobre a atividade cerebral, assim o médico pode saber o que acontece antes, durante e depois de uma possível convulsão. Ajuda também a perceber a área do cérebro afetada durante um ataque.

É realizado num período que geralmente varia entre 3 e 7 dias, em que eletrodos são colocados no paciente durante o sono e vigília (acordado). O vídeo é gravado pelo computador e mantido sob vigilância.

EEG com mapeamento cerebral

O mapeamento cerebral é um novo recurso utilizado pelos médicos. Nesse exame os eletrodos colocados no couro cabeludo e os sinais são transmitidos para o computador, que os transforma em um mapa de cores e sinais a partir da atividade cerebral.

É usado para perceber lugares específicos do cérebro quando alguma alteração foi detectada. Ainda existem diversos estudos para melhorar a utilização do mapeamento cerebral.

EEG Ambulatório

Nesse exame, os eletrodos são conectados a um pequeno aparelho portátil de EEG que pode ser preso à roupa. As atividades do paciente podem acontecer normalmente enquanto é gravado, porém é necessário um cuidado para não molhar o aparelho.

O exame ambulatório funciona a partir da monitoração da atividade cerebral ao longo do dia. Nessa modalidade, menos eletrodos são colocados e o resultado pode ser inferior ao rotineiro ou do feito no hospital.

EEG prolongado

Durante o exame, podem ocorrer casos em que o paciente tem um ataque epiléptico ou outros tipos de complicações, que podem estar relacionados com a alteração das ondas elétricas do cérebro. Nessas situações, o médico responsável pelo exame pode prolongar o mesmo por algumas horas, dependendo da gravidade da complicação. Este caso é chamado de EEG prolongado ou EEG prolongado por hora.

Como se preparar para o exame?

Pacientes que utilizam remédios que afetam o sistema nervoso central, como anticonvulsivantes, estimulantes ou antidepressivos, podem ser recomendados a descontinuar  a utilização durante um ou dois dias antes do exame ser realizado (procure orientação médica).

É recomendado também que não seja ingerido alimentos ou bebidas que contenham cafeína.

O paciente deve se certificar de lavar, pentear e secar o cabelo antes do exame, pois ajuda os eletrodos a se fixarem mais facilmente.

Dependendo da finalidade do exame, o paciente ainda pode ser orientado a não dormir na noite anterior para poder obter resultados mais precisos durante o sono. Por isso, o paciente não deve dirigir e é recomendado pedir que alguém o leve ao local do exame. É importante, também, ir bem alimentado.

Haverá complicações para a realização do exame se o paciente:

  • Estiver com prótese de cabelo (megahair);
  • Tiver aplicado de tintura no cabelo em menos de 7 dias;
  • Apresentar curativos pós-cirurgia na região da cabeça;
  • Tiver ingerido bebidas alcoólicas nas últimas 24 horas;
  • Tiver ingerido cafeína nas últimas 12 horas.

Como é feito o exame?

O EEG é indolor, rápido e seguro. O paciente é convidado a se deitar (ou sentar) em uma maca reclinável. O médico neurofisiologista primeiramente mede a cabeça do paciente e marca com um lápis especial alguns pontos onde serão inseridos os eletrodos.

Então os eletrodos são conectados, com uma pasta, no couro cabeludo para fazer o registro das atividades cerebrais. A pasta, além de fixar os eletrodos, permite uma melhor captação dos sinais elétricos do cérebro.

Os eletrodos estão conectados a um computador que traduz essas atividades cerebrais em forma de ondulações que podem ser registradas em gráficos digitais ou em folhas de papel.

Crianças

Em crianças que apresentam comportamento reativo à realização do exame, são utilizados recursos como a sedação. Neste caso, o procedimento é feito durante o sono induzido, e depois a criança é acordada para a realização do EEG em vigília.

Gravidez

Por não ser um exame invasivo, o eletroencefalograma pode ser realizado por mulheres grávidas ou lactantes.

Epilepsia

Em pacientes com epilepsia, a convulsão tende a ser induzida para poder verificar o grau da mesma. Para isso, utiliza-se exercícios de respiração (hiperventilação) e luzes piscando.

Eletroencefalograma dói?

O eletroencefalograma é um exame indolor, porém pessoas com o cabelo comprido podem se sentir incomodadas com a pasta utilizada.

Riscos

Na maior parte dos casos, o exame não apresenta riscos. Depois do exame, o paciente pode se sentir sonolento devido à falta de sono, o que pode acarretar em acidentes de trânsito ou de trabalho. Ele pode preferir que alguém o busque no hospital. Contudo, poderá realizar suas atividades cotidianas normalmente.

Duração do exame

A duração do exame depende da sua finalidade. Enquanto o tipo rotineiro pode ser rápido, dependendo das necessidades do paciente, o EEG em sono ou vigília requer que o paciente passe mais tempo no hospital. Entenda:

  • EEG rotineiro: 20 a 40 minutos;
  • EEG em sono ou vigília: De 8 a 12 horas;
  • EEG ambulatório: A duração pode depender da recomendação do médico.

Na maioria dos casos, o exame tem curta duração.

Recomendações pós-exame

Após os dados serem captados, os eletrodos são retirados. Esse procedimento é indolor, porém o couro cabeludo pode apresentar alguns resquícios da pasta utilizada. É recomendado que o cabelo seja lavado.

Depois da realização do exame, recomenda-se que o paciente vá para sua casa e descanse, pois a privação do sono deixa as pessoas muito irritadas e incapazes de realizar ações cotidianas.

O eletroencefalograma não possui efeitos colaterais, porém os cuidados são redobrados em pacientes que foram sedados. Nesses casos, é recomendado ir ao local acompanhado, pois o paciente não terá condições para dirigir ou voltar para casa sozinho.

Pacientes que realizaram a privação de remédios regulares devem esperar a autorização do médico ou enfermeiro responsável para fazer continuidade dos medicamentos.

Contraindicação

Existem poucas contraindicações, que podem ser classificadas entre:

Absolutas

Pelo fato do exame não ser invasivo, não existem contraindicações absolutas. A atividade cerebral não muda durante toda a vida do paciente, por isso o exame pode ser realizado por todas as idades, desde recém-nascidos a idosos.

Relativas

O exame pode ser contraindicado a pessoas que tenham seborreia excessiva, infecções de pele no couro cabeludo ou pediculose (piolho).

Resultados

Os resultados tendem a vir quando o exame é encerrado ou no dia seguinte. Estes devem ser levados ao médico rapidamente, para que ele faça a avaliação correta.

Existem vários tipos de ondas cerebrais:

  • Alfa: Quando o paciente está acordado e com os olhos fechados, mas mentalmente em alerta, o cérebro produz essas ondas. Elas vão embora quando o paciente abre os olhos ou está concentrado;
  • Beta: Estão presentes quando o paciente está alerta ou toma certos medicamentos, como o benzodiazepínicos;
  • Delta e Theta: Aparecem quando a pessoa está dormindo e, algumas vezes, em crianças acordadas.

Normais

Durante a vigília, os resultados normais geralmente apresentam ondas cerebrais de alta frequência e baixa amplitude. No sono, elas podem variar consideravelmente em frequência e amplitude, dependendo do estágio.

Em adultos acordados, são produzidas ondas alpha e beta. São registrados, nos dois lados do cérebro, padrões semelhantes de atividade elétrica. Além disso, não há alterações anormais na frequência e amplitude das ondas.

Quando usadas luzes pulsantes, espera-se resposta da região occipital (córtex visual), mas não há alterações nas ondas cerebrais.

Os resultados normais não impedem que haja diagnósticos de epilepsia (convulsões) no futuro.

Anormais

Nos resultados anormais, a pessoa apresenta ondas com frequência e amplitude alteradas durante a vigília. Além disso, ao dormir, pode apresentar ondas não condizentes com seu estágio do sono.

Alterações na amplitude e frequência das ondas, chamadas picos, podem indicar lesões, tumores, infecções, AVC, e epilepsias.

Caso a pessoa apresente diferenças nos padrões de atividade elétrica dos dois lados, pode significar problemas em um dos lobos.

Dependendo da área afetada, pode-se rastrear tipos de convulsões e onde se inicia. Além disso, quando as alterações afetam o cérebro inteiro, podem significar intoxicação por drogas, encefalite, distúrbios metabólicos.

Ao identificar ondas delta e theta em adultos acordados, pode apontar uma lesão ou doença  cerebral. No entanto, medicamentos podem causar essa alteração.

Quando não há atividade elétrica, configura-se perda da função cerebral. Isso pode ocorrer por falta de oxigênio e fluxo sanguíneo, comas ou sedação por drogas. Nesses casos, a representação gráfica é uma linha reta.

O que pode alterar o resultado?

Algumas situações podem fazer com que os resultados do exame não sejam totalmente precisos. São elas:

  • Excesso de atividade física;
  • Jejum;
  • Infecções no couro cabeludo;
  • Certos tipos de medicação como anticonvulsivantes, estimulantes ou antidepressivos;
  • Estar inconsciente por uso abusivo de drogas ou bebidas alcoólicas;
  • Hipotermia (baixa temperatura corporal);
  • Cabelo sujo, oleoso ou uso de sprays e cremes (o que pode prejudicar a aderência da pasta utilizada);
  • Ingestão de bebidas ou alimentos que contenham cafeína (tais como café, refrigerante de cola, chá).

A duração do exame também pode influenciar no resultado do exame, pois em 20 minutos não pode apresentar alguma alteração significativa.

Complicações

Normalmente, não ocorrem complicações na aplicação e realização do eletroencefalograma.

Em pacientes com tendência a epilepsia, pode ocorrer uma crise no decorrer do exame, principalmente quando feita a foto-estimulação. Porém, se isso ocorrer, o paciente será atendido imediatamente e estará em um local com assistência médica. Em geral, em pacientes não epilépticos, nada ocorre.

Qual o preço do eletroencefalograma?

O valor para a realização do exame depende muito do plano de saúde ou do tipo de EEG. O preço pode variar de 70,00 a 500,00 reais, sendo o EEG com mapeamento cerebral o exame com valor mais elevado.

Para fazer o exame pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é necessário autorização e liberação da Secretaria Municipal e Estadual de Saúde.


O eletroencefalograma é um exame muito comum e indolor. Compartilhe com seus amigos para que fiquem cientes sobre tudo o que ocorre na realização desse exame.

Qualquer dúvida, entre em contato conosco que responderemos!

Referências

http://www.abc.med.br/p/exames-e-procedimentos/347519/eletroencefalograma+como+e+feito+como+se+preparar+para+o+exame+quais+sao+as+complicacoes.htm
https://www.einstein.br/especialidades/neurologia/exames-tratamentos/eletroencefalograma
http://medical-dictionary.thefreedictionary.com/electroencephalography
http://www.webmd.com/epilepsy/electroencephalogram-eeg-21508#3
http://www.nhs.uk/conditions/EEG/Pages/Introduction.aspx
http://www.saudemedicina.com/eletroencefalograma/
http://neuro-sono.med.br/tratamento-apneia-insonia-ronco-polissonografia/eeg-prolongado-por-hora
http://drromulobertolaccini.site.med.br/index.asp?PageName=EEG-2DRecomendacoes
http://www.centrodetomografia.com.br/exame.php?id=12

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (5 votos, média: 4,80 de 5)
Loading...

6 Comentários

    • Olá, Matheus!

      Os resultados do exame saem na hora ou então até 1 dia depois do exame. Entretanto, para interpretação dos resultados, a consulta com o médico ainda é necessária. É ele quem vai interpretar o que o exame diz.

  1. Bom dia!
    Minha mãe sofre do mal de alzheimer, e o neurologista sempre faz esse exame nela, ele fala que ela está melhorando com o tratamento, mas tenho dúvidas a respeito, alzheimer não é uma doença simples..
    Então gostaria de saber se o eletroencefalograma consegue ver se está tendo melhoras, ou se é só conversa fiada.
    Obrigada

    • Olá Neiva!

      Lamentamos a impossibilidade de fornecer conselho médico ou responder a questões médicas e farmacêuticas individuais, pois somos impossibilitados pela ANVISA de prestar tal atendimento. Mas nós esperamos que você encontre respostas dentro de nosso site, através de informações como bulas ou até mesmo conteúdos e artigos. Se você acha que pode ter uma emergência médica, ligue para o seu médico ou 190 imediatamente.

Deixe suas opiniões e comentários, nos preocupamos com ela:

Por favor, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui

Lamentamos a não possibilidade de dar-lhe conselho médico ou responder a questões médicas e farmacêuticas individuais através de e-mail, pois apenas um médico pode prestar tal atendimento. Embora tentemos responder a todos os comentários, opiniões e e-mails que recebemos em até dois dias úteis, nem sempre é possível devido ao grande volume que recebemos. Por favor, tenha em mente que qualquer solicitação ao Minuto Saudável está sujeita aos nossos Termos de Uso e Política de Privacidade, ao enviar, você indica sua aceitação.