O que pode ser o sangramento na gravidez?

O sangramento vaginal durante a gestação é comum, apesar de ser necessário contatar o médico que acompanha a paciente o quanto antes. Ir ao banheiro e encontrar pequenas manchas de sangue na calcinha não é motivo para desespero, na maioria dos casos. Manter a calma é fundamental durante essas situações.

Acredita-se que, de 5 gestantes, 1 ou 2 sofrem desse problema durante a gravidez. Avisar o obstetra, ginecologista ou ir ao hospital mais próximo é indicado para que o problema seja diagnosticado, garantindo a segurança da mãe e do bebê.

O sangramento pode ser dividido em três partes, conforme o período de gestação:  primeiro,  segundo e  terceiro trimestre.

Índice neste artigo você irá encontrar as seguintes informações:

  1. O que pode ser o sangramento na gravidez?
  2. Causas de sangramento na gravidez
  3. Fatores de risco
  4. Sintomas
  5. Diagnóstico
  6. Tratamento para o sangramento na gravidez
  7. Prevenção

Causas de sangramento na gravidez

Há diversos motivos para ocorrer o sangramento vaginal e eles podem surgir por conta de:

Sexo

Após manter relações sexuais durante a gravidez, o fluxo de sangue para a vagina e para o colo do útero é aumentado e vasos podem romper após o ato ou depois de realizar esforço físico maior, sem trazer risco para o bebê.

Reprodução assistida

Mulheres que necessitaram se submeter à técnicas de reprodução assistida, como a fertilização in vitro, estão sujeitas a terem pequenos sangramentos no início da gravidez, principalmente quando um dos embriões implantados não se torna um feto.

Nidação

Quando o óvulo é fertilizado, e vai até a parede uterina, pode ocorrer um sangramento de implantação, que dura entre um e dois dias. Na maioria das vezes, esse sangramento ocorre antes mesmo da mulher descobrir a gravidez.

Ultrassom transvaginal ou exame de toque

Após a realização de um exame invasivo, como o exame de toque ou o ultrassom, o sangramento pode ocorrer por conta do aumento da circulação sanguínea no colo do útero e na vagina.

Medicamentos anticoagulantes

Mulheres que possuem chance de sofrerem aborto espontâneo podem ser recomendadas pelos médicos a usarem medicamentos anticoagulantes. Por conta disso, pequenos sangramentos podem surgir.

Infecção na vagina ou no colo do útero

O médico deve examinar a paciente e, se houver infecção, receitar medicamentos para tratar o problema.

Miomas e pólipos

Miomas são tumores benignos localizados dentro do útero e, caso a placenta se fixe perto de um deles, o sangramento pode ocorrer.

Pólipos são protuberâncias que nascem no útero ou no colo do útero e podem sangrar, mas não causam problemas.

Sangramento de escape

Em algumas mulheres, os hormônios fazem com que haja sangramento na mesma época em que a mulher deveria menstruar caso não estivesse grávida. É por esse motivo que algumas mulheres descobrem somente muito tempo depois que estão a espera de um bebê.

Início do trabalho de parto

Se a gestação passou da 37ª semana, um pouco de sangue na calcinha pode ser sinal de que o trabalho de parto começou. Não é preciso desespero se isso ocorrer, pois manter a calma é fundamental. A ida ao hospital rapidamente somente deve ser feita se o sangramento for em grande quantidade.

Aborto espontâneo

Os sangramentos na primeira metade da gestação pode indicar que o abortamento seja inevitável ou, então, pode ser que a gestação ocorra normal após o ocorrido. Se o aborto for inevitável, ocorrerá sangramento e cólicas intensas, mas se a gestação ocorrer normalmente, o sangramento será discreto e as cólicas serão leves.

Gravidez ectópica

Quando a gravidez ectópica acontece, o embrião é implantado fora do útero, geralmente  na trompa de Falópio. Esse tipo de gravidez costuma trazer muita dor na parte inferior do abdômen e tontura.

Gravidez molar

Um tecido anormal cresce dentro do útero, no lugar de um embrião. Esse tecido pode se tornar canceroso e pode disseminar para outras partes do corpo. Outros sintomas da gravidez molar, além de sangramento intenso, são vômitos, náuseas e crescimento do útero em desproporção com idade da gravidez.

Placenta prévia

A placenta prévia ocorre apenas em uma a cada 200 gestações e se dá quando a placenta se desenvolve na parte mais baixa do útero, cobrindo a parte de abertura do colo uterino. A placenta prévia causa sangramento indolor e necessita de atendimento médico imediato.

Ruptura uterina

Esse tipo de sangramento só ocorre após a segunda gestação, pois é resultado de uma cesárea anterior ter rasgado durante a gravidez. Essa ruptura no útero pode se tornar fatal e requer cirurgia de emergência para tirar o bebê. Sensibilidade no abdômen e dor são sintomas comuns.

Vasa prévia

Essa condição é muita rara e é caracterizada pelos vasos sanguíneos da placenta do bebê, ou do cordão umbilical, que atravessam a abertura para o canal de parto. A vasa prévia pode ser perigosa para o bebê, pois os vasos podem rasgar fazendo com que ele quase não receba oxigênio. O sangramento excessivo e a baixa frequência cardíaca fetal anormal são muito comuns nessa condição.

Descolamento prematuro da placenta

É um caso muito raro, ocorre entre meio e 1% das gestações. A placenta se desprende da parede do útero antes ou durante o trabalho de parto, causando sangramento. Outros sintomas que podem surgir são: coágulos da vagina, dor nas costas e abdominal.

Fatores de risco

Os fatores de risco são alterações que podem aumentar o risco do problema ocorrer. Em casos de sangramento na gravidez, eles podem ser:

  • Exposição a teratogênicos (produtos químicos, infecções, produtos fármacos);
  • Pacientes que já tiveram gravidez ectópica;
  • Uso de DIU ao engravidar;
  • Tabagismo;
  • Doença inflamatória pélvica;
  • Consumo de bebidas alcoólicas;
  • Cirurgia pélvica anterior;
  • Abuso de substâncias tóxicas e toxicodependência.

Sintomas

O principal sintoma é o sangramento que ocorre durante a gestação. Além disso, sintomas como desmaios, tonturas, febre e calafrios podem ocorrer. Corrimento vaginal com aspecto sanguíneo, hemorragia grave com ou sem   dores e cólicas também podem ocorrer .

Diagnóstico

Sangramento durante a gestação pode ser sinal de problema, por isso é muito importante consultar o médico. Ao reparar o sangramento, é importante analisar características dele, como, por exemplo, o seu aspecto e a sua quantidade. Enquanto houver sangramento, relações sexuais não devem ocorrer e o uso de absorvente interno deve ser evitado.

O médico a ser consultado deve ser o obstetra ou o ginecologista. Ir para a consulta com as indicações citadas acima é fundamental para que o diagnóstico seja dado de forma mais rápida.

Antes do diagnóstico ser dado, é importante informar ao médico se uma ultrassonografia já foi feita para detectar se a gravidez está ocorrendo dentro do útero isso faz com que o diagnóstico de gravidez ectópica seja quase nulo.

Realizar o exame cardíaco e tirar a pressão cardíaca são procedimentos de praxe do médico. Caso o médico peça a análise de exame do abdômen é para descartar a possibilidade de ser apenas uma dor abdominal, como a apendicite. Esse procedimento pode ser feito até o primeiro trimestre da gestação, pois passado esse prazo, os batimentos cardíacos fetais podem ser observados e o útero pode ser apalpado através do abdômen, garantindo que não ocorreu aborto.

Ainda durante o exame físico, o médico analisa a região vulvar e anal, tentando encontrar lesões que possam ser a causa do sangramento. O exame especular é capaz de diagnosticar processos inflamatórios, pólipos, lacerações, tumores e verrugas. Quando o toque vaginal é feito, o médico consegue observar se o tamanho do útero está de acordo com o tempo de gestação. Sinais da gestação fora do útero podem ser observados, assim como diagnosticar se o colo uterino está fechado ou aberto.

Ainda há o exame de ultrassonografia transvaginal, que avalia o sangramento na gravidez. Apesar de só poder ser feito após 5 semanas da gestação, ele é capaz de assegurar se ela está ocorrendo dentro do útero ou fora dele, bem como de descobrir o número de fetos que há na paciente e os batimentos cardíacos presentes.

Tratamento para o sangramento na gravidez

O tratamento é feito de acordo com a causa do sangramento. Em alguns casos, não existe tratamento específico.

Sem causa aparente

Quando a causa do sangramento não é identificada, a vida da paciente não corre risco, o exame clínico é normal e o ultrassom confirma as características da gravidez. Além de dar as características, o médico pode dar orientações sobre a nova fase da gestante e possíveis sintomas que podem surgir ao longo da gravidez.

Da mesma forma que o sangramento surge, ele para espontaneamente.

Reprodução assistida

Os sangramentos que ocorrem por conta da implantação da gestação no útero e os decorrentes de lesões da vagina, vulva e colo do útero não necessitam de tratamento, somente se o sangramento for intenso ou se a causa for um tumor no colo do útero.

Gravidez ectópica

A gravidez ectópica, na maioria das vezes, necessita de cirurgia emergencial. Em outros casos, o tratamento pode ser feito com medicamentos ou, ainda, somente com observação clínica.

Em caso de ameaça de aborto, é necessário ficar atento, pois muitas vezes o médico recomenda somente a observação clínica. Se a gestação estiver entre 7 e 11 semanas e a gravidez ocorrer no útero com os batimentos cardíacos do bebê corretos, a chance de algo ocorrer é menor do que 4%.

Se o aborto ocorreu e ainda há resíduos no corpo da mãe, o uso de medicamentos ou a realização de métodos cirúrgicos podem ser necessários.

Prevenção

Existem diversas formas de prevenir o sangramento durante a gestação, elas são:

  • Praticar atividades físicas;
  • Ir às consultas regularmente;
  • Alimentar-se corretamente;
  • Não beber e não fumar;
  • Praticar atividades que prezam pelo relaxamento;
  • Evitar locais que possam conter perigos ambientais e substâncias que possam trazer malefícios à saúde;
  • Praticar sexo seguro;
  • Proteger-se da violência.

Ficar atenta aos sinais de sangramento e realizar a prevenção corretamente pode evitar o problema. Faça com que seus conhecidos também se informem sobre o tema e compartilhe esse texto com eles!

Referências

http://www.mdsaude.com/2011/08/sangramento-inicio-gravidez.html
http://revistacrescer.globo.com/Gravidez/Saude/noticia/2016/01/sangramento-na-gravidez-e-grave.html
https://www.tuasaude.com/sangramento-na-gravidez/
http://brasil.babycenter.com/a1500519/sangramento-de-escape-spotting
https://www.trocandofraldas.com.br/sangramento-durante-gravidez-sinal-de-alerta/
http://bebe.abril.com.br/gravidez/sangramentos-que-podem-acontecer-durante-a-gravidez/
http://www.tribunadabahia.com.br/2012/12/02/saiba-quando-sangramento-na-gravidez-motivo-de-preocupacao
http://www.materprime.com.br/sangramento-no-inicio-da-gravidez-nem-sempre-indica-aborto-explica-clinica-de-reproducao/
http://guiadobebe.uol.com.br/sangramentos-na-gestacao/
http://www.maeaflordapele.com/2016/06/sangramento-primeiro-trimestre-de-gravidez.html
http://www.manuaismsd.pt/?id=270&cn=1959
http://pt.wikihow.com/Prevenir-Sangramento-Durante-a-Gravidez

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Faça um comentário:

Por favor, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui