Lombalgia (Dor Lombar): o que é, sintomas, tratamento e remédios

19

O que é lombalgia?

A lombalgia é caracterizada como uma dor na região lombar, próxima a bacia, ou seja na região mais baixa da coluna. Popularmente, a condição é conhecida como “dor nos quartos”, “dor nos rins”,  “dor nas costas” ou “Lumbago”.

Essas dores podem se prolongar para a parte frontal das coxas, não muito além dos joelhos, e região dos glúteos. É importante destacar que a dor não precisa acompanhar necessariamente o caminho de um nervo específico.

PUBLICIDADE

O quadro geralmente é passageiro, sem grande prolongamento. Vale ressaltar ainda que a lombalgia não pode ser definida como doença, mas sim um conjunto de sintomas na região lombar.

Índice — neste artigo você irá encontrar as seguintes informações:

  1. O que é lombalgia
  2. Entendendo a anatomia da região lombar
  3. Tipos
  4. Causas
  5. Como evitar que se torne crônica
  6. Grupos de risco
  7. Sintomas
  8. Sintomas por localização
  9. Quando devo procurar um médico?
  10. Como é feito o diagnóstico da lombalgia?
  11. Lombalgia tem cura? Qual o tratamento?
  12. Medicamentos para lombalgia
  13. Convivendo
  14. Complicações
  15. Como prevenir a lombalgia?

Entendendo a anatomia da região lombar

A região lombar fica situada na parte inferior das costas, abaixo da caixa torácica e acima do sacro que liga a coluna à bacia. Sua estrutura conta com cinco vértebras (L1-L5), que são as maiores da coluna, e formam um “C” .

Pelo fato da região ser mais larga que as outras partes da coluna, há mais espaço para os nervos. Por conta disso, as dores na lombar representam as maiores queixas, já que essa área é a que suporta grande parte dos movimentos e peso do corpo.

Além disso, comumente é onde as pessoas colocam maior pressão, o que consequentemente força os músculos, discos e ligamentos.

Todos estes fatores podem criar traumas repetitivos que danificam a lombar.

Tipos de lombalgia

Em termos clínicos, existem dois tipos de lombalgia, que variam conforme sua duração.

Lombalgia aguda

Esta é a forma mais comum da lombalgia, que pode durar de quatro a seis semanas. A lombalgia aguda geralmente atinge as pessoas mais jovens e não possui nenhum fator definido, ocorrendo, em sua grande maioria, logo após um exercício físico devido ao excesso de esforço.

Lombalgia crônica

Com duração diferenciada do quadro agudo, a lombalgia crônica costuma durar aproximadamente 12 semanas e em sua maior parte atinge pessoas acima dos 35 anos. Sua origem é devido à inflamação de algum nervo da coluna.

Diferente do que se pensa, não é tão comum ser o agravamento do quadro agudo.

PUBLICIDADE

Causas da lombalgia

Predominantemente, as principais causas da lombalgia são os problemas posturais, sejam para sentar, levantar ou carregar objetos pesados. Atividades cotidianas que sobrecarregam as articulações das vértebras ou da coluna também podem causar lombalgia.

Outros fatores que influenciam são:

  • Infecção ou inflamação;
  •  Artrose;
  • Hérnia de disco;
  • Escorregamento de vértebras;
  •  Osteoporose;
  • Estenose do canal;
  • Lesões esportivas;
  • Traumas por quedas;
  • Compressão das raízes nervosas;
  • Espondilite anquilosante;
  • Câncer;
  • Ferimento das estruturas na lombar;
  • Estiramento muscular e de ligamento;
  • Doença degenerativa do disco;
  • Disfunção da articulação;
  • Deformidade;
  • Fatores emocionais.

Como evitar que uma lombalgia se torne crônica?

São inúmeras as medidas preventivas para o agravamento do quadro agudo de lombalgia:

  • Corrija a postura, principalmente na maneira de se sentar;
  • Proteja a coluna, deite ou sente-se quando for realizar exercícios com pesos;
  • Evite carregar sobrecarga ao transportar objetos;
  • Não fique curvado por muito tempo;
  • Ao se abaixar no chão, dobre os joelhos e não dobre a coluna;
  • Evite dormir em colchão excessivamente mole ou duro.

Grupos de risco

Pelo fato maioria dos casos estarem relacionados a erros durante atividades que exijam algum esforço físico, toda pessoa com vida ativa pode sofrer uma lombalgia. Porém, atletas devem se precaver mais, pois um erro no “amortecimento” dos impactos pela lombar, devido sua maior atividade em relação a outros grupos, pode favorecer o surgimento das dores.

Pessoas com o sistema imunológico prejudicado também devem tomar cuidados redobrados, pois uma simples inflamação pode originar uma lombalgia.

Sintomas da lombalgia

Os sintomas podem variar conforme sua origem e geralmente são diferenciados pelo tipo de dor.

As principais queixas relacionadas ao quadro são:

PUBLICIDADE

Dor constante na região lombar

De forma geral, essa dor é descrita como massante e intensa, ao invés de queimação local ou picada. Pode ser acompanhada de espasmos musculares, mobilidade muscular e dor na região do quadril.

Formigamento ou dormência nas nádegas, coxas e pés

Em alguns casos, a dor lombar é acompanhada por uma sensação aguda de picada, dormência ou formigamento, direcionada para nádegas, coxas, pernas e pés. Essa dor que se prolonga até o pé também é conhecida como dor do ciático. A ciática é causada por uma inflamação ou dano do nervo ciático e comumente é sentida em apenas um lado do corpo.

Piora da dor depois de acordar ou após longo período sentado

Relatos mostram que em alguns casos as crises de dor são mais intensas após acordar ou permanecer sentado por muito tempo. No primeiro caso, esta dor é causada devido à rigidez por longos períodos de descanso, diminuição do fluxo sanguíneo ou característica do colchão e travesseiro. Já no segundo, tem origem devido à pressão sobre os discos da coluna.

Andar e alongar pode aliviar a dor lombar rapidamente em ambas as situações, mas sentar-se novamente pode fazer os sintomas retornarem.

Dor que muda conforme a posição

Dependendo da origem da dor, pode ser mais confortável permanecer em algumas posições.

Curvar-se, por exemplo, pode aliviar a sensação de desconforto ao invés de caminhar com a postura ereta.

Outros sintomas incluem:

  • Contrações musculares;
  • Limitação de movimentos dos quadris e da pelve;
  • Incômodo para caminhar;
  • Dificuldade para dormir (em casos crônicos);
  • Depressão (em casos crônicos);
  • Ansiedade (em casos crônicos).

Sintomas da dor lombar por localização

As cinco vértebras da região lombar são mais propensas a danos e lesões devido ao fato de sustentarem grande peso da parte superior corporal. Assim sendo, os sintomas da lombalgia também podem sofrer alterações de acordo com a região afetada:

  • L3-L4: dor na parte frontal da coxa, com possibilidade de formigamento ou dormência. Embora seja menos comum, dores ou sintomas neurológicos podem se estender até o pé;
  • L4-L5: dor tipicamente conhecida como ciática, que atinge a parte posterior da coxa e possivelmente a panturrilha, combinada com dor lombar axial;
  • L5-S1 (ponto de conexão entre lombar e sacro): dor causada geralmente por problemas de articulações ou pela compressão de uma raiz nervosa. Comumente é a dor do ciático.

Saber diferenciar estes sintomas pode dar auxílio a um diagnóstico mais preciso em relação a origem da lombalgia.

PUBLICIDADE

Quando devo procurar um médico?

A lombalgia aguda acontece de repente, muitas vezes após uma lesão esportiva ou levantamento de peso, e costuma durar menos tempo. Porém, se a dor não apresentar melhora dentro de 72 horas e vier acompanhada de alguns sintomas, procure ajuda médica imediatamente.

Tais sintomas incluem:

  • Perda de controle do intestino ou da bexiga;
  • Fraqueza na perna;
  • Febre;
  • Dor ao tossir ou urinar;
  • Dor severa nas costas após queda, lesão ou trauma;
  • Perda de peso não relacionada a dietas ou mudanças de estilo de vida;
  • Dor abdominal severa.

Como é feito o diagnóstico da lombalgia?

Em aproximadamente 90% dos casos, a lombalgia é diagnosticada apenas realizando exame físico e conversa entre médico e paciente. Durante a consulta poderão ser realizados alguns procedimentos, como: palpação, teste neurológico, teste de reflexo, teste de amplitude de movimento e teste de elevação da perna.

Caso seja necessário, o médico também poderá solicitar alguns exames de diagnóstico por imagem, como a ressonância magnética, radiografia simples ou tomografia computadorizada.

Toda a avaliação é realizada pelo clínico geral, porém, se houver necessidade, pode ser solicitado o acompanhamento por profissionais com outras especializações, que variam conforme a causa e o tratamento da lombalgia.

Diagnóstico em crianças e adolescentes

Por não ser tão comum em adolescentes e crianças, é bastante importante o acompanhamento com um médico reumatologista. O profissional irá identificar a causa da lombalgia e suas possíveis complicações, além de atuar na prevenção do problema.

Lombalgia tem cura? Qual o tratamento?

A lombalgia é um problema totalmente curável e seu tratamento é bastante simples.

Antes de se iniciar o tratamento é necessário identificar o fator de causa desse quadro. Em seguida, o médico determinará qual será o tratamento mais eficaz, tendo como foco também a prevenção.

Em casos recorrentes de lombalgia, o médico pode solicitar o acompanhamento por um fisioterapeuta, a fim de reduzir e até eliminar a reincidência das ocorrências.

Tratamento alternativo

De acordo com o diagnóstico clínico, algumas terapias podem auxiliar no tratamento da lombalgia. Sendo elas:

  • Alongamento: tem como objetivo melhorar a condição física e a flexibilidade do corpo;
  • Fisioterapia: visa por meio de exercícios a restauração da força e função muscular;
  • Acupuntura: com o auxílio de agulhas inseridas em pontos específicos do corpo, ocorre o alívio da dor, assim como o tratamento dos distúrbios;
  • Meditação: auxilia na redução da sensação da dor e pode reduzir a depressão, ansiedade e problemas de sono, que comumente ocorrem com a lombalgia crônica;
  • Massagem terapêutica: alivia os espasmos musculares e aumenta o fluxo sanguíneo para a parte inferior das costas, acelerando a cicatrização e trazendo nutrientes e oxigênio para os músculos danificados;
  • RPG: técnica dedicada a ensinar o correto posicionamento de se sentar e respirar, melhorando a postura;
  • Quiropraxia: terapia que realiza diferentes manobras com o objetivo da melhora da mobilidade e redução da rigidez, desconforto ou dor.

Vale ressaltar que tratamentos que incluem movimentos bruscos, como a quiropraxia e o RPG, não devem ser realizados na fase aguda da lombalgia, devido ao risco da pressão nos nervos agravar a dor. Portanto, o médico sempre deverá ser consultado antes de se adotar qualquer tratamento alternativo.

Tratamento caseiro

Algumas medidas caseiras também podem ser bastante eficazes, como:

  • Utilizar bolsa de água quente por aproximadamente 20 minutos na região da dor, com uma almofada entre o abdômen e a superfície na qual está deitado;
  • Manter repouso;
  • Permanecer preferencialmente deitado, de lado, em posição fetal, com as pernas encolhidas;
  • Tomar banhos quentes, pois podem proporcionar alívio temporário da dor;
  • Não realizar massagem no local, quando o quadro de lombalgia for crônico.

Cirurgia

Na maioria dos casos a cirurgia é uma escolha do paciente, principalmente quando a lombalgia afeta habilidades funcionais. Porém, vale levar em consideração a opinião do profissional que acompanha o tratamento.

Em raras situações é recomendada a intervenção cirúrgica, especialmente em casos que não apresentam melhora em um período superior a doze semanas de tratamento não-cirúrgico.

Os procedimentos cirúrgicos incluem:

  •  Artrodese: Consiste na fixação de vértebras vizinhas pelo uso de uma ponte óssea (enxerto). É subdividida em três abordagens: anterior, posterior e lateral.
  • Artroplastia: Apresenta menor tempo de recuperação em relação a artrodese, e é realizada com uma prótese móvel.
  • Microdiscectomia: Realizado com grande frequência para o tratamento de hérnia de disco e em casos em que o paciente sente dor ciática. Trata-se de um método minimamente invasivo que realiza a remoção de qualquer fragmento que comprime o nervo espinhal.
  • Laminectomia: Retira parte do osso ou tecido que está comprimindo o nervo espinhal ou terminações nervosas.

Com o avanço da tecnologia, os procedimentos cirúrgicos são minimamente invasivos e apresentam tempo de recuperação menor, pós-cirúrgico menos desconfortável, além de cicatrizes com tamanhos reduzidos em relação às da cirurgia convencional.

Medicamentos para lombalgia

O tratamento medicamentoso é realizado por via oral com anti-inflamatórios, analgésicos ou relaxantes musculares. Quando a presença da dor é muito forte, a medicação pode ser administrada por via intramuscular ou intravenosa.

Os medicamentos comumente indicados para o tratamento da lombalgia são:

Atenção!

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas neste site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Convivendo

A convivência com a lombalgia geralmente não requer muitos cuidados. Porém, seguir repouso durante o tratamento é fundamental. Outro ponto bastante importante é não realizar atividades físicas durante o tratamento da lombalgia aguda sem o conhecimento de um médico, pois essas práticas podem agravar o quadro.

Complicações

Outros problemas podem ocorrer devido a complicações da lombalgia, apesar de ser baixo o percentual de evolução do quadro agudo para o crônico. As principais complicações incluem dores mais intensas.

Além disso, quando desencadeada pela má postura, a lombalgia pode provocar a perda do “amortecimento” dos impactos da coluna, criando assim a compressão dos nervos e evoluindo para uma hérnia de disco.

Como prevenir a lombalgia?

Para prevenir a lombalgia, você pode seguir as seguintes orientações:

  • Realizar atividades físicas regulares;
  • Possuir uma alimentação equilibrada e saudável;
  • Evitar o sobrepeso;
  • Corrigir e manter-se alerta a postura;
  •  Não permanecer curvado por muito tempo;
  • Ao abaixar-se, dobrar somente os joelhos e não a coluna.

Apesar de comum, a lombalgia deve ser monitorada e tratada. Especialmente em casos recorrentes, o acompanhamento com um fisioterapeuta e a prática de atividade física regular é de grande auxílio.

Se estas informações foram úteis para você, compartilhe com os amigos!

Referências

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/186lombalgia.html
https://www.itcvertebral.com.br/doencas-da-coluna/lombalgia
http://www.herniadedisco.com.br/doencas-da-coluna/lombalgia/
http://patologiadacoluna.com.br/lombalgia/
http://www.spine-health.com/conditions/lower-back-pain/lower-back-pain-symptoms
http://www.sbed.org.br/lermais_materias.php?cd_materias=541&friurl=_-Lombalgia-
http://www.spine-health.com/conditions/lower-back-pain/lower-back-pain-symptoms-diagnosis-and-treatment
http://www.spine-health.com/conditions/lower-back-pain/non-surgical-treatments-lower-back-pain
http://www.webmd.com/back-pain/ss/slideshow-low-back-pain-overview
http://www.cristianomenezes.com.br/2014/04/discectomia-lombar-minimamente-invasiva/
http://www.cristianomenezes.com.br/2014/04/laminectomia-lombar/
https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/fisioterapia/tratamento-cirurgico-da-lombalgia/27525
https://www.tuasaude.com/tratamento-para-lombalgia/

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (15 votos, média: 4,20 de 5)
Loading...

19 Comentários

Atenção: os comentários abaixo são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

  1. Ótima explicação, li várias, mas essa foi a mais completa. No momento estou com lombalgia e fazendo tratamento. Mas aqui, pude tirar mtas dúvidas. Parabéns!

  2. Nossa muito bom essas informações eu estou a meses com dor na lombar e infelismente os médico de minha cidade não estão funcionando quando precisamos e vou no 24 horas e so remédios e nada de exames. Talvez quando estiver quase morrendo eles fazem exames né. Pagar não tenho condições. Parabéns pelas informações nos ajudam e muito

  3. Eu já conhecia os sintomas e o tratamento a ser aplicado nesse caso, fui diagnosticado com Coxa artrose e Lombalgia já iniciei as fisioterapias. As informações foram de suma importância e fiquei mais tranqulo. Muito Obrigado.

  4. obrigado por estas informações, está me ajudando a tratar de uma lombalgia que já tá crônica. cousa: queda e traumatismo na região lombar. está com 8 meses que sofri uma queda de uma altura de 1,5 metro mais ou menos, já fui internado em Hospital para tratar disto. mas, só agora com estas matéria estou sabendo lidar com a lombalgia. sou grato ao Google. parabéns!

  5. Estou com uma dor lombar á 15 dias, no inicio auto mediquei-me com ipobrufeno e sentia melhoras, mas depois fui ao médico, deu-me 2 remédios Adalgur (500mg de paracetamol+2mg de tiocolquicosido) e Tramadol 37,5mg + 325mg de paracetamol na maior base e, estou na mesma. Acho que vou mesmo auto medicar-me visto alguns médicos serem uns nabos…

    • Carlos,não sou médica e sim paciente com problema na coluna lombar há anos. Portanto o que escreverei é apenas informação que talvez te ajude. O ibuprofeno é um dos remédios que mais amenizam as dores. Peça ao seu médico um remédio de uso controlado que não pode ser tomado por muito tempo,embora eu tome por mais de 2 anos. Esse remédio é a pregabalina ou dorene,de baixo custo e várias dosagens. Eu tomo 150 ml por dia (dizem ser uma dosagem muito alta). Já fiz duas infiltrações q. me ajudaram bastante. Espero ter ajudado. Boa sorte!.

    • Desculpe! não é automedicação,pois coloquei de forma clara que o remédio È DE USO CONTROLADO,em sendo assim creio q signifique ser necessário um médico para aviar um receituário,ou não?

  6. Obrigada pelas informações que muito me ajudaram a compreender o que estou passando neste momento. Lombalgia ciatica L5-S1, seguida de artrose e dois bicos de papagaio que começam a surgir. Em decorrência, estou um pouco deprimida. A dor é constante já há quinze dias, apesar dos medicamentos.

Deixe o seu comentário, nos preocupamos com sua opinião:

Por gentileza, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui

Lamentamos a não possibilidade de dar-lhe conselho médico ou responder a questões médicas e farmacêuticas individuais através de e-mail, pois apenas um médico pode prestar tal atendimento. Embora tentemos responder a todos os comentários, opiniões e e-mails que recebemos em até dois dias úteis, nem sempre é possível devido ao grande volume que recebemos. Por favor, tenha em mente que qualquer solicitação ao Minuto Saudável está sujeita aos nossos Termos de Uso e Política de Privacidade, ao enviar, você indica sua aceitação.