As mulheres podem sofrer com diversos tipos de alterações em seu ciclo menstrual, algumas são consideradas normais e outras podem precisar de acompanhamento profissional. Uma condição que afeta muitas mulheres, por exemplo, é a menstruação em pequena quantidade.

Será que ter pouca menstruação é normal? Ou será que pode causar algum risco? Descubra:

Índice — neste artigo você vai encontrar:

  1. É normal ter pouca menstruação?
  2. Quais as causas da pouca menstruação?
  3. Menstruação de 1 ou 2 dias: é normal?
  4. Afeta a fertilidade?

É normal ter pouca menstruação?

Depende. A diminuição do fluxo menstrual, que também é chamada de hipomenorreia, ocorre devido à redução do volume da menstruação e também pela diminuição da duração do fluxo. Na maioria das vezes, essa redução não deve ser motivo de preocupação, pois pode ser algo temporário. Mas se persistir, o ideal é buscar a orientação de um(a) ginecologista.

Normalmente, as mulheres menstruam a cada 21 a 35 dias e o fluxo menstrual varia entre dois e sete dias.

Mas essa situação pode mudar com o tempo e devido a diferentes fatores. Cada mulher e cada período são diferentes, por isso, o fluxo menstrual pode ser como um relógio, ou seja, vir exatamente no mesmo período e na mesma quantidade de dias ou, então, pode sofrer variações.

No entanto, se a pouca menstruação vir acompanhada de outros sinais, vale a pena fazer exames de rotina para saber se está tudo bem com o organismo.

Entre os sintomas que merecem atenção estão: não ter menstruação por mais de três ciclos seguidos, ter sangramentos frequentes entre as menstruações e sentir dor muito intensa durante o período menstrual.


Pode ser gravidez?

As gestantes não menstruam, mas podem apresentar pequenas quantidades de sangue nas primeiras semanas, o que pode ser confundido com a menstruação.

Essa situação durante a gestação é chamada de sangramento de implantação, ou seja, quando o óvulo fertilizado foi implantado no útero. Nesses casos, o sangramento é muito leve em comparação à menstruação. 

Então, a mulher tende a apresentar pouca quantidade de sangue e a cor também varia de rosa claro a marrom e não vermelho brilhante, como costuma ser a cor da menstruação.

Se o fluxo for muito pequeno e o sangue apresentar uma cor rosada, isso pode significar gravidez. Nesse caso, não se trata da menstruação, mas sim do sangramento de implantação (quando o óvulo é implantado no útero).

Na dúvida, o melhor a fazer é realizar um teste de gravidez. Agora, se estiver grávida e apresentar um sangramento abundante, a recomendação é procurar um(a) obstetra imediatamente para saber se está tudo bem com o feto, já que isso pode ser um sinal de aborto.

Quais as causas da pouca menstruação?

Os períodos de pouca menstruação podem ocorrer devido a uma série de fatores. Entre eles, destacam-se:

Estresse em excesso

Mulheres que estão sempre estressadas (no dia a dia ou devido a grandes acontecimentos) podem alterar os hormônios cerebrais (como estrogênio e progesterona), o que afeta o ciclo menstrual. Para essas, é comum que o fluxo seja mais irregular ou mais espaçado.

Porém, depois de um evento estressante ou quando há mudanças na rotina, essa situação pode passar e o ciclo tende a ficar mais regular sem precisar de ajuda médica. Caso isso não aconteça, não se deve hesitar em buscar um(a) profissional.

Envelhecimento

Com o tempo, é natural que o fluxo menstrual sofra alterações tanto na quantidade quanto nos dias. Mulheres mais maduras podem apresentar diminuição do fluxo menstrual devido à diminuição da quantidade de estrogênios no organismo.

Ainda, conforme o número de óvulos disponíveis no ovário diminui, o cérebro libera mais o hormônio folículo estimulante (FSH) para estimular os ovários a desenvolverem um folículo. Isso resulta no desenvolvimento precoce do folículo e na ovulação mais cedo, assim, ocorrem ciclos mais curtos.

Essa alteração pode ser mais frequente até que a menstruação cesse por causa da menopausa.

Alterações no peso

Mulheres que realizam dietas muito restritivas ou oscilam muito no peso, ou seja, uma hora ganham muitos quilos e outra perdem rapidamente, podem ter o ciclo menstrual afetado tanto na quantidade do fluxo quanto na regularidade. 

Sabe-se que mulheres que têm transtornos alimentares, como a anorexia ou bulimia, tendem a apresentar menstruações mais escassas e, em alguns casos, até mesmo não menstruam. Isso ocorre porque o baixo peso corporal altera os hormônios que regulam a menstruação.

Já quem ganha muito peso armazena mais gordura no corpo e isso pode afetar os níveis hormonais e desequilibrá-los, também podendo causar a diminuição do fluxo menstrual.

Exercícios intensos

Mulheres que realizam exercícios em excesso, como é o caso das atletas, podem ter alterações no ciclo menstrual. Isso está relacionado com o fato de que, no geral, elas costumam estar expostas a altos níveis de estresse e também apresentam pouco peso corporal, o que altera os hormônios responsáveis pela menstruação.

Ovários policísticos

Outra condição de saúde que afeta o ciclo menstrual é a síndrome dos ovários policísticos. Nesses casos, o problema causa uma mudança hormonal no organismo que impede a mulher de ovular. 

Alguns sintomas comuns desse distúrbios são os seguintes: alteração de peso (obesidade), queda de cabelo, acne, aumento dos pelos na face e infertilidade.

Quando a mulher apresenta esses sinais e, ainda, tem um fluxo menstrual baixo, o ideal é procurar um(a) ginecologista. Então, deve-se realizar exames específicos como ultrassom e hemograma, a fim de confirmar (ou não) o diagnóstico e aliviar os sintomas.

Hipertireoidismo

A diminuição do fluxo menstrual também pode ser causada pelo hipertireoidismo, distúrbio que ocorre quando o organismo produz uma maior quantidade dos hormônios da tireoide, que são responsáveis pelo aumento do metabolismo. 

Nesses casos, a pessoa gasta mais energia, pode ficar mais ansiosa e até mesmo perder peso. Assim, em virtude dessas alterações, o ciclo menstrual pode ser afetado.

Métodos anticoncepcionais hormonais

As mulheres que usam pílula anticoncepcional, DIU ou injeções hormonais podem apresentar a menstruação em pequenas quantidades e o fluxo pode durar apenas poucos dias.

O uso de métodos contraceptivos como os anticoncepcionais pode provocar a mudança no fluxo menstrual.

Isso pode ocorrer devido aos hormônios desses métodos contraceptivos. Mas vale destacar que se houver ausência de menstruação (amenorreia), é preciso ir ao(à) ginecologista para saber se há algum outro problema ou até mesmo se ocorreu uma gravidez.

Hiperprolactinemia

A escassez menstrual pode ocorrer devido ao aumento na produção do hormônio prolactina, produzido pela hipófise no cérebro. Essa alteração ocorre com mais frequência no pós-parto e é uma das causas mais comuns da pouca menstruação (ou da ausência do fluxo menstrual).

Menstruação de 1 ou 2 dias: é normal?

Depende. Normalmente, a menstruação acontece uma vez por mês e a duração varia de 4 a 7 dias. Mas algumas mulheres podem ter um ciclo menstrual alterado por diversos fatores ou, ainda, apresentarem um fluxo reduzido.

É importante checar com um(a) ginecologista se não se trata de uma gravidez ou algum problema de saúde que necessite de tratamento médico.

Na maioria das vezes, trata-se de uma alteração hormonal passageira que pode provocar, além do fluxo reduzido, uma menstruação parecida com uma borra de café. 

Nesses casos, há grandes chances de que se trate de uma alteração nos níveis de progesterona, o que é comum em mulheres que tomam anticoncepcionais orais ou injetáveis.

Isso porque o uso de anticoncepcionais pode interferir nos hormônios, causando esses “escapes” de pouco volume. Por isso, as mulheres que se esqueceram de tomar anticoncepcional por um dia ou dois podem ter um escape menstrual que dura pouco tempo e pode ser confundido com a menstruação em si.

Afeta a fertilidade?

Depende. A duração de um ciclo menstrual é determinada pelo número de dias desde o primeiro dia de sangramento até o início da próxima menstruação. 

A duração do ciclo e quantidade do fluxo menstrual pode ser um indicador de que há desequilíbrios hormonais e de que a ovulação não está ocorrendo de maneira regular. Considerando que sem ovulação a gravidez não ocorre, isso pode afetar a fertilidade.

Quem deseja ter um bebê e tem ciclos mais curtos e irregulares, pode ser menos fértil e ter dificuldades para engravidar de forma natural. 

Mas isso não é uma regra e, portanto, em casos como esse, é importante fazer alguns exames com especialistas em fertilidade e ver se há necessidade (ou não) de tratamentos hormonais para engravidar. Uma vez que a mulher pode não apresentar nenhuma irregularidade e, simplesmente, apresentar um fluxo menstrual menor que o normal.


Distúrbios menstruais são comuns e podem acometer qualquer mulher. No entanto, ao notar qualquer alteração no seu ciclo ou simplesmente no fluxo da menstruação, é importante consultar um(a) ginecologista, a fim de se certificar que está tudo bem com o organismo.

E se deseja ver mais conteúdos como esse, continue acompanhando o Minuto Saudável!


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.