O que é Pediculose (piolho), tratamento, remédios e sintomas

3

O que é pediculose?

A pediculose, popularmente conhecida como infestações de piolhos, é uma doença parasitária contagiosa que pode surgir na cabeça, corpo, cílios, sobrancelhas ou na região dos pêlos pubianos.

Como ectoparasitas, os piolhos vivem no exterior do hospedeiro, utilizando do sangue humano como sua fonte de nutrição, o que pode causar sensação de coceira e formigamento na região afetada.

O piolho é pequeno e sem asas, pode ser visto a olho nu e a sua infestação ocorre do contato direto com o cabelo de uma pessoa infectada ou através de objetos compartilhados. Nos últimos trinta anos observou-se um aumento significativo na incidência de casos devido a multiplicação rápida do parasita, que, ao longo de sua curta vida de trinta a quarenta dias, é capaz de depositar mais de duzentos ovos.

Crianças em idade escolar são as mais atingidas pelo tipo capilar, com maior incidência em meninas, mas podem abranger qualquer sexo e idade, inclusive os adultos.

Índice — neste artigo você irá encontrar as seguintes informações:

  1. O que é pediculose?
  2. Tipos de piolhos
  3. Causas
  4. Como ocorre a transmissão do piolho?
  5. Grupos de risco
  6. Sintomas do piolho
  7. Diagnóstico
  8. Tratamento para piolho
  9. Convivendo
  10. Complicações
  11. Prevenção

Tipos de piolhos

Parasitando os seres humanos, existem basicamente três tipos de piolhos:

Piolhos pubianos

Popularmente conhecidos como “chatos”, os piolhos pubianos são causados pelos Pthirus pubis e atingem tanto homens quanto mulheres a partir da puberdade, agarrando-se aos pêlos da região genital o que faz com que a doença seja considerada uma DST. O parasita pode viver também nos pelos das coxas, nádegas e parte inferior do abdômen.

Piolhos corporais

Piolhos corporais são causados pelos Pediculus humanus humanus e frequentes em casos que os hábitos de higiene são precários, onde se agarram nas roupas do corpo e de cama, infectando o hospedeiro a partir do tecido.

Piolhos capilares

Causados pelos Pediculus humanus capitis, os piolhos capilares são os mais comum entre os tipos de piolho e vivem agarrados aos cabelos e atacam o couro cabeludo, especialmente atrás das orelhas. Em crianças pequenas podem, às vezes, se desenvolver nas sobrancelhas e cílios.

Causas

Os piolhos são parasitas adquiridos através do contato próximo de objetos ou pessoas contaminadas, independente de sexo, idade, raça ou classe social. Em casos de piolhos corporais, a higiene precária é uma causa essencial.

Lêndea

As lêndeas consistem nos ovos do piolho depositados pelas fêmeas próximo ao couro cabeludo. Sua cor é semelhante a minúsculos pontos amarelos e brancos, visualmente parecida com caspa capilar, porém mais agregadas aos cabelos. São depositadas cerca de dez por dia, com o tempo médio de oito dias para o nascimento de um novo piolho. Após a eclosão, a casca permanece presa ao couro cabeludo.

Piolhos adultos e ninfas

Os piolhos adultos vivem cerca de três a quatro semanas, enquanto as ninfas se tornam adultas em cerca de uma a duas semanas após saírem do ovo. Os piolhos são pequenos, do tamanho de uma semente de gergelim, possuem a cor acastanhada ou preta e gostam de se reproduzir em áreas quentes, podendo sobreviver em até dois dias fora do cabelo até mover-se a um novo hospedeiro.

Como ocorre a transmissão do piolho?

Os piolhos são mais comuns em ambientes aglomerados e se espalham facilmente. A transmissão ocorre de maneira semelhante às causas, como:

  • Contato com uma pessoa que possua piolhos, como colegas de trabalho, colegas escolares ou que dividem a mesma casa;
  • Partilha de objetos de uso capilar, como chapéus, escovas, tiaras, entre outros;
  • Partilha de roupas e roupas de cama infestadas. Se guardá-las antes de exterminar os piolhos a propagação do parasita será auxiliada;
  • No caso de piolhos pubianos, contato íntimo entre as regiões pubianas durante o ato sexual.

Quanto a transmissão de piolhos, é importante salientar:

  • Piolhos de humanos são incapazes de infectar animais de estimação ou serem transmitidos por eles;
  • Piolhos capilares não são sinais de falta de higiene, pois estes são contraídos a partir do contato próximo independente dos cuidados com os cabelos;
  • Piolho não é transmitido sem contato, pois este não voa ou pula.

Grupos de risco

As crianças entre 3 a 12 anos que vão para creche, pré-escola e escola primária são as principais preocupações, principalmente por parte de seus pais. Crianças desta idade costumam brincar muito perto e ter mais contatos capilares, como através da divisão de objetos entre os amigos.

Ambientes escolares tendem a ficar em alerta em épocas mais quentes, estação que costuma ter mais indícios de infestações. Adultos que convivem com estas crianças também possuem maiores chances de serem infestados com piolhos.

Sintomas do piolho

Em geral, os piolhos causam cócegas, pela sensação de algo se movendo acima da pele, e coceiras intensas, reação da saliva liberada quando o parasita se alimenta do hospedeiro. Casos intensos geram dificuldade para dormir e manchas vermelhas provenientes dessas coceiras.

É possível a contaminação de piolhos não acompanhada de sintomas, como em crianças que não reportam queixas de coceira.

Diagnóstico

Com o uso de um pente fino e boa iluminação é possível detectar a existência de piolhos, devendo estar alerta mesmo com uma única lêndea encontrada. O diagnóstico de uma infestação de piolhos deverá ser confirmado após encontrar uma ninfa ou piolho adulto vivo, caso contrário, provavelmente a infestação não está mais ativa e não precisará ser tratada.

Se você não tem certeza quanto a infestação de piolhos, deverá efetuar o diagnóstico com o médico especializado, que recolherá informações dos sintomas e do ambiente de convivência que o paciente está incluído. Os especialistas podem variar de acordo com o  tipo da doença:

Piolhos capilares

Pelo clínico geral, pediatra ou dermatologista será indicado shampoos a serem utilizados para tratar a infestação.

Piolhos pubianos

Os médicos a serem procurados para tratar os piolhos pubianos são o ginecologista ou urologista, que irão indicar a utilização de remédios antiparasitários.

Tratamento para piolho

O tratamento para piolho pode ser feito a partir de shampoos, cremes e loções inseticidas, em maioria adquiridos direto na farmácia. Métodos caseiros também são indicados, principalmente a crianças, por não serem tóxicos. Caso o problema persista ou seja mais grave, consulte um médico para ser receitado o uso de algum antibiótico oral.

Independente do método de tratamento escolhido, deve-se seguir as seguintes orientações:

  • A remoção das lêndeas e piolhos pode ser realizada com uma pinça ou pente fino;
  • Piolhos ou lêndeas nunca devem ser estourados com a unha, pois caso tenha alguma ferida nos dedos você pode contrair algum tipo de infecção;
  • Os cuidados do tratamento devem ser seguidos até ter certeza que não há mais a presença de nenhum piolho ou lêndea.

Remédios para piolhos

Algumas substâncias usadas incluem:

Os medicamentos mais usados para tratar piolhos são:

  • Ivermectina: medicamento antiparasitário de via oral, para casos graves;
  • Dimeticona: silicone que imobiliza o piolho provocando asfixia e desidratação. Obstrui os orifícios respiratórios combatendo e prevenindo seu aparecimento. Não é eficaz para lêndeas. Pode ser utilizado por crianças, grávidas e lactantes;
  • Octano-1,2-diol: álcool que ataca e envolve os piolhos, que secam por dentro e morrem;
  • Óleo de coco: bloqueia a respiração dos piolhos, os levando à morte.

Shampoos medicinais para piolho:

  • Deltacid: shampoo medicinal;
  • Escabin: shampoo, loção ou sabonete medicinal.

Para usar o shampoo medicinal, enxague e seque o cabelo antes de aplicar o medicamento no couro cabeludo. Deixe o produto em torno de 10 minutos agindo e, em seguida, enxágue-o.

Deve-se verificar se há piolhos ou lêndeas em torno de 8 a 12 horas. Se encontrar piolhos vivos, deve repetir a aplicação após uma semana de uso. Se o problema ainda persistir, converse com seu médico para indicar outro tratamento.

Remédios caseiros para piolho

Vinagre e azeite

Em grávidas, lactantes e crianças com menos de dois anos não é indicado o uso de substâncias com inseticida. Nestes casos, indica-se extrair os piolhos com um pente fino molhado. O processo é demorado e o vinagre ou azeite podem ser utilizados para ajudar na remoção.

Aqueça o vinagre ou azeite até ficar morno e misture-o com o condicionador ou água, aplique e abafe com uma touca de plástico. O processo irá dissolver a camada que envolve as lêndeas, impedindo a fixação no fio do cabelo. Este método não matará os parasitas, somente irá facilitar a retirada deles com o pente fino.

Chá de Arruda

O chá de arruda elimina os piolhos e ajuda acalmar a coceira no couro cabeludo.

  • 40 g de folhas de arruda;
  • 1 litro de água fervente.

Modo de preparo e uso:

  1. Colocar as folhas de arruda na água fervente e deixar em infusão por 10 minutos;
  2. Aplicar o chá ainda morno nos cabelos e deixar agir por 30 minutos;
  3. Lavar com shampoo neutro;
  4. Com os fios ainda molhados, passar o pente fino para remover os piolhos mortos e as lêndeas.

Citronela

O aroma intenso do spray de citronela afasta os insetos, incluindo os piolhos.

  • 150 ml de glicerina líquida;
  • 150 ml de tintura de citronela;
  • 350 ml de álcool;
  • 350 ml de água.

Modo de preparo e uso:

  1. Misturar os ingredientes e fechar bem o recipiente;
  2. Aplicar no couro cabeludo e deixar agir por alguns minutos.

Óleos

Aplique um dos seguintes óleos em proporções iguais em todo o couro cabeludo e deixe-o agir durante a noite:

  • Óleo de lavanda;
  • Óleo de hortelã-pimenta;
  • Óleo de eucalipto.

Pela manhã, lave o cabelo com um shampoo para cabelos oleosos.

Álcool canforado

Borrife o álcool canforado em todo o cabelo para evitar infestações de piolhos.

Atenção! 

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Convivendo

Durante o período de infestação de piolho, deve-se lavar roupas e outros pertences pessoais do infectado separadamente. Pentes, escovas, presilhas e outros acessórios de cabelo devem ser mergulhados em água com a temperatura de 60 ºC com sabão durante 10 minutos.

Enquanto estiver sob tratamento dos piolhos capilares, deve-se evitar secar os fios com secador de cabelos. O indivíduo infectado deve ser afastado da escola e/ou ambiente escolar, para evitar espalhar o problema. Pessoas em seu convívio próximo devem ficar atentas se não possuem indícios da existência do piolho.

Aos piolhos pubianos, deve-se evitar relações sexuais, a fim de proteger seu parceiro, pois preservativos não impedem o contato dos pelos pubianos.

Complicações

Coçar freneticamente as mordidas provocadas pelos piolhos pode levar a abertura de feridas e infecções, tal como a pioderma, causada quando a bactéria estafilococos, que vive em nossa pele, contamina a ferida aberta.

A infestação de piolhos não será resolvida sem o devido tratamento, pois o ciclo de vida do parasita se repete em torno de cada três semanas.

Caso não elimine também a origem do problema, como tratar outras pessoas que tiveram contato com o infectado, os parasitas podem voltar.

Prevenção

Piolhos capilares são difíceis de prevenir por se tratar de transmissão por aglomeração e não por higiene e derivados, mas seguem as adequações que podem ser feitas para evitar a infestação:

  • Não dividir pertences pessoais, principalmente os que têm contato direto com o couro cabeludo;
  • Com um pente fino, inspecionar os fios à procura de piolhos e lêndeas;
  • Nas crianças, observar quando coçam frequentemente a cabeça;
  • Influenciar inspeção das crianças nas escolas;
  • Não omitir caso aconteça alguma manifestação de piolho e influenciar para que outros não omitam também, pois dessa forma o tratamento é limitado a alguns e não evita  com que o parasita se espalhe.

Para a prevenção dos demais piolhos também é aconselhado:

  • Manter uma boa higiene corporal;
  • Tomar cuidado com locais de uso público;
  • Não partilhar toalhas e roupas íntimas;
  • Garantir a escolha cuidadosa do parceiro sexual;
  • Lavar roupas, lençóis, almofadas, ursos de pelúcia, entre outros, regularmente.

Fique alerta a qualquer sinal de coceira e examine com frequência a cabeça das crianças. A infestação de piolhos é algo comum, tal como o tratamento é simples e ao alcance de todos.

Para garantir sua saúde e a de seus familiares, compartilhe este artigo para que todos estejam cientes dos danos que este parasita pode causar.

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (7 votos, média: 4,43 de 5)
Loading...

3 Comentários

Atenção: os comentários abaixo são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

  1. Olá, muito bom o seu artigo, eu uso o spray repelente de piolho Ispirato, uso diariamente antes de ir para a escola e meu filho nunca pegou piolho.

Deixe o seu comentário, nos preocupamos com sua opinião:

Por gentileza, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui

Lamentamos a não possibilidade de dar-lhe conselho médico ou responder a questões médicas e farmacêuticas individuais através de e-mail, pois apenas um médico pode prestar tal atendimento. Embora tentemos responder a todos os comentários, opiniões e e-mails que recebemos em até dois dias úteis, nem sempre é possível devido ao grande volume que recebemos. Por favor, tenha em mente que qualquer solicitação ao Minuto Saudável está sujeita aos nossos Termos de Uso e Política de Privacidade, ao enviar, você indica sua aceitação.