De acordo com dados divulgados na estimativa de 2020 do Instituto Nacional de Câncer (INCA), nos próximos anos, o Brasil terá 625 mil novos casos de câncer ao ano.

Alguns dos tipos mais comuns são o câncer de pele, próstata, mama, pulmão e estômago.

Essa é uma doença grave e vários aspectos estão relacionados às suas causas.

Para o tratamento de alguns dos tipos, há medicamentos como o Keytruda, que auxilia no combate a diversos tumores.

Continue lendo e saiba mais sobre o medicamento!

Índice — neste artigo você vai encontrar:

  1. O que é injeção de Keytruda?
  2. Para que serve o medicamento Keytruda?
  3. Como atua o princípio ativo Pembrolizumabe conforme a bula?
  4. Como a bula indica usar o Keytruda?
  5. Quais os efeitos colaterais de Keytruda?
  6. Valor: qual o preço de Keytruda?
  7. Tratamento gratuito: pembrolizumabe  tem no SUS?
  8. Keytruda é aprovado no Brasil pela ANVISA?
  9. Como orçar Keytruda?

O que é injeção de Keytruda?

Keytruda é o nome comercial do princípio ativo Pembrolizumabe — anticorpo sintético produzido em laboratório.

É um medicamento utilizado no tratamento de alguns tipos de câncer, como o de pulmão e rim, e sua administração é via injeção intravenosa (na veia).


Seu uso pode ser indicado em conjunto com medicamentos quimioterápicos ou de forma isolada, de acordo com a condição tratada.  

 É fabricado pela empresa farmacêutica Merck Sharp and Dohme e seu uso é adulto.

Para que serve o medicamento Keytruda?

O medicamento Keytruda serve para o tratamento de diversos tipos de tumor. Sendo eles:

  • Câncer de pulmão células não pequenas;
  • Melanoma em estágio avançado — câncer de pele;
  • Carcinoma de células renais — câncer de rim;
  • Linfoma de Hodgkin clássico — câncer no sistema linfático;
  • Adenocarcinoma gástrico — câncer de estômago;
  • Carcinoma urotelial — câncer na bexiga;
  • Carcinoma de cabeça e pescoço de células escamosas — câncer de cabeça e pescoço.

Ele é indicado para pessoas em que o câncer se espalhou ou que não pode ser retirado por cirurgia.

Pode ser utilizado também como tratamento adjuvante para impedir que um tumor retorne em pacientes que realizaram a cirurgia para remoção de melanoma.

Como atua o princípio ativo pembrolizumabe conforme a bula?

O princípio ativo Pembrolizumabe é um anticorpo monoclonal, ou seja, produzido em laboratório. 

De acordo com a bula, ele atua inibindo alguns mecanismos e ajudando o sistema imunológico a combater os tumores.

Isso porque, em pacientes, as proteínas chamadas de PD1 se ligam aos seus receptores específicos, resultando no controle de linfócitos e dificultando o combate às doenças.

O Keytruda age neutralizando o PD1, pois se liga aos receptores o que reativa os linfócitos T citotóxicos específicos do tumor.

Como a bula indicar usar o Keytruda?

O medicamento deve ser administrado em ambiente hospitalar, por um(a) profissional capacitado.

De acordo com a bula, a dose indicada é 200mg, aplicada via infusão intravenosa por um período de 30 minutos. É recomendada 1 aplicação a cada 3 semanas.

Se utilizado como tratamento combinado à quimioterapia, o Keytruda deve ser administrado primeiro. 

Apesar das indicações, siga sempre as orientações médicas. 

Quais os efeitos colaterais de Keytruda?

Assim como outros medicamentos, o Keytruda pode provocar efeitos colaterais em algumas pessoas.

Pode-se dividi-los em: uso isolado e uso conjunto à realização de quimioterapia.

Apesar das reações que serão listadas, vale lembrar que cada organismo reage de forma diferente ao uso da medicação. Dessa maneira, nem todos(as) os(as) pacientes sofrerão com os efeitos colaterais.

Uso isolado

Quando administrado de forma isolada, ou seja, sem o uso de outras medicações em paralelo às reações muito comuns constatadas são:

  • Redução no número de glóbulos vermelhos;
  • Redução da atividade da glândula tireoide;
  • Coceira;
  • Erupção cutânea;
  • Dor de cabeça;
  • Tosse;
  • Falta de ar;
  • Diarreia;
  • Náusea;
  • Vômito;
  • Dor no estômago;
  • Prisão de ventre;
  • Dor nos músculos;
  • Dor nas articulações;
  • Sensação de cansaço;
  • Inchaço;
  • Febre.

Os efeitos comuns são:

  • Infecção no pulmão;
  • Inflamação no pulmão;
  • Pressão alta;
  • Olho seco;
  • Redução no número de glóbulos brancos;
  • Redução no número de plaquetas;
  • Calafrios;
  • Frequência cardíaca anormal;
  • Problemas para dormir;
  • Tontura;
  • Inflamação dos nervos;
  • Atividade excessiva da glândula tireoide;
  • Redução do sódio, potássio ou cálcio no sangue;
  • Fraqueza;
  • Perda de cabelo;
  • Erupção vermelha elevada;
  • Acne;
  • Pele seca;
  • Coceira;
  • Teste da função renal anormal;
  • Aumento de cálcio no sangue;
  • Aumento de enzimas do fígado.

Já as incomuns, mas que podem ocorrer, são:

  • Redução nos níveis de glóbulos brancos;
  • Inflamação dos rins;
  • Inflamação do pâncreas;
  • Inflamação do fígado;
  • Inflamação da cobertura do coração;
  • Inflamação dos olhos;
  • Inflamação ao redor dos tendões;
  • Inflamação da pele;
  • Inflamação da tireoide;
  • Dor nos olhos;
  • Crescimento de pele espessa;
  • Alteração na coloração do cabelo;
  • Feridas na pele;
  • Convulsão;
  • Diabetes tipo 1;
  • Desordem imunológica;
  • Acúmulo de fluido ao redor do coração;
  • Diminuição da secreção de hormônios suprarrenais.

Entre os efeitos colaterais raros, há:

  • Perfuração no intestino delgado;
  • Coceiras e feridas nas mucosas da face e região genital;
  • Pele inchada e avermelhada;
  • Inflamação do músculo do coração;
  • Inflamação da membrana ao redor da medula espinhal e cérebro;
  • Incontinência urinária;
  • Formigamento nos braços e pernas;
  • Fraqueza nos braços e pernas;
  • Inflamação dos nervos;
  • Inflamação do cérebro;
  • Resposta inflamatória contra plaquetas ou glóbulos vermelhos.

Caso haja alguma reação anormal, seu médico(a) deve ser informado(a).

Uso com quimioterapia

Quando a administração da medicação é feita em conjunto com a realização de quimioterapia, os efeitos colaterais podem ser um pouco diferentes.

Entre os muito comuns estão:

  • Diminuição do número de glóbulos vermelhos;
  • Diminuição do número de glóbulos brancos;
  • Diminuição do número de plaquetas;
  • Redução de potássio no sangue;
  • Falta de apetite;
  • Tontura;
  • Dor de cabeça;
  • Inflamação dos nervos;
  • Falta de ar;
  • Diarreia;
  • Vômito;
  • Náusea;
  • Dor de estômago;
  • Prisão de ventre;
  • Erupção cutânea;
  • Coceira;
  • Perda de cabelo;
  • Dor nos músculos;
  • Dor nos ossos;
  • Febre;
  • Aumento do lacrimejamento;
  • Sensação de cansaço e fraqueza.

As reações comuns, são:

  • Infecção no pulmão;
  • Inflamação no pulmão;
  • Problemas na glândula tireoide;
  • Redução de sódio no sangue;
  • Redução de cálcio no sangue;
  • Problemas para dormir;
  • Frequência cardíaca alterada;
  • Pressão alta;
  • Inflamação do intestino;
  • Dor muscular;
  • Inflamação dos rins;
  • Calafrios;
  • Aumento de cálcio no sangue.

Já as incomuns, mas que podem ocorrer:

  • Diabetes tipo 1;
  • Ataques epilépticos;
  • Acúmulo de líquido ao redor do coração;
  • Inflamação do pâncreas;
  • Inflamação do fígado;
  • Inflamação da pele;
  • Crescimento de pele espessa;
  • Alterações na coloração da pele;
  • Inflamação ao redor dos tendões;
  • Aumento no número de enzimas amilase — substâncias que quebram amido.

Entre as reações raras estão:

  • Redução no número de células brancas do sangue;
  • Inflamação do músculo do coração;
  • Alteração na cor do cabelo.

Caso haja alguma reação anormal, consulte seu(ua) médico(a). 

Valor: qual o preço de Keytruda?

O preço do Keytruda pode variar de acordo com a região geográfica e estabelecimento de compra.

Em geral, seu valor é de R$18.500*.

Caso haja a necessidade de comprar preços, o site do Consulta Remédios pode ser utilizado, já que indica os valores de medicamentos em diferentes farmácias de cada região.

*Preços consultados em março de 2020. Os valores podem sofrer alterações.

Tratamento gratuito: pembrolizumabe tem no SUS?

Não. O princípio ativo Pembrolizumabe não faz parte da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename), ou seja, da lista de fármacos distribuídos diretamente pelo SUS.

Porém, para pacientes com prescrição médica e não tenham condições financeiras de arcar com o tratamento, há a possibilidade de solicitar o custeio pelo Estado, entrando na justiça.

Nesse caso, é necessário abrir um processo judicial e apresentar alguns documentos como: laudo médico, exames e o orçamento em 3 farmácias diferentes.

Keytruda é aprovado no Brasil pela ANVISA?

Sim. O medicamento Keytruda teve seu registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) no ano de 2016.

Ele faz parte da classe terapêutica de “outros antineoplásicos”, ou seja, de fármacos que tem como objetivo evitar e inibir o crescimento de tumores.

Como orçar Keytruda?

Pacientes que necessitem da medicação, mas não tenham como arcar com seus custos, têm a possibilidade de entrar na justiça e solicitar o custeio do tratamento pelo Estado.

Para isso, é necessário abrir um processo judicial, com alguns documentos. Entre eles:

  • Laudo Médico;
  • Exames;
  • Requerimento padrão;
  • Orçamento em 3 farmácias diferentes.

Para a realização do orçamento, é possível obter auxílio na Assessoria de cotação de medicamentos de alto custo, que faz uma cotação personalizada de forma simples e rápida. Basta acessar o link e preencher os dados necessários.


A descoberta de um câncer pode ser difícil, tanto para quem sofre com o problema quanto para quem convive com a pessoa. 

Para diminuir os desconfortos e ajudar na luta contra a doença, existem algumas medicações.

É o caso do Keytruda, fármaco que auxilia o sistema imunológico a atacar o tumor.

O Minuto Saudável tem outros conteúdos sobre remédios e saúde para você! Leia mais e continue informado(a)! 


Minuto Saudável: Somos um time de especialistas em conteúdo para marketing digital, dispostos a falar sobre saúde, beleza e bem-estar de maneira clara e responsável.