Doenças autoimunes são aquelas em que o sistema imunológico ataca as células saudáveis do próprio organismo, em que o corpo não consegue fazer a distinção entre células normais do corpo e células invasoras.

Para combater e aliviar os sintomas proporcionados por algumas dessas doenças, existem medicamentos específicos e, entre eles, o MabThera.

Continue lendo e saiba mais sobre o medicamento:

Índice — neste artigo você vai encontrar:

  1. O que é o medicamento MabThera?
  2. Para que serve o tratamento com MabThera?
  3. Como atua o princípio ativo Rituximabe?
  4. Qual a diferença entre MabThera e MabThera SC?
  5. Como se aplica o MabThera?
  6. Quais os efeitos colaterais do MabThera?
  7. Valor: qual o preço de MabThera e onde comprar mais barato?
  8. Rituximabe tem no SUS?
  9. É aprovado pela ANVISA?
  10. Como orçar MabThera?

O que é o medicamento MabThera?

MabThera é um dos nomes comerciais do princípio ativo Rituximabe, um anticorpo monoclonal, ou seja, produzido em laboratório.

É um medicamento utilizado no tratamento de algumas doenças causadas pelo crescimento anormal dos linfócitos B (célula do sistema imunológico), como a Leucemia linfoide crônica e a Artrite reumatoide

Sua administração é via infusão intravenosa e é fabricado pela Roche, empresa farmacêutica.

Ele pode ser usado sozinho, ou seja, em monoterapia, ou associado a outros medicamentos, de acordo com a condição clínica e a prescrição médica.


Para que serve o tratamento com MabThera?

O MabThera serve para tratar doenças provocadas pelo crescimento anormal de algumas células do sistema imunológico, chamadas Linfócitos B. Ele atua em doenças como Linfoma não Hodgkin, Artrite reumatoide, Leucemia linfoide crônica, Granulomatose e Pênfigo vulgar. De forma específica, o fármaco serve para:

Linfoma não Hodgkin 

O Linfoma não Hodgkin é um tipo de câncer que se origina nas células do sistema linfático. Ele acontece quando uma célula saudável se torna cancerosa.

O sistema linfático faz parte do sistema imunológico e tem células espalhadas por todo o corpo. Por isso, o problema pode ocorrer em qualquer região.

O MabThera atua em pacientes com:

  • Linfoma não Hodgkin de células B recidivado (reaparecimento após um período de cura) ou resistente à quimioterapia;
  • Linfoma não Hodgkin difuso de grandes células B, quando combinado à quimioterapia;
  • Linfoma não Hodgkin não tratado previamente, quando combinado à quimioterapia.
  • Linfoma folicular, como terapia de manutenção.

Artrite reumatoide 

A Artrite reumatoide é uma doença crônica autoimune que consiste na inflamação das articulações do corpo, causando dor, inchaço e vermelhidão. 

Ela ocorre quando o organismo ataca algumas células saudáveis do próprio corpo e, por isso, é chamada de autoimune.

O MabThera é indicado para adultos com Artrite reumatoide ativa que tiveram resposta inadequada ou intolerância a outras terapias de inibição do fator de necrose tumoral (TNF), quando combinado ao medicamento Metotrexato.

Leucemia linfoide crônica

A Leucemia linfoide crônica é uma doença rara, causada pelo aumento anormal do número de células brancas — de defesa — no sangue.

Ela ocorre quando a medula óssea produz um excesso de células que, posteriormente, transformam-se em glóbulos brancos (linfócitos), porém, com funcionamento ineficaz. 

Esses glóbulos anormais se multiplicam de forma exagerada, causando o mal funcionamento de alguns órgãos e interferindo até mesmo na produção de células saudáveis.

No caso de Leucemia linfoide crônica, o Mabthera é indicado para pacientes que:

  • Não foram tratados previamente;
  • Tiveram um quadro refratário ao tratamento (sem resultados esperados).

Granulomatose com poliangiite

A Granulomatose com poliangiite — também chamada Granulomatose de Wegener — é uma doença rara, que provoca a inflamação dos vasos sanguíneos.

A inflamação causa a redução no fluxo de sangue, afetando, em geral, vasos pequenos e médios e também os tecidos do nariz, pulmões e rins. Apesar disso, pode prejudicar qualquer órgão. 

O Mabthera é utilizado no tratamento desse problema quando combinado com glicocorticoides — hormônios esteroides.

Poliangiite microscópica 

Da mesma forma que a Granulomatose, a Poliangiite microscópica é uma doença que causa a inflamação dos vasos sanguíneos, podendo prejudicar qualquer órgão do corpo.

É uma doença autoimune, em que o organismo faz com que suas próprias células ataquem a parede dos vasos sanguíneos. 

No caso da Poliangiite microscópica, o MabThera é utilizado para o tratamento quando combinado com glicocorticoides. 

Pênfigo vulgar 

O Pênfigo vulgar é uma doença autoimune grave, em que há o aparecimento de bolhas na pele e mucosas. 

Ocorre quando o sistema imunológico desencadeia, erroneamente, reações de defesa contra os tecidos da pele, o que ocasiona a formação de lesões.

O Mabthera é utilizado em conjunto a corticoides para pacientes que sofram com Pênfigo vulgar de nível moderado a grave. 

Como atua o princípio ativo Rituximabe conforme a bula?

O princípio ativo Rituximabe é um anticorpo monoclonal, ou seja, produzido em laboratório, que atua contra células específicas do organismo humano.

Ele se liga aos receptores dos Linfócitos B, estimulando a destruição dessas células, que fazem parte do desenvolvimento de algumas doenças combatidas pelo MabThera. 

Qual a diferença entre MabThera e MabThera SC?

Tanto o MabThera quanto o MabThera SC são medicamentos utilizados para tratar algumas doenças que têm relação com o sistema imunológico. Apesar disso, ambos têm algumas diferenças entre si.

A primeira é em relação à forma de administração: enquanto o MabThera é de uso via infusão intravenosa, o MabThera SC tem administração via subcutânea.

Outra divergência é em relação à indicação, pois MabThera atua no combate de diferentes doenças e o MabThera SC é indicado apenas para o tratamento de uma, o Linfoma não Hodgkin.

Além disso, a concentração do medicamento também varia. Pois MabThera apresenta duas posologias: 100mg/10mL e 500mg/50mL. Já no caso do MabThera SC, a concentração é de 1.440mg/11,7mL.

Como se aplica o MabThera

A administração do medicamento MabThera precisa ser realizada em ambiente adequado e sob supervisão médica. Existem algumas etapas para a aplicação, que podem ser divididas em:

Pré-medicação

Antes de realizar a infusão intravenosa, é indicado administrar uma pré-medicação no(a) paciente, formada por analgésicos (reduz a percepção de dor) e antipiréticos (previne ou reduz a febre), juntamente com um anti-histamínico (anti-alérgico). 

Medicamentos Glicocorticoides, ou seja, hormônios esteroides, também devem ser administrados antes da aplicação.

Além disso, existem fármacos diferentes para serem utilizados de acordo com o quadro clínico de cada pessoa. 

Leucemia Linfoide Crônica

Em casos de pacientes com Leucemia Linfoide Crônica, é recomendado a aplicação de fármacos uricostáticos (diminuem os níveis de ácido úrico no organismo) 48 horas antes de iniciar o tratamento com MabThera. 

Isso para diminuir o risco do desenvolvimento da Síndrome Lise Tumoral, quando ocorrem complicações relacionadas ao tratamento do tumor. 

Em alguns casos, a equipe médica poderá recomendar o uso de Prednisona 30 minutos antes da infusão, para diminuir as reações na infusão.

Artrite Reumatoide e Pênfigo Vulgar

Para pacientes que sofrem com Artrite Reumatoide ou Pênfigo Vulgar, é indicada a administração do fármaco Metilprednisolona IV, 30 minutos antes da aplicação de MabThera.

O objetivo é diminuir as chances de reações relacionadas à infusão.

Granulomatose com poliangiite e Poliangiite microscópica 

Pessoas que apresentam Granulomatose com poliangiite ou Poliangiite microscópica, a bula indica fazer o uso de alguns fármacos de forma paralela ao tratamento com MabThera.

As recomendações são:

A administração de Metilprednisolona IV entre 1 a 3 dias do início do tratamento. Após isso, o uso de Prednisona durante e após o tratamento com MabThera.

Infusão

Para a realização da primeira administração, a bula recomenda fazer a infusão em uma velocidade de 50mg a cada 1 hora. Já nas infusões posteriores, é possível iniciá-las em uma velocidade de 100mg por hora. 

A velocidade pode ser aumentada de forma progressiva, de acordo com a orientação médica.

Para aplicação, é necessário que o(a) profissional de saúde dilua a dose recomendada de MabThera em soro fisiológico ou glicosado e faça a administração lentamente na circulação sanguínea.

A dose para cada paciente varia de acordo com seu quadro clínico e características físicas, como peso e altura.

MabThera é quimioterapia?

Não. MabThera não é quimioterapia.

A classificação do Mabthera é a de medicamento imunoterápico.

Fármacos imunoterápicos são aqueles que atuam ajudando o sistema imunológico do corpo a identificar as células causadoras de doenças. 

Isso, pois alguns tumores podem desenvolver mecanismos para passarem despercebidos pelo sistema imunológico humano. 

Dessa forma, a imunoterapia auxilia o corpo a identificar essas células doentes.

Quais os efeitos colaterais do MabThera?

Assim como outros medicamentos, o MabThera pode causar efeitos colaterais em algumas pessoas.

Vale lembrar que cada paciente reage de forma diferente ao uso da medicação, dessa forma, nem todos(as) terão efeitos colaterais.

As reações podem ser divididas de acordo com a doença tratada:

Linfoma não Hodgkin e Leucemia linfoide crônica 

Para casos de Linfoma não Hodgkin e Leucemia linfoide crônica, as reações muito comuns são:

  • Bronquite;
  • Infecções causadas por bactérias;
  • Infecções causadas por vírus;
  • Diminuição no número de glóbulos brancos no sangue;
  • Inchaço da língua;
  • Inchaço da garganta;
  • Náusea;
  • Coceira;
  • Erupção Cutânea;
  • Queda de cabelo;
  • Febre;
  • Calafrios;
  • Fraqueza;
  • Dor de cabeça;
  • Redução nos níveis de IgG (anticorpo).

Já os sintomas comuns são:

  • Infecção geral grave (sepse);
  • Pneumonia;
  • Infecção do trato respiratório;
  • Sinusite;
  • Hepatite B;
  • Redução de todas as células do sangue;
  • Redução de granulócitos no sangue (células de defesa);
  • Hipersensibilidade;
  • Aumento nos níveis de açúcar no sangue;
  • Redução do peso;
  • Edema na face;
  • LDH elevado (colesterol ruim);
  • Diminuição nos níveis de cálcio no sangue;
  • Perda ou diminuição de sensibilidade em parte do corpo;
  • Conjuntivite;
  • Distúrbio da lacrimação;
  • Zumbido no ouvido;
  • Dor de ouvido;
  • Infarto;
  • Alteração na frequência cardíaca;
  • Hipertensão;
  • Hipotensão;
  • Diminuição no calibre dos brônquios (broncoespasmos);
  • Dor no peito;
  • Falta de ar;
  • Aumento da tosse;
  • Rinite;
  • Vômito;
  • Diarreia;
  • Dor abdominal;
  • Dificuldade para engolir;
  • Inflamação na boca (estomatite);
  • Prisão de ventre;
  • Dificuldade na digestão;
  • Anorexia;
  • Irritação na garganta;
  • Urticária;
  • Sudorese;
  • Aumento da rigidez muscular;
  • Dor muscular;
  • Fadiga;
  • Falência múltipla de órgãos.

Entre as incomuns estão:

  • Anemia aplásica (produção insuficiente de células do sangue);
  • Anemia hemolítica (destruição dos glóbulos vermelhos do sangue);
  • Depressão;
  • Nervosismo;
  • Alteração no paladar;
  • Taquicardia;
  • Isquemia miocárdica (diminuição da irrigação do coração);
  • Asma;
  • Aumento abdominal;
  • Dor no local da aplicação. 

Artrite reumatoide 

Para pacientes que sofrem com artrite reumatoide, os efeitos colaterais muito comuns são:

  • Infecções do trato respiratório;
  • Infecções no trato urinário;
  • Hipertensão;
  • Náusea;
  • Erupção Cutânea;
  • Febre;
  • Coceira;
  • Irritações na pele;
  • Irritação na garganta;
  • Hipotensão;
  • Tremores;
  • Taquicardia;
  • Fadiga;
  • Dor de cabeça;
  • Níveis reduzidos de IgM (anticorpo);
  • Edema periférico (inchaço membros inferiores).

Já as reações comuns são:

  • Bronquite;
  • Sinusite;
  • Pé-de-atleta (infecção fúngica nos pés);
  • Gastroenterite (infecção estomacal);
  • Redução de glóbulos brancos no sangue;
  • Colesterol alto;
  • Sensibilidade alterada em uma região do corpo;
  • Enxaqueca;
  • Tontura;
  • Queda de cabelo;
  • Depressão;
  • Ansiedade;
  • Diarreia;
  • Refluxo;
  • Úlcera oral;
  • Dor abdominal;
  • Osteoartrite (doença degenerativa das articulações);
  • Bursite (inflamação das articulações);
  • Redução nos níveis de IgG (anticorpo).

As reações incomuns, mas que podem ocorrer, são:

  • Edema generalizado;
  • Broncoespasmos (diminuição no calibre dos brônquios);
  • Edema na laringe;
  • Coceira generalizada;
  • Edema generalizado;
  • Reação anafilactoide (reação alérgica).

Granulomatose com poliangiite e Poliangiite microscópica

Nos casos de pacientes que façam o uso do medicamento para o tratamento de Granulomatose com poliangiite e Poliangiite microscópica, as reações que podem ocorrer são:

  • Redução de plaquetas no sangue;
  • Diarreia;
  • Dispepsia (dificuldade na digestão);
  • Prisão de ventre;
  • Edema periférico (inchaço dos membros inferiores);
  • Síndrome de liberação de citocinas;
  • Infecção do trato urinário;
  • Bronquite;
  • Herpes zoster (doença que causa erupções na pele);
  • Infecção do nariz e garganta;
  • Redução nos níveis de hemoglobina;
  • Alto nível de potássio no sangue;
  • Espasmos musculares;
  • Artralgia (dor nas juntas);
  • Fraqueza muscular;
  • Tontura;
  • Tremores;
  • Insônia;
  • Tosse;
  • Falta de ar;
  • Sangramento pelo nariz;
  • Congestão nasal;
  • Acne;
  • Hipertensão.

Pênfigo vulgar

Em casos de Pênfigo vulgar, as reações que podem ocorrer em alguns(as) pacientes, são:

  • Queda de cabelo;
  • Coceira;
  • Urticária;
  • Distúrbio cutâneo;
  • Transtorno depressivo recorrente;
  • Irritabilidade;
  • Infecção pelo vírus do herpes;
  • Conjuntivite;
  • Fadiga;
  • Febre;
  • Tontura;
  • Dor abdominal;
  • Taquicardia;
  • Dor musculoesquelética;
  • Papiloma de pele (tumor de pele benigno).

Valor: qual o preço de MabThera e onde comprar mais barato? 

O preço do MabThera pode variar de acordo com a região geográfica e estabelecimento de compra.

Ele pode ser encontrado em farmácias físicas e online e seu preço é de aproximadamente*:

Caso haja a necessidade de comparar preços, é possível utilizar o site do Consulta Remédios, que indica os valores de medicamentos em diferentes farmácias de cada região. 

*Preços consultados em março de 2020. Os valores podem sofrer alterações.

Tem genérico?

Não. O princípio ativo Rituximabe não tem medicamentos genéricos.

Os remédios registrados atualmente na Anvisa que utilizam Rituximabe como princípio ativo não recebem a nomenclatura de referência e genérico. Esses, são nomes utilizados para medicamentos sintéticos.

Os medicamentos de Rituximabe, incluindo o MabThera, são caracterizados como biológicos.

Fármacos biológicos são aqueles produzidos a partir de células vivas, utilizando recursos da biotecnologia.

Esses recursos permitem que a ação da substância seja mais específica e direcionada às moléculas que têm relação com o desenvolvimento de doenças. 

Por serem produzidos a partir de organismos vivos, não há como realizar a produção idêntica entre um medicamento e outro, como ocorre com o referência e o genérico. 

Apesar disso, cópias podem ser legalmente produzidas, desde que comprovadas a similaridade na eficácia, qualidade e segurança. 

Essas cópias são nomeadas como medicamentos biossimilares.

Rituximabe tem no SUS?

Sim. O princípio ativo Rituximabe faz parte da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename), ou seja, da lista de medicamentos distribuídos pelo SUS.

Para casos em que, por algum motivo, a medicação não possa ser repassada e o(a) paciente não tenha condições de arcar com os custos do tratamento, há como solicitar a cobertura pelo Estado. 

Para isso, é necessário abrir um processo judicial, apresentando alguns documentos como o laudo médico e orçamento em 3 farmácias diferentes.

É aprovado pela ANVISA?

Sim. O MabThera teve seu registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) no ano de 1998. 

O fármaco faz parte da classe terapêutica de anticorpos monoclonais antineoplásicos CD20, ou seja, que tem como finalidade inibir o crescimento e disseminação de tumores malignos.

Como orçar MabThera?

Para casos em que o SUS não forneça a medicação, existe a possibilidade de solicitar  a cobertura do tratamento pelo Estado, por meio de uma ação judicial.

Nesse caso, é necessário apresentar alguns documentos. Entre eles:

  • Laudo Médico;
  • Exames;
  • Requerimento padrão;
  • Orçamento em 3 farmácias diferentes.

Para a realização do orçamento, é possível obter auxílio na assessoria de cotação de medicamentos de alto custo, que faz uma cotação personalizada. 

Basta acessar o link, preencher os dados necessários e aguardar o retorno.


Doenças autoimunes têm origem em uma falha no funcionamento do sistema imunológico, que resulta em respostas de defesa contra o próprio corpo. 

Para combater e aliviar os sintomas de alguns tipos desse problema, existem medicamentos como o MabThera.

Quer saber mais sobre medicamentos e tratamentos? O Minuto Saudável tem conteúdos completos do assunto para você! Leia mais e continue informado(a)!


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.