Muitas mulheres fazem algum tipo de química nos cabelos. Na fase da gravidez, uma série de cuidados precisa ser tomada, mas e depois do parto? Já pode fazer luzes ou pintas os cabelos?

O Minuto Saudável esclarece alguns cuidados fundamentais para proteger a saúde da mãe e do bebê:

Índice — neste artigo você vai encontrar:

  1. Pode pintar o cabelo amamentando?
  2. Quais os cuidados ao pintar o cabelo enquanto estou amamentando?
  3. Quanto tempo após o parto pode pintar o cabelo?

Pode pintar o cabelo amamentando?

Sim. Atualmente, as tinturas disponíveis no mercado contam com diversas formulações que não são consideradas tóxicas para o organismo, até mesmo para as mães lactantes.

Apesar de terem poucas pesquisas que mostrem os efeitos da tintura durante a amamentação, pintar o cabelo não oferece riscos ao bebê.

De acordo com informações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), as mulheres não precisam parar de tingir os cabelos durante a amamentação.

O que se sabe é que as tinturas de qualidade que são usadas pelas mães não oferecem uma grande ameaça para a criança que se alimenta do leite materno. 

Os especialistas da SBP reforçam que se a tintura não tiver chumbo em sua composição, pintar o cabelo é algo considerado seguro tanto para as mães quanto para os bebês. Sabe-se que o chumbo é um metal que pode ser passado para a criança por meio do leite materno.


Outra questão importante é que o cheiro das tinturas e/ou procedimentos estéticos capilares podem fazer mal para as crianças. Alguns pediatras acreditam que, dependendo do produto usado, ele pode causar rinite alérgica, ou seja, inflamação das mucosas do nariz ou diferentes tipos de irritações nos bebês.

Por isso, em caso de dúvidas se essas substâncias são prejudiciais ao bebê, é importante consultar um pediatra ou obstetra para ter orientações corretas antes de qualquer procedimento estético.

Quais os cuidados ao pintar o cabelo enquanto estou amamentando?

O principal cuidado que as mães que estão em fase de aleitamento devem ter é em relação à composição da tintura escolhida. Esse produto precisa ser livre de metais pesados como o chumbo, já que ele pode causar problemas no desenvolvimento da criança, mesmo em pequenas quantidades. 

Por isso, na hora de tingir o cabelo é importante investir em produtos de qualidade e sem esse metal. Os rótulos das tinturas capilares que levam chumbo em sua composição precisam trazer essa informação e alertar sobre  os riscos de uso em grupos de pessoas específicos, como lactantes. Dessa forma, leia sempre os rótulos desses produtos antes de usar.

Se achar necessário, compre a tintura e leve para o cabeleireiro ou cabeleireira para ter certeza do que está sendo aplicado nos cabelos.

Uma alternativa é recorrer à tintura semipermanente (conhecidos também como tonalizantes) que são livres desses componentes. Porém, a desvantagem é que duram menos e podem desbotar durante as lavagens. Mas é uma forma de garantir a segurança e manter os fios tonalizados por um tempo.

É importante também evitar levar a criança no salão de beleza enquanto passa a tinta nos cabelos para que ela não seja exposta aos produtos. E se for fazer em casa, evite que ela fique perto da tintura.

Lactantes podem fazer luzes?

Sim. As luzes são mechas bem finas em tons mais claros dos fios que são puxadas da raiz até a ponta dos cabelos.

A única ressalva para lactantes nesses casos é que a tintura ou descolorante não encoste no couro cabeludo. As mechas precisam ser puxadas com um espaço de pelo menos um dedo da raiz do cabelo para não oferecer riscos.

Essa atitude consegue evitar que as substâncias usadas na tintura ou descolorante entrem em contato com a corrente sanguínea e passem para o bebê durante a amamentação.

Pode usar tinta com amônia?

Sim. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP),  as tinturas que contenham amônia em sua composição também não precisam ser evitadas por quem amamenta.

Isso porque ainda não há nenhuma comprovação científica que demonstre que esses produtos possam fazer mal para os bebês que estão sendo amamentados pelas mães.

Mas, de qualquer forma, se for possível, é melhor evitar a substância durante a fase de lactação e escolher opções mais naturais como os tonalizantes.

Pode fazer outras químicas no cabelo?

Depende. Há diversos tipos de tratamentos capilares disponíveis atualmente. E alguns produtos podem ser prejudiciais para as mães lactantes.

É o caso das escovas progressivas que utilizam formol e outros procedimentos que podem conter substâncias prejudiciais tanto para o bebê quanto para a mãe.

O formol é uma delas, que serve como alisante nesses produtos e não tem aprovação de uso pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e nem da Organização Mundial de Saúde (OMS) devido ao seu alto potencial de intoxicação ao organismo.

Por isso, seu uso irregular pode causar irritações, coceiras, inchaços, queimaduras, ardências nos olhos, tosse, falta de ar, entre outros sintomas mais graves.

Nesses casos, quando a mãe usa alguma química que contenha formol há o risco de que a substância seja absorvida pela pele e transmitida pelo leite para a criança.

Além do formol, é importante ficar longe de substâncias como metileno glicol, ácido glioxílico, aldeído fórmico, oximetileno, oximetano e chumbo.

Dessa forma, é fundamental verificar a composição química nas embalagens do produto antes de usá-lo.

Além da progressiva, há outros procedimentos capilares que podem levar produtos químicos como relaxamentos, selagem, botox capilar, escova de chocolate ou de açúcar, queratinização ou cauterização.

A recomendação é checar a embalagem e até mesmo discutir com especialistas de saúde para saber quais são os riscos de todos os componentes e se há liberação para fazer os procedimentos. Ele(a) deve orientar quais são os cuidados necessários.

Também é importante ter bastante confiança no(a) profissional de beleza escolhido e saber que os produtos usados nos tratamentos capilares são de qualidade e não oferecem riscos para a saúde.  Há muitos produtos que não são registrados pela Anvisa e podem causar problemas quando usados.

Quanto tempo após o parto pode pintar o cabelo?

Não há um consenso do período exato. O ideal é que procedimentos estéticos  como pintar o cabelo sejam realizados após o puerpério, período logo após o parto que costuma durar de 6 a 8 semanas. O puerpério chega ao fim quando a mulher menstrua novamente.

Mas o ideal é esperar alguns meses após o parto, se for possível aguardar. Vale reforçar que qualquer procedimento químico ou estético não deve ser realizado sem a autorização de profissionais de saúde que acompanham a mãe e o bebê.

É ainda mais preocupante se a mãe tem algum histórico alérgico a qualquer componente usado em tinturas de cabelo.

Parto normal e cesárea: tem diferença no tempo?

Não há diferença no período que se deve esperar para tingir o cabelo devido ao tipo de parto. 

O que pode acontecer é que no parto realizado por meio de uma cesárea a mãe precisa de mais tempo para se recuperar devido ao corte abdominal. Mas isso é bastante individual.

De qualquer forma, o ideal é que os procedimentos estéticos como pintar o cabelo sejam feitos após o puerpério, independentemente do tipo de parto realizado.


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.