Breno H. M. (Minuto Saudável)
15/01/2018 08:00

Tudo sobre Tétano: o que é, sintomas, causas e transmissão

O que é o tétano?

Tétano é uma doença grave causada pela infecção da bactéria Clostridium tetani, que entra no corpo através de feridas e produz uma toxina que age no sistema nervoso central, provocando fortes contrações musculares que podem matar. É possível prevenir o tétano através de vacina.

Índice – neste artigo você encontrará as seguintes informações:

  1. O que é o tétano?
  2. Tipos
  3. Causas e agente etiológico
  4. Transmissão: como podemos contrair o tétano?
  5. Fatores de risco
  6. Sintomas
  7. Como é feito o diagnóstico do tétano?
  8. Tétano tem cura?
  9. Qual o tratamento?
  10. Mal de sete dias
  11. Animais
  12. Medicamentos para tétano
  13. Prognóstico
  14. Complicações
  15. Prevenção: como evitar o tétano?

Tipos

Existem alguns tipos de tétano para os quais se deve prestar atenção. São eles:

Tétano localizado

Nessa variedade da doença, as contrações musculares afetam apenas lugares específicos, frequentemente extremidades como mãos, braços e pés. Costuma ser consequência de uma imunização fraca ou mal feita.

Tétano generalizado

A versão mais comum do tétano, afeta o corpo todo. A pessoa sente dores intensas e os músculos se contraem com força.

Tétano cefálico

Uma das versões mais raras do tétano, o tétano cefálico costuma vir de feridas na cabeça ou otites. Ele tem um período de incubação curto, de um a dois dias, pela proximidade com o Sistema Nervoso Central e frequentemente evolui em tétano generalizado.

Tétano neonatal

Outra versão rara da doença, o tétano neonatal, também conhecido como mal-de-sete-dias, acontece quando a bactéria tetânica infecta o coto do cordão umbilical de um bebê recém-nascido.

Causas e agente etiológico

Feridas abertas são o caminho para a bactéria Clostridium tetani, que, diferente do que diz o conhecimento popular, não vive apenas em pregos enferrujados.

Caminhar descalço

A bactéria pode estar na terra, em plantas e fezes de animais ou humanas. Ela é inofensiva quando no intestino, mas faz estrago se infecta o corpo. Caminhar descalço com uma ferida nos pés facilita a contaminação. Além disso, em 10 a 20% dos casos, o tétano acontece mesmo sem ferida aparente.

Falta de vacinação

É possível se imunizar contra o tétano através da vacina antitetânica. Como a bactéria pode ser encontrada em quase qualquer lugar, a vacina é a melhor defesa. A falta dela permite que a bactéria encontre o caminho para o corpo do hospedeiro.

Uma vez na corrente sanguínea, em um ambiente sem oxigênio, a bactéria libera duas toxinas: A tetanolisina, cujo efeito na doença é desconhecido e incerto, e a tetanospasmina, que é uma neurotoxina que alcança o sistema nervoso central e o ataca. Essa toxina é o agente causador do tétano.

Tetanospasmina

Chamada de tetanospasmina, a toxina se espalha pelo sistema circulatório e alcança o sistema nervoso central, causando os espasmos e contrações características do tétano.

Seu efeito faz com que os músculos se contraiam involuntariamente, progredindo no decorrer de várias semanas, frequentemente a partir do maxilar para o resto do corpo. Isso pode levar à morte por insuficiência respiratória quando o diafragma, músculo que controla a respiração, é afetado.

Transmissão: como podemos contrair o tétano?

Esporos da bactéria Clostridium tetani podem ser encontrados nos mais diversos lugares. Feridas, especialmente as causadas por objetos perfurantes (mas não só essas), são o caminho que a bactéria usa para entrar no corpo.

Também é possível pegar a bactéria de outros jeitos. Bebês são contaminados através do corte do cordão umbilical sem esterilização, por exemplo.

Acidentes, como cortes, perfurações e arranhões em contato ou com objetos contaminados são o jeito mais comum de transmissão da bactéria. A utilização de materiais perfurantes contaminados, como agulhas de tatuagem ou seringas, também transmite a doença, além de picadas de insetos infectados.

Fatores de risco

Feridas abertas

Feridas abertas são o principal fator de risco. A bactéria do tétano pode estar em qualquer lugar, portanto qualquer ferida pode servir para ela entrar na corrente sanguínea.

Perfurações

Perfurações levam a bactéria para lugares onde uma simples lavagem dificilmente irá bastar, portanto é recomendado que a vacina esteja em dia.

Utensílios de estética contaminados

Usar agulhas de tatuagem, furar a orelha ou qualquer parte do corpo e qualquer tipo de ferida aberta por material não esterilizado pode causar tétano.

Caminhar descalço

Fezes de animais podem transportar a bactéria, portanto se você caminha descalço em lugares onde animais podem defecar, redobre o cuidado com qualquer ferida.

Além disso, estas pessoas estão no grupo de risco:

  • Crianças;
  • Idosos;
  • Portadores de úlceras de perna crônicas;
  • Trabalhadores de construção civil;
  • Pessoas com Hanseníase (lepra).

Sintomas

Sintoma característico do tétano, a contração muscular começa pelo maxilar, mas se espalha pelo resto do corpo. As contrações podem ser iniciadas sem motivo, ou através de estímulos como sustos ou o acender de luzes. Outros sintomas, consequências da contração, são:

Trismo

Trismo é a dificuldade de abrir a boca causada pela contração do maxilar e da mandíbula.

Rigidez muscular

Pescoço, costas e abdômen ficam rígidos.

Riso sardônico

Músculos faciais se contraem, dando ao rosto uma expressão forçada de riso involuntário.

Contração de braços e pernas

Membros, tanto inferiores como superiores, se contraem violentamente. A contração pode fragilizar e até quebrar ossos no decorrer de sua duração.

Opistótono

Extremamente característico do tétano, opistótono é o nome dado ao forte espasmo dos músculos da coluna vertebral. A cabeça, pescoço e coluna vertebral do paciente fica em forma de arco côncavo para trás. O corpo se apoia no chão pela cabeça e calcanhares.

Insuficiência respiratória

Sintoma que costuma levar o paciente à morte, a insuficiência respiratória é causada pela contração muscular na região do diafragma, que é o principal músculo de controle respiratório.

Como é feito o diagnóstico do tétano?

O tétano é diagnosticado pela observação de sintomas e de lesões por onde a bactéria pode ter entrado. Geralmente, testes de laboratório só são utilizados para descartar outras condições, como meningite, raiva ou outras doenças com sintomas parecidos.

Tétano tem cura?

Não existe cura garantida. É possível eliminar a bactéria que causa o tétano através do tratamento da infecção, mas a toxina deve ser metabolizada pelo corpo e, enquanto isso não acontece, a doença persiste.

A cura depende do sistema imunológico do paciente e de sua capacidade de aguentar os efeitos colaterais.

Qual o tratamento?

Tratar o tétano é tratar da infecção, eliminando a bactéria e buscando a neutralização da toxina.

Fechar a ferida

É necessário tratar, limpar e cicatrizar a ferida por onde a bactéria entrou.

Os esporos da bactéria podem estar lá, e eliminá-la é extremamente importante, já que enquanto ela estiver presente, continuará produzindo a toxina que causa o tétano.

A bactéria é resistente a álcool, mas água oxigenada, iodo e glutaraldeído são capazes de eliminar a capacidade infecciosa dela.

Antibióticos

Eliminar a bactéria através de antibióticos impede que ela continue produzindo a tetanospasmina.

Anular a toxina

O uso de imunoglobulina serve para neutralizar a toxina. Também é possível usar soro antitetânico. Ambas as substâncias têm efeito na tetanospasmina livre, ou seja, a porção da toxina que ainda não se fixou ao sistema nervoso central (SNC).

Ademais, é necessário esperar que o corpo metabolize a toxina que já se fixou ao SNC.

Tratar os sintomas

Depois de administrados os antibióticos e agentes para neutralizar a toxina, o tratamento consiste em aliviar os sintomas e facilitar a recuperação do corpo. Para isso, são administrados calmantes e relaxantes musculares, que diminuem os espasmos.

Pode ser necessária a respiração artificial, caso os músculos respiratórios fiquem paralisados.

Caso se tenha conhecimento prévio da infecção, o soro antitetânico pode ser usado logo após a exposição à bactéria e isso pode ser o bastante para impedir a doença de se manifestar.

Quando a doença se instala, o paciente deve ser internado de 3 a 15 dias e pode ser entubado em caso de paralisia do diafragma. É necessário vigiar os doentes o tempo todo, portanto eles podem ser mantidos em uma UTI.

Mal de sete dias

Tétano neonatal é conhecido como o mal de sete dias. Acontece quando, após o parto, o cordão umbilical é cortado com materiais infectados, ou a proteção do coto do cordão é mal feita e ele acaba contaminado.

Os sintomas nos recém-nascidos são:

  • Choro constante;
  • Dificuldade de abrir a boca e de mamar;
  • Rigidez na nuca, tronco e abdômen;
  • Contrações abdominais que podem ser confundidas com cólicas;
  • Mãos fechadas e flexão dos punhos.

Quando a doença se agrava, o bebê deixa de chorar e pode parar de respirar com mais frequência e por mais tempo, o que pode levar a morte.

O nome de mal de sete dias vem da crença popular antiga de que o recém nascido deve ficar em um quarto escuro por sete dias após o nascimento para protegê-lo do mal. O “mal” seria o tétano neonatal, que costuma afetar o bebê na primeira semana de vida e não era conhecido na época, mas o quarto escuro não protegia o bebê disso.

Bebês contaminados por tétano tem uma taxa de mortalidade de 80%, assim como idosos. O tétano neonatal é extremamente perigoso, mas pode ser prevenido com cuidados na hora do parto e pré-natais.

Animais

Animais domésticos são a principal vítima do tétano, especialmente depois de a humanidade ter desenvolvido as vacinas. Equinos, como cavalos, são especialmente vulneráveis à doença. Logo atrás estão os ovinos (ovelhas), caprinos (cabras) e bovinos.

O tétano também pode afetar cães e gatos. Os sintomas são os mesmos, assim como o tratamento. É preciso observar bem os animais domésticos, cuidando para que eles não tenham possíveis feridas infectadas.

Medicamentos para tétano

Antibióticos, relaxantes musculares e soros antitetânicos são os medicamentos usados para o tratamento do tétano. São eles:

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas neste site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Prognóstico

O tétano progride rapidamente e em idosos e crianças, e a taxa de mortalidade é extremamente elevada, alcançando os 80%, mas em adultos, 70% dos pacientes sobrevive. É uma doença perigosa e letal, mas nem a doença, nem o tratamento, quando efetivo, deixam sequelas.

Complicações

Com taxa de mortalidade de 30% entre adultos, o tétano é uma doença perigosa e sofrida. Caso não seja tratada, as chances de morte são maiores ainda. Os espasmos podem causar dores terríveis, além de fraturas nos ossos longos, como os dos braços ou costelas, além de poder romper fibras musculares. É uma doença séria.

Morte

A morte é o maior risco que o paciente corre. O tétano pode causar repetidos espasmos no diafragma, matando por asfixia. Em alguns casos, a respiração assistida é utilizada para manter o paciente vivo, mas nem sempre isso é possível.

Prevenção: como evitar o tétano?

Vacinação

Vacinar-se é o jeito mais fácil e certeiro da prevenção tetânica. Ela está inclusa na vacina tetravalente, dada a crianças com menos de um ano. É necessário renovar a vacina antitetânica a cada 10 anos, já que a quantidade de anticorpos no corpo cai com o tempo.

Em caso de ferimentos, se a pessoa não lembra ou não tomou a vacina nos últimos dez anos, é necessário aplicá-la de novo, especialmente se a ferida foi feita em algum lugar que aparenta pouca higiene.

Lembre-se de que alguém que já teve a doença ainda pode pegá-la de novo e a vacina é o único jeito de imunização.

Higienização de feridas

Limpar bem as feridas com água e sabão logo que elas acontecem pode evitar que a bactéria entre no corpo.

A Clostridium tetani é resistente a fenol, formol e etanol, mas pode ser esterilizada com água oxigenada. Se a ferida for profunda, o médico pode recomendar o soro antitetânico.

Tétano neonatal

Evitar o tétano em recém nascidos também é fácil. A vacinação pré-natal da mãe imuniza o bebê também e é o jeito mais eficaz de impedir o tétano neonatal.

A higienização dos materiais para o corte e proteção do cordão umbilical é necessária para evitar qualquer infecção mais grave.


Apesar de extremamente perigoso, o tétano é uma doença de fácil prevenção. A vacina tornou-a uma doença rara e é extremamente importante para que ela continue assim. Lembre-se de se vacinar e compartilhe esse texto com seus amigos para alertá-los dos perigos do tétano!

12/12/2018 17:13

Breno H. M. (Minuto Saudável)

Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável. Confira mais na nossa página de quem somos.

Ver comentários

  • AMEI!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!É muito bom me ajudou muito.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • MUITO BOM, me ajudou no meu trabalho de ciências rsrsrs

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • me ajudou tabem

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

  • Super gostei, me ajudou muito na minha apresentação sobre o tetano.

    Cancelar resposta

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Campos obrigatórios estão marcados*