Remédios

Eprex: ação do medicamento para anemia secundária

Por Redação Minuto SaudávelPublicado em: 19/08/2022Última atualização: 19/08/2022
Por Redação Minuto Saudável
Publicado em: 19/08/2022Última atualização: 19/08/2022
Foto de capa do artigo

Após o diagnóstico de alguma doença, é preciso o tratamento adequado, reduzindo riscos de outras complicações. Esse é o caso de pacientes com Doença Renal Crônica (DRC), uma condição progressiva que pode desencadear alterações nas taxas de hemácias — ou seja, causar anemia.

A condição anêmica, favorecida pela DRC, além de causar outros sintomas, pode acelerar a progressão da doença renal. Por isso, o tratamento adequado é fundamental para controlar o quadro.

Entre as opções de medicamento está o Eprex. Uma substância injetável que promove rápida ação. Saiba mais sobre ele!

O que é Eprex e para que serve?

O Eprex é um dos nomes comerciais da substância alfaepoetina, do laboratório Janssen-Cilag. Ele é uma injeção indicada para aumentar a concentração de hemoglobina no sangue (proteína presente no interior das hemácias) e tratar quadros de anemia secundária em adultos ou crianças. 

Isso significa que a anemia é decorrente de outra condição. Por exemplo, quando há insuficiência renal crônica em pacientes sob diálise. 

O medicamento tem aspecto translúcido e transparente, sendo um líquido injetável, usado de modo subcutâneo ou intravenoso.

Seu uso visa evitar a necessidade de transfusões de sangue devido à baixa concentração de hemoglobina intensa, minimizando também outros riscos associados ao quadro. 

Vale ressaltar que pacientes com Doença Renal Crônica devem ser constantemente avaliados para a anemia, pois as chances de desenvolver o quadro são grandes. 

Clinicamente, são considerados quadros anêmicos quando exames indicam hemoglobina inferior a 13g/dL em homens e mulheres na pós-menopausa ou inferior a 12g/dL em mulheres na pré-menopausa.

Essa taxas baixas resultam em deficiência na entrega de oxigênio para órgãos e tecidos de todo o corpo. Dessa forma, pacientes podem manifestar fraqueza, dores de cabeça, mal-estar e outros sintomas, além de estarem mais vulneráveis aos problemas cardíacos.

Apesar de haver várias substâncias capazes de agir de forma semelhante (estimulando a eritropoese, ou seja, aumento do número de hemácias), a alfaepoetina é uma das mais estudadas, demonstrando boa eficácia e segurança em sua aplicação.

Eprex, em geral, é aplicado 3 vezes por semana até a estabilização das taxas de hemácias, continuando com aplicações semanas de manutenção que são avaliadas de acordo com cada quadro.

Para que serve? 

O uso de Eprex é avaliado em quadros de anemia secundária, por exemplo: 

  • Anemia causada pela insuficiência renal crônica, em pessoas adultas ou crianças fazendo diálise ou pré-diálise; 
  • Anemia associada ao câncer não mieloide e secundária à quimioterapia mielossupressora; 
  • Anemia em pessoas com AIDS fazendo uso de zidovudina (AZT). 

Além disso, o medicamento pode ser empregado em casos pré-operatórios em que a pessoa fará doação de sangue autóloga (o sangue é coletado e armazenado, ficando estocado até a época da cirurgia. Assim, a pessoa recebe a doação de seu próprio sangue, diminuindo riscos).

Também é possível usar o Eprex em períodos pré-operatórios de procedimentos ortopédicos de grande porte, para aumentar a taxa de hemoglobina, evitando transfusões de sangue autólogas.

Anemia na insuficiência renal é comum?

Sim! A doença Renal Crônica pode causar diversas complicações às pessoas portadoras, pois é uma condição progressiva, que geralmente desencadeia complicações sistêmicas. 

Entre elas, a anemia, que é quando há insuficiência de células vermelhas no sangue, acarretando em uma deficiência na distribuição de oxigênio aos órgãos e tecidos do corpo. 

Nas pessoas portadoras de doença renal crônica, há uma tendência grande de ocorrer anemia, sobretudo a partir do estágio III da DRC. Isso porque os rins produzem um hormônio importante para a formação dos glóbulos vermelhos, o eritropoietina. Sem ele, ocorre a deficiência de células sanguíneas.

Além disso, pode haver o aumento da produção de hormônios que inibem a absorção de ferro (hepcidina) e diminuição da produção de proteínas transportadoras de ferro.

Sem o ferro, o corpo também não consegue produzir adequadamente as células vermelhas (glóbulos vermelhos).

Além disso, o quadro é cíclico, pois após instalada a anemia, ela tende a agravar a progressão da doença renal crônica. Por isso, pacientes com o diagnóstico da doença devem ser constantemente avaliados e, se necessário, tratados.

Entre os exames indicados para a avaliação e acompanhamento dos quadros estão os índices hematimétricos, a contagem de reticulócitos, a taxa de ferro sérico, a saturação de transferrina e a ferritina sérica.

Quais os efeitos colaterais da Alfaepoetina?

O Eprex pode causar alguns efeitos colaterais. Isso não necessariamente vai ocorrer e, também, a intensidade e manifestação deles depende de cada pessoa. Entre eles, um dos mais comuns é a elevação da pressão arterial. Nesse caso, pode ser necessário o uso ou ajuste das doses de medicamentos para pressão alta. 

Além disso, outras manifestações comuns com o uso de alfaepoetina são: 

  • Diarreia; 
  • Náuseas; 
  • Vômitos; 
  • Febre; 
  • Dor de cabeça; 
  • Sintomas de gripe (dor no corpo e nas articulações, fraqueza, cansaço, calafrios). 

Menos comuns, mas ainda possíveis de ocorrer, são reações alérgicas, como erupções cutâneas, reações anafiláticas e angioedemas.

Eprex é genérico?

Não. O Eprex é um medicamento biológico que utiliza a alfaepoetina como substância ativa. Ou seja, ele não é genérico, mas também não é medicamento referência.

Os medicamentos biológicos são compostos de moléculas complexas, obtidos por meio de processos de biologia molecular e biotecnológicos.

Assim, a tecnologia empregada permite que a ação da substância seja mais seletiva, atuando com mais especificidade nas moléculas relacionadas às doenças.

Como aplicar?

O Eprex é administrado por injeção, sendo recomendado que a aplicação seja feita por especialistas ou pessoas treinadas por profissionais de saúde. Ele é aplicado de forma subcutânea ou intravenosa e alguns cuidados devem ser tomados antes da administração. 

Primeiro, é necessário que ele seja retirado da geladeira e deixado em temperatura ambiente, o que pode levar entre 15 a 30 minutos. Porém, é importante que o Eprex não fique mais de 60 minutos fora da geladeira e nem em contato com o sol. 

A aplicação deve ser única, ou seja, não misturada a outras medicações. Além disso, o manuseio deve ser cuidadoso, evitando chacoalhar ou agitar a solução. 

Todas as medidas de higiene devem ser feitas, conforme orientação médica. 

Para a aplicação subcutânea, a face anterior da coxa, braços ou abdômen podem ser escolhidos para a aplicação, respeitando a injeção máxima de 1mL em cada local.

Após esterilizar corretamente o local, deve ser feita uma prega cutânea, sem apertar muito a pele. A agulha deve ser introduzida inteira sob a pele e o êmbolo deve ser empurrado até todo o líquido ser injetado. 

Após todo o medicamento ter sido administrado, um clique poderá ser ouvido, indicando o acionamento de segurança Protects. Então, basta remover a agulha e soltar a prega cutânea. Nesse processo, o protetor da agulha irá cobri-la.

Preço e onde comprar mais barato?

O Eprex pode ser encontrado em farmácias e precisa de receituário médico para a aquisição (receita branca, ou seja, não há retenção). Existem diferentes opções de quantidades (UI), sendo que a escolha depende da orientação médica.

Entre elas*:

* Preços consultados em novembro de 2019. Os valores podem sofrer alteração.

Se você precisa fazer uma cotação do Eprex, basta acessar este link e contar com o auxílio de uma assessoria de cotação medicamentosa.


O Eprex é um dos medicamentos que podem ser necessários para recuperar o bem-estar e manter a qualidade de vida de pessoas com Insuficiência Renal Crônica.

Seu uso deve ser avaliado por profissionais de saúde e as recomendações devem ser seguidas à risca.

Para saber mais dicas e informações sobre tratamentos e medicações, acompanhe o Minuto Saudável!

Imagem do profissional Francielle Mathias
Este artigo foi escrito por:

Dra. Francielle Mathias

CRF/PR: 24612CompletarLeia mais artigos de Dra. Francielle

Compartilhe

Sobre o Minuto Saudável

Somos uma empresa do grupo Consulta Remédios. No Minuto Saudável você encontra tudo sobre saúde e bem-estar: doenças, sintomas, tratamentos, medicamentos, alimentação, exercícios e muito mais. Tenha acesso a informações claras e confiáveis para uma vida mais saudável e equilibrada.

Somos uma empresa do grupo Consulta Remédios. No Minuto Saudável você encontra tudo sobre saúde e bem-estar: doenças, sintomas, tratamentos, medicamentos, alimentação, exercícios e muito mais. Tenha acesso a informações claras e confiáveis para uma vida mais saudável e equilibrada.
Banner anuncie em nosso site
Banner anuncie em nosso site
Nos acompanhe nas redes sociais:
Atenção: O conteúdo do site Minuto Saudável, como textos, gráficos, imagens e outros materiais são apenas para fins informativos e não substitui o conselho médico profissional, diagnóstico ou tratamento. Se você acha que pode ter uma emergência médica, ligue para o seu médico ou 192 imediatamente. Minuto Saudável não recomenda ou endossa quaisquer testes específicos, médicos (profissionais de saúde), produtos, procedimentos, opiniões, ou outras informações que podem ser mencionados no site. A confiança em qualquer informação contida no site é exclusivamente por sua conta e risco. Se persistirem os sintomas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico. Leia a bula.

Minuto Saudável © 2022 Blog de Saúde, Beleza e Bem-estar
Política de Privacidade