O que é Distonia, sintomas, tratamento, tipos, diagnóstico e mais

0

O que é Distonia?

A distonia é uma doença do sistema nervoso que causa o movimento involuntário (espasmos) de algumas partes do corpo, provocando movimentos e posições não comuns. Quando o problema ataca, a pessoa pode ficar um tempo sem conseguir se mexer por conta da contração involuntária do músculo.

As distonias idiopáticas afetam entre 2 e 50 pessoas a cada 1 milhão. Já as adquiridas, mais frequentes, afetam 1 a cada mil habitantes. Quem mais sofre as distonias adquiridas são pessoas com mais de 50 anos de idade.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Índice neste artigo você encontrará as seguintes informações:

  1. O que é Distonia?
  2. Causas
  3. Quais os tipos de Distonia?
  4. Fatores de risco
  5. Os sintomas da Distonia
  6. Diagnóstico da Distonia
  7. Tratamento para Distonia
  8. Convivendo com o problema/ Complicações
  9. Prevenção

Causas

A distonia pode ocorrer por diversas causas, como:

  • Congênita;
  • Genética;
  • Idiopática (sem causa aparente);
  • Adquiridas de outros problemas: AVC, encefalite, falta de oxigênio, traumatismo craniano, efeito colateral de medicamentos, lesão por esforço repetitivo e intoxicação por algum metal pesado ou monóxido de carbono.

Quais os tipos de Distonia?

A distonia pode ser dividida em dois tipos e em várias classificações.

Existe a distonia primária ou idiopática, que é uma condição em que só tem a distonia como sintoma principal, e a distonia secundária ou sintomática, que é o resultado de algum outro problema já adquirido, como AVC, encefalite e outros problemas.

As classificações podem ser feitas  de acordo com a idade do paciente ou então como tipos de distonia.

Precoce

A precoce é identificada antes dos 21 anos de idade e, a mais comum, é a distonia generalizada.

Tardia

A tardia aparece após os 21 anos de idade, comprometendo a musculatura craniana e/ou cervical ou do braço. Possui tendências de permanecer em áreas restritas dos músculos adjacentes, caracterizando as formas segmentadas ou focais.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Distonia focal

Ocorre em somente uma parte do corpo, como só no pescoço, ou só na mão, ou só nos pés.

Quando atinge os olhos é conhecido como distonia focal blefarospasmo, pois afeta os músculos dos olhos. Primeiramente causa irritação nos olhos, aumenta o número de piscadas e a sensibilidade à luz também é maior.

Distonia oromandibular

Os espasmos afetam o rosto, em partes específicas, como língua, boca e mandíbula. Movimentos de abrir ou fechar a boca, assim como articular palavras, engolir e mastigar podem ser prejudicadas.

Disfonia espasmódica

Compromete os músculos das cordas vocais, dificultando ou impossibilitando articular palavras, além da voz se tornar inaudível. Os espasmos costumam ocorrer na laringe, faringe e também nas pregas vocais. Quando a voz sai, ela pode ser meio cortada ou com aspecto de sussurro.

Torcicolo espasmódico

O torcicolo é o tipo mais comum de distonia. Vários músculos podem ser afetados, alterando a postura. O pescoço e/ou cabeça podem travar, impossibilitando a rotação e os desvios para alguns dos lados.

Cãibra do escrivão

Além de ser muito comum em escrivãos, os músicos sofrem com o problema por conta de realizar uma tarefa repetidamente por muito tempo. A doença pode evoluir com o tempo e só ter melhoras se houver repouso.

Distonia segmentar

Esse tipo de distonia não é restrita a somente uma parte do corpo, como, por exemplo, só a mão, ou só o pescoço. Nesse caso, é comum afetar duas partes ao mesmo tempo, como a distonia oromandibular e a espasmódica.

Hemidistonias

Nesses casos, os músculos afetados são sempre do mesmo lado do corpo e podem surgir em qualquer idade.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Distonias generalizadas

É o tipo de distonia mais incomum dentre as outras já citadas. Os sintomas costumam demorar a surgir, mas são progressivos. Podem surgir durante a infância, com contrações no(s) pé(s) ao andar e até parado.

Esse tipo de distonia afeta outros músculos do corpo, provocando dificuldade ao caminhar e, muitas vezes, a pessoa precisa de ajuda para se locomover e realizar atividades diárias.

Fatores de risco

Um fator de risco é a genética. A distonia está presente nas formas hereditárias, podendo ser passada de geração para geração. Pacientes que possuem a mutação tem mais chances de terem o problema do que os que não a tem.

Existem fatores que podem agravar os sintomas, eles são:

  • Cansaço;
  • Estresse;
  • Falta de ar;
  • Desidratação;
  • Toxinas;
  • Má alimentação;
  • Medicamentos psicotrópicos.

Os sintomas da Distonia

No início da doença, os sintomas podem se tornar imperceptíveis, mas, com o passar do tempo, a intensidade e a frequência aumentam, fazendo o músculo se diferenciar dos outros.

Os principais sintomas são:

  • Cãibras;
  • Tremores;
  • Problemas na escrita;
  • Dificuldade ao segurar objetos;
  • Dor;
  • Aumento do músculo (hipertonia);
  • Posturas incomuns, como desvio no pescoço.

Diagnóstico da Distonia

O médico indicado para tratar esse tipo de problema é o neurologista.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Como já citado anteriormente, a distonia pode ter diversas causas. E, para diagnosticá-la, vários estudos e exames podem ser feitos. Geralmente o diagnóstico é feito com base em um “tripé”: exame físico, exames complementares e história.

É necessário que o médico colha boas informações com o paciente, sobre o histórico dele, da família, se há o uso de algum medicamento específico, os sintomas, etc.

Os exames são neurológicos, exames de sangue, testes genéticos e neuroimagens.

Tratamento para Distonia

Os tratamentos são feitos de diversas maneiras. Como não há causa específica, o tratamento é feito pelo alívio dos sintomas.

Medicamentos

  • Profissionais especializados, como neurologistas ou fisiatras, aplicam toxina botulínica tipo A (botox) nos músculos afetados.
  • Relaxante muscular pode ser usado em casos de distonia generalizada e também na focal.
  • Levodopa pode ser utilizada em crianças e adolescentes com distonia nos membros inferiores ou generalizadas.

Terapia

  • A fisioterapia pode ser indicada para diminuir os sintomas.
  • A fonoaudiologia pode ser indicada se a voz for afetada.
  • Massagens e alongamentos podem ser feitos também para aliviar as dores musculares.
  • Truques sensoriais que ajudam a reduzir as contrações podem ser feitas para que o paciente tenha uma melhor qualidade de vida.

Cirurgia

Geralmente, a cirurgia só é recomendada se os sintomas forem muito graves.

  • Fazer a estimulação cerebral profunda, onde eletrodos são implantados na cirurgia em uma parte específica do cérebro e um gerador é implantado também no peito. Esse gerador envia impulsos para o cérebro para ajudar no controle muscular.

Medicina alternativa

Os tratamentos alternativos podem ser feitos através de:

  • Meditação e respiração profunda.
  • Biofeedback, que são dispositivos eletrônicos que monitoram as funções do corpo, como tensão muscular e stress.
  • Ioga é uma alternativa para alongar os músculos e melhorar a postura.

O tratamento é feito de diversas formas e diversos especialistas podem ser úteis, como terapeuras ocupacionais, fonoaudiólogos, psicólogos e fisioterapeutas.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Atenção! 

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

Convivendo com o problema / Complicações

A distonia não tem cura, mas tem tratamento, como já citado acima, e reduzir os sintomas é o principal objetivo.

Reduzir o stress pode melhorar os sintomas e fazer técnicas de calor ou frio ajuda a aliviar as dores musculares.

Se o problema não for tratado corretamente, diversos problemas podem surgir, como impactos sociais (depressão, fobia social e ansiedade) ou, então, problemas físicos, como dor e dificuldade ao realizar atividades básicas.

O objetivo é sempre diminuir os impactos da doença e aumentar a qualidade de vida do paciente. Fisioterapia pode ser indicado para que o músculo afetado seja trabalhado para melhorar a mobilidade do paciente.

Prevenção

Não há como prevenir a doença, mas se algum familiar seu possui distonia, há exames que podem identificar se você também possui o gene ou se possui chances de transmiti-lo.


A distonia é uma doença que costuma afetar os músculos. Informar-se sobre o problema é a melhor forma de garantir um melhor tratamento e, consequentemente, garantir uma melhor qualidade de vida.

PUBLICIDADE: CONTINUE LENDO O CONTEÚDO :)

Referência

http://www.medtronicbrasil.com.br/your-health/dystonia/index.htm
http://www.news-medical.net/health/What-is-Dystonia-(Portuguese).aspx
http://www.dranidiapires.com.br/entenda-mais-sobre…/o-que-e-distonia
http://www.conhecersaude.com/adultos/3231-distonia.html
http://www.manuaismsd.pt/?id=93&cn=877
https://pt.wikipedia.org/wiki/Distonia
http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/dystonia/home/ovc-20163692
http://www.your.md/condition/dystonia

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 1,00 de 5)
Loading...

Faça um comentário:

Por favor, escreva seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui